PRÊMIO ABRACCINE – ELLE E AQUARIUS, OS MELHORES DE 2016

Os 100 críticos que compõem a Associação Brasileira de Críticos de Cinema-ABRACCINE, após duas rodadas de votações, elegem Aquarius, do pernambucano Kleber Mendonça Filho, o francês Elle, do holandês Paul Verhoeven, como o melhor filme estrangeiro, e o curta Estado Itinerante, de Ana Carolina Soares, como os melhores filmes exibidos em 2016

Sônia Braga em AQUARIUS (2016); Isabele Huppert (2016) e ESTADO ITINERANTE (2006): os melhores de 2016

Sônia Braga em AQUARIUS (2016); Isabele Huppert em ELLE (2016), e Lira Ribas em ESTADO ITINERANTE (2006): os melhores de 2016

Pela sexta vez consecutiva a Associação Brasileira de Críticos de Cinema-ABRACCINE, elege os melhores filmes do ano, no caso, 2016. Nas duas principais categorias, filme nacional e filme estrangeiro, concorrem os 400 títulos que estrearam nas salas comerciais dos diversos circuitos no período entre 17 de dezembro de 2015 e 29 de dezembro de 2016, enquanto que o curta nacional teve escolha entre as dezenas de produções da categoria exibidos nos festivais e nas mostras de cinema espalhadas pelo País.

Elle (2016), produção francesa do holandês Paul Verhoeven, que em Fortaleza e em outras 8 capitais foi lançada pelo Cinema de Arte, projeto cearense que, adotado pela operadora Cinépolis, está em processo de inclusão em seu circuito nacional para abrigar os filmes de arte, foi o escolhido, derrotando A Chegada (Arrival, 2016), de Dennis Villeneuve.

A obra de Verhoeven é um marco na História do Cinema por trafegar livremente na amoralidade e expor uma sociedade humana tomada pelo consumismo, os interesses pessoais, o uso do sexo como um instrumento de manipulação e a uma total ausência de espiritualidade. Sua personagem central, Michelle Leblanc (Isabelle Huppert), CEO de uma empresa de videogame, trafega no prazer de quebrar o que é “politicamente correto”, não tendo o escrúpulo que ser amante de maridos de companheiras de trabalho e nem em usar a sua inteligência para manipular quem quer que seja, incluindo o homem que a estupra, extraindo e instituindo com ele um jogo de prazer com uma frieza que expressa a ausência de sentimentos. O desfecho, no qual a mulher traída, sua melhor amiga e também sua colega de trabalho, indo morar com ela, escancara todos os propósitos de amoralidade que é o cerne do filme em sua concepção e indo de encontro ao contexto atual de que cada pessoas têm direito às escolhas quanto a assumir à sexualidade – e que ninguém tem nada nada a ver com isso.

Veja o trailer de Elle.

Aquarius, de Kleber Mendonça Fiho, estigmatizado como “um filme de esquerda” por ter seu diretor e elenco subido ao palco do Festival de Cannes, em maio passado, para denunciar “um golpe” com a cassação da então presidenta Dilma Roussef, não é nada disso. Ao contrário: Aquarius faz uma exposição simétrica e pontuada de como um governo corrupto e aliado a empreiteiras corruptoras instalou um cupinzeiro no País, ou seja, no Edifício que dá nome ao filme. Basta ver a situação econômica e social da nação para ser constatar como Aquarius não poderia ter sido mais preciso com a realidade brasileira. Portanto, jogue-se fora esse estigma da produção pernambucana ser “um filme de esquerda”. É um retrato de um pedaço de um momento crucial do Brasil

Veja o trailer de Aquarius.

Por sua vez, o curta Estado Itinerante conta, ao longo de 20 minutos, a história de uma mulher solitária e que tem medo de entrar na sua casa. Sem dar pistas do “por que?” e apenas insinuar o motivo em alguns rápidos momentos, sua realizadora, a mineira Ana Carolina Soares, fez uma obra de grande reflexão sobre a condição da mulher,  e o seu foco central e a violência doméstica e a consequente coragem pela libertação. E, ainda, flutua em várias outras temáticas. Aplausos.

Prêmio Abraccine-2016

MELHOR LONGA METRAGEM BRASILEIRO:
Aquarius (PE, 2016), de Kleber Mendonça Filho.

MELHOR LONGA METRAGEM ESTRANGEIRO:
Elle (França, 2016), de Paul Verhoeven.

MELHOR CURTA METRAGEM:
Estado Itinerante, de Ana Carolina Soares.

Fundada em julho de 2011 e hoje contando com exatos 100 críticos de cinema de quase todos os estados brasileiros, a Abraccine tem a missão é promover as formas de pensamento crítico, a reflexão e o debate sobre o Cinema.