O Justiceiro – Anti-herói estará na segunda temporada de Demolidor

Para a total alegria dos fãs, a Marvel anunciou que Frank Castle está à caminho de Hell’s Kitchen

Demolidor contra o Justiceiro em um dos seus vários embates nos quadrinhos

Demolidor e o Justiceiro em um dos seus vários embates nos quadrinhos

Não sei quanto a vocês, mas eu estou cada vez mais animado com a segunda temporada da série Demolidor. E toda esta animação tem relação com os personagens que irão dar o ar da graça no novo ano do programa.

Primeiro, foi divulgado que ninguém menos que Elektra e Mercenário, respectivamente interesse amoroso e vilão clássicos do herói cego, eram figuras garantidas na segunda temporada (a informação ainda não foi oficializada, mas todo mundo já sabe que isso é só uma questão de tempo). Agora, foi a vez da Marvel anunciar que Frank Castle, também conhecido como o anti-herói Justiceiro, é outro que irá cruzar o caminho de Matt Murdock. E o estúdio já definiu o intérprete do personagem: o norte-americano Jon Bernthal (Corações de Ferro).

jon bernthal

Jon Bernthal

Jon Bernthal se juntou ao elenco da próxima temporada de Demolidor, que será transmitida pela Netflix em 2016! Bernthal irá interpretar o Justiceiro, um dos personagens mais populares da Marvel. Ele é um vigilante cuja intenção é limpar as ruas de Hell’s Kitchen usando qualquer meio necessário, independente de quão letal serão os resultados, dizia o comunicado oficial divulgado pela Marvel.

Ainda no comunicado, o chefe do departamento de TV da Marvel, Jeph Loeb rasgou alguns elogios à Bernthal. Ele traz uma intensidade incomparável para qualquer papel ao qual se dedica, com uma mistura potente entre poder, motivação e vulnerabilidade que cria laços com o público, disse. A aparição de Castle trará mudanças dramáticas para o mundo de Matt Murdock e nada será mais o mesmo, completou.

Lembrando que essa será a terceira encarnação do anti-herói Justiceiro, que já foi protagonista de três filmes fracassados, um lançado em 1989 (O Justiceiro, estrelado por Dolph Lundgren), outro em 2004 (O Justiceiro, estrelado por Thomas Jane) e o outro em 2008 (O Justiceiro: Em Zona de Guerra, estrelado por Ray Stevenson). Quem sabe na telinha o personagem terá mais sorte e finalmente conseguirá reproduzir o sucesso que faz nas HQ’s, não é?

Por enquanto, a Netflix ainda não definiu a data de estreia da segunda temporada de Demolidor.

ARQUIVO X – VOLTA PARA QUE?

A série Arquivo X, criada por Chris Carter e grande sucesso na televisão mundial de 1993 a 2002, está de volta. A notícia era esperada há anos pelos fãs da série e acaba de ser confirmada pela Fox Television. David Duchovny e Gillian Anderson retomam Fox Mulher e Dana Scully, os personagens que os levaram ao sucesso e à fama. Mas, serão apenas 6 episódios. E prepare-se, pois essa expectativa pode ter duas vertentes: ou é uma jogada comercial de Carter e a Fox Television, ou um traque, caso o seu criador e roteirista não traga algo novo e mais ousado no enredo e não seja apenas uma retomada da série que se viu no passado

Gillian Anderson e David Duchovny em ARQUIVO X - A SÉRIE (2000-2009), de Chris Carter

Gillian Anderson e David Duchovny em ARQUIVO X – A SÉRIE (2000-2009), de Chris Carter

Quando Arquivo X chegou à televisão foi um imenso sucesso entre os apreciadores, fãs e especialistas em ficção-científica. As 5 primeiras temporadas foram surpreendentes – tanto que 27 milhões de pessoas ficaram em sintonia e, até então, merecidamente, tinha conquistado nada menos de 16 prêmios Emmy, 5 Globos de Ouro e um Peabody. Mas, a partir da sexta começou a declinar até que, exausta e sem a mesma criatividade, se concluiu de forma forma lamentável e inexplicável, sem conceder conclusão alguma ao que tinha exposto ao longo de 9 anos. Um tiro no pé promovido por Chris Carter, que poderia ter sido mais corajoso e ousado.

Não sou muito paciente com as séries de TV da atualidade. As do passado, da minha juventude, sim. Até gostaria, porque, além de Jornada nas Estrelas (Star Trek, 1966-69), a série das séries de ficção-científica, apreciei a inteligência de Andromêda (2000-2005, 110 episódios, 16 prêmios), com o capitão Dylan Hunt de Kevin Sorbo; e, mais ainda, as fascinantes viagens interestelares da nave Enterprise (2001-2005, 98 episódios, 14 prêmios, sendo 7 Emmys) com seu espirituoso e desbravador capitão Jonathan Archer (interpretado de forma brilhante por Scott Bakula), e um colírio, a alien T’pol vivida por Jolene Blalock. Esta é mais filosófica das séries sobre viagens espaciais. E talvez por isso não tenha obtido o sucesso esperado junto aos fãs – afinal, cada episódio trocava a ação pela reflexão.

A série ENTERPRISE (2001-2005): a nave fantástica e os personagens fascinantes

A série ENTERPRISE (2001-2005): a nave fantástica e os personagens fascinantes

A televisão estadunidense está anos à frente de Hollywood em termos de qualidade, criatividade e ousadia. E sei que há grandes séries em exibição nos diversos canais fechados. Mas, depois das más experiências e tempo perdido com 24 Horas (2001-2010) -, cuja primeira temporada foi arrebatadora e até suportei uma segunda sem a mesma pegada para desistir na terceira -, e depois das chances concedidas a L Word (2004-2009) e Californication (2007-2014), originais e ousadas no início, mas que foram perdendo o vigor ao longo das temporadas, decidi me resignar. Séries TV, definitivamente, não são a minha ilha deserta, apesar dos incentivos do Olavo Filho.

Mas, pode ser que, agora, Chris Carter venha com algo novo e sem as enrolações que caracterizaram os últimos anos do  Arquivo X do passado. Histórias de extraterrestres, abduções, fenômenos paranormais aleatórios e teorias conspiratórias hoje têm um outro significado pois as pessoas estão mais bem informadas. Por isso, aguarda-se algo mais sério, realístico e até antecipatório – a grande qualidade da boa ficção científica -, atualizando o que se sabe sobre a relação dos governos, especialmente o estadunidense, com os extraterrestres. Afinal, já sabemos que não somos o grande privilegiado como a única raça cósmica existente no universo.

David Duchovny, que até começou bem uma carreira no cinema, foi sumindo, sumindo e hoje está desaparecido, e Gillian Anderson, inglesa talentosa e que faz grande trabalho no teatro e no cinema de seu país, retomam as figuras de Fox Mulher e Dana Scully. Para Duchovny, que atualmente atua em uma série policial chamada Aquarius (2015), ainda a ser lançada, pode ser a chance de retomada da carreira. As filmagens do novo Arquivo X começam agora em maio e a Fox e a sua co-produtora, a Ten Thirteen Productions, revelam que ainda não há uma data para o lançamento. Mas, mas não se espantam se vier como algo exclusivo para exibição em streaming, conforme prenuncia o analista Merrill Barr, especialista britânico em séries de TV.

Segundo ele, o retorno de Arquivo X é uma jogada comercial da Fox, que tem um enorme vermelho nas contas com a volta fracassada do agente Jack Bauer na minissérie 24 Horas: Viva um Novo Dia (24 Hours: life another day, 2014). Pior ainda: quer dar uma satisfação ao parceiro Amazon, que perdeu milhões de dólares com o investimento. Daí, ele considera que o revival dos agentes Muler e Scully não virá para o canal por assinatura, mas pela Amazon, via streaming. É aguardar para ver.

Deixando de lado a antevisão de Barr, é interessante observar as declarações feitas quando do anúncio de relançamento da série, agora em versão compacta com 6 episódios – na verdade, uma minissérie. Em declaração conjunta, Gary Newman, presidente da Fox Television, e Dana Walden, CEO, disseram estar contentes em novamente trabalhar com Carter. “Tivemos o privilégio de trabalhar com Chris em todas as nove temporadas de Arquivo X – uma das experiências mais gratificantes e criativas de nossas carreiras – e nós não poderíamos estar mais animados para explorar esse mundo incrível com ele novamente”.

Agora, observe a declaração de Carter, que pode ser um indício de que nada vai mudar em termos de enredo, a se avaliar pelas entrelinhas: “Eu penso nisso como um intervalo comercial de 13 anos”, disse ele em um comunicado à imprensa. “A boa notícia é que o mundo só ficou mais estranho, um momento perfeito para se colocar isso nessas seis histórias”, complementou. Entenderam?

Intervalo comercial, mundo mais estranho, ora… mister Carter.

Ouça a canção-tema de Arquivo X.

Imagem de Amostra do You Tube

 

GOTHAM – Fish Mooney não está na segunda temporada

Intérprete da personagem, a atriz Jada Pinkett Smith revelou durante um programa de TV que assinou contrato para participar apenas do primeiro ano da série

01

Jada Pinkett Smith como Fish Mooney em imagem promocional de GOTHAM

Quem está acompanhando a primeira temporada de Gotham com certeza irá concordar comigo quando digo que um dos destaques da série é sem dúvida a atriz Jada Pinkett Smith, que está simplesmente ótima na pele da mafiosa Fish Mooney. No entanto, apesar da elogiável performance de Pinkett Smith, não espere vê-la na já confirmada segunda temporada do programa.

Assinei contrato para um ano e esse ano já acabou, disse Pinkett Smith ao ser questionada sobre o seu retorno a Gotham durante uma entrevista ao programa Live! with Kelly and Michael. Mas há muita coisa boa vindo aí em Gotham. Acreditem em mim. Há muito coisa legal à caminho, completou a atriz diante da evidente tristeza dos entrevistadores com a futura ausência de Fish Mooney.

Não sei quanto a vocês, mas a notícia não chega a ser surpreendente para este que vos escreve, pois apesar de gostar muito de Fish, sempre a vi como um empecilho para o futuro do Pinguim dentro da máfia de Gotham City. Enfim, estou esperando um final trágico. E vocês?

Criada por Bruno Heller (The Mentalist), Gotham é exibida no Brasil pelo canal pago Warner.

Confira abaixo o trailer de Gotham:

Imagem de Amostra do You Tube

GAME OF THRONES – 5ª TEMPORADA E LIVRO E TRAILER EM POLÊMICAS

Duas notícias sobre a série Game of Thrones correram o mundo nesta semana que passou: o vazamento do trailer da 5a temporada e o aparecimento de outros produzidos por fãs, o que confundiu inicialmente muita gente, incluindo sites; e a declaração da Editora Harper Collins de que o sexto volume da série As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin, The Winds of Winter, não mais será lançado neste ano

2
Game of Thrones, como todos já sabem, é a adaptação para a televisão da série literária As Crônicas de Gelo e Fogo (A Song of Ice and Fire), do escritor estadunidense George R. R. Martin. O enredo é ambientado em 7 Reinos de Westeros, lugar onde os verões deram décadas e o inverno “uma vida inteira” e onde famílias nobres guerreiam para conquistar o seu Trono de Ferro, mas também têm de ficar atentos para as regiões desconhecidas, pois ameaças e invasões podem vir de lá.

A série foi levada para a TV por David Benioff, 44, roteirista, produtor e diretor que ficou famoso ao elaborar os roteiros a partir de obras literárias, ente elas, o malfadado épico Tróia (Troy, 2004), baseado na Ilíada de Homero, dirigida por Wolfgang Pettersen, com Peter O’Toole; O Caçador de Pipas (The Kite Runner, 2007), de Khaled Hosseini, cuja direção foi de Marc Forster e obteve extraordinário sucesso popular no Brasil; e de X-Men Origens: Wolverine (2009), de Gavin Hood. Game of Thrones, a sua obra máxima, está no ar desde 2011 no canal fechado HBO. Em abril próximo, a 5ª temporada será lançada simultaneamente nos EUA e Brasil.

A editora norte-americana Harper Collins (no Brasil é a LeYa) decidiu não mais lançar, neste ano, o sexto livro, intitulado The Winds of Winter. A editora, Jane Johnson, fez rápida declaração ao jornal inglês The Guardian: “Não tenho informações sobre uma previsão de publicação. São livros cada vez mais complexos e requerem um tempo gigantesco de concentração para serem escritos. Os fãs devem apreciar o fato de que cada um desses volumes equivale a 2 ou 3 romances de outros escritos”. Por sua vez, Martin saiu-se com uma pérola: “Não sou o escritor mais disciplinado do mundo”. O romance número 5, A Dança dos Dragões, saiu há 4 anos.

O Titan de Braavos é a ilustração do capítulo Mercy, do romance The Winds of Winter, de George R. R. Martin

O Titan de Braavos é a ilustração do capítulo Mercy, do romance The Winds of Winter, de George R. R. Martin

Sucesso literário em todo mundo, a série de Martin vende como água. Ele tem o hábito de, sempre que conclui uma obra literária, colocar um capítulo do próximo romance como “aperitivo para os fãs”. Em janeiro de 2013 ele publicou, em seu site, um capítulo de The Winds of Winter, intitulado Mercy. E como ilustração, a imagem do Titã de Braavos. Ainda no site, ele explica que “o novo capítulo na verdade é antigo. Mas não, ainda não publiquei ele em lugar nenhum, nem acho que tenha lido em alguma convenção”. Complementando, assinala: “Ele é novo no sentido de que não foi lido por ninguém além dos meus editores e antigo pois foi escrito há muito tempo”. Bem, há quem desconfie de que o cancelamento do lançamento do romance trata-se de uma estratégia para aumentar a venda dos livros já lançados, e, consequentemente, do novo.

Para ler o capítulo no site de George R. R. Martin, clique aqui.

Para conferir o texto traduzido para o português, por Tony Cardia, fã de Game of Thrones, clique aqui.

Enquanto o assunto literário vira polêmica e notícias na imprensa e junto aos fãs nas redes sociais, um outro fato também se reveste (ou se revestiu) de polêmica, ao aparecerem trailers feitos por de fãs (mal concebidos por sinal) como sendo oficiais. Mas logo tudo foi equacionado o lançamento do trailer oficial da HBO.

Estreia
A 5ª temporada de Game of Thrones estreia nos EUA e Brasil em 12 de abril nos canais HBO.

Confira o trailer oficial.

Imagem de Amostra do You Tube

 

AGENTE CARTER – Divulgada a sinopse detalhada da série

Primeiro grande amor do herói Capitão América, Peggy Carter vai voar solo e ganhará sua própria série de TV, que promete ser um dos destaques da mid-season de 2015

Banner da série Agente Carter

Banner da série Agente Carter

Sinônimo de sucesso nas telonas, o Marvel Studios agora trabalha ativamente para se consolidar também nas telinhas. E depois de desfrutar do bom desempenho de Agentes da S.H.I.E.L.D. (que atualmente exibe sua segunda temporada) o estúdio já está preparando mais uma série de TV, dessa vez centrada na Agente Peggy Carter, que dará continuidade aos eventos de Capitão América: o Primeiro Vingador e mostrará as aventuras da personagem no pós-guerra. Achou interessante? Pois saiba que a atração ganhou uma sinopse detalhada que nos dá uma boa ideia do que iremos conferir em breve. Leia a sinopse abaixo:

A ABC apresenta sua segunda série vinda das mentes criativas da Marvel: Agente Carter, inspirada nos filmes da Marvel Capitão América: o Primeiro Vingador e Capitão América: o Soldado Invernal, juntamente com o curta Marvel One Shot: Agente Carter.

Anos antes do Agente Coulson e seu time da S.H.I.E.L.D. jurarem proteger aqueles que não podem proteger a si mesmos das ameaças que não conseguem compreender, havia a Agente Peggy Carter (Hayley Atwell), que fez o mesmo juramento, mas viveu em uma época diferente em que as mulheres não eram consideradas tão espertas e fortes quanto os homens.

Mas ninguém deveria subestimar Peggy.

Hayley Atwell como Peggy Carter

Hayley Atwell como Peggy Carter

O ano é 1946 e a paz representa um duro golpe para Peggy, que se encontra marginalizada quando os homens retornam para casa depois de lutarem na guerra. Trabalhando para a secreta SSR (Reserva Científica Estratégica), Peggy se vê presa ao trabalho administrativo, quando na verdade ela deveria estar de volta à ação, utilizando suas vastas habilidades para derrotar os vilões. Mas ela também está tentando levar a vida como uma mulher solteira na América e lidar com a perda do seu grande amor, Steve Rogers, mais conhecido como Capitão América.

Quando o velho conhecido Howard Stark (Dominic Cooper) é acusado de liberar suas armas mortais para qualquer um disposto a pagar, ele entra em contado com Peggy – a única pessoa em que ele pode confiar – para que ela encontre os culpados, se livre das armas e limpe o seu nome. Ele também coloca seu mordomo, Edwin Jarvis (James D’Arcy), à disposição de Peggy para ajudá-la a investigar e rastear os responsáveis por liberar essas armas de destruição em massa. Mas Jarvis, que é uma pessoa de hábitos e apegado a uma rígida rotina diária, terá que fazer algumas grandes mudanças na sua vida se quiser acompanhar Peggy.

Se for pega realizando essas missões secretas para Stark, Peggy pode ser apontada como traidora e passar o resto dos seus dias na prisão – ou pior. E à medida que se aprofunda na investigação, ela pode descobrir que aqueles para quem ela trabalha não são o que parecem ser e inclusive começar a questionar se Stark é realmente tão inocente quanto afirma.

Além dos atores mencionados na sinopse, também integram o elenco de Agente Carter Chad Michael Murray (série One Tree Hill), Lyndsy Fonseca (série Nikita), Enver Gjokaj (série Dollhouse) e Shea Whigham (série Boardwalk Empire).

Christopher Markus e Stephen McFeely, roteiristas dos dois Capitão América, assinam o texto do episódio-piloto de Agente Carter, cuja direção ficará por conta de Louis D’Esposito, que por sinal deve estar se sentindo em casa, já que foi ele quem comandou Marvel One Shot: Agente Carter. Ao todo, a série terá oito episódios em sua primeira temporada, que serão exibidos pelo canal americano ABC em 2015, durante o hiato de Agentes da S.H.I.E.L.D.. Ainda não há informações sobre qual canal exibirá Agente Carter no Brasil.

Veja o trailer de lançamento da série.

Imagem de Amostra do You Tube

MARK WAHLBERG – O NOVO HOMEM DE 6 MILHÕES DE DÓLARES

Depois de muito falatório, escolha e dispensa de atores e diretores, finalmente uma das séries mais cultuadas de todos os tempos vai para as telas prateadas de todo o mundo: O Homem de 6 Milhões de Dólares. Para viver o Coronel Steve Austin, o escolhido foi Mark Wahlberg, do recente Transformers 4, e a direção ficou a cargo e Peter Berg, de  O Grande Herói e Hancock. Mas, o histórico comprova que raramente uma série de TV se dá bem no Cinema

Lee Majors vivieu Steve Austin na série de TV; e Mark Wahlberg, o novo HOMEM DE 6 MILHÕES DE DÓLARES

Lee Majors vivieu Steve Austin na série de TV; e Mark Wahlberg, o novo HOMEM DE 6 MILHÕES DE DÓLARES

Depois do descarte da ideia ridícula de querer transformar a adaptação em uma comédia a ser estrelada por Jim Carrey, uma luz divina pairou sobre a universal e eles resolveram encarar o projeto com seriedade, pois chamaram a mesma equipe de: O Grande Herói.

Como á série foi exibida entre 1974 e 1979, os produtores irão atualizar os valores do Coronel Astronauta Steve Austin e o filme deverá se chamar: O Homem de 6 Bilhões de Dólares. A produção está sendo levada a sério mesmo, pois como material base, os produtores também irão usar o romance de ficção científica Cyborg, do ex-militar Martin Caidin (1927-97), autor de vários romances do gênero, o qual a Universal usou para criar a série de TV.

Para quem não lembra: O Homem de 6 Milhões de Dólares foi uma série da televisão estadunidense e teve  exibição mundial entre os anos de 1974 a 1979, teve Lee Majors (hoe com 75 anos) como astro e fez tanto sucesso que rendeu uma série derivada, A Mulher Biônica, interpretada por Lindsay Wagner (hoje com 66 anos) e mais 3 telefilmes entre o final da década de 80 e a metade dos anos 90. A série foi exibida completa no Brasil, com trabalho de dublagem excepcional da Herbert Ritchers.

Cyborg 2016
As filmagens do nova adaptação da obra de Caidin, agora destinbada às telas grandes e provavelmente em 3D, vai começar no próximo ano para lançamento mundial em 2016. A Universal queria lança-lo neste ano para comemorar, em grande estilo, os 40 anos da série. Mas, infelizmente não deu certo. Agora, com um ator que, além de talentoso tem carisma e identificação com o grande público, e um bom diretor escolhidos para o projeto, é torcer para que a boa vontade continue e tenhamos mais uma, dentre pouquíssimas, boas novas franquias que migram da telinha para a telona. Essa será a grande contribuição do filme, pois  adaptar uma série de TV para o cinema, não é tarefa muito fácil como se pensa. Nos últimos anos, nenhuma delas foi bem recebida ou obteve qualidade de produção. Senão, vejamos alguns exemplos:

James West, a série de TV dos anos 60; o telefilme de 1980 e a adaptação ara os cinemas em 1999

JAMES WEST, a série de TV dos anos 60; o telefilme de 1980 e AS LOUCAS AVENTURAS DE JAMES WEST (1999), a adaptação para o Cinema

James West
Justamente no meio da década de 60 apareceu na televisão uma série totalmente diferente do que Hollywood produzia à época, tanto na televisão quanto no cinema: James West. Escrita por Michael Garrison, mesclava vários gêneros, como faroeste, aventura, ação, ficção científica (inspirada nos livros de Edgar Allan Poe, Jules Verne, H. P. Lovecraft e H. G. Welles, entre outros), comédia e espionagem, que era o elemento norteador das tramas que tinha como inspiração os livros de Ian Fleming com o seu espião James Bond.

Com Robert Conrad e Ross Martin nos pais centrais, a série durou de 17 de setembro de 1965 a 4 de abril de 1969, com 104 episódios. Algo muito ousado para a época. Em 1999, o produtor e diretor Barry Sonnefeld adaptou o livro de Garrison para o cinema com Will Smith, Kevin Kline, Kenneth Branagh e Salma Hayek no elenco, resultando numa das maiores bombas da História do Cinema.

Para saber mais sobre a série original James West, siga as suas sugestões abaixo:
Sugestão 1
Sugestão 2

O romance O Santo e seu ator, Leslie Charters; Roger Moore, seu melhor intérprete e Val Kilmer na adaptação de Cinema em 1997

O romance O Santo, o seu autor, Leslie Charters; Roger Moore, seu melhor intérprete, e Val Kilmer na adaptação de Cinema em 1997

O Santo
Criado pelo novelista Leslie Chartelis (1907-93), o misterioso detetive amador Simon Templar se tornou um dos personagens mais expressivos da literatura, rádio (de 1954 a 51 com a voz de Vincent Price), televisão (a série com Roger Moore), quadrinhos para jornais e no Cinema. O nome O Santo remete às iniciais do herói (em inglês The Saint), e igualmente se reveste de ironia, já que demonstra grande habilidade como ladrão e a sua destreza deixa a desconfiança de tenha sido, no passado, um criminoso. Em suas aventuras, nas quais roubava apenas de gente boa como empresários inescrupulosos, milionários ladrões e políticos corruptos, deixava sempre no local de seus crimes um cartão com a figura de uma pessoa com uma auréola. Em 1997, o cineasta australiano Phillip Noyce fez uma adaptação para o Cinema, com o então ascendente Val Kilmer, mas o enredo pouco tinha do personagem de Charteris.

Para saber mais sobre O Santo e seu criador, Leslie Charteris, acesse aqui.
Para saber todos os títulos dos livros, dos filmes e da série de TV O Santo, clique aqui.

DARK SHADOWS: o elenco da série (1966-71) de TV e Johnny Deep à frente da adaptação cinematográfica de SOMBRAS DA NOITE (2012), de Tim Burton

DARK SHADOWS: o elenco da série (1966-71) de TV e Johnny Deep à frente da adaptação cinematográfica de SOMBRAS DA NOITE (2012), de Tim Burton

Sombras da noite
Outra série de enorme sucesso na televisão estadunidense (e mundial) entre 1968 e 1971, Dark Shadows, no Brasil Nas Sombras da Noite, também chegou ao cinema e se deu muito mal, numa infeliz adaptação comandada por Tim Burton. A série, que contava a história de uma família inglesa que vai morar nos EUA em uma mansão fantasmagórica, conquistou rápida popularidade com seus enredos sobrenaturais, nos quais se destacava o vampiro Barnabas Collins (Jonathan Fried, em 594 episódios, de 1967 a 1971), que se envolvia com fantasmas, bruxas, lobisomens, feiticeiros, zumbis, homens monstros, além de deslocar-se para mundos paralelos em viagens ao passado e ao futuro. Ao todo foram 1.225 episódios com meia hora de duração.

Para saber mais sobre Dark Shadows, acesse aqui.

Veja um trailer síntese do início da série.

Imagem de Amostra do You Tube

 

CONSTANTINE – DC Comics na TV

A mais nova adaptação dos quadrinhos da DC Comics, Constantine, estreou na TV estadunidense no último dia 24, sexta-feira, e já tem data marcada para estrear aqui no Brasil: dia 7 de novembro, uma uma sexta-feira, no canal Space

 

Matt Ryan interpreta CONSTANTINE (2014) na série de TV criada por David S. Goyer por

Matt Ryan interpreta CONSTANTINE (2014) na série de TV criada por David S. Goyer por

Adaptada para TV por Daniel Cerone (O mentalista, Dexter, Jovens bruxas) e David S Goyer (Trilogia Blade, trilogia Cavaleiro das Trevas, O homem de aço), Constantine narra as aventuras de John Constantine (Matt Ryan, de Assalto em Dose Dupla), um mágico e não muito honesto cidadão que se torna detetive especializado em casos sobrenaturais e finda por combater as forças do mal.

No elenco também fazem parte Harold Perrineau, mais conhecido por Lost, como o anjo da guarda de Constantine.

Charles Halford (Desafiando os Limites, Agentes da Shield, O Evento) como um amigo de Constantine.

Joey Phillips, como Nergal, um demônio.

Michael James Shaw, como um criminoso simpatizante do Vodu.

E Emmet J Scanlan, como Jim Carrigan, um espectro cuja missão é punir almas criminosas.

A série adapta a HQ Hellblazer. Uma curiosidade: nos quadrinhos, Constatine é bissexual, mas na versão para TV e por ser exibido em uma rede aberta, os produtores decidiram manter o herói hetero mesmo. Talvez se tivesse sido exibido na HBO ou SHOWTIME essa face do personagem poderia ter sido explorada. Embora a sua bissexualidade não tenha sido muito explorada nos quadrinhos, essa declaração causou revolta na comunidade LGBT, que chegou dizer que boicotaria a série.

Alguns meses antes de sua estreia, um piloto vazou na internet (não acredito nunca nisso) e pesquisas foram rapidamente feitas para ver como foi a receptividade do público. O resultado é que os fãs ficaram bastante divididos. Isso fez com que os produtores mudassem várias coisas antes mesmo do piloto ser exibido oficialmente sexta-feira última passada.

Decididos realmente a fazer mudanças depois da resposta dos fãs ao piloto “vazado”, os produtores resolveram mudar os rumos da série (notícia não muito boa antes da exibição do piloto). Tiraram a personagem principal secundária Liv, fazendo com isso que a atriz Lucy Griffith fosse demitida.

Liv é filha de um amigo de Constantine que o ajudaria a localizar os demônios e serviria como uma espécie de conselheira. Em seu lugar entrou Zed, outro personagem do mundo Hellblazer.

A atriz Angelica Celaya é que ficou com a responsabilidade do personagem. Angelica Celaya não tem nenhum trabalho em cinema e é meio que novata em TV. Seu último trabalho mais ou menos conhecido foi na nova versão de Dallas, já cancelada. Ficou a atriz mais parecida com o personagem de todo o elenco.

Tem tudo para dar certo, pois a DC tem apresentado mais trabalhos interessantes na TV.

Confiram o trailer legendado e agora é só esperar pelo dia 7 de novembro no canal Space.

http://www.youtube.com/watch?v=lM-u038_qnU