SEMANA 41 – Perdido em Marte

Única estreia de porte da semana, a aventura Peter Pan foi um grande fracasso de arrecadação e com isso o caminho ficou livre para que Perdido em Marte liderasse novamente a lista dos mais rentáveis do final de semana

Cena de PERDIDO EM MARTE

Cena de PERDIDO EM MARTE

Conforme o esperado, o reinado da sci-fi Perdido em Marte nas bilheterias norte-americanas se estendeu por mais uma semana. Após registrar uma abertura recordista no final de semana passado, o filme de Ridley Scott continuou bastante badalado nas telonas locais e conseguiu sem dificuldade se manter no topo do ranking dos mais rentáveis, agora com uma arrecadação de US$ 37 milhões, resultado que representa uma queda de apenas 32%. Em dez dias, Perdido em Marte já acumula uma renda de US$ 108,71 milhões, valor que cobre os seus custos de produção e que faz com que os analistas acreditem que o filme terá força o suficiente para alcançar a marca dos US$ 200 milhões arrecadados.

Cena de HOTEL TRANSILVÂNIA 2

Cena de HOTEL TRANSILVÂNIA 2

A segunda posição coube novamente à animação Hotel Transilvânia 2, que continuou apresentando uma boa sustentação e fez mais 20,30 US$ milhões. No total de três semanas, o longa animado rendeu para a Sony ótimos US$ 116,82 milhões, desempenho por sinal superior ao do filme original, que no mesmo período de tempo havia faturado US$ 102,13 milhões.

Banner internacional de PETER PAN (2015), de Joe Wright

Banner internacional de PETER PAN (2015), de Joe Wright

Em terceiro lugar aparece o principal lançamento da semana, a aventura Peter Pan (Pan), que, originalmente agendada para julho, teve sua estreia adiada pela Warner para este final de semana de modo driblar concorrentes de peso, estratégia que no final das contas acabou não surtindo muito efeito, tendo em vista que a produção terminou por naufragar nas bilheterias tendo faturado fracos US$ 15,53 milhões de sexta a domingo, quantia que, além de ficado abaixo das já pouco animadoras projeções de mercado (que apontavam para uma abertura de US$ 22 milhões), se torna ínfima quando comparada ao orçamento da produção, estimado em US$ 150 milhões. Com isso, acho seguro afirmar que os planos da Warner de tornar Peter Pan o início de uma quadrilogia foram por água abaixo… Peter Pan atualmente está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Na esquerda cena de UM SENHOR ESTAGIÁRIO e na direita cena de SICARIO

Na esquerda, cena de UM SENHOR ESTAGIÁRIO e na direita cena de SICARIO

Na sequência do ranking vem a comédia Um Senhor Estagiário, que registrou uma perda de somente 26% na sua arrecadação (a menor queda entre do Top 10) e obteve US$ 8,66 milhões, garantindo a quarta colocação e ficando acima de Sicario: Terra de Ninguém, que ocupou o quinto lugar com US$ 7,35 milhõs. Ao todo, Um Senhor Estagiário soma uma bilheteria de US$ 49,57 milhões, enquanto que Sicario contabiliza US$ 26,70 milhões.

Cena de A TRAVESSIA

Cena de A TRAVESSIA

Mais abaixo, na sétima colocação, está o drama A Travessia (The Walk), que após faturar inexpressivos US$ 1,56 milhão em sua estreia em 448 salas IMAX na semana passada, teve seu circuito ampliado para 2.509 cinemas e continuou não empolgando o público, tendo encerrado o final de semana com US$ 3,65 milhões arrecadados, a pior abertura da carreira do diretor Robert Zemeckis (Náufrago). Nós estamos desapontados, pois este é um filme do qual temos muito orgulho, disse ao Hollywood Reporter o chefe de distribuição da Sony, Rory Bruer, sobre a performance de A Travessia, que acumula no total uma bilheteria de US$ 6,36 milhões. A Travessia já está em exibição no Brasil.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

06

Assista ao trailer de Peter Pan:

Imagem de Amostra do You Tube

A TRAVESSIA – 3D Além de um parque de diversões

Em A Travessia (The Walk, 2015), o diretor Robert Zemeckis traz uma narrativa gostosa de acompanhar que, auxiliada pelo bom uso do 3D, transformam o filme em uma experiência cinematográfica incrível

Cena de A TRAVESSIA (2015), de Robert Zemeckis

Cena de A TRAVESSIA (2015), de Robert Zemeckis

No cartaz de A Travessia , os dois filmes de Robert Zemeckis que são citados como referência são Náufrago (2000) e O Voo (2012), justamente seus dois últimos trabalhos em live action – suas três experiências com animação em captura de movimento, que demandaram muito de seu tempo, foram bastante importantes para a consolidação e afirmação dessa tecnologia, mas estão longe de estarem entre seus melhores trabalhos, já que a preocupação maior com os efeitos aliada à vontade de atingir um público infantil acabaram prejudicando os resultados finais.

Além do mais, há pelo menos um elemento de Náufrago e O Voo que está bastante ligado ao novo filme: a queda. Nesses três trabalhos, Zemeckis se mostra obcecado pela queda, que nos dois filmes anteriores é mostrada como um espetáculo à parte. Em A Travessia, a queda pode ser vista até certo ponto como uma possibilidade, mas é também, no caso da realização do sonho de Philippe Petit (Joseph Gordon-Levitt), sinônimo de morte, uma palavra tabu para o personagem e que deve ser riscada de sua mente sob risco de atrapalhar o sucesso de seu ambicioso projeto.

Cena de A TRAVESSIA

Cena de A TRAVESSIA

A incrível história do equilibrista Philippe Petit já foi contada em documentário antes, em O Equilibrista (2008), de James Marsh, mas é até interessante ver o filme de Zemeckis sem ter visto o documentário. Curte-se mais cada momento. Aliás, como é gostoso acompanhar a narrativa de A Travessia. O diretor utiliza um velho recurso, o da narração do próprio personagem contando a história não apenas em voice-over, mas também de cima de um prédio, ainda que não seja o mesmo onde se deu a sua incrível e proibida aventura.

E sendo proibida, A Travessia entra na questão da arte como objeto transgressor e como ato de desobediência civil. Em vários momentos, Petit faz questão de afirmar que ele não é um artista de circo, ele é um artista. E isso é muito importante como afirmação, principalmente para o filme e para refletir na própria criação de Zemeckis. Como se o cineasta quisesse dizer também que ele não é apenas um dos grandes pioneiros do uso de tecnologias de ponta no cinema, mas que é também um dos grandes cineastas de sua geração. Ao ver A Travessia, temos mais uma vez certeza disso.

Cena de A TRAVESSIA

Cena de A TRAVESSIA

A busca de um modelo de narrativa que consiga trazer tanto o suspense e a tensão do ato proibido e quase suicida de Petit, auxiliado por seu grupo de cúmplices, e ao mesmo tempo também captar a sensação do personagem quando ele finalmente atinge o seu objetivo, em um momento tão especial que é um misto de felicidade orgasmática com uma profunda paz de espírito, é atingido com precisão pelas imagens fabulosas que aliadas à tecnologia IMAX 3D trazem uma sensação de que estamos também no fio que liga as duas torres gêmeas do World Trade Center. Para quem tem medo de altura, o filme é um convite a desafiar esse medo.

Contar a história de Petit desde a infância em Paris, quando ficou fascinado com um equilibrista de circo e como conseguiu sozinho ser um mestre nessa habilidade para depois chegar ao projeto de vida que nasceu antes mesmo de as torres ficarem prontas, tudo isso contribui para que nos aproximemos mais do personagem, o que mais uma vez nos remete aos dois filmes citados no cartaz, que nos ligam a um homem sozinho em uma ilha e a um homem sozinho em assumir a culpa de ter bebido e ao mesmo tempo ter salvado os passageiros e a tripulação de um voo. Aqui a solidão também está presente, mesmo que Petit tenha parceiros que o ajudem a realizar o ato. Mas não se trata de uma solidão ruim. Pelo menos, não aqui.

Cena de A TRAVESSIA

Cena de A TRAVESSIA

Estar sozinho em meio a nuvens visualizando pessoas tão pequenas lá embaixo enquanto ele desempenha um ato tão insano é não só o momento mais importante de sua vida, mas também um momento em que ele atinge um estado de espírito até então desconhecido. A cena do pássaro se aproximando para olhar para ele, por exemplo, tem uma força espiritual poucas vezes vista no cinema.

Ver A Travessia é entender que o uso da tecnologia 3D pode sim ser usado para nos fazer atingir níveis especiais de apreciação fílmica que vão muito além de um mero parque de diversões incluído na rotina dos multiplexes e de uma forma de aumentar o custo dos ingressos. Claro que sabemos que se trata de um caso especial, mas é sempre bom dizer que casos especiais assim devem ser tratados com muito carinho, e por isso mesmo perder a chance de ver A Travessia no cinema é quase um crime.

Pôster de A TRAVESSIA (The Walk, 2015), de Robert Zemeckis

Pôster de A TRAVESSIA (The Walk, 2015), de Robert Zemeckis

Título: A Travessia (The Walk)

Estreia: 08/10/2015

Gênero: Biografia , Drama , Aventura

Duração: 123 min.

Origem: Estados Unidos

Direção: Robert Zemeckis

Roteiro: Cristopher Browne, Robert Zemeckis

Distribuidor: Sony Pictures

Classificação: 12 anos

Ano: 2015

 

 

Assista ao trailer de A Travessia:

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 41 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Estreias bem interessantes a desta próxima quinta-feira, 08, encabeçadas por duas grandes produções hollywoodianas: o drama A Travessia (2015), de Robert Zemeckis, e a fantasia Peter Pan (2015), de Joe Wright. Mas há também espaço para o drama Respire (2014), de Mélanie Laurent; para o suspense Bata Antes de Entrar (2015), de Eli Roth; para a comédia romântica Pequeno Dicionário Amoroso 2 (2015), de Mauro Farias e Sandra Werneck; e para o thriller Horas de Desespero (2015), de John Erick Dowdle. No Cinema do Dragão, acontecerá uma mostra em HD dedicada ao cinema tcheco contemporâneo, com curadoria da embaixada do país. Confira a programação a partir de quinta-feira na página do Facebook do Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco

Joseph Gordon-Levitt em A TRAVESSIA (2015), de Robert Zemeckis

Joseph Gordon-Levitt em A TRAVESSIA (2015), de Robert Zemeckis

Sabemos que na grande maioria das vezes os efeitos 3D não trazem muita coisa de diferente, a não ser encarecer o preço do ingresso. Porém, de vez em quando alguns filmes nascem para ser vistos nesse formato. E como estamos falando aqui de Robert Zemeckis, um cineasta que tem fama de ser inovador em tecnologias, a expectativa em torno de A Travessia é até bem grande. O filme conta a história real de um francês chamado Phillipe Petit (Joseph Gordon-Levitt) que teve o sonho de atravessar as finadas Torres Gêmeas como um equilibrista de circo. A travessia ocorreu de forma ilegal em 7 de agosto de 1974 e foi acompanhada pelo mundo inteiro. O caso já rendeu um famoso documentário chamado O Equilibrista (2008), de James Marsh. Em cartaz em grande circuito, incluindo a sala IMAX do UCI Iguatemi.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

A TRAVESSIA (The Walk, EUA, 2015), de Robert Zemeckis. Com Joseph Gordon-Levitt, Ben Kingsley, Charlotte Le Bon, James Badge Dale, Ben Schwartz, Steve Valentine, Sergio Di Zio, Nathaly Thibault, Melantha Blackthorne, Benedict Samuel. 123 min. Fox. 12 anos.

Joséphine Japy e Lou de Laâge em RESPIRE (2014), de Mélanie Laurent

Joséphine Japy e Lou de Laâge em RESPIRE (2014), de Mélanie Laurent

Mélanie Laurent é mais conhecida do grande público como a protagonista-revelação de Bastardos Inglórios, de Quentin Tarantino. Mas o que pouca gente sabe é que ela dirige filmes também. Respire é o seu segundo longa de ficção. O primeiro foi o inédito Les Adoptés (2011), inédito no circuito brasileiro. Respire, exibido em Cannes, foi um triunfo de crítica, conquistando 92% de críticas positivas no Rotten Tomatoes. Na trama, Charlie é uma garota de 17 anos que conhece Sarah, a nova garota da escola, uma moça que tem beleza, coragem e carisma. As duas logo se tornam amigas, mas Sarah faz com que Charlie fique desconfortável com as suas maneiras. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

RESPIRE (França, 2014), de Mélanie Laurent. Com Joséphine Japy, Lou de Laâge, Isabelle Carré, Claire Keim, Radivoje Bukvic, Roxane Duran, Thomas Solivéres, Camille Claris, Louka Meliava, Louise Grinberg. 91 min. Supo Mungam. Classificação a definir.

Keanu Reeves em BATA ANTES DE ENTRAR (2015), de Eli Roth

Keanu Reeves em BATA ANTES DE ENTRAR (2015), de Eli Roth

Eli Roth esteve bastante sumido da direção. Passou um tempão tentando colocar o seu Canibais (2013) em exibição comercial nos Estados Unidos, mas encontrou entraves. Canibais foi liberado lá fora e exibido já em vários países, mas permanece inédito no Brasil. Enquanto isso, o novo trabalho de Roth, Bata Antes de Entrar, chega aos nossos cinemas. O filme traz Keanu Reeves como um pai de família que é surpreendido pela visita de duas jovens e atraentes moças. Elas acabam por transformar a vida dele num inferno. Uma das moças é interpretada pela chilena Lorenza Izzo, que está também em Canibais e na atual série de televisão de Roth, Hemlock Grove. Uma boa pedida para quem estava com saudade de seus trabalhos. Em cartaz no UCI Iguatemi.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

BATA ANTES DE ENTRAR (Knock Knock, Chile/EUA, 2015), de Eli Roth. Com Keanu Reeves, Lorenza Izzo, Ana de Armas, Ignacia Allamand, Aaron Burns, Colleen Camp. 99 min. Paris. Classificação a definir.

Andrea Beltrão e Daniel Dantas em PEQUENO DICIONÁRIO AMOROSO 2 (2015), de Mauro Farias e Sandra Werneck

Andrea Beltrão e Daniel Dantas em PEQUENO DICIONÁRIO AMOROSO 2 (2015), de Mauro Farias e Sandra Werneck

Em 1997, quando o cinema brasileiro estava se reafirmando no início da retomada, Pequeno Dicionário Amoroso foi um filme que obteve boa repercussão entre o público, passando 29 semanas em cartaz no país. Mostrava, de forma leve e bonita, o relacionamento entre o casal Gabriel e Luiza, vividos respectivamente por Daniel Dantas e Andrea Beltrão. 18 anos depois do primeiro filme, os dois personagens se reencontram em um cemitério. Mesmo vivendo vidas diferentes e separados, a fagulha do velho amor ainda está lá. O filme também nos apresenta a outras subtramas, de personagens mais jovens, especialmente a de Fernanda Vasconcellos, que se mete em um complicado triângulo amoroso formado por um homem e outra mulher. Em cartaz no UCI Parangaba.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PEQUENO DICIONÁRIO AMOROSO 2 (Brasil, 2015), de Mauro Farias e Sandra Werneck. Com Andrea Beltrão, Daniel Dantas, Marcello Airoldi, Fernanda de Freitas, Camila Amado, Renato Góes, Eduardo Moskovis, Glória Pires, Mônica Torres, Fernanda Vasconcellos. 90 min. Downtown Filmes. 14 anos.

Levi Miller e Hugh Jackman em PETER PAN (2015), de Joe Wright

Levi Miller e Hugh Jackman em PETER PAN (2015), de Joe Wright

Uma pena que Joe Wright, depois de dois filmes belíssimos como Orgulho & Preconceito (2005) e Desejo e Reparação (2007), tenha se tornado um realizador irregular, embora Anna Karenina (2012), seu trabalho anterior, possa ser encarado como um de seus melhores. Peter Pan não está sendo tão bem recebido pela crítica, o que pode não ser um bom sinal. Ainda assim, é uma grande produção e Wright tem fama de caprichar na direção de arte, o que já é um bom motivo para ver o filme no cinema. O filme acompanha a jornada do menino rebelde Peter a partir do momento em que ele é convidado para visitar a Terra do Nunca. É a aventura que mostra o menino comum se transformando no mítico Peter Pan, criado pelo dramaturgo escocês J.M. Barry. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PETER PAN (Pan, EUA/Reino Unido/Austrália, 2015), de Joe Wright. Com Hugh Jackman, Levi Miller, Garrett Hedlund, Rooney Mara, Adeel Akhtar, Nonso Anozie, Amanda Seyfried, Kathy Burke, Cara Delevingne, Tae-joo Na. 111 min. Warner. Livre.

Owen Wilson e Lake Bell em HORAS DE DESESPERO (2015), de John Erick Dowdle

Owen Wilson e Lake Bell em HORAS DE DESESPERO (2015), de John Erick Dowdle

Eis um filme que não foi muito bem aceito pela crítica americana, que ainda o acusou de ser moralmente repulsivo. Na trama, Owen Wilson é o chefe de uma família americana que mora em um país que está passando por uma sangrenta guerra civil e matando todos os estrangeiros. Eles procuram desesperadamente fugir de lá e encontram na figura do personagem de Pierce Brosnan uma possível solução. O filme é dirigido pelo inexpressivo John Erick Dowdle, mais conhecido aqui por Demônio (2010) e Quarentena (2008). Outro filme de horror seu, Assim na Terra como no Inferno (2014), foi lançado direto em DVD. Horas de Desespero entra em cartaz no UCI Iguatemi e no Cine Aldeota.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

HORAS DE DESESPERO (No Escape, EUA, 2015), de John Erick Dowdle. Com Owen Wilson, Lake Bell, Pierce Brosnan, Sterling Jerins, Thanawut Kasro, Chatchawai Kamonsakpitak, Sahakak Boonthanakit, Tanapol Chuksrida, Nophand Boonyai, Kanarpat Phintiang. 103 min. Diamond Filmes. 14 anos.

Saem de cartaz

Orestes
Você Acredita?

Estreias nacionais desta quinta-feira, 8, que não entram em cartaz em Fortaleza

Os Árabes Também Dançam
Um Amor a Cada Esquina
Lua Nua e Crua
Viver É Fácil com os Olhos Fechados

Veja o trailer de Um Amor a Cada Esquina

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 40 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Mais uma semana com poucos filmes entrando em cartaz. A diferença é que os cinéfilos mais exigentes terão um bom motivo para sair de casa, caso não sejam preconceituosos com filmes de temática gay: o 9º For Rainbow. No mais, a grande estreia da semana é a ficção científica Perdido em Marte (2015), de Ridley Scott; o horror A Possessão do Mal (2014), de David Jung; e a comédia Vai Que Cola – O Filme (2015), de César Rodrigues. Em pré-estreia, o drama A Travessia (2015), de Robert Zemeckis

Matt Damon em PERDIDO EM MARTE (2015), de Ridley Scott

Matt Damon em PERDIDO EM MARTE (2015), de Ridley Scott

Bom saber que Ridley Scott está tomando gosto por filmes no espaço novamente. Depois do controverso (e ótimo) Prometheus (2012), baseado na mitologia de Alien (1979), ele conta uma história mais próxima do mundo real: a história de um astronauta que, devido a uma missão desastrosa, é dado como morto. No entanto, ele consegue chegar até Marte e lá, usando sua inteligência, não só avisa que está vivo para o povo da Terra, mas que tentará sobreviver plantando algo no planeta vermelho. O astronauta é vivido por Matt Damon, que curiosamente aparece em uma cena num planeta também desolado em Interestelar, de Christopher Nolan. O elenco estelar ainda inclui Jessica Chastain (que também estava no filme de Nolan), Kristen Wiig e outros nomes que também são motivos suficientes para ver o filme. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PERDIDO EM MARTE (The Martian, EUA, 2015), de Ridley Scott. Com Matt Damon, Jessica Chastain, Kristen Wiig, Jeff Daniels, Michael Peña, Sean Bean, Kate Mara, Sebastian Stan, Aksel Hennie, Chiwetel Ejiofor. 141 min. Sony. 12 anos.

Shane Johnson em A POSSESSÃO DO MAL (2014), de David Jung

Shane Johnson em A POSSESSÃO DO MAL (2014), de David Jung

Embora a atual safra de filmes de horror não seja das melhores (o genial A Corrente do Mal é uma exceção à regra), não custa sempre dar uma chance a esses novos trabalhos, por mais que eles indiquem uma repetição no gênero “filmes de possessão demoníaca”. No filme do estreante David Jung, temos a história de um homem que não acredita nem em Deus nem no demônio. Depois da morte da esposa, porém, ele passa a ficar interessado em fazer um filme sobre a possibilidade da existência do sobrenatural. E por isso aceita fazer parte de uma experiência que inclui invocações satânicas, sendo ele mesmo o centro do experimento. Mas, como já é previsto neste tipo de filme, algo de muito ruim acontece e o protagonista se vê possuído por uma força maligna que arruína a si e a sua família. Em cartaz nos cinemas UCI (Iguatemi e Parangaba). Deem prioridade às sessões legendadas. Elas estão ficando raras, principalmente em filmes desse gênero.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

A POSSESSÃO DO MAL (The Possession of Michael King, EUA, 2014), de David Jung. Com Shane Johnson, Ella Anderson, Cara Pifko, Krystal Alvarez, Tomas Arana, Luke Baines, Dale Dickey, Cullen Douglas, Michael Ray Escamilla, RJ Farrington. 83 min. PlayArte. Classificação a definir.

Paulo Gustavo em VAI QUE COLA - O FILME (2015), de César Rodrigues

Paulo Gustavo em VAI QUE COLA – O FILME (2015), de César Rodrigues

Paulo Gustavo ganhou uma visibilidade bem maior depois do sucesso comercial da comédia Minha Mãe É uma Peça – O Filme (2013), baseado em uma peça de sucesso. O novo Vai Que Cola já se aproveita da popularidade da série homônima exibida pelo canal Multishow e que conta a história de Valdomiro (Paulo Gustavo), que perde todo o seu dinheiro depois de se envolver em uma falcatrua. Para fugir da Polícia Federal, ele se esconde em uma pensão no Méier, na Zona Norte do Rio de Janeiro, e passa a sobreviver entregando quentinhas. Quando um ex-sócio o chama para um negócio, ele se vê obrigado a levar toda a turma do subúrbio para o Leblon. O filme aparentemente brinca com a falta de dinheiro e o sonho de ter uma vida de conforto e luxo e deve atrair os fãs da sitcom e de Paulo Gustavo. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

VAI QUE COLA – O FILME (Brasil, 2015), de César Rodrigues. Com Paulo Gustavo, Jonathan Haagensen, Luana Piovani, Fiorella Mattheis, Emiliano D’Ávila, Daniele Suzuki, Catarina Abdalla, Cacau Protásio, Werner Schünemann, Marcus Majella. 94 min. H2O. 12 anos.

Pré-estreia

Joseph Gordon-Levitt em A TRAVESSIA (2015), de Robert Zemeckis

Joseph Gordon-Levitt em A TRAVESSIA (2015), de Robert Zemeckis

Sabemos que na grande maioria das vezes os efeitos 3D não trazem muita coisa de diferente, a não ser encarecer o preço do ingresso. Porém, de vez em quando alguns filmes nascem para ser vistos nesse formato. E como estamos falando aqui de Robert Zemeckis, um cineasta que tem fama de ser inovador em tecnologias, a expectativa em torno de A Travessia é até bem grande. O filme conta a história real de um francês chamado Phillipe Petit (Joseph Gordon-Levitt) que teve o sonho de atravessar as finadas Torres Gêmeas em 1974 como um equilibrista de circo. A travessia ocorreu de forma ilegal em 7 de agosto de 1974 e foi acompanhada pelo mundo inteiro. O caso já rendeu um famoso documentário chamado O Equilibrista (2008), de James Marsh. O filme contará com sessões de pré-estreia no fim de semana no UCI Iguatemi (sala IMAX), Cinépolis RioMar (sala VIP) e no UCI Parangaba (sala XPLUS).

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

A TRAVESSIA (The Walk, EUA, 2015), de Robert Zemeckis. Com Joseph Gordon-Levitt, Ben Kingsley, Charlotte Le Bon, James Badge Dale, Ben Schwartz, Steve Valentine, Sergio Di Zio, Nathaly Thibault, Melantha Blackthorne, Benedict Samuel. 123 min. Fox. 12 anos.

Especial – 9º For Rainbow

Cena de NÓS DUAS DESCENDO A ESCADA (2015), de Fabiano de Souza

Cena de NÓS DUAS DESCENDO A ESCADA (2015), de Fabiano de Souza

Este é o nono ano que Fortaleza sedia o For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual. O evento já teve sede tanto no Cine São Luiz quanto na Casa Amarela, mas desde o ano passado que sua casa está sendo nas bem equipadas salas do Cinema do Dragão. A edição deste ano parece estar bem especial, trazendo títulos interessantes na mostra competitiva, como os brasileiros Nós Duas Descendo a Escada, de Fabiano de Souza; e Beira-Mar, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon; o sul-africano Enquanto Você Não Via, de Catherine Stewart; o americano Certas Pessoas, de Joey Kuhn; e o chileno Naomi Campbell. Vale atentar também para exibições especiais, como a de Vera, de Sérgio Toledo, em cópia 35 mm; e de Fome de Viver, de Tony Scott. Sem falar nos curtas. Confira a programação completa e informações mais detalhadas dos filmes no site oficial do festival.

Veja o trailer de Beira-Mar

Imagem de Amostra do You Tube

Saem de cartaz

A Entidade 2
A Esperança É a Última Que Morre
Entrando numa Roubada
Férias Frustradas

Estreias nacionais desta quinta-feira, 1º, que não entram em cartaz em Fortaleza

O Clube
O Preço da Fama
Os Árabes Também Dançam
Palavras Diabólicas

Veja o trailer de O Clube

Imagem de Amostra do You Tube