FESTIVAL DE HAVANA-2016 – DESERTO, O VENCEDOR

Deserto, drama político com toques de thriller de ação dirigido por Jonás Cuaron, filho de Alfonso Cuaron, o realizador de Gravidade (2014), conquistou o Prêmio Coral de Melhor Filme do Festival internacional do Novo Cinema Latinoamericano de Havana. O Festival, encerrado na última sexta-feira, 16, foi marcado pela proibição do filme Santa y Andrés, de Carlos Lechuga, que conta a vida do poeta Delfin Prats, 71, e de outros intelectuais homossexuais do País

Gael Garcia Bernal em DESERTO (2016), de Jonás Cuaron: vencedor de Havana-2016

Gael Garcia Bernal em DESERTO (2016), de Jonás Cuaron: vencedor de Havana-2016

A premiação de Deserto (2016), segundo as parcas notícias que chegam do controlado por uma ditadura de esquerda, foi surpreendente. A obra de Cuaron conta a saga de um mexicano chamado Moisés (Gael Garcia Bernal) que tenta cruzar a fronteira e entrar nos EUA é de perseguido implacavelmente pelo policial Sam (Jeffrey Dean Morgan). O filme ganhou também o Coral de Música Original. Outra produção mexicana foi premiada, Últimos Dias em Havana (2016),  do veterano Fernando Pérez, recebeu o Prêmio Especial do Júri.

Obra de ficção com base em personagens reais e tratando da intolerância da ditadura para com os artistas gays, com o principal enfocado, o marginalizado poeta Delfin Prats, 71, e Virgilio Piñera (1912-79), que foram impedidos de ter as suas obras encenadas em teatros e publicadas via editoras, além de terem sido impedidos de lecionar.

Mas, nada surpreendeu mais do que a proibição do longa Santa y Andrés (2016), segundo trabalho de Lechuga, uma produção sob os apuspícios do programa multinacional Ibermedia, além de capital do próprio diretor. A Ibermedia é cofinanciadora de projetos de cunho independente, sem o dinheiro estatal e está se tornando forte, a ponto de ter sido solicitada ao ditador Raul Castro, há 3 anos, a legalização do programa. O Instituto de Cinema de Cuba (ICAIC), através de seu presidente, Roberto Smith, alegou que a proibição deu por “questões de princípio”. E a explica: “O filme apresenta uma imagem da revolução que a reduz a uma expressão de intolerância e violência contra a cultura, faz um uso irresponsável de nossos símbolos pátrios e referências inaceitáveis ao companheiro Fidel” (Castro), postou Smith em comunicado à imprensa.

Deserto será lançado no Brasil pela Fênix Filmes, ainda sem data.

Confira o trailer de Deserto

 

EUA – ESTREIAS DA SEMANA 51

ATUALIZAÇÃO NESTE SÁBADO, 27 – ROGUE ONE A US$ 150 MILHÕES

Neste sábado, em seu segundo dia de lançamento nos cinemas dos EUA, a bilheteria de Rogue One – uma História de Star Wars, de Gareth Edwards, chegou a US$ 150 milhões, quantia que era esperada para a de todo o final de semana. Foram US$ 71,1 milhões registrados até hoje e amanhã , domingo, dia preferencialmente forte, deve fechar entre  US$ 150 a US$ 153 milhões

rogue-one

Mas, mesmo com essa euforia numérica demonstrada pela Disney, Rogue One não superava o filme anterior da franquia, Star Wars – o Despertar da Força, que faturou 37% a mais, ou seja, US$ 248 milhões nos 3 primeiros dias de exibição, mais pré-estreia. Em compensação, Rogue One deve fechar a sua bilheteria internacional em cerca de US$ 300 milhões, mesmo sem entrar em mercados fortes como China e Coreia do Sul.

Como o seu orçamento de produção foi de cerca de US$ 200 milhões, sem contabilizar os investimentos em marketing, o filme precisa arrecadar, na continuidade da semana, mais US$ 150 milhões para empatar a sua planilha de custo-benefício. A previsão é a arrecadação doméstica e internacional chegar próximo dos 2 bilhões.

Neste domingo, Otávio Augusto postará o resultado do Ranking-EUA de bilheteria.

EUA – ESTREIAS DA SEMANA 51
Sexta-feira, 16 de dezembro

Uma rápida passada nos filmes que estreiam nesta sexta, 16, nos EUA. Todas as atenções estão voltadas para a reação popular em relação de Rogue One – uma Aventura de StarWars, de Gareth Edwards, que, afirmam os especialistas, deverá ser a maior estreia nos cinemas norte-americanos desde Avatar, em 1999. No circuito dos filmes de arte, Manchester à Beira-Mar, que teve pré-estreia na semana passada, em razão da excelente receptividade se expande para 1.200 cinemas e irá bater de frente com Fences, a elogiada estreia de Denzel Washington na direção, e La La Land – Cantando Estações, ainda somente em pré-estreia

ROGUE ONE - UMA HISTÓRIA DE STAR WARS (2016), de Gareth Edwards: candidato a recordista do ano

ROGUE ONE – UMA HISTÓRIA DE STAR WARS (2016), de Gareth Edwards: candidato a recordista do ano

Primeiro, saiba quais filmes estão em lançamento, pela ordem de importância.

Rogue One – uma Aventura de Star Wars
Rogue One – a Star Wars Story
Direção: Gareth Edwards
Com Felicity Jones e Diego Luna

Manchester à Beira Mar
Manchester by the Sea
Direção: Kenneth Lonnergan
Com Casey Affleck e Michelle Williams

Fences
Direção: Denzel Washington
Com Viola Davis e Denzel Washington

Beleza Oculta
Collateral Beauty
Direção: David Frankel
Com Will Smith e Kate Winslet

A Kind of Murder
Direção: Andy Goddard
Com Jessica Biel e Patrick Wilson

Neruda
Direção: Pablo Larrain
Com Gael Garcia Bernal e Luis Gneco

Presságios de um Crime
Solace
Direção: Afonso Poyart
Com Anthony Hopkins e Collin Farrel

Veja o trailer de Rogue One – uma Aventura de StarWars.

Rogue One tem exibição em 4 mil e 157 salas e na noite de pré-estreia, na 5ª feira, só uma sessão em cada cinema, arrecadou US$ 29 milhões. Batman: a Origem da Justiça e Capitão América: Guerra Civil, arrecadaram em suas prés, US$ 27 milhões e 25 milhões respectivamente. Ambos arrecadaram, também respectivamente, US$ 330,3 milhões e US$ 408 milhões e quebradinhos. Nesta sexta, a previsão é a tutu chegar a US$ 70 milhões e a projeção para o final da semana, de 5ª feira a domingo, é arrecadar entre US$ 140 e US$ 150 milhões. Então, em nova projeção, a arrecadação doméstica de Rogue One com toda a certeza vai ultrapassar os US$ 500 milhões.

O spin off de Guerra nas Estrelas já arrecadou, nas pré-estreias pelo mundo, em 47 países, 33 milhões de dólares.

Os demais filmes são todos produções independentes e direcionados ao mercado de apreciadores mais exigentes. Em exibição em 3.028 salas, Beleza Oculta, tem apenas 14% de aceitação da crítica e deve ser o maior fracasso da carreira de Will Smith. Sua arrecadação deve chegar, no máximo, a US$ 10 milhões.

Veja o trailer de Beleza Oculta.

Vale ressaltar que o musical La La Land – Cantando Estações, de Damien Chazelle, está em expansão no circuito, após promover a maior abertura de todos os tempos nos em apenas 5 salas e agora se expande para mais 200, com previsão de contabilizar US$ 4 milhões/5 milhões neste final de semana. Ainda estreará oficialmente.

Seu grande concorrente é o elogiadíssimo drama familiar Manchester à Beira-Mar, de Kenneth Lonnergan, com a dupla Casey Affleck – favorito aos prêmios de Melhor ator no Globo de Ouro e no Oscar – e Michelle Williams. Na pré-estreia, arrecadou, em apenas 366 salas, nada menos de US$ 3.1 milhões e agora passa a ser visto em 1.208 cinemas e deve fechar a arrecadação de final de semana em US$ 5 milhões.

Veja o trailer de Manchester à Beira-Mar.

DESTAQUES

Fences, de Denzel Washington; Neruda, de Pablo Larrain; e Jackie, também de Larrain, alavancados por prêmios, presença nas listas dos críticos entre os 10 melhores do ano e indicados para o Globo de Ouro e na lista do Oscar, estão, também em pré-estreias. E observe.

Fences – tem pré em apenas 4 cinemas e ganhará uma boa expansão na ante véspera do Natal;

Neruda, a coprodução chile-estadunidense e representante do país sul-americano ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, em estreia, tem um circuito muito, mas muito limitado.

Jackie, ao contrário, está sendo uma aposta para um circuito de arte mais amplo do que as 6 salas da pré-estreia: agora ocupa mais 60 salas e deve arrecadar, até o domingo, cerca de 1 milhão de dólares.

Veja o trailer de Jackie.

 

GLOBO DE OURO-2017 – OS INDICADOS E BRASIL DE FORA

Não tem jeito. O Brasil faz bons filmes, ganham destaque internacional, mas não conseguem ascensão nas importantíssimas premiações do cinema dos EUA. O qual, a bem da verdade, neste ano, deslanchou mais uma vez com o cinema independente, com ótimas surpresas, muitas delas presentes nas indicações às estatuetas do Globo de Ouro. E bota surpresas nisso. Enquanto o musical La La Land – Cantando Estações e o drama racial Moonlight dominam as indicações, há ausências nas principais categorias, de filmes que a imprensa estadunidense estabelece como incompreensíveis, como as de Silêncio, de Martin Scorsese, A Chegada, de Denis Villeneuve, e Sully – o Herói do Rio Hudson, de Clint Eastwood (produções de grandes estúdios); e Loving, de Jeff Nichols. Agora é acompanhar os que estão chegando aos cinemas brasileiros

Os indicados a categoria de Melhor Filme em 2016

Os indicados a categoria de Melhor Filme em 2016

O Globo de Ouro é o prêmio da Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood. Para uns, é mais importante do que o Oscar da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Hollywood, que é o prêmio da indústria e nas últimas duas décadas tem se tornado a festa do cinema independente. Nesta 74ª edição não será diferente. A premiação se concentra, em quase 100%, as suas indicações aos filmes produzidos pelos estúdios e médios, aqueles que propduzem com pequenos orçamentos e envergadura de obras de arte.

La La land – cantando Estações, ganhador de prêmios em Veneza e Toronto, além dos da crítica, indicado para melhor musical ou comédia, realizado com estimados US$ 30 milhões, está presente em 7 categorias, entre elas, melhor filme, diretor, roteiro, ator, Ryan Gosling, e atriz, Emma Stone. A história aborda o relacionamento entre um pianista de jazz (Gosling) e uma atriz iniciante (Stone) que têm de lidar com a paixão e equilibrar as dificuldades da luta pela ascensão profissional.

Em seguida, com 6 indicações, surge Moonlight, escrito e dirigido por Barry Jenkins, um drama racial que conquistou 31 prêmios, o British Independent Awards, o Hollywood Film Awards, o National Film Board e os festivais de Toronto, Nova York e de Mar Del Plata, na Argentina. No Globo de Ouro, compete nas categorias de filme dramático, diretor, roteiro e ator (Mahershala Ali) e atriz coadjuvantes (Naomie Harris). No enredo, o despertar da homossexualidade em um jovem negro.

Em 5º lugar aparece o aclamado Manchester à Beira-Mar, que tem pelo menos uma cartada certa: Casey Affleck, vencedor de quase todos os prêmios da categoria de ator, no ano. Outras boas surpresas, as indicações de Viola Davis e Denzel Washington por Fences, obra de estreia de Denzel na direção, que aborda o processo de humanização de um violento chefe de família negro. Aliás, este foi o ano em que o Cinema estadunidense entrou nas telças para retratara discriminação e a violência contra os negros em 3 filmes notáveis: Moonlight, Fences e Loving.

Ryan Gosling e Emma Stone em LA LA LAND 0 CANTANDO ESTAÇÕES (2016)): favorito ao Globo de Ouro

Ryan Gosling e Emma Stone em LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES (2016)): favorito ao Globo de Ouro

OS ESNOBADOS DE LÁ

A relação dos indicados trouxe surpresas nas ausências de filmes como Silêncio, a obra religiosa de Martin Scorsese; A Chegada, a celebrada ficção científica de Denis Villeneuve, além de produções elogiadas como Miss Sloane, de John Madden, e The Edge of Seventeen, de Kelly Fremon Craig, entre outros. Mas, o maior perdedor foi mesmo o drama real Sully – o Heróis do Rio Hudson, de Clint Eastwood, cuja atuação brilhante de Tom Hanks era dada como indicação certa. Quanto a Loving, de Jeff Nichols, que conta a história real de um homem branco perseguido na sociedade da década de 30 por se casar com uma mulher negra, foi engolido pela maior exposição de Moonlight.

OS ESNOBADOS DE CÁ

Inicialmente com 3 representantes, o oficial Pequeno Segredo, de David Schurmann, o polêmico Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, e o intruso Chatô – o Rei do Brasil, de Guilherme Fontes, nenhum ficou na seleção final para a categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira, que tem como destaque a França com 3 títulos: Divines, de Houda Benyamina, que conta a história de uma jovem negra de um bairro pobre e religioso de Paris que empreende uma subida na vida a qualquer custo; Elle, a polêmica obra que trata da violência sexual contra as mulheres e que tem na atuação de Isabelle Huppert um de seus esteios; e O Apartamento, a coprodução com o Irã dirigida por Asghar Farhady. Surpreende, ainda a presença de Neruda, a decantada obra do chileno Pablo Larrain. O mais aguardado está lá: o alemão Toni Erdman, de Karen Ade, inegavelmente, o favorito.

Nas categorias menores, há justas menções a obras pequenas e ganhadoras de prêmios e elogios da crítica como o australiano Lion – uma Jornada Para Casa (Lion, 2016), de Garth Davis, que deu indicações para os seus atores centrais, o indiano Dev Patel e a australiana Nicole Kidman; o independente Até o Último Homem (Hacksaw Ridge, 2016), elogiadíssimo drama de guerra com cunho religioso que trouxe Mel Gibson à tona e lhe trouxe uma indicação a Melhor Diretor e a Melhor Ator, Andrew Garfield, o ex-homem-Aranha.

Veja o trailer de Leion – uma Jornada Para Casa.

ESTREIAS NO BRASIL

Confira as datas de estreias dos indicados ao Globo de Ouro:

Já lançados
Cães de Guerra
Deadpool
Florence – quem é esta Mulher?
Kubo e as Cordas Mágicas
Sing – quem Canta Seus Males Espanta

Em Cartaz
A Chegada
Elle
Moana
Neruda
Sully – o Herói do Rio

Em lançamento

24 de dezembro
Capitão Fantástico

29 de dezembro
Animais Noturnos (EUA), de Tom Ford

05 de Janeiro
A Qualquer Custo (EUA), de David Mackenzie
O Apartamento (França/Irã), de Asghar Farhady
12 de Janeiro
Até o Último Homem (EUA), de Mel Gibson
Manchester à Beira-Mar (EUA), de Kenneth Lonnergan

19 de janeiro
La La Land – cantando Estações (EUA), de Damien Chazelle
Estrelas Além do Tempo (EUA), de Theodore Melfi

02 de fevereiro
Miss Sloane
The Edge of Seventeen

09 de fevereiro
Lion – uma Jornada Para Casa

23 de fevereiro
Ouro e Cobiça

02 de Março
Jackie

Confira o trailer de Jackie.

Sem data
20th Century Women
Divines
Fences
Loving
O Lagosta
Rules Don’tApply
Singer Street
Toni Erdman

A ENTREGA

No dia 8 de janeiro, o hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, será o palco para a entrega do Globo de Ouro, edição 74, com apresentação de Jimmy Fallon. Meryl Streep, que já tem 8 prêmios somente nos EUA, receberá o prêmio Cecil B. DeMille, homenagem para aqueles que dedicaram o seu talento para a indústria de Cinema dos EUA.
Confira a lista completos dos indicados : Cinema e Tewlevisão.

CINEMA

Filme – drama
A Qualquer Custo (Hell or High Water, EUA, 2016), de David MacKenzie
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge, EUA, 2016), de Mel Gibson
Lion: Uma Jornada Para Casa (Lion, Austrália, 20156), de Garth Davis
Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea, EUA,  2016), de Kenneth Lonnergan
Moonlight (Moonlight, EUA, 2016), de Barry Jenkins

Veja o trailer de A Qualquer Custo.

Filme – comédia ou musical
20th Century Women (2016), de Mike Mills
Deadpool (2016), de Tim Miller
Florence: quem é Essa Mulher? (Florence Foster Jenklins, 2016), de Stephen Frears
La La Land – Cantando Estações (La La Land, 2016), de Damien Chazelle
Sing Street (2016), de John Carney

Melhor Diretor
Damien Chazelle, La La Land – Cantando Estações
Tom Ford, Animais Noturnos
Mel Gibson, Até o Último Homem
Barry Jenkins, Moonlight
Kenneth Lonergan, Manchester à Beira-Mar

Atriz – drama
Amy Adams, A Chegada
Jessica Chastain, Miss Sloane – Armas na Mesa
Isabelle Huppert, Elle
Ruth Negga, Loving
Natalie Portman, Jackie

Veja o trailer de Miss Sloane – Armas na Mesa.

Ator – drama
Casey Affleck, Manchester À Beira-Mar
Joel Edgerton, Loving
Andrew Garfield, Até o Último Homem
Ryan Gosling, La La Land – Cantando Estações
Viggo Mortensen, Capitão Fantástico
Denzel Washington, Fences

Atriz – comédia ou musical
Annette Bening, 20th Century Women
Lily Collins, Rules Don’t Apply
Hailee Steinfeld, The Edge of Seventeen
Emma Stone, La La Land – cantando Estações
Meryl Streep, Florence: quem é essa mulher?

Ator – comédia e musical
Colin Farrell, O Lagosta
Ryan Gosling, La La Land: Cantando Estações
Hugh Grant, Florence: quem é Essa Mulher?
Jonah Hill, Cães de Guerra
Ryan Reynolds, Deadpool

Atriz coadjuvante
Viola Davis, Fences
Naomie Harris, Moonlight
Nicole Kidman, Lion – Uma Jornada Para Casa
Octavia Spencer, Hidden Figures
Michelle Williams, Manchester à Beira-Mar

Veja o trailer de Estrelas Além do Tempo.

Ator coadjuvante
Mahershala Ali, Moonlight
Jeff Bridges, A Qualquer Custo
Simon Helberg, Florence: quem é Essa Mulher?
Dev Patel, Lion: Uma Jornada Para Casa
Aaron Taylor-Johnson, Animais Noturnos

Filme estrangeiro
Divines (França), de Uda Bediamina
Elle (França), de Paul Verhoeven
Neruda (França), de Pablo Larrain
O Apartamento (Irâ/França), de Asghar Farhady
Toni Erdmann (Alemanha), de Maren Ade

Animação
Kubo e as Cordas Mágicas (EUA, 2016), de Travis Knight
Moana – um Mar de Aventuras (EUA, 2016), de John Musker e Ron Clements
Ma Vie de Courgette (França, 2016), de Claude Barras
Sing – quem Canta os Seus Males Espanta (EUA, 2016), de Garth Jennings e Christophe Lourdelet
Zootopia (EUA, 2016), de Byron Howard e Rish Moore

Roteiro
Damien Chazelle, La La Land – Cantando Estações
Tom Ford, Animais Noturnos
Barry Jenkins, Moonlight
Kenneth Lonnergan, Manchester à Beira-Mar
Taylor Sheridan, A Qualquer Custo

Canção Original
“Can’t Stop This Feeling”, Trolls
“City of Stars”, La La Land
“Faith”, Sing – quem canta os seus Males Espanta
“Gold”, Ouro e Cobiça
“How Far I’ll Go”, Moana

Conheça o trailer de Ouro e Cobiça.

Trilha original
Hans Zimmer, Pharrell Williams, Benjamin Wallfisch, Estrelas Além do Tempo
Nicholas Britell, Moonlight
Justin Hurwitz, La La Land – Cantando Estações
Johann Johannsson, A Chegada
Dustin O’Halloran, Hauschka, Lion – uma Jornada Para Casa

CATEGORIAS DE TELEVISÃO

Série de drama
Stranger Things
The Crown
Game of Thrones
Westworld
This Is Us

Série de comédia ou musical
Atlanta
Blackish
Mozart in the Jungle
Transparent
Veep

Minissérie ou filme feito para a TV
American Crime
The Dresser
The Night Manager
The Night Of
People v. O J: Simpson: the american crime story

Ator em série dramática
Rami Malek, Mr. Robot
Bob Odenkirk, Better Call Saul
Matthew Rhys, The Americans
Liev Schreiber, Ray Donovan
Billy Bob Thornton, Goliat

Veja o trailer de Mr. Robot.

Melhor ator em comédia
Anthony Anderson, Black-ish”
Gael Garcia Bernal, Mozart in the Jungle
Donald Glover, Atlanta
Nick Nolte, Graves
Jeffrey Tambor, Transparent

Atriz de série dramática
Caitriona Balfe, Outlander
Claire Foy, The Crown
Kerry Russell, The Americans
Winona Ryder, Stranger Things
Evan Rachel Wood, Westworld”

Ator em minissérie ou filme feito para a TV
Riz Ahmed, The Night of
Bryan Cranston, All the Way
Tom Hiddleston, The Night Manager
John Turturro, The Night of
Courtney B. Vance, The People v. O.J. Simpson: American Crime Story

Veja o trailer de The People v. O.J. Simpson: American Crime Story

Atriz em série de comédia ou musical
Rachel Bloom, Crazy Ex-Girlfriend
Julia Louis Dreyfus, Veep
Sarah Jessica Parker, Divorce
Issa Era, Insecure
Gina Rodriguez, Jane the Virgin
Tracee Ellis Ross, Black-ish

Ator em minissérie ou filme feito para a TV
Riz Ahmed, The Night Of
Bryan Cranston, All the Way
John Turturro, The Night Of
Tom Hiddleston, Night Manager
Courtney B. Vance, People v. O.J. Simpson: American Crime Story

Ator em série dramática
Rami Malek, Mr. Robot
Bob Odenkirk, Better Call Saul
Matthew Rhys, The Americans
Liev Schreiber, Ray Donovan
Billy Bob Thornton, Goliath

Atriz em minissérie ou filme feito para a TV
Felicity Huffman, American Crime
Riley Keough, The Girlfriend Experience
Sarah Paulson, People v. O.J. Simpson: American Crime Story
Charlotte Rampling, London Spy
Kerry Washington, Confirmation

Conheça o trailer de London Spy.

Melhor atriz coadjuvante de TV
Olivia Colman, The Night Manager
Lena Headey, Game of Thrones
Chrissy Metz, This Is Us
Mandy Moore, This Is Us
Thandie Newton, Westworld

Melhor ator coadjuvante de TV
Sterling K. Brown, The People v. O.J.: American Crime Story
Hugh Laurie, The Night Manager
John Lithgow, The Crown
Christian Slater, Mr. Robot
John Travolta, The People v. O.J.: American Crime Story

Melhor ator de comédia e musical
Anthony Anderson, Black-ish
Gael Garcia Bernal, Mozart in the Jungle
Donald Glover, Atlanta
Nick Nolte, Graves
Jeffrey Tambor, Transparent

Conheça o trailer de Até o Último Homem.

 

 

O TRADICIONAL CINEMA DE ARTE AGORA EM NOVA CASA

É momento de celebrar. O Cinema de Arte, que tantas alegrias e benefícios culturais trouxe ao longo de mais de 50 anos de atividade em Fortaleza, está de volta, depois de um hiato de cerca de três meses. E em nova casa, agora nas bem equipadas salas do grupo Cinépolis, no Shopping RioMar. Os horários das sessões são semelhantes aos adotados anteriormente: sábado, às 10h20; domingo, às 12h; e de segunda a sexta-feira, às 19h30. A fim de comemorar este novo retorno, acontecerá ao longo da semana uma Mostra Expectativa 2015, com filmes que estrearão mais adiante, e que poderão ser conferidos com antecedência. São eles: Para Sempre Alice (dia 5), Mapas Para as Estrelas (dia 6), Sr. Kaplan (dia 7), A Família Bélier (dia 8), 118 Dias (dia 9), O Segredo das Águas (dia 10) e Sinfonia da Necrópole (dia 11). Leia abaixo detalhes dos filmes que serão exibidos

Alec Baldwin e Julianne Moore em PARA SEMPRE ALICE (2014), de Richard Glatzer e Wash Westmoreland

Alec Baldwin e Julianne Moore em PARA SEMPRE ALICE (2014), de Richard Glatzer e Wash Westmoreland

Vencedor do Oscar de melhor atriz para Julianne Moore, Para Sempre Alice conta a história de uma respeitada professora de Linguística que começa a esquecer as palavras e é diagnosticada como tendo o Mal de Alzheimer. A partir desse momento, sua vida e de sua família (ela tem um marido e três filhos adultos) passa por um turbilhão de emoções e de novas e não tão felizes perspectivas para o futuro. Os diretores estreantes (Glatzer e Westmoreland) não se incomodam em carregar nas tintas dramáticas, o que não deixa de ser bem-vindo para quem é fã de um bom melodrama. O elenco de apoio é de respeito e inclui Alec Baldwin, Kristen Stewart e Kate Bosworth.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PARA SEMPRE ALICE (Still Alice, EUA/França, 2014), de Richard Glatzer e Wash Westmoreland. Com Julianne Moore, Alec Baldwin, Kristen Stewart, Kate Bosworth, Shane McRae, Hunter Parrish, Seth Gilliam, Stephen Kunken, Erin Drake, Daniel Gerroll. 101 min. Diamond Filmes. 12 anos.

Julianne Moore em MAPAS PARA AS ESTRELAS (2014), de David Cronenberg

Julianne Moore em MAPAS PARA AS ESTRELAS (2014), de David Cronenberg

No mesmo ano em que atuou no filme que lhe deu o Oscar, Julianne Moore esteve em uma obra de um dos cineastas mais originais e criativos da atualidade, o canadense David Cronenberg. Em Mapas para as Estrelas, ele nos apresenta a uma família de Hollywood um tanto fora do comum: um pai que é técnico motivacional e faz dinheiro com livros de autoajuda (John Cusack), uma mãe (Olivia Williams) que passa a maior parte do tempo cuidando da carreira de seu filho (Evan Bird), um astro mirim de 13 anos que acabou de voltar de uma clínica de reabilitação. Assim como a filha (Mia Wasikowska), que esteve presa em um sanatório por piromania criminosa. No meio de tudo isso, entra em cena Julianne Moore como uma atriz que deseja filmar um remake do filme que fez sua mãe famosa na década de 1960. É ver e esperar o que essa química provoca. Em papel menor, Robert Pattinson, que foi protagonista do trabalho anterior de Cronenberg (Cosmópolis, 2012).

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

MAPAS PARA AS ESTRELAS (Maps to the Stars, Canadá/EUA/Alemanha/França, 2014), de David Cronenberg. Com Julianne Moore, Mia Wasikowska, John Cusack, Evan Bird, Olivia Wiliams, Robert Pattinson, Kiara Glasco, Sarah Gadon, Dawn Greenhalgh, Jonathan Watton. 111 min. Paris Filmes. 16 anos.

Néstor Guzzini e Hector Noguera em SR. KAPLAN (2012), de Alvaro Brechner

Néstor Guzzini e Hector Noguera em SR. KAPLAN (2014), de Alvaro Brechner

Em geral, os filmes uruguaios que chegam ao Brasil têm se mostrado bastante criativos e simpáticos. Sr. Kaplan é provavelmente mais um engrossar a ilustre lista, ao nos apresentar a um senhor judeu de 70 anos de idade que se recusa a aceitar que está velho. Na verdade, ele passa a ter ideias cada vez mais mirabolantes. Põe na cabeça que o dono de um restaurante local é na verdade um nazista disfarçado, e que ele deve ser capturado. Tanto Néstor Guzzini quanto Hector Noguera ganharam o prêmio de atuação no Festival de Cinema Latino-Americano de Biarritz.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

SR. KAPLAN (Mr. Kaplan, Espanha/Uruguai/Alemanha, 2014), de Álvaro Brechner. Com Héctor Noguera, Néstor Guzzini, Rolf Becker, Nídia Telles, Nuria Fló, Leonor Svarcas, Gustavo Saffores, Hugo Piccinini, Cesar Jourdan, Jorge Bolani, Augusto Mazzarelli. 98 min. Pandora. Classificação a definir.

Louane Emera em A FAMÍLIA BÉLIER (2014), de Eric Lartigau

Louane Emera em A FAMÍLIA BÉLIER (2014), de Eric Lartigau

É comum de se ver em filmes franceses um interesse por dramas familiares que se passam em cenários idílicos, valorizando tanto as palavras quanto as imagens da natureza. Mas o que dizer de um filme que mostra uma garota que é filha de pais surdos-mudos e que descobre que tem o dom de cantar? Na família, a jovem Paula (Louane Emera) funciona como intérprete dos pais no cotidiano. Depois que descobre que pode ser uma grande cantora, vê que tem que se preparar para uma nova opção de vida, isto é, provavelmente teria que se afastar dos pais. A Família Bélier tem cara de ser uma comédia dramática leve e singela.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

A FAMÍLIA BÉLIER (La Famille Bélier, França/Bélgica, 2014), de Eric Lartigau. Com Karin Viard, François Damiens, Eric Elmosnino, Louane Emera, Roxane Duran, Ilian Bergala, Luca Gelberg, Mar Sodupe, Stéphan Wojtowicz, Jérôme Kircher, Bruno Gomila. 100 min. Paris Filmes. 12 anos.

Gael García Bernal em 118 DIAS (2014), de Jon Stewart

Gael García Bernal em 118 DIAS (2014), de Jon Stewart

Jon Stewart é uma das figuras mais respeitadas dos Estados Unidos. Comediante, ator, escritor e apresentador do Daily Show, programa de conteúdo político, Stewart foi ganhando prestígio por seu discurso crítico à administração de Bush. Foi também anfitrião de duas edições do Oscar. 118 Dias é a sua estreia como diretor de cinema e o tema não poderia ser diferente: política. O filme acompanha a trajetória dolorosa do jornalista iraniano-canadense Mazier Bahari (Gael García Bernal), que, ao cobrir as eleições presidenciais de 2009 no Irã, é preso, torturado e interrogado por mais de 100 dias pelas autoridades locais. O filme é baseado em fatos reais e Mazier Bahari havia sido entrevistado no Daily Show.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

118 DIAS (Rosewater, EUA, 2014), de Jon Stewart. Com Gael García Bernal, Kim Bodnia, Dimitri Leonidas, Haluk Bilginer, Shohreh Aghdashloo, Golshifteh Farahani, Claire Foy, Amir El-Masry, Nasser Faris. 103 min. Diamond Filmes. 14 anos.

Nijiro Murakami e Jun Yoshinaga em O SEGREDO DAS ÁGUAS (2014), de Naomi Kawase

Nijiro Murakami e Jun Yoshinaga em O SEGREDO DAS ÁGUAS (2014), de Naomi Kawase

Naomi Kawase tem uma trajetória até que bastante extensa, tendo dirigido filmes desde o início dos anos 1990, sendo que a maioria é composta por documentários. O Segredo das Águas é o seu sétimo longa de ficção e o primeiro a estrear comercialmente no Brasil. Muito provavelmente só chegou por causa da Palma de Ouro de melhor direção para Kawase, trazendo curiosidade pelo filme e consequentemente pela obra da diretora. A história se passa na ilha de Amami, lugar onde os habitantes vivem em harmonia e acreditam que há um deus em cada árvore, pedra ou planta. Numa noite de verão, o jovem Kaito descobre o corpo de um homem no mar e sua amiga Kyoko faz questão de ajudá-lo a desvendar o mistério. O Segredo das Águas é um filme sobre vida, morte e amor.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

O SEGREDO DAS ÁGUAS (Futatsume no Mado, Japão/Espanha/França, 2014), de Naomi Kawase. Com Nijiro Murakami, Jun Yoshinaga, Miyuki Matsuda, Tetta Sugimoto, Makiko Watanabe, Jun Murakami, Hideo Sakaki, Sadae Sakae, Kazurô Maeda. 121 min. California. 14 anos.

Eduardo Gomes e Luciana Paes em SINFONIA DA NECRÓPOLE (2014), de Juliana Rojas

Eduardo Gomes e Luciana Paes em SINFONIA DA NECRÓPOLE (2014), de Juliana Rojas

Juliana Rojas é conhecida por lidar com o gênero horror em suas obras. Em seu primeiro longa-metragem solo, depois de dividir os créditos com Marco Dutra em Trabalhar Cansa (2011),  ela decidiu fazer uma comédia musical com uma história de amor embutida, mas não sem incluir elementos macabros. Sinfonia da Necrópole conta a história de Deodato (Eduardo Gomes), um rapaz que começa a trabalhar em um cemitério, mas que é muito sensível e costuma desmaiar ao ver os cadáveres e tudo o mais. O que ele não esperava é que dentro daquele ambiente mórbido ele encontraria o amor na forma de uma mulher, Jaqueline (Luciana Paes), que chega para coordenar uma reforma no cemitério, a fim de que o lugar possa abrigar mais mortos. O ideal é ir ver o filme preparado para as boas e divertidas sequências musicais.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

SINFONIA DA NECRÓPOLE (Brasil, 2014), de Juliana Rojas. Com Eduardo Gomes, Luciana Paes, Paulo Jordão, Germano Melo, Adriana Mendonça, Luís Mármora, Augusto Pompeo, Antonio Velloso, Hugo Villavicenzio. 85 min. Vitrine. 12 anos.