SEMANA 03 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

A temporada de premiações dita as regras das estreias. E, por isso, quatro das cinco estreias são dramas que tentam sua vaga entre as indicações ao Oscar ou que já ganharam alguma premiação no Globo de Ouro. Entram em cartaz Creed – Nascido para Lutar (2015), de Ryan Coogler; Carol (2015), de Todd Haynes; A Grande Aposta (2015), de Adam McKay; e Steve Jobs (2015), de Danny Boyle. Correndo por fora, mas abarcando uma fatia maior do mercado, a animação Snoopy & Charlie Brow – Peanuts, o Filme (2015), de Steve Martino. Enquanto isso, a Mostra Retrospectiva 2015/Expectativa 2016 continua fazendo a alegria dos cinéfilos. Confira a rica programação na página do Facebook do Cinema do Dragão

Sylvester Stallone e Michael B. Jordan em CREED - NASCIDO PARA LUTAR (2015), de Ryan Coogler

Sylvester Stallone e Michael B. Jordan em CREED – NASCIDO PARA LUTAR (2015), de Ryan Coogler

Sylvester Stallone teve um pouco de resistência a aceitar reviver o papel de Rocky Balboa neste filme que não foi idealizado por ele. Foi o primeiro filme com o personagem que não foi escrito pelo ator/roteirista/diretor. E tendo em vista o resultado positivo do longa e até as indicações e premiações (Stallone levou o Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante no domingo passado), agora ele está aberto até a possíveis sequências. Na trama de Creed – Nascido para Lutar, Adonis Johnson é filho do famoso boxeador Apollo Creed, que morreu durante uma luta em Rocky IV (1985). Agora ele quer seguir os passos do pai e como mentor ele procura o velho amigo e ex-rival do pai, o boxeador aposentado Rocky Balboa. O resto da história a gente pode imaginar, mas o trabalho desenvolvido por Ryan Coogler, de Fruitvale Station – A Última Parada (2013), pode trazer boas novidades. Creed é um filme bastante aguardado e que traz de volta um personagem carismático e querido. Pode ser um sucesso popular. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

CREED – NASCIDO PARA LUTAR (Creed, EUA, 2015), de Ryan Coogler. Com Michael B. Jordan, Sylvester Stallone, Tessa Thompson, Phylicia Rashad, Andre Ward, Tony Bellew, Ritchie Coster, Jacob ‘Stitch’ Duran, Graham McTavish, Malik Bazile. 133 min. Warner. 12 anos.

Cate Blanchett em CAROL (2015), de Todd Haynes

Cate Blanchett em CAROL (2015), de Todd Haynes

Campeão de indicações ao BAFTA Awards, Carol é, muito provavelmente, mais um filme sensível desse diretor de poucos mas pungentes trabalhos, Todd Haynes. Baseado em um romance de Patricia Highsmith, mais famosa por romances policiais, o filme conta a história de uma jovem aspirante a fotógrafa (Rooney Mara) que desenvolve uma relação íntima com uma mulher mais velha (Cate Blanchett) na Nova York dos anos 1950. A época é bem especial para o diretor, que a recriou belamente no excelente Longe do Paraíso (2002), filme que, aliás, também tratava do casamento de conveniência, que servia naquela sociedade para colocar uma fachada aceitável. No caso, o amor entre duas pessoas do mesmo sexo era algo inadmissível. E por isso ver o filme nesse contexto e nessa época, além de render uma direção de arte esplendorosa, pode trazer momentos tocantes. Em cartaz no UCI Iguatemi, Cinépolis RioMar (sala VIP) e em sessões especiais na Mostra Expectativa no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

CAROL (Reino Unido/EUA, 2015), de Todd Haynes. Com Cate Blanchett, Rooney Mara, Sarah Paulson, Kyle Chandler, Jake Lacy, John Magaro, Cory Michael Smith, Kevin Crowley, Nik Pajic, Carrie Browstein. 118 min. Mares. 14 anos.

Christian Slater em A GRANDE APOSTA (2015), de Adam McKay

Christian Slater em A GRANDE APOSTA (2015), de Adam McKay

O curioso deste A Grande Aposta é que a direção é de Adam McKay, um sujeito mais famoso por comédias. Porém, o filme vem sendo vendido como o novo trabalho do mesmo autor de O Homem Que Mudou o Jogo (2011), de Bennett Miller, inclusive trazendo Brad Pitt no elenco, o que é bem mais conveniente nessa época de premiações, embora A Grande Aposta seja um dos azarões. De todo modo, o tema é interessante tanto para os Estados Unidos, quanto para o Brasil, que vive agora um momento delicado na política e na economia. Na trama, Christian Bale é um sujeito que investe muito dinheiro apostando que o sistema financeiro dos Estados Unidos irá quebrar em breve. Nunca antes alguém havia apostado contra o sistema e ganhado. É a partir dessa situação que a trama se desenvolve. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

A GRANDE APOSTA (The Big Short, EUA, 2015), de Adam McKay. Com Christian Bale, Steve Carrell, Ryan Gosling, Rudy Eisenzopf, Aiden Flowers, Peter Epstein, Tracy Letts, Marisa Tomei, Jeremy Strong, Stanley Wong. 130 min. Paramount. 14 anos.

Cena de SNOOPY & CHARLIE BROWN - PEANUTS, O FILME (2015), de Steve Martino

Cena de SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME (2015), de Steve Martino

Depois da morte de Charles M. Schulz em 2000, o legado de sua tão querida obra, nascida nas tirinhas que traziam o garoto tímido Charlie Brown e seus amigos, continuou através de alguns pequenos filmes feitos para a televisão, aproveitando as características e até alguns trechos de suas obras. Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, o Filme é o primeiro trabalho feito para cinema e apostando na animação por computador, ainda que mantendo as características físicas dos personagens. O resultado foi bem recebido pelos críticos americanos, com 86% de aprovação no Rotten Tomatoes. Comenta-se que é bem fiel ao trabalho de Schulz e que sua trama simples também deve agradar às crianças. Certamente quem tem um pouco de Charlie Brown dentro de si tem um carinho enorme por esses personagens e torce por um bom trabalho. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

SNOOPY & CHARLIE BROWN – PEANUTS, O FILME (The Peanuts Movie, EUA, 2015), de Steve Martino. Com as vozes originais de Noah Schnapp, Alexander Garfin, Hadley Belle Miller, Venus Schultheis, Mariel Sheets, Rebecca Bloom, Bill Melendez, Francesca Capaldi. 93 min. Fox. Livre.

Michael Fassbender em STEVE JOBS (2015), de Danny Boyle

Michael Fassbender em STEVE JOBS (2015), de Danny Boyle

Assim como aconteceu com Yves Saint Laurent, que ganhou duas cinebiografias em um curto espaço de tempo, o mentor da Apple Steve Jobs também ganha agora o seu segundo filme, depois do fraco Jobs (2013), de Joshua Michael Stern. Quem assina o novo trabalho, intitulado Steve Jobs, é o britânico Danny Boyle, e o filme ganhou no domingo passado dois Globos de Ouro, de atriz coadjuvante para Kate Winslet e de melhor roteiro para Aaron Sorkin. Michael Fassbender interpreta o papel título e o filme, diferente do anterior, não tem a intenção de contar a história dele desde a adolescência, mas focando em três momentos importantes da vida do inventor: os bastidores do lançamento do computador Macintosh, em 1984; da empresa NeXT, doze anos depois; e do iPod, no ano de 2001. Em cartaz no UCI Iguatemi e no Cinépolis RioMar.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

STEVE JOBS (EUA/Reino Unido, 2015), de Danny Boyle. Com Michael Fassbender, Kate Winslet, Seth Rogen, Jeff Daniels, Michael Stuhlbarg, Katherine Waterston, Perla Haney-Jardine, Ripley Sobo, Adam Shapiro, John Ortiz. 122 min. Universal. 10 anos.

Saem de cartaz

Olhos da Justiça
Terra de Maria

As estreias nacionais desta quinta-feira, 14, que não entram em cartaz em Fortaleza

Body*
Boi Neon*
Cinco Graças*
Coração de Cachorro

* Com exibição na Mostra Perspectiva 2016 do Dragão do Mar

Veja o trailer de Boi Neon

Imagem de Amostra do You Tube

BAFTA-2016 – OS INDICADOS

Os indicados ao BAFTA, o prêmio da Academia Britânica de Artes da Televisão e do Cinema, conhecido como o Oscar britânico, já é do conhecimento de todos. Mas vale comentar o meu filme preferido, o qual é uma das maiores criações do cinema desde que Stanley Kubrick fez o maior de todos: 2001: uma Odisséia no Espaço. O Regresso é uma produção de Hollywood que se abre à análise filosófica sobre homem e a sua natureza, a construção de sua civilização sob duas vertentes: a história e a religião. E além, é claro da relacionar os pretendes à premiação em cada categoria

1

Ponte dois Espiões (Bridge of Spies), já exibido, e Carol, que estreia na próxima 5a feira, 14, são os recordistas de indicações, 9 cada. A obra-prima O Regresso (The Revenants), do mexicano Alejandro González Iñarritu, pelo qual torcerei fervorosamente, tem 8 indicações. Na sequência, Mad Mad: Estrada de Fúria, com 7; e Perdido em Marte e Brooklyn, em 6 categorias. E destaco, ainda, outra obra de porte, a ficção-científica Ex-Machina – Instinto Artificial, do estreante Alex Garland.

A British Academy of Film and Television Arts fez, realmente, uma seleção ponderada das melhores produções feitas em 2015. Mas, há uma mistureba com produções norte-americanas, a forma de garantir a atenção do público e da crítica. Neste quesito, Carol, o belo drama de Todd Haynes adaptado do livro The Price of Salt, de Patricia Highsmith (que é destaque aqui no Cinemaeartes e recomendamos a leitura) parece levar nítidas vantagem sobre os seus concorrentes. Não me parece que Ponte dos Espiões seja um filme com força suficiente para desbancá-lo, e Spotlight – Segredos Revelados, com o seu enredo incômodo e mesmo tendo sido considerada a melhor produção de Hollywood em 2015.não tem o seu diretor, Thomas McCarthy, indicado à sua categoria. Resta então, como principal concorrente, o belíssimo e difícil O Regresso.

Leonardo Di Caprio: o por de sol a cada dia na jornada de sacrifiicio do homem para compor uma civilização

Leonardo Di Caprio: o por de sol a cada dia na jornada de sacrifiicio do homem para compor uma civilização

Eis o meu filme preferido: O Regresso. Não me dedico a estudar a a rever um filme assim desde que os meus sentidos se viram invadidos pela Zaratrusta de 2001: uma Odisséia no Espaço, a obra-prima de Stanleu Kubrick (é, a meu ver, a maior de todas as suas criações). Estou simplesmente encantado com este The Revenants, de Iñarritu. É um filme de concepção montada em 3 aspectos da criação do homem em sua evolução: filosófica, histórica e religiosa. Atentos: não dá para analisá-lo sem se focar nesses 3 aspectos.

Não escrevo críticas há quase 2 anos e este filme de instiga a fazê-lo. Estou pensando, mas como só vai estrear em fevereiro, deve ter um tempinho para encarar a análise. Não li e nem vou ler, antes de concluir e postar o texto, ler qualquer entrevista de Iñarritu sobre a sua criação. Quero reter, o máximo possível o meu encanto com as descobertas que o roteiro, a montagem, a fotografia, a trilha sonora, a sequência do ataque do urso e as sua quase 3 horas de duração me proporcionam de inquietação para juntar o que Iñarritu entende como o progresso e a evolução do homem em meio à sua selvageria (advinda de seu estado de natureza) e a crença na espiritualidade. Sim, senhoras e senhores, o filme é premente de amor, ódio, sangue, padecimento, choque de culturas, religião, proposto como instrumento de renovação e depuração do homem. Nada de místico ou fantástico, mas na crença de que somos espíritos e que isso tem a ver com a continuidade da vida após a morte.

É um filme fascinante, duro, difícil,ousado, que deve obter um grande circuito, muito mais pela presença magnética de Leonardo Di Caprio, mas que não acredito que vá fazer sucesso de público. Para este, o público, assisti-lo, será um teste de paciência e aceitar o jogo de quebra-cabeças.

A cerimônia de premiação acontece no dia 14 de fevereiro no Royal Opera House e será apresentada pelo ator inglês Stephen Fry.

Confira a lista completa de indicados:

MELHOR FILME
A Grande Aposta
Ponte dos Espiões
Carol
O Regresso
Spotlight – Segredos Revelados

Confira o trailer de O Regresso.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR DIRETOR
Adam McKay, por A Grande Aposta
Steven Spielberg, por Ponte dos Espiões
Todd Haynes, por Carol
Ridley Scott, por Perdido em Marte
Alejandro Gonzáles Iñárritu, por O Regresso

MELHOR FILME BRITÂNICO
45 Anos, de Andrew Haigh
Amy, de Asif Capadia
Brooklyn, de John Crowley
A Garota Dinamarquesa, de Tom Hooper
Ex Machina – Instinto Artificial, de Alex Garland
The Lobster, de Yorgos Lanthimos

MELHOR ESTREIA – ROTEIRISTA/DIRETOR/PRODUTOR BRITÂNICO
Alex Garland (diretor), por Ex Machina – Instinto Artificial
Debbie Tucker Green (roteirista/diretor), por Second Coming
Naji Abu Nowar (roteirista/diretor) e Rupert Lloyd (produtor), por Theeb
Sean McAllister (diretor/produtor) e Elhum Shakerifar (produtor), por A Syrian Love Story
Stephen Fingleton (roteirista/diretor), por The Survivalist

Veja o trailer de Ex-Machina: Instinto Artificial.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
A Assassina (Nie yin niang, China), de Hou Hsiao Hsien
Força Maior (Force Mejeure, Suécia), de Ruben Ostlund
Theeb (Emirados Árabes Unidos-Qatar-Jorania-Reino Unido), de Naji Abu Nowar
Timbuktu (Mauritânia/França), de Abderrahmane Sissako
Relatos Selvagens (Argentina), de Damian Szifrón

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy (EUA) de Asif Kapadia
Cartel Land (EUA-0México), de Matthew Heineman
Malala (EUA), de  Davis Guggenheim
Listen to Me Marlon (EUA), de Davis Guggenheim
Sherpa (Austrália Nepal), de Jennifer Peedom

MELHOR ANIMAÇÃO
Divertida Mente
Minions
Shaun: O Carneiro

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Matthew Charman, Ethan Coen, Joel Coen, por Ponte dos Espiões
Alex Garland, por Ex Machina – Instinto Artificial
Quentin Tarantino, por Os Oito Odiados
Josh Cooley, Pete Docter, Meg LeFauve, por Divertida Mente
Tom McCarthy, Josh Singer, por Spotlight – Segredos Revelados

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Adam McKay, Charles Randolph, por A Grande Aposta
Nick Hornby, por Brooklyn
Phyllis Nagy, por Carol
Emma Donoghue, por O Quarto de Jack
Aaron Sorkin, por Steve Jobs

Confira o trailer de O Quarto de Jack.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR ATOR
Bryan Cranston, por Trumbo: Lista Negra
Eddie Redmayne, por A Garota Dinamarquesa
Leonardo DiCaprio, por O Regresso
Matt Damon, por Perdido em Marte
Michael Fassbender, por Steve Jobs

MELHOR ATRIZ
Alicia Vikander, por A Garota Dinamarquesa
Brie Larson, por O Quarto de Jack
Cate Blanchett, por Carol
Maggie Smith, por A Senhora da Van
Saoirse Ronan, por Brooklyn

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benicio del Toro, por Sicario: Terra de Ninguém
Christian Bale, por A Grande Virada
Idris Elba, por Beasts of No Nation
Mark Ruffalo, por Spotlight – Segredos Revelados
Mark Rylance, por Ponte dos Espiões

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Alicia Vikander, por Ex Machina – Instinto Artificial
Jennifer Jason Leigh, por Os Oito Odiados
Julie Walters, por Brooklyn
Kate Winslet, por Steve Jobs
Rooney Mara, por Carol

Veja o trailer de Brooklyn.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
Thomas Newman, por Ponte dos Espiões
Ennio Morricone, por Os Oito Odiados
Ryuichi Sakamoto, Carsten Nicolai, por O Regresso
Jóhann Jóhannsson, por Sicario: Terra de Ninguém
John Williams, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHOR FOTOGRAFIA
Janusz Kamiński, por Ponte dos Espiões
Ed Lachman, por Carol
John Seale, por Mad Max: Estrada da Fúria
Emmanuel Lubezki, por O Regresso
Roger Deakins, por Sicario: Terra de Ninguém

MELHOR MONTAGEM
Hank Corwin, por A Grande Aposta
Michael Kahn, por Ponte dos Espiões
Margaret Sixel, por Mad Max: Estrada da Fùria
Pietro Scalia, por Perdido em Marte
Stephen Mirrione, por O Regresso

MELHOR DESENHO DE PRODUÇÃO
Adam Stockhausen, Rena DeAngelo, por Ponte dos Espiões
Judy Becker, Heather Loeffler, por Carol
Colin Gibson, Lisa Thompson, por Mad Max: Estrada da Fúria
Arthur Max, Celia Bobak, por Perdido em Marte
Rick Carter, Darren Gilford, Lee Sandales, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHOR FIGURINO
Odile Dicks-Mireaux, por Brooklyn
Sandy Powell, por Carol
Sandy Powell, por Cinderela
Paco Delgado, por A Garota Dinamarquesa
Jenny Beavan, por Mad Max: Estrada da Fúria

Conheça o trailer de A Garota Dinamarquesa.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADO
Morna Ferguson, Lorraine Glynn, por Brooklyn
Jerry DeCarlo, Patricia Regan, por Carol
Jan Sewell, por A Garota Dinamarquesa
Lesley Vanderwalt, Damian Martin, por Mad Max: Estrada da Fúria
Sian Grigg, Duncan Jarman, Robert Pandini, por O Regresso

MELHOR SOM
Drew Kunin, Richard Hymns, Andy Nelson, Gary Rydstrom, por Ponte dos Espiões
Scott Hecker, Chris Jenkins, Mark Mangini, Ben Osmo, Gregg Rudloff, David White, por Mad Max: Estrada da Fúria
Paul Massey, Mac Ruth, Oliver Tarney, Mark Taylor, por Perdido em Marte
Lon Bender, Chris Duesterdiek, Martin Hernandez, Frank A. Montaño, Jon Taylor, Randy Thom, por O Regresso
David Acord, Andy Nelson, Christopher Scarabosio, Matthew Wood, Stuart Wilson, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHORES EFEITOS ESPECIAIS
Jake Morrison, Greg Steele, Dan Sudick, Alex Wuttke, por Homem-Formiga
Mark Ardington, Sara Bennett, Paul Norris, Andrew Whitehurst, por Ex Machina: Instinto Artificial
Andrew Jackson, Dan Oliver, Tom Wood, Andy Williams, por Mad Max: Estrada da Fúria
Chris Lawrence, Tim Ledbury, Richard Stammers, Steven Warner, por Perdido em Marte
Chris Corbould, Roger Guyett, Paul Kavanagh, Neal Scanlan, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHOR CURTA-METRGAEM DE ANIMAÇÃO
Edmond
Manoman
Prologue

MELHOR CURTA-METRGAEM BRITÂNICO
Elephant
Mining Poems or Odes
Operator
Over
Samuel-613

ESTRELA EM ASCENSÃO/Escolhido pelo público
Bel Powley
Brie Larson
Dakota Johnson
John Boyega
Taron Egerton

Veja o trailer de 45 Anos.

Imagem de Amostra do You Tube