RANKING EUA – ROGUE ONE mantém liderança

Rogue One: Uma História Star Wars terminou o fim de semana novamente com folga na primeira colocação do ranking americano e uma arrecadação de quase o dobro da obtida por Sing: Quem Canta Seus Males Espanta, que ficou em segundo lugar. Passageiros entrou em cartaz após as pré-estreias e conseguiu uma renda razoável, que lhe garantiu a terceira colocação do ranking. Enquanto isso, Tinha Que Ser Ele? também entrou em cartaz e terminou o período logo atrás, na quarta posição. Mal recebido pela crítica durante as pré-estreias, Assassin’s Creed não foi muito longe em seu primeiro fim de semana, ficando com a quinta colocação.

Diego Luna e Felicity Jones em cena de ROGUE ONE: UMA HISTÓRIA STAR WARS.

Diego Luna e Felicity Jones em cena de ROGUE ONE: UMA HISTÓRIA STAR WARS.

Novamente na primeira colocação do ranking, Rogue One: Uma História Star Wars conseguiu manter uma boa arrecadação na sua segunda semana em cartaz nos Estados Unidos. A aventura distribuída pela Disney somou cerca de US$ 64,4 milhões no período e não deu chances para os outros filmes em cartaz na disputa pelo primeiro lugar do ranking. Ao término do fim de semana, a renda acumulada nas bilheterias do país era de aproximadamente US$ 286 milhões.

Cena de SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA.

Cena de SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA.

Sing: Quem Canta Seus Males Espanta ficou na segunda colocação do ranking americano ao arrecadar cerca de US$ 35,3 milhões em seu primeiro fim de semana em cartaz no país. Mesmo com uma recepção razoável da crítica local, a animação conseguiu duas nomeações ao Globo de Ouro, nas categorias filme de animação e canção original. Somando a renda obtida aos valores acumulados nas pré-estreias, Sing terminou o fim de semana com cerca de US$ 55,9 milhões em receita.

Jennifer Lawrence e Chris Pratt em cena de PASSAGEIROS.

Jennifer Lawrence e Chris Pratt em cena de PASSAGEIROS.

Estrelado por Jennifer Lawrence e Chris Pratt, Passageiros entrou em cartaz no mercado americano e conseguiu uma renda razoável. Também mal recebido pela crítica americana, o novo drama do diretor Morten Tyldum, que ficou famoso ao ser nomeado ao Oscar na categoria de melhor direção por O Jogo da Imitação, arrecadou apenas US$ 14,9 milhões em seu primeiro fim de semana, mas conseguiu ficar com a terceira colocação do ranking americano. Com a arrecadação nas pré-estreias, a receita do filme era de cerca de US$ 22,2 milhões ao término do fim de semana. A estreia do filme no Brasil está marcada para o dia 5 de janeiro, próxima quinta-feira.

Zoey Deutch e James Franco em cena de TINHA QUE SER ELE?.

Zoey Deutch e James Franco em cena de TINHA QUE SER ELE?.

Tinha Que Ser Ele? estreou também com dificuldades, somando cerca de US$ 11 milhões em seu primeiro fim de semana em cartaz no país. Mal recebido pela crítica, o filme obteve uma nota 38 de 100 no Metacritic.com. Esta é a quarta comédia do diretor John Hamburg, mas das quatro, apenas Eu Te Amo, Cara, de 2009, obteve uma recepção razoável. A estreia do filme no Brasil está prevista apenas para o dia 16 de março do próximo ano, após a cerimônia do Oscar, marcada para o dia 26 de fevereiro.

Michael Fassbender em cena de ASSASSIN'S CREED.

Michael Fassbender em cena de ASSASSIN’S CREED.

Assassin’s Creed foi outro estreante mal recebido pela crítica americana que terminou seu primeiro fim de semana em cartaz no país com uma arrecadação não muito atraente, cerca de US$ 10,3 milhões. A grande produção estrelada por Michael Fassbender, Marion Cottillard e Jeremy Irons, e dirigida pelo aclamado Justin Kurzel, premiado no Festival de Cannes com o filme Snowtown, de 2011, não conseguiu mais que 40 de 100 no Metacritic.com, segundo avaliação de diversos críticos do país de jornais, revistas e etc. No entanto, devido a fama do jogo Assassin’s Creed, no qual o filme se baseia, a espera pelo filme não deixa de ser grande. No Brasil, a estreia está prevista para o dia 12 de janeiro do próximo ano. Com as arrecadações obtidas nas pré-estreias, a receita do filme nas bilheterias do país era de US$ 17,7 milhões ao término do fim de semana.

Confira abaixo a tabela do ranking com os dez melhores.

reua

Veja o trailer de Assassin’s Creed.

Imagem de Amostra do You Tube

TRILHA SONORA – Writing’s On The Wall, de Sam Smith

Tradição na franquia 007, a música dos créditos iniciais é, dessa vez, cantada pelo britânico Sam Smith e já pode ser escutada nas principais rádios. Apesar de não ser tão bom quanto Skyfall, de Adele, que inclusive ganhou o Oscar de Melhor Canção em 2013, a música chama atenção pelo timbre de voz de Smith

Capa do single WRITING'S ON THE WALL de Sam Smith, tema de 007 CONTRA SPECTRE (Foto - Divulgação)

Capa do single Writing’s On The Wall, de Sam Smith, tema de 007 CONTRA SPECTRE

A canção fala de alguém que passou a vida correndo e fazendo estripulias, mas que agora, ao lado da nova amada, sente vontade de querer ficar. Existem trechos que dizem que “eu nunca atiro pra errar e que “se eu conseguir sobreviver a este dia, então não há mais motivos para correr. Isso é algo que tenho que encarar”. Já o refrão indaga se a amada seria um suporte para aliviar a queda e como poderia respirar, pois na ausência do amor, se sente sufocado.

O vídeo mostra trechos inéditos do filme, que está em cartaz nos cinemas, com Daniel Craig no papel do agente secreto pela quarta vez. O clipe foi dirigido por Luke Monaghan e filmado em Roma, nos mesmos locais que 007 Contra Spetre (Spectre, 2015), de Sam Mendes. O cantor britânico emitiu comunicado afirmando está vivendo “um dos pontos altos” de sua carreira.

Vejam clipe de Sam Smith da canção Writing’s On The Wall:

Imagem de Amostra do You Tube

O ABRAÇO DA SERPENTE – De índios e brancos

Representante da Colômbia para disputar uma vaga ao Oscar de filme estrangeiro, O Abraço da Serpente é inspirado nas expedições de dois pesquisadores brancos na selva amazônica. O filme está na Perspectiva Internacional da 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Antonio Bolívar em cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Antonio Bolívar em cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Inspirada nos cadernos de viagem do etnólogo alemão Theodor Koch-Grunberg (1872-1924) e do botânico norte-americano Richard Evans Schultes (1915-2001), a produção colombiana O Abraço da Serpente (El Abrazo de la Serpiente, 2015), de Ciro Guerra, não se limita a ser mais um filme antropológico. Ao intercalar a expedição dos dois pesquisadores em tempos distintos, o longa-metragem busca não só uma reflexão sobre as diferenças culturais entre brancos e índios, como também se posicionar acerca das consequências do cruzamento entre as duas culturas.

O Abraço da Serpente inicia na Amazônia de 1909, quando o alemão Theodor Von Martius (Jan Bijvoet) – nome no filme dado ao personagem que representa Koch-Grunberg – e seu amigo índio Manduka (Yauenkü Miguee) procuram o xamã Karamakate (Nilbio Torres). O etnólogo pesquisador dos costumes dos nativos amazônicos chega doente e pede ao xamã para acompanhá-lo em uma viagem pela selva em busca de uma planta rara, a Yakruna, que tem poderes medicinais sagrados de cura.

Nilbio Torres em cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Nilbio Torres em cena de O ABRAÇO DA SERPENTE

Décadas depois, o norte-americano Evans (Brionne Davis) – nome no filme dado ao personagem de Richard Evans Schultes – também chega à mesma região amazônica à procura do xamã Karamakate já mais velho (Antonio Bolívar), guiado pelo livro de Theodor sobre a expedição. Evans também deseja encontrar a Yakruna, para outros fins: não para sua própria cura, mas para servir de objeto de pesquisas farmacêuticas no mundo ocidental.

Ao narrar com habilidade e de forma paralela as duas expedições, O Abraço da Serpente pontua as distinções entre os pontos de vista de Karamakate e os dois pesquisadores. Para o xamã indígena, o conhecimento pertence a todos os homens e não deveria ser usado para criar distinções. Ao passo que os pesquisadores, tanto insistem de forma equivocada em deixar intocada a cultura indígena – como é o caso de Theodor, que se incomoda com o sumiço de seu compasso – quanto a exploram de maneira indiscriminada com fins lucrativos – como é o caso de Evans, que até oferece dinheiro para o xamã.

Yauenkü Miguee, Jan Bijvoet e Nilbio Torres em cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Yauenkü Miguee, Jan Bijvoet e Nilbio Torres em cena de O ABRAÇO DA SERPENTE

O detalhe mais impressionante da interferência entre as culturas diz respeito à missão jesuítica. Na época de Theodor, os brancos ali chegaram em meio à selva para catequizar crianças indígenas, com o argumento de livrá-las do poder do demônio, do canibalismo e da ignorância – é notável a crítica ao presidente da Colômbia, Rafael Reyes, citado em uma placa na missão, datada de 1907, em que ele declara seu esforço de trazer os índios de “volta à civilização”. Na época de Evans, a mesma missão havia evoluído para o “pior dos dois mundos”, segundo as palavras de Karamakate. Um homem branco, que se advoga de Messias, lidera a tribo de índios, cegos pelo fanatismo e pela autoflagelação – talvez a sequência que deixa isto de forma mais clara seja a da missa.

Por todos estes detalhes, O Abraço da Serpente já pode ser considerado um dos grandes filmes da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. O filme foi destaque no 68º Festival de Cinema de Cannes, conquistando o prêmio da CICAE (Confédération Internationale des Cinémas d’Art et d’Essai) na Quinzena dos Realizadores.

Pôster de O ABRAÇO DA SERPENTE (El Abrazo de la Serpiente, 2015), de Ciro Guerra

Pôster de O ABRAÇO DA SERPENTE (El Abrazo de la Serpiente, 2015), de Ciro Guerra

Título: O Abraço da Serpente (El Abrazo de la Serpiente)

Gênero: Aventura/Drama

Direção: Ciro Guerra

Elenco: Nilbio Torres, Antonio Bolívar, Yauenkü Miguee, Jan Bijvoet, Brionne Davis

Duração: 125 min.

Origem: Colômbia

Ano: 2015

Classificação: 16 anos

 

 

 

 

Veja o trailer de O Abraço da Serpente:

Imagem de Amostra do You Tube

ARTES CÊNICAS – VARIEDADE NA PROGRAMAÇÃO DE MAIO

No mês de maio, a programação teatral se destaca pela variedade oferecida, que vai desde espetáculos de dança, passando por musicais, às peças tradicionais. Destaque para Stomp, Piaf! O Show e God Save The Queen: The Show Must Go On – Tributo ao Queen, comprovando que ao menos pela programação, o Teatro do RioMar Shopping veio pra ficar. Agende-se e confira a programação

Banner de DOIDAS E SANTAS

Banner de DOIDAS E SANTAS

Doidas e Santas

Com montagem de Regiana Antonini e livremente inspirado no livro homônimo de Martha Medeiros. No palco, acompanhamos a trajetória de Beatriz (Cissa Guimarães), uma psicanalista em crise no casamento. Seu marido (Oscar Magrini), é turrão e machista, e não tolera a ideia da separação. Fechando o elenco, temos “as mulheres da vida” de Beatriz: irmã, mãe e filha, vividas pela atriz Josie Antello. Dirigido por Ernesto Piccolo, o público vivencia alegrias, desilusões, neuroses da vida urbana, o prazer que se esconde no dia a dia, as relações amorosas e o poder transformador da coragem e do afeto.

SERVIÇO: Quando: 01 e 02/05 às 03/05 às 20h. Onde: Teatro do Via Sul Shopping. Ingressos: a partir de R$ 20,00. Mais informações: 3052.8027

Alessandra Maestrini no espetáculo DRAMA 'N JAZZ

Alessandra Maestrini no espetáculo DRAMA ‘N JAZZ

Drama ‘n Jazz

Show de Alessandra Maestrini, atriz, cantora, compositora e versionista, que estreou nos palcos em 1997 no espetáculo As Malvadas, de Charles Möeller e Cláudio Botelho, e que naquele ano ganhou o Prêmio Sharp de melhor musical. Desde então, Maestrini vem trilhando sua carreira como atriz e cantora, destacando-se em musicais de sucesso, papeis de comédia na televisão e shows autorais que misturam MPB, rock e jazz. Com um repertório composto por standards do jazz e temas de musicais, ela se apresenta acompanhada pelo pianista João Carlos Coutinho.

SERVIÇO: Quando: 01 às 20h, 02/05 às 18h e 20h e 03/05 às 19h Onde: Teatro da Caixa Cultural. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Serviço de manobrista gratuito. Mais informações: 3453.2770

Banner do espetáculo STOMP

Banner do espetáculo STOMP

Stomp

O grupo percursivo começou a carreira nas ruas da Inglaterra e se tornou mundialmente conhecido pelos ritmos fortes, criados com objetos do dia-a-dia. Já passaram por mais de 350 cidades de 36 países, além de participações na Broadway, na London West End, Festival de Cannes e no Oscar. Imperdível.

SERVIÇO: Quando: 02/05 às 21h00 e 03/05 às 14h00. Onde: Teatro do RioMar Shopping. Ingressos: R$ 50,00 (plateia alta), R$ 150,00 (plateia baixa B), R$ 180,00 (plateia baixa A). Mais informações: 3066.2000

Trecho do espetáculo de dança PINDORAMA

Trecho do espetáculo de dança PINDORAMA

Pindorama

 

Montagem que completa a trilogia iniciada com Pororoca, de 2009, e Piracema, de 2010. Todos os nomes são de origem indígena: enquanto os dois primeiros designam, respectivamente, grandes ondas formadas a partir do encontro do mar com o rio e o movimento migratório de peixes no sentido das nascentes, Pindorama foi o primeiro nome do Brasil (em tupi-guarani, “terra das palmeiras”), usado pelos índios antes de Pedro Álvares Cabral aportar aqui. As três propostas são ligadas por aspectos que perpassam o tema do encontro, do coletivo e das complexas relações entre aqueles que o integram.

 

Quando: 07 e 08/05 às 19h Onde: Centro Cultural Banco do Nordeste (R. Conde D’Eu, 560, Centro) Ingressos: Gratuito (lotação 120 pessoas). Classificação etária: 16 anos Mais informações: 3464.3108

 

Trecho de AQUILO DE QUE SOMOS FEITOS

Trecho de AQUILO DE QUE SOMOS FEITOS

Aquilo de que somos feitos

 

Não revela somente os corpos nus em composições instigantes (quase esculturas humanas), mas como ideias críticas presentes no imaginário coletivo. Premiado como Melhor coreografia e Melhor Trilha Sonora no Rio Dança 2000, e com o Herald Angel pelo Fringe Festival 2002, em Edimburgo, é apresentado regularmente em diversos países, além do Brasil.

 

Quando: 09/05 às 18h e 20h Onde: Centro Cultural Banco do Nordeste (R. Conde D’Eu, 560, Centro) Ingressos: Gratuito (lotação 120 pessoas). Classificação etária: 16 anos Mais informações: 3464.3108

Ithamara Koorax no espetáculo ELIZETHEANDO

Ithamara Koorax no espetáculo ELIZETHEANDO

Elizetheando: Ithamara Koorax revisita Elizeth Cardoso

Cantora homenageia uma das maiores intérpretes da música brasileira com o show. Ithamara irá interpretar canções como Carta ao Tom (Toquinho e Vinicius de Moraes) , Canção de Amor (Chocolate e Elano de Paula), Manhã de Carnaval (Luiz Bonfá e Antônio Maria), Canção da Manhã Feliz (Luís Reis e Haroldo Barbosa), Consolação (Baden Powell e Vinícius de Moraes), Deixa (Baden Powell e Vinícius de Moraes), entre outras.

SERVIÇO: Quando: 08 às 20h, 09/05 às 18h e 20h e 10/05 às 19h. Onde: Teatro da Caixa Cultural. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Serviço de manobrista gratuito. Mais informações: 3453.2770

Banner de INIMIGAS DE INFÂNCIA

Banner de INIMIGAS DE INFÂNCIA

Inimigas de Infância

Comédia inédita com o casal da novela Império, Josie Pessoa e Daniel Rocha, conta a história de Victória e Marcela, inimigas declaradas na época de colégio. Marcela era a popular e Victória a nerd. Após muitos acontecimentos na vida de cada uma, elas se reencontram 22 anos depois. Por ironia do destino, Victória está namorando Fernando, filho de Marcela. A situação demorou a se acertar, mas, elas descobriram uma enorme amizade entre as duas e a “inimizade” que nasceu na adolescência aos poucos vai se transformando numa grande cumplicidade e porque não dizer irmandade.

SERVIÇO: Quando: 09 e 10/05. Onde: Teatro do Via Sul Shopping. Ingressos: 60,00 (inteira) e 30,00 (meia). Mais informações: 3052.8026 e 3052.8027

Marcelo Nova e o baixista Robério Santana do CAMISA DE VÊNUS

Marcelo Nova e o baixista Robério Santana do CAMISA DE VÊNUS

Camisa de Vênus

Para comemorar os 35 anos de história da banda, o seu mentor e vocalista Marcelo Nova e o baixista Robério Santana trazem todos os seus sucessos de volta aos palcos. O setlist da turnê terá ao menos uma canção de cada álbum, sem deixar de contar com todos os seus maiores hits, como Eu Não Matei Joana D’arc, Só o Fim, Bete Morreu, Hoje, Simca Chambord, Deus Me Dê Grana e Silvia.

SERVIÇO: Quando: 15/05 às 21h00. Onde: Teatro do RioMar Shopping. Ingressos: R$ 120,00 (plateia alta), R$ 150,00 (plateia baixa B), R$ 170,00 (plateia baixa A). Mais informações: 3066.2000

Trecho do espetáculo CAMÉLIA

Trecho do espetáculo CAMÉLIA

Camélia

 

Camélia trás em seu desenho cênico um desdobramento do cenário criado pela consagrada artista plástica Beatriz Milhazes para a obra coreográfica Tempo de Verão. Cinco lustres cromáticos tridimensionais em que projetam uma complexa função. Uma dança do olhar, sem acomodações, através de múltiplos detalhes de formas geométricas articuladas e sobrepostas. O denso campo cromático cria um itinerário de sensações vertiginosas, promovendo um encontro de imagens em movimento.

 

SERVIÇO:

Quando: 15 e 16/05 às 21h e 17/05 às 19h Onde: Teatro Celina Queiroz (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz) Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia) Mais informações: 3477.3033

Banner do musical PIAF! O SHOW

Banner do musical PIAF! O SHOW

Piaf! O Show

Inspirado no filme vencedor do prêmio La Môme e grande sucesso em todo o mundo, Piaf! O Show conta a incrível história de vida e da carreira da inesquecível diva da música Edith Piaf através de todas as suas canções de sucesso, interpretadas pela voz incrível de Anne Carrere. O público é levado a uma viagem pelas ruas de Montmartre e Olympia Salão ambientada na Paris de 1950 e no melhor clima “La Vie en Rose” (o maior sucesso da diva). Fotos e imagens inéditas de Edith Piaf, bem como a tradução em Inglês das letras para melodias contando as histórias de Edith, serão compartilhadas através de um audiovisual inovador. O show faz parte da comemoração oficial do 100º aniversário do nascimento de Edith Piaf, cujo evento será realizado em dezembro de 2015 em Paris.

SERVIÇO: Quando: 16/05 às 21h00 e 17/05 às 19h00. Onde: Teatro do RioMar Shopping. Ingressos: R$ 240,00 (preço único). Mais informações: 3066.2000

Pablo Padin em GOD SAVE THE QUEEN

Pablo Padin em GOD SAVE THE QUEEN

God Save The Queen: The Show Must Go On – Tributo ao Queen

Considerado o melhor e mais consagrado tributo ao Queen, a banda foi formada em 1998 pelos argentinos Pablo Padin (vocal, na foto acima), Francisco Calgaro (guitarra), Ezeguiel Tibaldo (baixo) e Matias Albornoz (bateria). Na apresentação do espetáculo, reuniu-se os melhores clássicos do Queen num show eletrizante para sua turnê mundial 2015, passeando por clássicos como Bohemian Rhapsody, Radio Gaga, We Will Rock You, We Are The Champions, entre outros. A banda apresenta músicas de todas as épocas, sem qualquer recurso de play back, respeitando minuciosamente os arranjos originais.

SERVIÇO: Quando: 22/05 às 21h00. Onde: Teatro do RioMar Shopping. Ingressos: R$ 110,00 (plateia alta), R$ 130,00 (plateia baixa B), R$ 150,00 (plateia baixa A). Mais informações: 3066.2000

Segue vídeo promocional de God Save The Queen:

Imagem de Amostra do You Tube

DGA AWARDS – Iñárritu é o melhor diretor

O Sindicato de Diretores dos EUA entregou seu prêmio, o DGA Awards, na noite do último sábado (07/02) e elegeu o mexicano Alejandro González Iñárritu como o Melhor Diretor de 2014 por seu trabalho em Birdman (ou a Inesperada Virtude da Ignorância), deixando o então favorito Richard Linklater em uma posição desconfortável na disputa pelo Oscar.

Alejandro González Iñárritu e seu prêmio do Sindicato de Diretores dos EUA

Alejandro González Iñárritu e seu prêmio do Sindicato de Diretores dos EUA

Contrariando as expectativas de uma maioria de especialistas e jornalistas, Alejandro González Iñárritu foi eleito o Melhor Diretor pelo Sindicato de Diretores dos EUA, e levou o DGA Awards por seu trabalho em Birdman. Enquanto Michael Keaton deixou de ser favorito na categoria Melhor Ator – Eddie Redmayne venceu o SAG Awards e o Bafta – o filme Birdman venceu o PGA e o DGA e passou a ser favorito, estatisticamente falando, ao Oscar nas categorias Melhor Filme e Melhor Diretor.

Iñárritu já havia concorrido ao prêmio em 2007 por Babel (2006), porém perdeu para Martin Scorsese por Os Infiltrados (2006). Dos 66 anos em que o DGA Awards existem ele coincidiu com o Oscar em 52 vezes. A última vez que isso não aconteceu foi em 2013 quando Ben Affleck venceu o DGA, por Argo (2012), e sequer fora indicado ao Oscar, vencido por Ang Lee por As Aventuras de Pi (2012). Em 1996, no entanto, houve o caso que não deve ser esquecido onde Apollo 13 (1995), de Ron Howard, venceu o DGA e o PGA e os Oscar de Melhor Filme e Melhor Diretor foram para Coração Valente (1995) e seu diretor Mel Gibson. Apesar de todas as chances estarem ao lado de Iñárritu e Birdman, alguns apostam em uma zebra no Oscar, dado a representatividade que Boyhood: Da Infância à Juventude trouxe ao cinema norte-americano e por ele ter vencido o Bafta e o Globo de Ouro.

Ainda no DGA Awards 2015 Laura Poitras venceu na categoria Melhor Direção em Documentário por Citizenfour (2014), Lesli Linka Glatter venceu pela direção do episódio From A to B and Back Again da aclamada série Homeland (drama), Jill Soloway, pelo episódio Best New Girl da série Transparent (comédia), e Lisa Cholodenko, pela minissérie Olive Kitteridge.

SUNDANCE INICIA CORRIDA PELO OSCAR 2016 COM “BROOKLYN”, “GRANDMA” E MAIS

Ramin Setoodeh, Editor de Filmes, Nova Iorque para o site Variety
Tradução: Ávila Souza Oliveira

Cena de BROOKLYN (2015), de

Cena de BROOKLYN (2015), de John Crowley

Brooklyn, um drama sobre a jornada de um imigrante irlandês para a América, estreou no Festival de Sundance em uma segunda à noite, sem nenhum burburinho prévio. Mas quando as luzes se acenderam no Eccles Theatre em Park City, cerca de suas horas depois da exibição, seguidas de uma sessão de aplausos de pé, ficou claro que Sundance tinha cabado de exibir um dos melhores filmes do ano. Dentro de 24 horas a Fox Searchlight venceu os concorrentes (incluindo Weistein Co. E Focus Features) e uma disputa quente e arrebatou Brooklyn por 9 milhões de dólares. O acordo, o maior do festival desse ano, também iniciou oficialmente a corrida pelo Oscar 2016.

Pode parecer ridículo tentar prever uma premiação que acontecerá daqui a 13 meses. Mas os cinemas cobertos de neve em Park City podem ser as primeiras paradas de uma grande temporada de prêmios. Em 2014 Sundance iniciou campanhas de indicados a Melhor Filme desse ano como Whiplash: Em Busca da Perfeição (que estreou no festival) e Boyhood: Da Infância à Juventude, com Richard Linklater e o elenco de seu então projeto secreto falaram com os repórteres pela primeira vez.

Brooklyn, que se passa como algo entre Educação (2009) e Terra dos Sonhos (2002), ambos indicados ao Oscar, é marcado pela melhor atuação da carreira de Saoirse Ronan como uma jovem mulher irlandesa que viaja até Nova Iorque em 1952. Ronan, que foi indicada ao Oscar em 2007 por Desejo e Reparação (2007), certamente estará na cerimônia do ano que vem. A Academia adora um bom choro, e Brooklyn é um forte candidato porque preenche três requisitos importantes: é uma fonte de lágrimas, é um filme de época e apresenta vários sotaques. O filme provavelmente concorra em categorias como Melhor Filme, Melhor Diretor (John Crowley), Melhor Roteiro (Nick Hornby adaptado do romance de Colm Toibin) e figurino.

Além de Ronan, Sundance deu boas vindas entusiasmadas para Blythe Danner em I’ll See You in My Dreams (Vejo Você em Meus Sonhos em tradução livre). Essa comédia dramática do diretor Brett Haley deu a sua estrela de 71 anos – sendo protagonista pela primeira vez em sua carreira – aplausos unânimes. I’ll See You in My Dreams, que foca em uma viúva lutando com sua própria mortalidade, é um filme com temáticas que dialogariam com o votantes mais maduros da Academia (a la Para Sempre Alice). E Danner, que vem de uma família de Hollywood, é um rosto familiar – muito atrasada para sua primeira indicação ao Oscar. É apenas uma questão de achar para o filme, que ainda não foi vendido, o distribuidor certo para impulsionar o filme na temporada de premiações.

Tendo em vista o quão fraca têm sido das disputas de Melhor Atriz recentemente, 2015 poderia mudar isso, porque Sundance apresentou outra forte concorrente na categoria. Estou falando de Lily Tomlin por Grandma, uma comédia de viagem estrelado pela veterana atriz. O filme estreou no final de janeiro nos EUA, mas ele brilhou bastante na cabine para imprensa e cineastas como uma solicitação para que Sony Pictures Classics o colhesse. A personagem de Tomlin, uma famosa poeta lésbica com setenta e poucos anos de luto pela perda de sua parceira, embarca em uma jornada com sua neta grávida. Aqueles que já viram o filme dizem que Tomlin carrega o filme cheio de diálogos pesados, especialmente durante uma longa e emocionante cena com Sam Elliott.

Os compradores de Sundance notaram rapidamente que os filmes desse ano estavam fortes fora do normal. Como resultado, não fiquem surpresos se The End of the Tour (O Final da Viagem em tradução livre) aparecer entre os últimos lançamentos a tempo da temporda de premiações. O drama, dirigido por James Ponsoldt, foca em um período de cinco dias em 1996 no qual o jornalista David Lipsky (Jesse Eisenberg), da revista Rolling Stone, entrevista David Foster Wallace (Jason Segel), logo depois da publicação do romance “Infinite Jest”. A Academia ama honrar atores que interpretam pessoas reais, e Segel consegue desaparecer nas cenas e dar vida ao cultuado escritor que era ambivalente em relação a sua própria fama. Se a distribuidora A24 decidir colocar Eisenberg como melhor ator coadjuvante (mesmo ele dividindo quase o mesmo tempo de cena que Segel), ele pode facilmente conseguir sua segunda indicação ao Oscar – a primeira em 2010 por A Rede Social.

Tive também vários documentários promissores, incluindo o olhar afiado de Alex Gibney na Igreja da Cientologia em Going Clear, The Hunting Groud, de Kirby Dick sobre estupro e Best of Enemies, documentário do diretor de A Um Passo do Estrelato, Morgan Neville, e Robert Gordon sobre o debate televisivo de 1968 entre Gore Vidal e William Buckley.

Por último, o favorito do público de Sundance foi Me & Earl & The Dying Girl, rotulado como A Culpa É das Estrelas de 2015 por causa de sua história sobre um formando do Ensino Médio (Thomas Mann) que vira melhor amigo de uma colega com leucemia (Olivia Cook). A Academia não é boa em reconhecer filmes sobre jovens, mas esse – que foi comprado pela Fox Searchlight – lembra o tom irreverente de Juno, indicado a Melhor Filme. Se o filme e as atuações não chegarem a ser indicados, a Academia ainda pode reconhecer o esperto e espirituoso roteiro de Jesse Andrews (que ele adaptou de seu próprio romance).

Voltem daqui a 12 meses nessa postagem para ver como essas previsões se saíram.

AS CANÇÕES DE BOYHOOD – A TRILHA SONORA DE UMA VIDA

Ganhador do Globo de Ouro 2015, e com seis indicações ao Oscar 2015, o filme de Richard Linklater possui uma trilha sonora musical interessante, que tal qual o filme, acompanha o garoto da sua infância à juventude

Ellar Coltrane em BOYHOOD: DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (2014), de Richard Linklater

Ellar Coltrane em BOYHOOD: DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (2014), de Richard Linklater

Muito tem se falado do filme de Richard Linklater, ganhador do prêmio de melhor filme dramático no Globo de Ouro 2015. Apesar da qualidade da longa, pouco se tem falado acerca das músicas que embalam a história. A seleção desenvolvida pelo diretor Richard Linklater conta com canções que marcaram cada um dos 12 anos capturados pelo longa-metragem e, segundo ele estipulou, quase metade dos R$ 9,7 milhões gastos com o filme foi destinada ao pagamento para utilizar as canções no longa que tem conquistado vários prêmios ( SAIBA MAIS e leia a crítica de Ávila Souza aqui ).

Chama a atenção o fato de as músicas de Boyhood passearem pelo período que abrange o longa, mostrando um pouco do que fazia sucesso na época, definindo o tempo em que as cenas foram filmadas e sendo parte essencial na história de Linklater. A trilha sonora oficial do filme tem apenas 16 faixas, mas na trilha completa ouvimos músicas na produção, entre canções que são executadas como parte do filme, ou cantadas pelos personagens, ou emitida de alguma outra forma. Vamos aos comentários por período.

Anos 2000/2001

Logo no início da trama, ouvimos a melancólica Yellow, escrita por Guy Berryman, Jonny Buckland, Will Champion e Chis Martin e interpretada pelo Coldplay. A letra da canção é uma referência ao amor não correspondido. Ouça a seguir:

Imagem de Amostra do You Tube

Ainda acompanhando a infância de Mason, ouvimos Hate To Say I Told You So, da banda de rock The Hives, grupo sueco de punk de garagem formada em 1994 por cinco adolescentes da cidade industrial de Fagersta. Confira:

Imagem de Amostra do You Tube

Além das conhecidas Yellow, do Coldplay, e Hate To Say I Told You So, dos Hives, escutamos indiretamente Try again, também dos Hives, e Anthem Part Two, do Blink 182, que representam exatamente o período anterior ao início das filmagens, em maio de 2002. No entanto, o grande destaque é o hit de Britney Spears, Oops!… I did it again, que é cantada por Lorelei Linklater, filha do diretor.

Anos 2002 a 2004

Quando Mason envelhece um pouco, o período é representado por Soak up the sun, da Sheryl Crow. Curiosamente, chama atenção também uma faixa da trilha de Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban, de John Williams, dentro da trilha de Boyhood. Ouvimos Could We, canção gravada em 2006 pela cantora e compositora americana Cat Power e a banda de rock alternativo da década de 80, The Flaming Lips, que também está presente na trilha com a canção Do You Realize??. Ouça no clipe da música a seguir:

Imagem de Amostra do You Tube

Anos 2005/2006

Nesse período, Gnarls Barkley ganharam o mundo com Crazy, uma das melhores canções do setlist. O Gnarls Barkley, grupo formado pelo DJ e produtor Danger Mouse e o rapper Cee Lo Green ganhou o Grammy de melhor música alternativa do ano de 2007 com esta canção. Confira:

Imagem de Amostra do You Tube

Nesse período, os desconhecidos do Old Crow Medicine Show gravaram a My good gal. No longa ouvimos também o rap Freaks! Freaks!, de Pigeon John. Ainda há espaço para um Bob Dylan contemporâneo que dispensa comentários e está presente na trilha com Beyond The Horizon, num período da vida de Mason em que é possível vislumbrar o futuro de uma vida que está apenas começando.

Anos 2007/2008

Em mais uma fase marcada pela diversidade, temos o rap Crank that, de Soulja Boy. Na trilha há espaço para Let It Die, do Foo Fighters e a banda americana Vampire Weekend surge com One (Blake’s Got A New Face), uma balada bem ritmada e com letra simples. Wilco apresenta Hate It Here e já vemos claramente na letra da canção, a nova fase na vida de Mason Jr., a chegada da adolescência. Ouça Let It Die, do Foo Fighters:

Imagem de Amostra do You Tube

Ano 2009

O período de balada de Mason é embalado por Good Girls Go Bad, da banda Cobra Starship, grupo de pop punk e synthpop criada pelo vocalista e baixista da extinta banda Midtown, que tem uma pegada pop/eletrônica que nos remete ao auge dos Backstreet Boys. Nesta canção, temos a participação de Leighton Meester, atriz, cantora, compositora e modelo norte-americana, mais conhecida por interpretar Blair Waldorf na série Gossip Girl. Segue vídeo oficial da canção:

Imagem de Amostra do You Tube

No rádio, ou afins escutamos 1901, do Phoenix, e LoveGame, de Lady Gaga, que também aparece com Telephone, canções que certamente agitaram muitas festas na época. Quando o protagonista já tá lá pelos 15 anos, o pai dele dá de presente para o garoto uma coletânea dos Beatles. O nome da mixtape presente no CD é Black Album e reúne as principais obras dos quatro Beatles após o término da banda. No entanto a coletânea foi produzida de verdade pelo Ethan Hawke, intérprete do pai do protagonista do filme, para sua filha na vida real. Veja matéria completa sobre o Black Album clicando aqui.

Deste álbum, escutamos Sr. Paul McCartney com Band On The Run, da banda de rock Wings, formada em 1971 pelo ex-beatle Paul McCartney, que permaneceu em atividade até 1981. A banda atingiu bastante sucesso, embora tenha mudado constantemente de integrantes. A canção toca quando Mason Sr., Annie, Samantha e Mason Jr. chegam à casa dos pais de Annie. Segue clipe da canção:

Imagem de Amostra do You Tube

Ano 2010

Os Black Keys estouraram com o álbum Brothers de onde saiu She’s Long Gone, onde vemos que o amor começa a rondar a vida de Mason Jr. A canção tem riffs de guitarra e solos que exalam rebeldia juvenil, muito bem encaixado na trama. O Arcade Fire lançou The suburbs e aparece na trilha com Deep Blue e Suburban War, que toca enquanto Mason dirige com sua namorada rumo a Austin, onde eles iriam passar o fim de semana visitando a irmã dele na faculdade. Há espaço até para a brasileira Luísa Maita, que emplacou Desencabulada e Lero lero no longa. Confira a brasileira no vídeo abaixo:

Imagem de Amostra do You Tube

Anos 2011/2013

Wouter “Wally” De Backer, conhecido profissionalmente como Gotye, é um compositor e cantor multi-instrumentista belga-australiano que ficou conhecido com a canção Somebody That I Used To Know, que tem a participação da cantora, compositora e instrumentista neozelandesa Kimbra e foi indicada a vários prêmios é outro ponto alto da trilha. Ela expressa bem o sentimento ao final de um relacionamento. Confira:

Imagem de Amostra do You Tube

Helena Beat, do Foster The People, Trojans, do Atlas Genius, Hero, segundo álbum de estúdio, Loma Vista, da banda norte-americana de indie rock Family of the Year e I’ll Be Around, de Yo La Tengo, retomam a melancolia do início do filme e representam o ano em que as filmagens terminaram. Segue vídeo da canção I’ll Be Around:

Imagem de Amostra do You Tube

Ano 2014

O longa também trás músicas recentes em seu bojo, caso das três canções do primeiro disco de estúdio de Moreno Veloso: Não acorde o neném, Em todo lugar e Coisa boa e canção de início do filme, quando começamos a acompanhar a trajetória de vida de Mason, ainda nos créditos iniciais com Summer Noon escrita e Interpretada por Tweedy, compositor, músico e líder da banda Wilco. Segue vídeo com clipe animado da canção, que acompanha um balão vermelho durante seu voo:

Imagem de Amostra do You Tube

Adquira a trilha sonora clicando aqui.

FICHA TÉCNICA

Poster de BOYHOOD - DA INFÂNCIA A JUVENTUDE ( Boyhood, 2014) de Richard Linklater

Poster de BOYHOOD – DA INFÂNCIA À JUVENTUDE (2014) de Richard Linklater

Boyhood – Da Infância à Juventude

Título original: Boyhood / EUA, 2014

Direção/Roteiro: Richard Linklater

Elenco: Ellar Coltrane, Patricia Arquette, Ethan Hawke, Lorelei Linklater, Janet Piersen, Elijah

Smith, Bonnie Cross, Jamie Howard, libbie Villari, Marco Perella, Steven Chester Prince, Sidney Orta e Shane Graham

Orçamento: US$ 4 milhões

Duração: 165 minutos

Censura: 12 anos

Distribuidora: Universal Pictures

Quais músicas marcaram sua vida? Compartilhe.

Segue trailer de Boyhood – Da Infância à Juventude:

Imagem de Amostra do You Tube

CINEMA 2015: LIVROS QUE SERÃO ADAPTADOS PARA A TELONA

Já se tornou comum vermos adaptações de livros na tela grande. O ano de 2015 reserva uma grande lista de filmes que provêm de obra literária. Tem romance erótico, Dostoiévski, filme de guerra, documentário, saga adolescente, drama, história real, clássico, biografia, enfim, pra todo gosto. Confira a lista:

Imagem promocional de CINQUENTA TONS DE CINZA

Imagem promocional de CINQUENTA TONS DE CINZA

CINQUENTA TONS DE CINZA (Fifty Shades of Grey), de Sam Taylor-Johnson

Capa do livro Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James

Capa do livro Cinquenta Tons de Cinza, de E. L. James

Previsão de estreia no Brasil: 12/02/2015

Aguardada adaptação do romance de E. L. James enfim chega às telas em 2015. Sucesso da literatura mundial, um dos maiores fenômenos de venda com mais de 90 milhões de cópias em todo o mundo, transformou-se num dos ícones do chamado soft porn. A obra narra a história do relacionamento apimentado, com toques de sadomasoquismo, entre Anastasia Steele (Dakota Johnson), uma estudante universitária ingênua que se vê atraída pelo excêntrico multimilionário Christian Grey (James Dornan); Logo quando descobre que sua atração é correspondida ambos embarcam em um sensual e apaixonado acordo, em que Ana irá descobrir os grandes segredos e demônios que existem por trás da fachada de Christian. Assim como os livros, o filme também será o início de uma trilogia (isso se não dividirem o final em Parte 1 e Parte 2!).

SERVIÇO

Título: Cinquenta Tons de Cinza
Autora: E. L. James
Tradução: Adalgisa Campos da Silva
Editora: Intrínseca
Páginas: 480

Confira o trailer de Cinquenta Tons de Cinza:

Imagem de Amostra do You Tube

Capa do livro O Duplo de Fiodor Dostoipevski

Capa do livro O Duplo, de Fiodor Dostoipevski

O DUPLO (The Double, 2013), de Richard Ayoade

Previsão de estreia no Brasil: 12/02/2015

Baseado na obra de  Dostoiévski. O Duplo narra  as  terríveis inquietações em torno de Simon, quando um colega lhe usurpa a identidade, numa versão melhorada. Enquanto ele é tímido, inseguro e incapaz de se fazer notar,  seu sósia é extrovertido, carismático e muito sedutor, o que leva a Simon a tomar uma atitude, revelando uma força que ele não possuía, ou pelo  menos achava não possuir. Com Jesse Eisenberg e Mia Wasikowska no elenco.

SERVIÇO

Título: O Duplo
Autor: Fiódor Dostoiévski
Tradução: Paulo Bezerra
Editora: 34
Páginas: 306

Confira o trailer de O Duplo:

Imagem de Amostra do You Tube

SNIPER AMERICANO (American Sniper, 2014), de Clint Eastwood

Capa do livro Sniper Americano de Chris Kyle

Capa do livro Sniper Americano, de Chris Kyle

Previsão de estreia no Brasil: 19/02/2015

Baseado na autobiografia American Sniper: The Autobiography of the Most Lethal Sniper in U.S, de Chris Kyle, mostra o autor atuando ao longo de uma década como membro das Forças de Operações Especiais da Marinha dos Estados Unidos. Após relatar a experiência bélica em livro, sua história chega aos cinemas em um filme dirigido por Clint Eastwood e protagonizado por Bradley Cooper, num papel que lhe rendeu indicação ao Oscar. Kyle foi ao Iraque com a missão de proteger seus irmãos de armas. Sua precisão salva inúmeras vidas no campo de batalha e as histórias de suas corajosas façanhas se espalham até que ele receba o apelido de “Lenda”. No entanto, sua reputação também está crescendo por trás das linhas inimigas, colocando sua cabeça a prêmio e tornando-o alvo principal de insurgentes. Ele também está enfrentando um tipo de batalha diferente à frente de seu lar: se esforçando para ser um bom marido e bom pai mesmo estando do outro lado do mundo. No entanto, ao retornar para sua esposa, Taya Renae Kyle, e para as crianças, Chris descobre que é a guerra que ele não pode deixar para trás. No elenco liderado por Cooper, temos também Sienna Miller, Jake McDorman, Luke Grimes, Navid Negahban e Keir O’Donnell. A autobiografia ficou 18 semanas na lista de best-sellers do New York Times, sendo 13 em 1º lugar.

SERVIÇO

Título: Sniper Americano
Autor: Chris Kyle
Tradução: André Gordirro
Editora: Intrínseca
Páginas: 344

Confira o trailer de Sniper Americano:

Imagem de Amostra do You Tube

O SAL DA TERRA (The Salt of the Earth, 2014), de Wim Wenders

Capa do livro Genesis de Sebastião Salgado

Capa do livro Genesis, de Sebastião Salgado

Previsão de estreia no Brasil: 12/03/2015

Documentário indicado ao Oscar sobre um dos fotógrafos mais respeitados do mundo. No livro Genesis, Sebastião Salgado buscou registrar as regiões do planeta ainda inexploradas pelo homem. Nos últimos 40 anos, Sebastião Salgado tem viajado através dos continentes, aos passos de uma humanidade sempre em mutação. Ele testemunhou alguns dos principais eventos da nossa história recente: conflitos internacionais, a fome e o êxodo. Ele agora embarca na descoberta de territórios imaculados, da flora e da fauna selvagem e de paisagens grandiosas como parte de um enorme projeto fotográfico. Uma homenagem à beleza do planeta, reveladas por seu filho, Juliano Salgado e pelo renomado diretor Wim Wenders. Vencedor do Prêmio Especial na mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes 2014 e Prêmio de Melhor Filme eleito pelo público no Festival de San Sebastian 2014.

SERVIÇO

Título: Genesis
Autor: Sebastião Salgado
Editora: Taschen
Páginas: 520

Confira o trailer de O Sal da Terra:

Imagem de Amostra do You Tube

A SÉRIE DIVERGENTE: INSURGENTE (Insurgent, 2015), de Robert Schwentke

Capa do livro Insurgente de Verônica Roth

Capa do livro Insurgente, de Verônica Roth

Previsão de estreia no Brasil: 19/03/2015

Segundo livro da série criada por Veronica Roth dá continuidade à história que se passa em uma Chicago futurista e as facções apresentadas no primeiro volume da saga começam a passar por problemas, cabendo a Tris (Shailene Woodley) salvar as pessoas enquanto também precisa se manter viva. Assim, os riscos dela aumentam quando ela sai à procura de aliados. Ela e Quatro (Theo James) são agora fugitivos, caçados por Jeanine (Kate Winslet), a líder da elite Erudição, faminta pelo poder. Correndo contra o tempo, eles precisam descobrir a causa pela qual a família de Tris sacrificou suas vidas e por que os líderes da Erudição farão tudo para impedi-los.

SERVIÇO

Título: Insurgente
Autor: Veronica Roth
Tradução: Lucas Peterson
Editora: Rocco
Páginas: 512

Confira o trailer de A Série Divergente: Insurgente.

Imagem de Amostra do You Tube

NO CORAÇÃO DO MAR (In the Heart of the Sea, 2015), de Ron Howard

Capa do livro No Coração do Mar de Nathaniel Philbrick

Capa do livro No Coração do Mar. de Nathaniel Philbrick

Previsão de estreia no Brasil: 19/03/2015

Dirigido por Ron Howard, trata-se da adaptação para o cinema da história real que inspirou Moby Dick, um dos maiores clássicos da literatura de língua inglesa. Baseado em ampla pesquisa e fontes inéditas, o historiador Nathaniel Philbrick reconstitui todos os detalhes do naufrágio do baleeiro Essex, que em 1820 foi atacado por um cachalote enfurecido e afundou rapidamente, deixando os náufragos à deriva por 3 meses, sofrendo de inanição, desidratação, doenças e chegando à prática do canibalismo.

SERVIÇO

Título: No Coração do Mar
Autor: Nathaniel Philbrick
Tradutor: Rubens Figueiredo
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 302

Confira o trailer de No Coração do Mar:

Imagem de Amostra do You Tube

VÍCIO INERENTE (Inherent Vice, 2014), de Paul Thomas Anderson

Capa do livro Vício Inerente de Thomas Pynchon

Capa do livro Vício Inerente, de Thomas Pynchon

Previsão de estreia no Brasil: 26/03/2015

Um dos autores mais complexos da língua inglesa, Thomas Pynchon constrói em Vício Inerente uma conspiração formada por surfistas, traficantes, contrabandistas e uma agiota, que são investigados por um detetive particular que tenta desvendar uma das ações mais audaciosas do bando. Dirigido por Paul Thomas Anderson e no elenco nomes como Joaquin Phoenix, Josh Brolin, Owen Wilson, Katherine Waterston, Reese Witherspoon e Benicio Del Toro. A trilha sonora foi composta por Jonny Greenwood, do Radiohead.

SERVIÇO

Título: Vício Inerente
Autor: Thomas Pynchon
Tradução: Caetano Galindo
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 464

 Confira o trailer de Vício Inerente:

Imagem de Amostra do You Tube

A VIAGEM MAIS LONGA (The Longest Ride, 2015), de George Tillman Jr.

Capa do livro Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks

Capa do livro Uma Longa Jornada, de Nicholas Sparks

Previsão de estreia no Brasil: 21/05/2015

Adaptação de obra de Nicholas Sparks. Sophia Danko (Britt Robertson) conhece o cowboy Luke Collins (Scott Eastwood, filho de Clint Eastwood), que a apresenta um mundo com a qual não estava acostumada. O caminho dos dois vão se cruzar com o de um idoso, que relembra a sua juventude e o relacionamento que teve com o grande amor da sua vida, que se foi.

SERVIÇO

Título: Uma Longa Jornada
Autor: Nicholas Sparks
Tradução: Maria Clara De Biase
Editora: Arqueiro
Páginas: 368

 

Confira o trailer de A Viagem Mais Longa:

Imagem de Amostra do You Tube

Peter Pan (Pan, 2015), de Joe Wright

Capa do livro Peter Pan de J. M. Barrie

Capa do livro Peter Pan, de J. M. Barrie

Previsão de estreia no Brasil: 16/07/2015

Versão do clássico Peter Pan, de J. M. Barrie. O filme conta a história de um órfão que se transporta para a mágica Terra do Nunca. Lá, ele encontra diversão e perigos para, finalmente, descobrir o seu destino – se tornar o herói que será conhecido para sempre como Peter Pan. O elenco é estrelado por Hugh Jackman como Barba Negra, Garrett Hedlund como Capitão Gancho, Rooney Mara como Tiger Lilly, Adeel Akhtar como Smee, Levi Miller como Peter, Amanda Seyfried como Mary, e Leni Zieglmeier como Wendy.

SERVIÇO

Título: Peter Pan
Autor: J. M. Barrie
Tradução: Julia Romeu
Editora: Zahar
Páginas: 256

Confira o trailer de Peter Pan:

Imagem de Amostra do You Tube

CIDADES DE PAPEL (Paper Towns, 2015), de Jake Schreier

Capa do livro Cidades de Papel de John Green

Capa do livro Cidades de Papel de John Green

Previsão de estreia no Brasil: Junho, em data a ser definida

Depois do sucesso de A Culpa É das Estrelas, John Green está de volta aos cinemas na adaptação de Cidades de Papel, que não tem nenhuma relação com a obra anterior. Conta a história do garoto Quentin (Natt Wolff) que desde pequeno nutre uma paixão pela sua vizinha Margo (Cara Delavigne), de quem era muito próximo na infância. Já na adolescência ela virou a garota popular da escola e ele o garoto nerd da turma. No entanto, Margo invade o quarto do garoto na calada da noite, vestida de ninja, e o convoca para uma missão secreta, uma aproximação que causa inúmeras situações, fazendo Quentin descobrir que Margo não é nem de perto a garota que ele pensava que conhecia. Jake Schreier será o diretor.

SERVIÇO

Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Tradução: Juliana Romeiro
Editora: Intrínseca
Páginas: 368

MAZE RUNNER – PROVA DE FOGO (Maze Runner: The Scorch Trials, 2015), de Wes Ball

Capa do livro Prova de Fogo de James Dashner

Capa do livro Prova de Fogo, de James Dashner

Previsão de estreia no Brasil: 17/09/2015

Sequencia da saga Maze Runner, Prova de fogo dá continuidade a trama, logo após escapar do labirinto, Thomas (Dylan O’Brien) e os garotos que o acompanharam em sua fuga da Clareira precisam agora lidar com uma realidade bem diferente: a superfície da Terra foi queimada pelo sol e eles precisam lidar com criaturas disformes chamadas Cranks, que desejam devorá-los vivos.

SERVIÇO

Título: Maze Runner – Prova de Fogo
Autor: James Dashner
Tradução: Henrique Monteiro
Editora: Vergara & Riba
Páginas: 400

 

 

VICTOR FRANKENSTEIN (Victor Frankenstein, 2015), de Paul McGuigan

Capa do livro Frankenstein de Mary Shelley

Capa do livro Frankenstein, de Mary Shelley

Previsão de estreia no Brasil: 01/10/2015

Nova versão da história do médico que cria um monstro a partir de partes de cadáveres humanos, lançada em 1818, a história é narrada por Victor Frankenstein. O romance já foi adaptado para o teatro em 1820 e também já recebeu diversas versões cinematográficas. Em 2015 teremos mais uma, dirigida por Paul McGuigan, com Daniel Radcliffe e James McAvoy no elenco.

SERVIÇO

Título: Frankenstein
Autora: Mary Shelley
Tradução: Bruno Gambarotto
Editora: Hedra
Páginas: 272

 

 

O PEQUENO PRÍNCIPE (The Little Prince, 2015), de Mark Osborne

Capa do livro O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry

Capa do livro O Pequeno Príncipe,
de Antoine de Saint-Exupéry

Previsão de estreia no Brasil: 08/10/2015

No ano em que o clássico de Antoine de Saint-Exupéry cai em domínio público, o diretor Mark Osborne leva sua interpretação da obra para o cinema com um elenco que conta, dentre outros, com Rachel McAdams, James Franco e Benício Del Toro. Na animação, um piloto de avião sofre um acidente e cai em pleno deserto do Saara. Lá, acaba conhecendo um jovem garoto, um pequeno príncipe que vem de outro planeta. Os dois acabam embarcando numa jornada de sonhos, onde o garoto irá contar suas histórias ao novo amigo, que redescobrirá valores da infância.

SERVIÇO

Título: O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Tradução: Frei Betto
Editora: Geração Editorial
Páginas: 160

Confira o trailer de O Pequeno Príncipe:

Imagem de Amostra do You Tube

JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – PARTE 2 (The Hunger Games: Mockingjay – Part 2), de Francis Lawrence

Capa do livro A Esperança de Suzanne Collins

Capa do livro A Esperança, de Suzanne Collins

Previsão de estreia no Brasil: 19/11/2015

A segunda parte da versão cinematográfica de A Esperança finaliza a adaptação da obra de Suzzane Collins. A heroína Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) continua sua luta com a Capital, que ficou inconformada com o fato dela ter sobrevivido duas vezes aos jogos vorazes. A heroína está disposta a lutar em nome de sua causa e também por seus amigos e familiares.

 

SERVIÇO

Título: A Esperança
Autora: Suzane Collins
Tradução: Alexandre D’Elia
Editora: Rocco
Páginas: 424

 

FALLEN (Fallen, 2015), de Scott Hicks

Capa do livro Fallen de Lauren Kate

Capa do livro Fallen,
de Lauren Kate

Previsão de estreia no Brasil: Não definida

Série que já vendeu mais de 1 milhão de exemplares somente no Brasil, contará com produção da Disney. A história se desenrola com a relação entre Daniel Grigori e Luce, que deseja descobrir qual é o segredo que o garoto vive escondendo. A história gira em torno de Lucinda (Addison Timlin) a jovem que se vê envolvida no mistério da morte de seu namorado e é enviada para um reformatório. Lá ela conhece Daniel (Jeremy Invine) por quem se apaixona. O que ela não sabe é que ele na verdade é um anjo que se apaixonou por ela há milênios. Lá Lucinda também encontra Cam (Harrison Gilbertson), outro que luta há tempos pelo seu amor.

SERVIÇO

Título: Fallen
Autora: Lauren Kate
Tradução: Alda Lima
Editora: Galera Record
Páginas: 406

 

MINHA FAMA DE MAU (2015), de Lui Farias

Capa do livro Minha Fama de Mau de Erasmo Carlos

Capa do livro Minha Fama de Mau, de Erasmo Carlos

Previsão de estreia no Brasil: Não definida

O diretor Lui Farias transformará em filme a autobiografia de Erasmo Carlos, um dos cantores e compositores mais importantes da música nacional. A trajetória de Erasmo Carlos é contada desde o início, quando ele ainda estudava música, até conhecer Roberto Carlos, Wanderléa e conquistar a fama. O documentário retrata inclusive a vida de excessos e a decadência do artista. Lutando para sobreviver e se virando entre pequenos trabalhos, o jovem Erasmo Carlos alimentava uma paixão: o rock and roll. Fã de Elvis Presley, Bill Halley & The Comets e Chuck Berry, ele aprende a tocar violão e passa a perseguir a ideia de viver da música. Misturando talento e um pouco de sorte, ele conquista a admiração do apresentador de TV Carlos Imperial, um cara influente no meio artístico, e através dele conhece o cantor Roberto Carlos, com quem passaria a compor diversas músicas de rock. A parceria começa a dar certo e o sucesso logo chega, transformando para sempre a vida de Erasmo, que se tornaria um dos maiores ídolos da música jovem e apresentaria, ao lado de Roberto e Wanderléa, o programa de TV Jovem Guarda. Com a fama, dinheiro, carrões e mulheres não eram problema para ele, mas o sucesso tem seu preço e um certo preconceito começou a pesar em cima deles, levando o programa ao fim. Longe dos holofotes, ele segue em frente e encara difíceis batalhas para se manter de pé e roqueiro num ambiente hostil ao estilo de música que tanto curtia e o consagrou..

SERVIÇO

Título: Minha Fama de Mau
Autor: Erasmo Carlos
Editora: Ponto de Leitura
Páginas: 368

 

O OUTRO LADO DO PARAÍSO (2015), de André Ristum

Capa do livro O Outro Lado do Paraíso de Luiz Fernando Emediato

Capa do livro O Outro Lado do Paraíso, de Luiz Fernando Emediato

Previsão de estreia no Brasil: Não definida

Sobre as aventuras de um homem idealista narradas pelo seu filho, um garoto de 12 anos, que, por meio das histórias, mostra como o golpe militar de 1964 impactou em sua família. Lançado em 1981, O Outro Lado do Paraíso ganha adaptação para o cinema feita por André Ristum e estrelada por Eduardo Moscovis. Antônio (Eduardo Moscovis) faz o que pode para conseguir dinheiro para o sustento do lar. Já tentou garimpo, bicos diversos, e agora pensa ter encontrado finalmente seu lugar: Brasília. Atraído pelas promessas do presidente João Goulart e pela ampla oferta de emprego, ele se muda para a capital com a esposa e os filhos. O sonho da prosperidade, no entanto, é interrompido pelo golpe militar e Antônio, envolvido com o sindicalismo, começa a viver um pesadelo.

SERVIÇO

Título: O Outro Lado do Paraíso
Autor: Luiz Fernando Emediato
Editora: Geração Editorial
Páginas: 48

Confira o trailer de O Outro Lado do Paraíso:

Imagem de Amostra do You Tube

PGA AWARDS – PRODUTORES DE BIRDMAN VENCEM

Birdman foi o vencedor do PGA Awards, primeiro e mais incisivo prêmio dos Sindicatos a divulgar seus vencedores. Uma Aventura Lego, desprezado pelo Oscar, foi eleito o Melhor Filme de Animação e as série Breaking Bad, pelo segundo ano consecutivo, e Orange is the New Black foram eleitas as melhores séries Drama e Comédia, respectivamente.

Michael Keaton em cena de BIRDMAN, vencedor do PGA Awards 2015

Michael Keaton em cena de BIRDMAN, vencedor do PGA Awards 2015

Até a noite do último sábado (24/01), aqueles que acompanham as premiações da chamada temporada de ouro apostariam sem medo que Boyhood: Da Infância à Juventude seria eleito o Melhor Filme no Oscar 2015. Ele venceu o Globo de Ouro e mais cerca de seis prêmios de críticos, americanos e estangeiros, e se mostrava uma escolha quase unânime. Porém a discreta premiação do Sindicato de Produtores Cinematográfico dos EUA, que acontece sem a presença das grandes celebridades e sem o assédio da imprensa, causou mais furor do que qualquer outra premiação até então, e injetou uma dose de ânimo na disputa pelo Oscar. O motivo foi: Birdman venceu o prêmio dos produtores. Birdman já contava com alguns prêmios da crítica em seu somatório, mas nada perto da quantidade de Boyhood, porém com a vitória no PGA ele provou que continua lado a lado com seu mais forte concorrente. Na verdade está um passo mais seguro à frente.

Vamos aos fatos. Primeiro e mais importante, sempre afirmei que críticos e sindicatos tinham gostos, às vezes, bem distintos. A visão de quem participa de um filme e está presente em todo o seu processo é diferente de quem assisite a um produto final e muitas vezes não leva em consideração todas as etapas de construção daquela produção. Boyhood venceu vários prêmios de críticos, entre eles o mais siginficativo: o Globo de Ouro (GG). Porém, voltemos 10 anos no tempo para fazermos uma breve análise. Em 2005, o GG premiou como Melhor Filme O Aviador, de Martin Scorsese, e no mesmo ano o Oscar foi para Menina de Ouro, de Clint Eastwood. Em 2006, O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee, foi o vencedor do GG, enquanto Crash: No Limite, de Paul Haggis, saiu com o Oscar. Em 2007 o GG elegeu o drama Babel, de Alejandro González Iñárritu, como o Melhor Filme, o PGA foi para Pequena Miss Sunshine, de Jonathan Dayton e Valerie Faris, e o Oscar para Os Infiltrados, de Martin Scorsese. Em 2010 o GG premiou o fenômeno Avatar, de James Cameron, como Melhor Filme de 2009, porém o Oscar foi para Guerra ao Terror, de Katrhyn Bigelow. No ano seguinte A Rede Social, de David Fincher, recebeu o prêmio de Melhor Filme pelo GG, enquanto O Discurso do Rei, de Tom Hooper, foi o vencedor do Oscar.

Porém a diferença noa está apenas entre críticos e sindicatos, na última década aconteceram algumas divergências entre o Oscar e o PGA Awards, considerado o melhor termômetro para a premiação. Em 2005 O Aviador, recebeu o PGA Awards e ficou mais perto pelo Oscar na disputa daquele ano, porém, como já citei acima, Menina de Ouro saiu com o Oscar de Melhor Filme. Em 2006 O Segredo de Brokeback Mountain além do Globo de Ouro venceu o PGA Awards, mas não faturou o Oscar. Em 2007 houve o desentendimento já citado anteriormente. Desde então os vencedores do PGA e do Oscar vêm coincidindo, no entanto, lembremos também que ano passado houve o surpreendente empate entre Gravidade e o vencedor do Oscar 12 Anos de Escravidão no prêmio dos Sindicatos.

Enfim, façam suas apostas. Amanhã (26/01) acontecerá o SAG Awards, prêmio do Sindicato de Atores, e não vejo outra possibilidade a não ser Birdman sair vencedor do prêmio máximo da noite, Melhor Elenco, o que pode ser mais um passo importante na corrida.

OSCAR 2015 – CONHEÇA OS INDICADOS

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood divulgou a lista de indicados ao Oscar 2015. Apenas 8 títulos foram indicados a Melhor Filme. A veterana Meryl Streep quebrou seu próprio recorde e emplacou sua 19ª indicação ao prêmio da Academia. E o documentário O Sal da Terra, que fala sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e é codirigido pelo filho do fotógrafo, Juliano Ribeiro Salgado, em parceria com o alemão Wim Wenders, está entre os indicados

GTY_oscar_mar_140225_16x9_992

Os indicados do Oscar por mais um ano refletiram o já conhecido estilo da maioria dos votantes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. O apreço por preto e branco se mostrou na indicação do polonês Ida ao prêmio de Melhor Fotografia – além de Melhor Filme Estrangeiro. O apreço por atrizes internacionais se mostrou com a indicação de Marion Cotillard pelo Filme Dois Dias, Uma Noite. E, entre outros, o apreço pelo cinema sul-americano se mostrou com a indicação do argentino Relatos Selvagens em Melhor Filme Estrangeiro.

Birdman e O Grande Hotel Budapeste lideram os indicados concorrendo em 9 categorias cada um. Em segundo lugar O Jogo da Imitação concorre em 8 categorias. E em terceiro lugar estão Sniper Americano e o vencedor do Globo de Ouro Boyhood: Da Infância à Juventude, cada um com 6 indicações.

Falemos dos esquecidos. Surpreendentemente um dos filmes que é presença garantida em todas as outras premiações da temporada, Garota Exemplar, só conseguiu a indicação de Rosamund Pike na categoria Melhor Atriz. Jake Gyllenhaal e Jennifer Aniston, ambos indicados ao SAG Awards por seus trabalhos em O Abutre e Cake: Uma Razão para Viver não conseguiram fazer a cabeça dos votantes da Academia. Outra ausência bastante sentida por críticos e especialistas – e por qualquer pessoa com bom senso – foi a de Uma Aventura LEGO na categoria Melhor Animação.

Na categoria Melhor Filme Estrangeiro o primeiro filme da história a ser submetido pela Mauritânia conseguiu uma vaga entre os indicados. O drama Timbuktu fala da ocupação da cidade Tombuctu pelos rebeldes islâmicos e tem previsão de estreia nacional agendada para o próximo dia 22.

No mais, tudo nos conformes. Que comecem as apostas e no dia 22 de fevereiro saberemos quem levará as estatuetas para casa. Confira a lista completa de indicados ao Oscar 2015

MELHOR FILME
A Teoria de Tudo
Boyhood: Da Infância à Juventude
Birdman (ou a Inesperada Virtude da Ignorância)
O Jogo da Imitação
O Grande Hotel Budapeste
Selma – Uma Luta pela Igualdade
Sniper Americano
Whiplash: Em Busca da Perfeição

MELHOR DIREÇÃO
Richard Linklater, Boyhood: Da Infância à Juventude
Alejandro González Iñárritu, Birdman
Wes Anderson, O Grande Hotel Budapeste
Morten Tyldum, O Jogo da Imitação
Bennett Miller, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

MELHOR ATOR
Michael Keaton, Birdman
Eddie Redmayne, A Teoria de Tudo
Bradley Cooper, Sniper Americano
Benedict Cumberbatch, O Jogo da Imitação
Steve Carell, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo

MELHOR ATRIZ
Julianne Moore, Para Sempre Alice
Reese Witherspoon, Livre
Rosamund Pike, Garota Exemplar
Felicity Jones, A Teoria de Tudo
Marion Cotillard, Dois Dias, Uma Noite

MELHOR ATOR COADJUVANTE
J.K. Simmons, Whiplash: Em Busca da Perfeição
Edward Norton, Birdman
Mark Ruffalo, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
Robert Duvall, O Juiz
Ethan Hawke, Boyhood: Da Infância à Juventude

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Patricia Arquette, Boyhood: Da Infância à Juventude
Emma Stone, Birdman
Keira Knightley, O Jogo da Imitação
Meryl Streep, Caminhos da Floresta
Laura Dern, Livre

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Alejandro González Iñárritu, Alexander Dinelaris, Armando Bo, Nicolás Giacobone, Birdman
Wes Anderson & Hugo Guiness, O Grande Hotel Budapeste Hotel
Richard Linklater, Boyhood: Da Infância à Juventude
E. Max Frye & Dan Futterman, Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
Dan Gilroy, O Abutre

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Paul Thomas Anderson, Vício Inerente
Anthony McCarten, A Teoria de Tudo
Damien Chazelle, Whiplash: Em Busca da Perfeição
Jason Hall, Sniper Americano
Graham Moore, O Jogo da Imitação

MELHOR ANIMAÇÃO
Operação Big Hero
Os Boxtrolls
Como Treinar Seu Dragão 2
Song of the Sea
O Conto da Princesa Kaguya

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Capitão América 2: O Soldado Invernal
Planeta dos Macacos: O Confronto
Guardiões da Galáxia
Interestelar
X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Sniper Americano
Birdman
O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos
Interestelar
Invencível

MELHOR MIXAGEM DE SOM
Whiplash: Em Busca da Perfeição
Birdman
Interestelar
Invencível
Sniper Americano

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Interestelar
Caminhos da Floresta
Sr. Turner

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADOS
Foxcatcher: A História que Chocou o Mundo
O Grande Hotel Budapeste
Guardiões da Galáxia

MELHOR FIGURINO
O Grande Hotel Budapeste
Caminhos da Floresta
Vício Inerente
Malévola
Sr. Turner

MELHOR FOTOGRAFIA
Birdman
O Grande Hotel Budapeste
Ida
Sr. Turner
Invencível

MELHOR MONTAGEM
Sniper Americano
Boyhood: Da Infância à Juventude
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Whiplash: Em Busca da Perfeição

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Ida (Polônia)
Leviatã (Rússia)
Tangerines (Estônia)
Timbuktu (Mauritânia)
Relatos Selvagens (Argentina)

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
O Grande Hotel Budapeste
O Jogo da Imitação
Interestelar
Sr. Turner
A Teoria de Tudo

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
Everything is Awesome, Uma Aventura LEGO
Glory, Selma
Grateful, Além das Luzes
I’m Not Gonna Miss You, Glen Campbell: I’ll Be Me
Lost Stars, Mesmo Se Nada Der Certo

MELHOR CURTA-METRAGEM
Aya
Boogaloo e Graham
Butter Lamp
Parvaneh
The Phone Call

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
The Bigger Picture
The Dam Keeper
O Banquete
Me and My Moulton
A Single Life

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM LONGA-METRAGEM
Citizenfour
Finding Vivian Maier
Last Days
O Sal da Terra
Virunga

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM
Crisis Hotline: Veterans Press 1
Joanna
Our Curse
The Reaper
White Earth