SEMANA 09 – DEADPOOL

Em um fim de semana onde as estreia ficaram bem longe de impressionar, Deadpool garantiu novamente a liderança isolada do ranking das bilheterias

Cena de DEADPOOL

Cena de DEADPOOL

Pela terceira vez consecutiva, a aventura de ação Deadpool foi a grande campeã do ranking das bilheterias norte-americanas do fim de semana. Ajudado pelo pouco interesse do público pelas estreias da semana, o longa do mercenário falastrão da Marvel conseguiu facilmente se sustentar no topo da lista dos mais rentáveis, agora com uma arrecadação de US$ 31,50 milhões, que representa uma queda de 44% em relação à semana passada. Dessa forma, Deadpool passa a acumular atualmente uma bilheteria de empolgantes US$ 285,63 milhões, valor que lhe garante o posto de décimo maior faturamento de um filme baseado em um personagem da Marvel Comics e, conforme o esperado, o transforma na terceira maior arrecadação de um longa classificação R-Rated de todos os tempos, ficando atrás apenas de Sniper Americano (US$ 350,12 milhões) e A Paixão de Cristo (US$ 370,78 milhões).

Banner internacional de DEUSES DO EGITO (2016), de Alex Proyas

Banner internacional de DEUSES DO EGITO (2016), de Alex Proyas

Na vice-liderança aparece o épico Deuses do Egito (Gods of Egypt), que confirmou as prognósticos dos analistas e acabou decepcionando ao obter somente US$ 14 milhões no seu primeiro fim de semana, resultado que já garante à produção um lugar na lista de maiores fracassos de 2016, tendo em vista que seu orçamento somou elevados US$ 140 milhões. Nós estamos desapontados com esse resultado. Ele certamente ficou abaixo da nossas expectativas, declarou ao Hollywood Reporter o presidente de distribuição da Lionsgate, David Spitz, sobre o desempenho de Deuses do Egito, que, vale ressaltar, foi originalmente planejado como o início de uma franquia, um plano que, a essa altura, deve estar morto e enterrado. Deuses do Egito já está em exibição nos cinemas brasileiros.

Na esquerda, cena de KUNG FU PANDA 3 e na direita cena de RESSURREIÇÃO

Na esquerda, cena de KUNG FU PANDA 3 e na direita cena de RESSURREIÇÃO

Abaixo de Deuses do Egito, perdendo uma posição cada, estão a animação Kung Fu Panda 3 e o épico bíblico Ressurreição, que ocuparam o terceiro e quarto lugar ao renderem respectivamente US$ 9 milhões e US$ 7 milhões. Em cinco semana, o longa animado da DreamWorks soma uma bilheteria de US$ 128,45 milhões, enquanto que a produção da Sony Pictures contabiliza em dez dias US$ 22,70 milhões.

Acima, os cartazes de VOANDO ALTO (2016), de  Dexter Fletcher, e TRIPLO 9 (2016), de John Hillcoat

Acima, os cartazes de VOANDO ALTO (2016), de Dexter Fletcher, e TRIPLO 9 (2016), de John Hillcoat

Demais lançamentos da semana, a comédia Voando Alto (Eddie the Eagle) e o thriller Triplo 9 (Triple 9) também não conseguiram empolgar os cinéfilos norte-americanos e terminaram disputando a quinta colocação do ranking, sendo que Voando Alto levou a melhor ao faturar US$ 6,30 milhões, contra US$ 6,10 milhões de Triplo 9. No mais, cabe mencionar que, embora não tenho obtido aberturas muito animadoras, ambos os filmes têm a seu favor um orçamento modesto (respectivamente US$ 23 milhões e US$ 20 milhões), o que dificulta grandes prejuízos. No Brasil, tanto Voando Alto quanto Triplo 9 chegam aos cinemas no dia 31 de março.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

05

Assista ao trailer de Deuses do Egito:

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 08 – DEADPOOL

Em sua segunda semana em cartaz, Deadpool continuou fazendo bonito nas bilheterias e permaneceu isolado na liderança do ranking dos mais rentáveis. Dentre os lançamentos, o melhor resultado foi o do épico bíblico Ressurreição, sendo seguido pelo terror A Bruxa. O drama esportivo Race, por sua vez, não empolgou

Cena de DEADPOOL

Cena de DEADPOOL

Após registrar uma abertura simplesmente arrasadora e que deixou muita gente boquiaberta, a aventura de ação Deadpool continuou bombando nas telonas norte-americanas e novamente faturou alto no fim de semana, algo que, dessa vez, não surpreendeu ninguém. Ao todo, foram mais US$ 55 milhões arrecadados pelo longa de sexta a domingo, resultado que representa uma queda de 58% em relação ao final de semana passado e que elevou o total acumulado da produção para excelentes US$ 235,39 milhões. Deadpool é um personagem que faz parte da cultura. Se você não assistiu ao filme, vai sentir como se tivesse que vê-lo, então não vai perder a oportunidade, disse ao Deadline o presidente de distribuição da Fox, Chris Aronson, sobre Deadpool, que por sinal já é a sexta maior bilheteria de um filme classificação R-Rated de todos os tempos, sendo que a expectativa é de que logo, logo o filme suba para a terceira colocação dessa lista.

Cena de KUNG FU PANDA 3

Cena de KUNG FU PANDA 3

Em segundo lugar, também mantendo a sua colocação, está a animação Kung Fu Panda 3, que mais uma vez conseguiu se sustentar bem (sua queda foi de 37%, a menor do Top 10) e faturou US$ 12,50 milhões. Em quatro semanas, a animação da DreamWorks soma uma bilheteria de US$ 117,10 milhões e com isso a projeção dos analistas é de que a produção encerre sua trajetória nas telonas norte-americanas com um acumulado de US$ 140 milhões.

Banner internacional de RESSURREIÇÃO (2016), de Kevin Reynolds

Banner internacional de RESSURREIÇÃO (2016), de Kevin Reynolds

A terceira posição ficou com o épico bíblico Ressurreição (Risen), que, conforme o esperado, se tornou a estreia mais bem-sucedida da semana, tendo arrecadado US$ 11,80 milhões nos seus três primeiros dias em cartaz, performance que por sinal conseguiu superar um pouco as expectativas do pessoal da Sony Pictures, que acreditava em uma abertura de US$ 10 milhões. Nós estamos muito, muito felizes com esse resultado. Esses filmes de temática cristã são certamente um gênero que nós acolhemos e que agora faz parte do nosso DNA, disse ao Los Angeles Times o presidente de distribuição da Sony, Rory Bruer. No Brasil, Ressurreição tem lançamento agendado para o dia 17 de março.

Banner internacional de A BRUXA (2015), Robert Eggers

Banner internacional de A BRUXA (2015), Robert Eggers

O quarto lugar coube a outra novidade, o terror A Bruxa (The Witch), que arrecadou US$ 8,68 milhões no fim de semana, quantia que fez a alegria dos executivos da A24, tendo em vista que as suas projeções eram de que o filme rendesse apenas US$ 4 milhões de sexta a domingo. A Bruxa chega aos cinemas nacionais no dia 03 de março.

Rebel Wilson e Dakota Johnson em cena de COMO SER SOLTEIRA

Rebel Wilson e Dakota Johnson em cena de COMO SER SOLTEIRA

Escorregando duas posições, a comédia Como Ser Solteira ficou em quinto lugar com um faturamento de US$ 8,22 milhões. Em dez dias, o longa estrelado por Rebel Wilson (A Escolha Perfeita) e Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza) acumula uma bilheteria de US$ 31,76 milhões, o que faz os analistas acreditarem que a produção deverá arrecadar ao todo cerca de US$ 50 milhões no mercado norte-americano.

Banner internacional de RACE (2016), de Stephen Hopkins

Banner internacional de RACE (2016), de Stephen Hopkins

Logo abaixo, na sexta colocação, aparece a terceira estreia da semana, o drama esportivo Race, que não empolgou tanto o público e obteve US$ 7,27 milhões no seu primeiro fim de semana, resultado que ficou abaixo dos US$ 9 milhões esperados pelo pessoal da Focus Features. Por enquanto, Race não possui data de estreia definida no Brasil.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

07

Assista ao trailer de Ressurreição:

Imagem de Amostra do You Tube

Semana 47 – JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – O FINAL

De longe um dos filmes mais esperados do ano, o último Jogos Vorazes faturou alto, mas não se saiu tão bem quanto os outros filmes da franquia. Outras novidades da semana, a comédia Sexo, Drogas e Jingle Bells e o drama Olhos da Justiça não tiveram resultados muito empolgantes

Banner internacional de JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA - O FINAL (2015), de Francis Lawrence

Banner internacional de JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – O FINAL (2015), de Francis Lawrence

Conforme o esperado, a aventura Jogos Vorazes: A Esperança – O Final (The Hunger Games: Mockingjay – Part 2) faturou alto em seu fim de semana e estreia no mercado norte-americano e se tornou a campeã absoluta das bilheterias no período, mas apesar disso, pode-se afirmar que a produção não conseguiu encerrar com chave de ouro a franquia baseada na obra de Suzanne Collins.

Lançado em 2012, Jogos Vorazes quebrou vários recordes de bilheteria ao registrar uma abertura de espetaculares US$ 152,53 milhões, feito que também foi realizado por Jogos Vorazes: Em Chamas, que obteve US$ 158,07 milhões no ano seguinte. Em 2014, porém, Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 estreou com US$ 121,89 milhões, mostrando que a franquia havia perdido um pouco do fôlego, uma tendência que continuou com A Esperança – O Final, que em três dias faturou somente US$ 101,02 milhões, valor que representa a pior abertura da série e que ficou bem abaixo das expectativas de mercado, que inicialmente apontavam para uma arrecadação de US$ 125 milhões.

Contudo, mesmo com esse resultado menor do que o esperado, o pessoal da Lionsgate não tem realmente motivos para reclamar, uma vez que a renda alcançada por A Esperança – O Final equivale a quinta maior abertura de 2015, sem falar que cobre 2/3 do orçamento da produção, estimado em US$ 150 milhões. É um feito e tanto toda vez que você tem um filme que alcança uma abertura acima de US$ 100 milhões, algo que só aconteceu 34 vezes neste ramo. Nós temos uma fantástica trajetória à nossa frente, disse ao Hollywood Reporter o chefe de distribuição da Lionsgate, David Spitz. No Brasil, Jogos Vorazes: A Esperança – O Final já está em exibição nos cinemas.

Na esquerda, cena de 007 CONTRA SPECTRE e na direta cena de SNOOPY & CHARLIE BROWN

Na esquerda, cena de 007 CONTRA SPECTRE e na direta cena de SNOOPY & CHARLIE BROWN

Na sequência do ranking aparecem os campeões da semana passada, 007 Contra Spectre e Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, O Filme, que faturaram respectivamente US$ 14,60 milhões e US$ 12,80 milhões. Em três semana, o novo filme do espião James Bond acumula uma bilheteria de US$ 153,70 milhões, enquanto que o longa do cãozinho Snoopy soma US$ 98,94 milhões.

Cena de SEXO, DROGAS E JINGLE BELLS (2015), de Jonathan Levine

Cena de SEXO, DROGAS E JINGLE BELLS (2015), de Jonathan Levine

A quarta colocação ficou com a segunda maior novidade da semana, a comédia Sexo, Drogas e Jingle Bells (The Night Before), que fez US$ 10,10 milhões no seu primeiro fim de semana, performance que também ficou abaixo das expectativas dos analistas, que acreditavam em uma abertura de US$ 14 milhões. Nós gostaríamos que tivesse sido maior, mas este resultado juntamente com a boa receptividade do público nos dá uma boa perspectiva, porque este é realmente um filme muito engraçado e uma opção diferente durante os feriados, falou ao The Wrap Rory Bruer, chefe de distribuição da Sony. Sexo, Drogas e Jingle Bells ainda não tem data de estreia definida no país.

Banner internacional de OLHOS DA JUSTIÇA (2015), de Billy Ray

Banner internacional de OLHOS DA JUSTIÇA (2015), de Billy Ray

Encerrando a lista dos cinco primeiro colocados temos o drama estrente Olhos da Justiça (Secret in their Eyes), que não conquistou o público norte-americano e faturou fracos US$ 6,63 milhões, tornando-se então uma das piores aberturas da carreira da atriz Julia Roberts. Olhos da Justiça chega às telonas nacionais no dia 10 de dezembro.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

05

Assista ao trailer de Jogos Vorazes: A Esperança – O Final.

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 39 – HOTEL TRANSILVÂNIA 2

Animação da Sony Pictures chegou com tudo nas telonas e mostrou que a franquia tem fôlego de arrecadação. Segunda principal estreia da semana, Um Senhor Estagiário também se saiu muito bem, enquanto Evereste faturou abaixo do esperado

01

Banner internacional de HOTEL TRANSILVÂNIA 2 (2015), de Genndy Tartakovsky

Três anos após ter estreado no mercado norte-americano quebrando recordes de arrecadação, a turma de Hotel Transilvânia está de volta e, para a alegria dos executivos da Sony, mais uma vez fez história.

Lançada pelo estúdio em 3.754 salas de cinema dos Estados Unidos e Canadá na última sexta, 25, a animação Hotel Transilvânia 2 (Hotel Transylvania 2) fez o maior sucesso junto ao público (que deu ao filme um ‘A’, referente a excelente, na avaliação feita pelo CinemaScore) e com isso encerrou o seu primeiro final de semana com uma bilheteria de US$ 47,50 milhões, quantia monstruosa que superou bastante os US$ 35 milhões projetados pelos analistas e, de quebra, transformou a sequência na maior abertura do mês de setembro de todos os tempos, posto que antes pertencia ao filme original, que fez US$ 42,52 milhões.

Este é um resultado impressionante obtido por uma franquia adorada e que é conseqüência de um trabalho de amor vindo de todos os níveis da companhia, começando com o presidente da Sony, Tom Rothman, passando pela presidente da Sony Animation, Kristine Belson, até chegar a Josh Greenstein com sua equipe de marketing e distribuição. Eles realmente levaram o filme para outro nível. Não é sempre que uma continuação supera a abertura do primeiro filme dessa forma, declarou em nota oficial o presidente de distribuição da Sony, Rory Bruer, sobre o desempenho de Hotel Transilvânia 2, desempenho este que chega como um sopro de alívio tanto para a Sony quanto para o ator Adam Sandler, uma vez que ambos tem visto muitos de seus últimos projetos naufragarem nas bilheterias. No Brasil, Hotel Transilvânia 2 já está em exibição nos cinemas.

Banner internacional de UM SENHOR ESTAGIÁRIO (2015), de Nancy Meyers

Banner internacional de UM SENHOR ESTAGIÁRIO (2015), de Nancy Meyers

Na segunda posição do ranking ficou a comédia estreante Um Senhor Estagiário (The Intern), que, assim como Hotel Transilvânia 2, foi muito bem-recebida pelo público (o filme também foi avaliado com um ‘A’) e superou expectativas ao faturar em três dias US$ 18,22 milhões, que correspondem à terceira maior abertura da carreira da diretora Nancy Meyers, ficando atrás de Simplesmente Complicado (US$ 22,10 milhões) e O Que As Mulheres Querem (US$ 33,61 milhões). Um Senhor Estagiário já está em cartaz nos cinemas nacionais.

Cena de MAZE RUNNER: PROVA DE FOGO

Cena de MAZE RUNNER: PROVA DE FOGO

A medalha de bronze ficou com a campeã da semana passada, a aventura Maze Runner: Prova de Fogo, que registrou uma queda de 54% e rendeu US$ 14 milhões. Em dez dias, a produção arrecadou US$ 51,68 milhões e com isso os analistas estão projetando uma bilheteria final em torno de US$ 95 milhões, valor um pouco abaixo dos US$ 102,42 milhões obtidos por Maze Runner: Correr ou Morrer.

Cena de EVERESTE

Cena de EVERESTE

Em quarto lugar aparece o drama Evereste, que após registrar um resultado sólido em sua estreia em circuito limitado na semana passada, acabou indo na contramão do esperado e faturou somente US$ 13,09 milhões no seu primeiro final de semana em cartaz em grande circuito, resultado inferior aos US$ 17 milhões esperados pelo pessoal da Universal. Em dez dias, Evereste soma uma bilheteria de US$ 23,12 milhões.

Johnny Depp em cena de ALIANÇA DO CRIME

Johnny Depp em cena de ALIANÇA DO CRIME

Completando a lista dos cinco primeiros colocados está o suspense policial Aliança do Crime, que caiu 49% em relação à sua abertura e fez US$ 11,52 milhões. Ao todo, o longa estrelado por Johnny Depp (franquia Piratas do Caribe) acumula uma renda de US$ 42,60 milhões.

Banner internacional de CANIBAIS (2013), de Eli Roth

Banner internacional de CANIBAIS (2013), de Eli Roth

Lançado nos cinemas sem o apoio de uma grande campanha de marketing e em um número reduzido de salas (1.540), o terror Canibais (The Green Inferno) ainda assim conseguiu um lugar entre os dez mais rentáveis, tendo ocupado a nona colocação com US$ 3,49 milhões, performance que vai de encontro às expectativas de mercado, que apontavam para uma arrecadação de US$ 4 milhões. Dirigido por Eli Roth (O Albergue), Canibais ainda não tem data de estreia definida no Brasil.

Cena de SICARIO: TERRA DE NINGUÉM

Cena de SICARIO: TERRA DE NINGUÉM

Por fim, temos o suspense policial Sicario: Terra de Ninguém, que após ser lançado em 6 salas de cinemas na semana passada, teve seu circuito ampliado para 59 e faturou US$ 1,77 milhão, quantia que pode ser traduzida em uma média de arrecadação por sala de incríveis US$ 30 mil, disparada a melhor do ranking. Apontado como um dos fortes concorrentes ao Oscar 2016, Sicario (que atualmente detém uma bilheteria de US$ 2,35 milhões) passará a ser exibido em grande circuito a partir da próxima sexta-feira, 01.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

08

Assista ao trailer de Hotel Transilvânia 2:

Imagem de Amostra do You Tube

HOMEM-ARANHA – ANIMAÇÃO EM 2018

Tom Rothman, presidente da Sony Pictures, anunciou que um longa-metragem de animação está sendo escrito pelos roteiristas Phil Lord e Christopher Miller e que será produzido para lançamento em 20 de julho de 2018

HOMEM-ARANHA em animação: voltando às origens

HOMEM-ARANHA em animação: voltando às origens

O Homem-Aranha é um dos rentáveis heróis do Cinema. Tanto que estará presente em um dos próximos filmes do universo Marvel, além de estar em preparação uma nova aventura a ser lançada em 28 de julho de 2017, com produção de Kevin Feige (Marvel) e Amy Pascal (ex-presidente da Sony e agora detentora de seu próprio estúdio), que durante 13 anos cuidou da produção e dos lançamentos nos cinemas das aventuras do herói aracnídeo. Mas, já prevendo o sucesso das duas produções, a Sony vai abrir uma outra franquia, em animação, a ser lançada em 2018.

O roteiro está sendo escrito pela dupla de produtores e diretores Phil Lord e Christopher Miller, responsável por animações como Tá Chovendo Hamburguer (2009) e Uma Aventura Lego (2014), além da franquia Anjos da Lei (2012 e 2014). Rothman, em seu anúncio, destacou a franquia animada será totalmente independente da série Live Action. A produção está a cargo de Avi Arad, Matt Tolmach e Amy Pascal.

Só para refrescar a memória: os 4 filmes da série já arrecadaram nada menos de 4 bilhões de dólares.

Conheça um fanclube do Homem-Aranha no facebook, clicando aqui.

Veja uma animação do Homem-Aranha disponível no youtube.

Imagem de Amostra do You Tube

 

Semana 16 – Velozes e Furiosos 7

Sem surpresa, o novo filme da franquia de velocidade seguiu liderando o ranking das bilheterias, mas dessa vez não foi com bastante folga graças ao bom desempenho da comédia estreante Segurança de Shopping 2

Vin Diesel em cena de VELOZES E FURIOSOS 7

Vin Diesel em cena de VELOZES E FURIOSOS 7

Campeão disparado das bilheterias norte-americanas por duas vezes consecutivas, o longa de ação Velozes e Furiosos 7 emplacou mais um final de semana na liderança da lista dos mais rentáveis. Ainda com bastante fôlego de arrecadação, a produção alcançou ótimos US$ 29,05 milhões de sexta a domingo e com isso está agora a um passo de ultrapassar a marca de US$ 300 milhões nas bilheterias locais, com um total acumulado somando atualmente US$ 294,41 milhões. Mundialmente, vale mencionar, Velozes e Furiosos 7 detém uma renda de US$ 1,15 bilhão, tornando-se assim o filme mais rentável da Universal Pictures.

Banner internacional de SEGURANÇA DE SHOPPING 2 (2015), de Andy Fickman

Banner internacional de SEGURANÇA DE SHOPPING 2 (2015), de Andy Fickman

Em um próximo segundo lugar aparece a principal estreia da semana, a comédia Segurança de Shopping 2 (Paul Blart: Mall Cop 2), que surpreendeu ao registrar uma abertura de US$ 24 milhões, quantia que superou bastante as expectativas de mercado, que apontavam para um faturamento de US$ 17 milhões. Foi um pouco assustador ter que enfrentar Velozes e Furiosos 7, mas Blart é durão. Nós superamos as expectativas e asseguramos terreno mesmo diante desse gigante, disse à Variety o presidente de distribuição da Sony, Rory Bruer, que ainda declarou que, com um orçamento de US$ 30 milhões, a sequência já ganhou o status de “lucrativa” dentro do estúdio. Segurança de Shopping 2 chega aos cinemas brasileiros no dia 04 de junho.

Banner internacional de UNFRIENDED (2015), de Levan Gabriadze

Banner internacional de UNFRIENDED (2015), de Levan Gabriadze

A medalha de bronze ficou com novidade da semana, o terror Unfriended, que marcou mais uma vitória para a Universal (como se os números de Velozes e Furiosos 7 já não fossem suficientes) ao arrecadar US$ 16,02 milhões nos seus três primeiros dias em cartaz, resultado que já garante lucro para o estúdio, uma vez que o orçamento do filme somou míseros US$ 1 milhão. No Brasil, Unfriended estreia nos cinemas no dia 21 de maio.

Na esquerda, cena de CADA UM NA SUA CASA e na direita cena de UMA LONGA JORNADA

Na esquerda, cena de CADA UM NA SUA CASA e na direita cena de UMA LONGA JORNADA

Na sequência do ranking vêm a animação Cada Uma Na Sua Casa e o romance Uma Longa Jornada, que registraram perdas na casa dos 40% e faturaram respectivamente US$ 10,30 milhões e US$ 6,85 milhões. No total, longa animado da DreamWorks soma uma bilheteria de US$ 142,60 milhões, enquanto que a adaptação para as telonas da obra de Nicholas Sparks contabiliza US$ 23,51 milhões.

Banner internacional de MONKEY KINGDOM (2015), de Mark Linfield e Alastair Fothergill

Banner internacional de MONKEY KINGDOM (2015), de Mark Linfield e Alastair Fothergill

Por fim, temos o documentário Monkey Kingdom, que foi lançado nas telonas norte-americanas com parte da tradicional comemoração anual do Dia da Terra, realizada pela Disney. O filme obteve uma bilheteria de US$ 4,71 milhões e garantiu o sétimo lugar da lista dos mais rentáveis do fim de semana.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

06

Assista ao trailer de Segurança de Shopping 2:

Imagem de Amostra do You Tube

A ENTREVISTA – APÓS O MEDO, ENTRA EM CARTAZ NOS EUA

A Sony resolveu criar coragem e finalmente promover o lançamento de A Entrevista em circuito limitado, a partir desta 5ª feira. Após ter o seu sistema de computadores invadido por hackers a mando do ditador norte-coreano Kim Jong-un, ver documentos sigilosos e 5 de seus filmes ainda inéditos lançados na Internet, além de receber diariamente ataques ameaçadores que recorriam a 11 de setembro de 2011, a produtora se viu diante da recusa das principais circuitos exibidores do país em colocar o filme em cartaz. Nessa avassaladora cadeia de acontecimentos, os dirigentes da Sony decidiram cancelar o filme por tempo indeterminado e até mesmo dito que não o colocaria sequer no mercado de vídeo doméstico. Foi um novo encurralamento, pois o ato era uma clara ameaça a Constituição do país, a qual prega a liberdade de expressão. Da imprensa, público, formadores de opinião, todos ficaram contra a decisão da Sony, incluindo o presidente Barack Obama. Recolocar A Entrevista em cartaz trata-se de uma reação a um ditador que se julga invulnerável e ter o poder de interferir nas sociedades democráticas

Seth Rogen e James Franco em A ENTREVISTA (2014), dirigido por eles mesmos

Seth Rogen e James Franco em A ENTREVISTA (2014), dirigido por eles mesmos

Mesmo estando o lançamento de A Entrevista restrito a alguns cinemas, não deixa de ser uma vitória da democracia. “Nunca desistimos de lançar A Entrevista e estamos muito contentes de que nosso filme vá ser exibido em um certo número de cinemas no dia de Natal”, afirmou, em um comunicado, o presidente dos estúdios Sony Pictures, Michael Lynton, conforme o site thewrap.
Segundo o site, pesou na decisão de Lynton o fato da Sony ter de assumir um prejuízo de 90 milhões de dólares caso a produção não fosse lançada. A estratégia é lançar o filme agora, como se fosse uma pré-estreia e, aos poucos, ir se alastrando pelos mais diversos circuitos. Mais adiante, será também lançado em “outras plataformas”, o que quer dizer online, sob demanda.

Quem ficou contente com a decisão da Sony foi o presidente Barack Obama. Na semana passada ele criticou duramente a produtora japonesa ao afirmar que “a Sony é uma corporação que sofreu significantes perdas, sou simpático às suas preocupações. Mas acho que cometeu um erro. Eu gostaria que tivessem falado comigo antes. Eu teria dito que não fossem por esse caminho e que não se intimidassem por esses ataques criminosos”.

Agora o discurso foi outro, através de Eric Schultz, secretário de comunicação do governo: “Como o presidente deixo claro, nós somos um país que acredita na liberdade de expressão e do direito de expressão artística. A decisão tomada pela Sony e cinemas participantes permitem que as pessoas façam suas próprias escolhas sobre o filme, e saudamos esse resultado”.

Não será um mega lançamento como estava previsto, em mais de duas mil salas, mas em cerca de 200. Neste Natal, a democracia vai sorrir da cara de um ditador que está arrastando o povo e a Coreia do Norte para uma situação difícil.

Desde O Grande Ditador (1938), que satirizava Hitler, o cinema não expunha ditadores reais e ainda vivos e causava tanta polêmica. A Entrevista pode até não ser um bom filme – as críticas são mais medianas do que mistas -, mas, curiosamente, está se detendo no interior de uma nova premissa:  cumprir o seu papel de discutir a liberdade de expressão.

Veja o trailer 2 de A Entrevista.

Imagem de Amostra do You Tube

 

Semana 52: O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos

Como já era de se esperar, o terceiro O Hobbit não deu chance à concorrência e venceu de lavada a batalha pela liderança das bilheterias norte-americanas. Outras estreias de porte da semana, a comédia Uma Noite no Museu 3 e o musical Annie, completaram o pódio, enquanto que a produção indiana P.K. surpreendeu ao garantir um espaço na lista dos dez mais rentáveis

Banner international de O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS (2014), de Peter Jackson

Banner international de O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS (2014), de Peter Jackson

Sucesso absoluto ao redor do planeta, a aventura O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos (The Hobbit: The Battle of the Five Armies), é claro, chegou com bastante força no mercado norte-americano e mostrou que a despedida da Terra Média de fato irá render muito para os executivos da Warner Bros.

Lançado em 3.875 telonas dos Estados Unidos e Canadá na última quarta-feira, 17, a terceira parte da aventura de Bilbo Bolseiro encheu as salas de cinema locais e encerrou os seus cinco primeiros dias em cartaz com um faturamento de US$ 90,62 milhões, valor sem dúvida excelente e que superou, em muito, as expectativas do pessoal da Warner, que apostava em uma arrecadação de US$ 70,00 para o período de quarta a domingo. Houve seis viagens à Terra Media e essa é a última, então se tornou algo importante para as pessoas assistirem o filme. A ação está lá e Peter Jackson fez um filme fabuloso, disse à revista Variety o vice-presidente de distribuição da Warner, Jeff Goldstein, sobre o desempenho de A Batalha dos Cinco Exércitos, que, vale mencionar, alcançou a marca de US$ 56,22 milhões em bilheteria no período de sexta a domingo.

Sendo assim, a dúvida agora é se A Batalha dos Cinco Exércitos seguirá os passos de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (The Hobbit: An Unexpected Journey, EUA, 2012) e chegará à marca de US$ 1 bilhão nas bilheterias mundiais, algo que, a julgar pelos US$ 265,00 milhões já arrecadados no mercado internacional, parece totalmente possível.

Confira o trailer de O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos.

Imagem de Amostra do You Tube

Na trama do filme, que já está em cartaz no Brasil, o poderoso dragão Smaug é finalmente derrotado e a notícia de sua morte logo se espalha pela Terra Média, fazendo com que vários interessados nas riquezas de Erebor partam para o local, que acaba se tornando o palco de uma grande batalha entre homens, elfos, anões e orcs.

Banner internacional de UMA NOITE NO MUSEU 3 (2014), de Shawn Levy

Banner internacional de UMA NOITE NO MUSEU 3 (2014), de Shawn Levy

Em um distante segundo lugar aparece a comédia estreante Uma Noite no Museu 3 (Night at the Museum: Secret of the Tomb), que mostrou que a franquia estrelada por Ben Stiller não está mais com essa bola toda ao arrecadar somente US$ 17,30 milhões no fim de semana, resultado que ficou abaixo tanto dos US$ 25 milhões esperados pelos executivos da Fox, quanto das aberturas de Uma Noite no Museu (US$ 30,43 milhões) e Uma Noite no Museu 2 (US$ 54,17 milhões). Mas apesar desses números pouco empolgantes, o pessoal do estúdio parece não ter perdido a esperança ainda. Acreditamos que nos sairemos bem nas próximas semanas, quando a temporada de fim de ano realmente começar. O público que assistiu o filme o amou e isso vai gerar um boca-a-boca positivo, declarou ao The Wrap o presidente de distribuição da Fox, Chris Aronson.

Veja o trailer de Uma Noite no Museu 3:

Imagem de Amostra do You Tube

Com estreia no Brasil agendada para o dia 1º de janeiro, o filme mostra o vigilante noturno Larry Daley (Stiller) tendo que viajar até Londres para encontrar uma maneira de restaurar o poder da placa de Akhmenrah, que começou a se corroer. Owen Wilson (Penetras Bons de Bico), Steve Coogan (Philomena), Dan Stevens (Caçada Mortal), Rebel Wilson (A Escolha Perfeita), Rami Malek (Need for Speed), Ben Kingsley (Homem de Gerro 3) e o já falecido Robin Williams (Uma Babá Quase Perfeita) também estão no elenco.

Banner internacional de ANNIE (2014), de Will Gluck

Banner internacional de ANNIE (2014), de Will Gluck

Logo abaixo de Uma Noite no Museu 3 está a terceira maior estreia da semana, o musical Annie, que não fez feio ao registrar uma abertura de US$ 16,30 milhões, performance que chega como um raiozinho de sol para os executivos da Sony Pictures, que recentemente têm vivido em meio às trevas causadas por ataques de hackers (sai mais aqui).

Assista ao trailer de Annie:

Imagem de Amostra do You Tube

Baseado no musical de sucesso da Broadway, o filme acompanha a história de Annie (Quvenzhané Wallis), uma jovem órfã que vive as maiores aventura quando um rico candidato a prefeito (Jamie Foxx) a convida para passar alguns dias em sua mansão. Cameron Diaz (As Panteras) e Rose Byrne (Vizinhos) completam o elenco do longa, que chega aos cinemas nacionais no dia 12 de fevereiro.

Cena de ÊXODO: DEUSES E REIS

Cena de ÊXODO: DEUSES E REIS

Campeão na semana passada, o épico Êxodo: Deuses e Reis foi completamente ofuscado pelos estreantes e acabou escorregando para a quarta posição, com uma queda expressiva de 67% e US$ 8,06 milhões arrecadados. Assim, com uma bilheteria acumulada no mercado norte-americano somando US$ 38,90 milhões, o filme de Ridley Scott agora está totalmente dependente do mercado internacional para empatar os seus altos custos de produção. Felizmente, Êxodo até que tem sido bem recebido nos cinemas mundiais, já tendo faturado US$ 61,22 milhões.

Cena de JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA - PARTE 1

Cena de JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – PARTE 1

O quinto lugar coube à aventura Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1, que em sua quinta semana em cartaz fez mais US$ 7,75 milhões. Ao todo, a superprodução da Lionsgate detém uma renda de excelentes US$ 289,27 milhões.

Cena de LIVRE

Cena de LIVRE

Na sequência do ranking está o drama Livre, que vem melhorando o seu desempenho a cada expansão que sofre. Dessa vez, o número de salas em que o filme está sendo exibido pulou para 1.061, o que resultou em um crescimento 171% e um faturamento de US$ 4,15 milhões, quantia que fez com que o longa subisse da décima para a sexta colocação. No total, Livre acumula uma bilheteria de US$ 7,21 milhões.

Banner internacional de P.K. (2014), de Rajkumar Hirani

Banner internacional de P.K. (2014), de Rajkumar Hirani

Por fim, cabe mencionar o resultado da produção bollywoodiana P.K., que estreou em apenas 272 salas de cinema e arrecadou US$ 3,50 milhões, assegurando então o décimo lugar da lista dos dez mais rentáveis. O filme tem sua trama centrada em P.K. (Aamir Khan), um alien que fica preso na Terra e contará com a ajuda de uma bela jovem (Sanjay Dutt) para se ajustar aos costumes do nosso planeta.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

08Veja o trailer de P.K.:

Imagem de Amostra do You Tube

GUERRA CIBERNÉTICA – A SONY E A VINGANÇA DO DITADOR

No final do mês passado, vários filmes da Sony Pictures, todos eles ainda inéditos nos cinemas, apareceram vagando pela Internet, especialmente nos sites de compartilhamento. Como isso ocorreu? De quem fora a ação audaciosa? As semanas se passaram sob imensa especulação até que o mistério passou a ser esclarecido, revelando um quadro ainda mais devastador para a distribuidora estadunidense. Além dos filmes, importantes documentos com os salários e números dos seguros sociais de centenas de atores, senhas de departamentos e funcionários flutuaram na rede. E a ação está diretamente ligada ao lançamento da comédia A Entrevista, produção da Sony dirigida e interpretada por Seth Rogen e James Franco, a qual faz paródia com o ditador norte-coreano Kim Jong-un. As invasões agora se transformam em ameaças a executivos, funcionários e até às suas famílias. A Sony, por sua vez, procura contornar o desastre numa ação de contra-ataque através do uso de dezenas de computadores na Ásia na tentativa de bloquear os sites que disseminam os filmes e documentos. Mas as invasões e ameaças continuam. Ontem, 5aªfeira, 11, o grupo chamado Guardiões da Paz causou outro dia de pavor no âmbito da Sony. E o presidente da empresa mandou cortar o filme. Uma guerra cibernética digna de um filme

Russel Park interpreta Kim Jong-un em A ENTREVISTA (2014), de Seth Rogen e James Franco

Russel Park interpreta Kim Jong-un em A ENTREVISTA (2014), de Seth Rogen e James Franco

A guerra contra a Sony não chegou ao fim com o saque de filmes e informações de seus sistemas de computadores. Diversos sites estadunidenses dão destaque ao acontecimento e seus desdobramentos. Fiz um apanhado de tudo o que está rolando sobre o caso a fim de que você entenda o imbróglio que está se transformando em uma guerra cibernética.

Os ataques a Sony se iniciaram em 28 de novembro, uma sexta-feira. Na ação de hackers, foram jogados na rede, em torrents, o thriller de guerra Corações de Ferro (Fury, 2014), de David Ayer (estreia em 12 de fevereiro), os dramas Para Sempre Alice (Still Alice, 2015), de Richard Glatzer e Wash Westmoreland (16 de janeiro) e Para Escrever o Amor em Seus Braços (To Write Love On Her Arms, 2015), de Nathan Frankowski (em 11 de março) e o musical Annie, de Will Gluck (12 de fevereiro).

Um grupo de hackers intitulado Guardians of Peace (Guardiões da Paz, na tradução) se diz responsável pelos vazamentos dos conteúdos e tem deixado ameaças, uma delas bem explícita: “pare imediatamente de exibir o filme de terrorismo que pode quebrar a paz regional e causar uma guerra”, além de afirmar que “não pode ser localizado”. O FBI entrou no caso, prendeu 2 pessoas em Londres, suspeita da participação de próprios funcionários da Sony e até vasculhou um quarto de hotel na Tailândia, de onde teria partido a ação invasora. Ou seja, a situação está um pandemônio.

Pelo quadro do ataque, a produtora desconfiou pque a ação tenha sido ordenada pelo governo da Coreia do Norte, já que dissidentes do país declararam que a execução deve ter partido do Bureau 121, órgão comandado por militares e composta por hackers de elite (alguns com apenas 17 anos), um grupo de talentosos especialistas em computação capaz de chafurdar os sistemas de armazenamento de dados de qualquer empresa no planeta e que se destina a “espionar os inimigos”. O Bureau 121 está diretamente subordinado ao Escritório Geral de Reconhecimento, na verdade uma agência de espionagem cibernética, afirmam os dissidentes.

Para saber mais sobre a elite de hackers norte-coreana,
acesse aqui

No mês passado, o governo da Coreia do Norte enviou correspondência a Bank Ki-moon, secretário-geral da ONU, afirmando que o filme é “um patrocínio descarado do terrorismo, assim também como um ato de guerra”, e também ameaçou os EUA com um “ataque devastador” caso o filme seja lançado. O governo de Jong-um nega a sua participação no ataque, mas os norte-americanos tem certeza de sua responsabilidade direta porque os códigos deixados pelos invasores estão na língua coreana. Há, ainda, o fato do governo asiático, além de ter classificado a ação dos hackers como “um ato justo”, igualmente ter elogiado a “ação de seus apoiadores e simpatizantes”.

O site fusion revelou que os invasores acessaram setores dedicados aos atores, como “verificações de histórico criminal, negociações de salários e declarações médicas explicando faltas ou demissões, twitters, e-mails, etc”, além de relatórios de reuniões de venda de filmes e séries às emissoras de televisão. E, de quebra, o roteiro de uma série escrita pelo autor da série Breaking Bad, Vince Gillian, ainda não divulgado. O fusion postou, nesta 5ªfeira, 11, outra notícia, agora sobre os astros e estrelas que têm contrato com a Sony: a revelação de seus pseudônimos.

Confira a informação, clicando aqui.

Por fim, quando se pensava que tinham sido saqueados apenas 40 terabites, o volume superou os 100 TB, revelaram, perplexos e chocados, alguns executivos da empresa . Os danos ainda estão sendo dimensionados, e forçou a Sony a assumir um inesperado investimento com uma grande empresa de segurança cibernética, a Mediant, a qual não está conseguindo conter a ação dos hackers. Em 5 de dezembro, mensagens foram deixadas nos computadores dos funcionários ameaçado, também às suas famílias. A Sony decidiu contra-atacar utilizando-se de  centenas de computadores instalados na Ásia. A execução se dá através de “ataques de negação”, direcionados para bloquear os sites que detém os conteúdos roubados. O site thepiratebay, por exemplo, está fora do ar há 3 dias em uma ação do governo sueco por influência dos EUA.

Evidências

Há, também, precedentes que levam a uma certeza da ação à Coréia do Norte contra a Sony. A Coréia vizinha, a do Sul, democrática, sofreu devastadores ataques ao seu sistema bancário, redes de televisões e o financeiro do governo, tendo paralisado até caixas eletrônicos, por parte de hackers do Norte; e a descrição desse grupo Bureau 121 é algo digno de atenção. E, por fim, o fato dos hackers ligarem os ataques ao lançamento do filme.

Hollywood já não tem dúvida: o autointitulado Guardiões da Paz, de origem desconhecida, obviamente obedece a Pyongyang. Nesta 4a.feira, 11, novamente os computadores da Sony foram invadidos e, de acordo com o site thewrap. “Um grupo que se apresenta como Guardiães da Paz ou #GOP, enviou um novo aviso a Sony Pictures nesta quinta-feira, 11, deixando uma mensagem ameaçadora piscando nas telas dos computadores dos funcionários”, diz o site, cuja informação foi obtida através de uma pessoa da empresa, já familiarizado com a situação.

Ao checar a informação com um segundo informante, este confirmou a ameaça que promete “causar danos caso as exigências do #GOP não sejam cumpridas”. Foi a quarta vez que o grupo invadiu o sistema de segurança da Sony. Oficialmente, esta ainda não se manifestou sobre este recente ataque, mas o presidente da empresa, Kazuo Hirai, ordenou a Seth Rogen e James Franco que façam cortes e promovam uma redução da presença do ator Russell Park, que interpreta o ditador, amenizando assim o tom das paródias. A contragosto, eles aceitaram. Outra decisão é que o filme não mais será lançado nos países asiáticos. Ali pertinho, apenas Austrália e Nova Zelândia exibirão A Entrevista.

Veja, abaixo, a mensagem deixada pelo invasor.

A mensagem deixada nos computadores da Sony Pictures Foto: thewrap

A mensagem deixada nos computadores da Sony Pictures Foto: thewrap

 

A Entrevista está com data marcada para estreia mundial no próximo dia 25. No enredo, dois escrachados jornalistas estadunidenses, vividos por Rogen e Franco, chamados para entrevistar o ditador coreano, são captados pela CIA e os convence a servirem de instrumentos para matá-lo. A divulgação está a todo vapor e a Sony está em uma encruzilhada. Não sabe até onde pode ir a ação dos invasores em termos de perdas e danos, mas já tem uma ideia da dimensão que a vingança do ditador pode promover; e igualmente, não pode desconhecer que A Entrevista ganhou uma inesperada propaganda em escala mundial, o que pode transformá-lo em uma mina de ouro.

Este é mais um episódio na “guerra fria” secular que se desenvolve entre o Ocidente e o Oriente.  Essa divergência vem desde a pré-história, envolvendo povos, línguas e questões religiosas. Cada um dos episódios surgidos ao longo da história guarda as suas características e desdobramentos. Mas, essa agora é inusitada a partir do momento em que um ditador, cruel a ponto de matar membros de sua própria família e com o poder atômico em mãos, se sente injuriado por um simples filme.

A decisão do presidente da empresa em não exibir o filme na Ásia representa uma expressiva perda de dólares. Até então, a Sony estava imersa em dúvidas. Seguir em frente parecia ser o caminho democrático, mas representava, também, o caminho das pedras, mas em cujo final, no caso do filme obtivesse o sucesso mundial, estaria o tão cobiçado pote de ouro. E ouro reluzente na corzinha verde tem sido a grande cobiça de Hollywood.

Outros fantasmas, porém, perpassam por salas e corredores da produtora. Será que o ditador vai se conter com essa “meia vitória”? Será que a empresa deixará de ser saqueada e ameaçada? Há, ainda, outras contabilidades a serem conferidas. Perder uma praça lucrativa como a do Japão, por exemplo, representa abrir mão de faturamento. Recuperar os valores quando o filme for lançado em vídeo? É duvidoso, já que a locação de filmes está despencando em todo o planeta com a agilidade da pirataria.

Em minha análise, de uma forma ou de outra, a “meia-vitória” do ditador Kim Jong-un expressa, também, uma vitória de Pirro, pois a pirataria vai tomar conta do filme não apenas no continente, mas dentro mesmo do país – considerado o mais corrupto do mundo -, onde irá faturar milhões incalculáveis do won norte-coreano e fazer as delícias e gargalhadas de seus inimigos. Por isso, sempre digo que os ditadores não passam de fantoches de si mesmos.

Resta aguardar os próximos episódios pois essa história vai adentrar 2015 – e com desfecho inesperado.

Veja o trailer de A Entrevista.

Imagem de Amostra do You Tube

 

AGENDE-SE – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Será uma semana comercial “mais curta” para o cinema por causa da pré-estreia antecipada do blockbuster Jogos Vorazes: a Esperança – Parte 1, que chega na quarta-feira, 19, tomando de assalto centenas de salas de todo o Brasil. Além do mais, mesmo com apenas cinco estreias, trata-se de uma semana bastante agitada para cinéfilos em Fortaleza, em virtude, principalmente, do 24º Cine Ceará, que se inicia no sábado, dia 15, e vai até o dia 22, com uma porção de opções, tanto no Theatro José de Alencar, quanto no Cinema do Dragão. Veja mais sobre o evento no site oficial do festival. Quanto ao circuito, ele se destaca pela presença de dois sensíveis filmes: Boyhood – da Infância à Juventude (2014), de Richard Linklater, e Ventos de Agosto (2014), de Gabriel Mascaro. No cinemão, correndo em busca de uma boa grana, os bocós mais queridos dos irmãos Farrelly estão de volta em Débi & Lóide 2 (2014). As outras duas opções são bem curiosas, já que se tratam de dois filmes voltados a um público mais religioso: para os católicos, Irmã Dulce (2014), de Vicente Amorim; para os evangélicos, Questão de Escolha (2014), de David A. R. White

Ellar Coltrane e Patricia Arquette em BOYHOOD - DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (2014), de Richard Linklater

Ellar Coltrane e Patricia Arquette em BOYHOOD – DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (2014), de Richard Linklater

Richard Linklater está ficando famoso por fazer filmes que se estendem por anos. Como se não bastasse a trilogia de Jesse e Celine cujos filmes foram realizados com um intervalo de 9 anos, o cineasta estava fazendo em segredo um projeto ainda mais ousado: filmar a vida de um garoto, dos 5 aos 18 anos, de 2002 a 2013. Mas Boyhood – Da Infância à Juventude vai além de uma mera curiosidade. As inquietações de Linklater e seus discursos políticos e filosóficos também se fazem presentes, principalmente à medida que o pequeno Mason vai crescendo. A trilha sonora ajuda a situar um pouco a época, bem como a campanha pró-Obama. São quase três horas de cenas que apostam na poesia do cotidiano, mas também convida o espectador a refletir sobre a passagem do tempo.

DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (Boyhood, EUA, 2014), de Richard Linklater. Com Ellar Coltrane, Patricia Arquette, Ethan Hawke, Elijah Smith, Lorelei Linklater, Marco Perella, Jamie Howard, Andrew Villarreal. Sony Pictures. 165 min. 14 anos.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube
Dandara de Morais em VENTOS DE AGOSTO (2014), de Gabriel Mascaro

Dandara de Morais em VENTOS DE AGOSTO (2014), de Gabriel Mascaro

Outro filme de cunho filosófico e existencial é este Ventos de Agosto, primeiro trabalho de ficção de Gabriel Mascaro, mais conhecido por seus documentários, em especial Doméstica (2012). Sua estreia na direção também flerta com o gênero que o consagrou, mas isso não chega a incomodar. Ao contrário, traz uma energia bonita e contemplativa sobre o tempo (mais uma vez ele) e sobre a morte. A trama acompanha a vida de dois jovens: uma moça tatuadora e fã de punk rock que só fica naquela cidadezinha perdida de Alagoas por causa da avó e um rapaz que trabalha com ela na entrega de cocos. Os dois, que mantém um relacionamento íntimo, têm suas vidas mudadas a partir do dia em que o rapaz encontra o corpo de um homem desconhecido no mar.

VENTOS DE AGOSTO (Brasil, 2014), de Gabriel Mascaro. Com Dandara de Morais, Geová Manoel dos Santos, Gabriel Mascaro, Antônio José dos Santos, Maria Salvino dos Santos. Vitrine Filmes. 77 min. 14 anos.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube
Jim Carrey e Jeff Daniels em DÉBI & LÓIDE 2 (2014), de Bobby e Peter Farrelly

Jim Carrey e Jeff Daniels em DÉBI & LÓIDE 2 (2014), de Bobby e Peter Farrelly

A maior aposta do circuito puramente comercial, no entanto, é no retorno dos bobalhões Débi e Lóide, depois de um intervalo de 20 anos do primeiro filme. Em Débi e Lóide 2, Harry (Jeff Daniels) descobre que tem uma filha que foi adotada. O filme trata basicamente da busca dos dois amigos por essa garota. Resta saber se o show de escatologia que fez a fama dos Farrelly estará tão presente agora que tanto Jim Carrey quanto os talentosos irmãos não andam muito bem das pernas. Torçamos pelo sucesso de todos os envolvidos.  Boas comédias fazem bem à saúde.

DEBI & LÓIDE 2 (Dumb and Dumber To, EUA, 2014), de Peter & Bobby Farrelly. Com Jim Carrey, Jeff Daniels, Rob Rigle, Laurie Holden, Rachel Melvin, Kathleen Turner, Bill Murray. 110 min. Imagem Filmes. 12 anos.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube
Regina Braga em IRMÃ DULCE (2014), de Vicente Amorim

Regina Braga em IRMÃ DULCE (2014), de Vicente Amorim

O trailer de Irmã Dulce não é dos mais animadores, mas Vicente Amorim é um bom artesão, tendo talvez como seu ponto alto Corações Sujos (2011), exibido no Cinema de Arte. O que pode incomodar um pouco os espectadores é o excesso de santidade e de bondade por parte da mulher que foi beatificada pelo Vaticano e que pregou o amor através de obras. Isso se o filme for apenas um apanhado de boas ações de Irmã Dulce. A trama narra a trajetória da beata indicada ao Premio Nobel da Paz, desde a fase jovem até seus dias finais na Terra.

IRMÃ DULCE (Brasil, 2014), de Vicente Amorim. Com Regina Braga, Bianca Comparato, Glória Pires, Gracindo Júnior, Patricia Oliveira, Zezé Polessa, Irene Ravache. 94 min. Downtown Filmes. 12 anos.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

David R.A. White em QUESTÃO DE ESCOLHA (2014), do próprio ator/diretor

Ted McGingley em QUESTÃO DE ESCOLHA (2014), de David A. R. White

Depois do sucesso de Deus Não Está Morto (2014), filme mais destinado a um público evangélico, os produtores trazem outra produção para a telona: Questão de Escolha, coprodução EUA/Brasil. Na trama, Paul Tyson (Ted McGinley) é um marido amoroso e um pai dedicado que viaja ao Rio de Janeiro para fechar o maior negócio de sua carreira profissional. É lá que ele conhece Julia (Ana Ayora), a representante de uma empresa brasileira por quem ele se apaixona e põe em risco o casamento. Seus princípios são colocados à prova. O perigo do filme é justamente apelar muito para o moralismo e provavelmente é isso que deve acontecer.

QUESTÃO DE ESCOLHA (Redeeemed, EUA/Brasil, 2014), de David A.R. White. Com Ted McGinley, Ana Ayora, Kevin Downes, Megan Alexander, Ross Araujo, Cameron Britton, Teri Copley. 88 min. Graça Filmes. Livre.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

Pré-estreia

Jennifer Lawrence em JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA - PARTE 1 (2014), de Francis Lawrence

Jennifer Lawrence em JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – PARTE 1 (2014), de Francis Lawrence

Depois do sucesso do ótimo Jogos Vorazes – Em Chamas (2012), Francis Lawrence permaneceu no comando da franquia estrelada pela beldade da vez Jennifer Lawrence. Só ela já seria suficiente para garantir milhões e milhões de bilheteria para o filme, mas a produção não se contenta com “pouco”, levando em consideração o excepcional elenco de apoio, incluindo o gigante Philip Seymour Hoffman, falecido em fevereiro deste ano. A expectativa é que este terceiro filme da saga de Katniss Everdeen traga o mesmo grau de qualidade dos anteriores. Quarta-feira é o início da invasão do filme nas telas de todo o Brasil.

JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – PARTE 1 (The Hunger Games: Mockingjay – Part 1, EUA, 2014), de Francis Lawrence. Com Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth, Woody Harrelson, Elizabeth Banks, Julianne Moore, Philip Seymour Hoffman, Jeffrey Wright, Stanley Tucci, Donald Sutherland, Toby Jones. 123 min. Paris Filmes. 12 anos.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

Saem de cartaz

Mais um Ano
Relatos Selvagens
Sobrevivente

Estreias nacionais desta quinta-feira, 13, que não entram em cartaz em Fortaleza

Idênticos, de Dustin Marcellino
Los Nobles – Quando os Ricos Quebram a Cara, de Gary Alazraki
Saint Laurent, de Bertrand Bonello
Trinta, de Paulo Machline
O Vento Lá Fora, de Marcio Debellia

Veja o trailer de O Vento Lá Fora

Imagem de Amostra do You Tube