INDEPENDENT SPIRIT AWARDS-2014

Os indicados de uma das premiações mais importantes no cenário do cinema independente de Hollywood serão anunciados no próximo dia 25 de novembro, e o site Indiewire, que enfatiza sempre esse tipo de produção, fez uma lista com suas apostas e as analisa para as considerações de cinéfilos e internautas

SPIRIT

 

 INDIEWIRE PETER KNEGT 1

 

 

 

Tradução: Ávila Souza

 

Ellar Coltrane em BOYHOOD - DA INFÂNCIA Á JUVENTUDE (2014), de Richard Linklatter: um dos favoritos

Ellar Coltrane em BOYHOOD – DA INFÂNCIA Á JUVENTUDE (2014), de Richard Linklatter: um dos favoritos

Com a chegada do final do ano, e já tendo sido anunciados os indicados do Gotham Awards 2014, essa semana é o momento certo para divulgar as apostas do avô dos prêmios de cinema independente: o Independent Spirit Awards, que está celebrando 30 anos em 2014. Com as indicações sendo divulgadas no próximo dia 25 de novembro, a premiação promete (como sempre) ser surpreendente e poucas vezes previsível sobre o cinema independente americano desse ano.

Uma coisa é esperada: esse ano a premiação poderá ser bastante semelhante ao Oscar. É, claro que não teremos nem sinal de Interestelar, de Christopher Nolan, ou Invencível, de Angelina Jolie no Spirit, mas Birdman, Boyhood – da Infância à Juventude, Foxcatcher: uma História que Chocou o Mundo (Foxcatcher), A Most Violent Year, O Abutre (Nightcrawler), Still Alice, Whiplash: em Busca da Perfeição e Livre (Wild) parecem estar todos numa disputa acirrada. Vai ser um pouco difícil que neste ano se repita o feito histórico do ano passado quando 12 Anos de Escravidão venceu Melhor Filme tanto no Oscar quanto no Spirit, e o quarteto de atores Cate Blanchett, Matthew McConaughey, Lupita Nyong’o e Jared Leto também venceram em suas respectivas categorias em ambas as premiações. Dito isso, Julianne Moore, Michael Keaton, Patricia Arquette e JK Simmons estão, no momento, na dianteira em suas respectivas categorias, e todos estão elegíveis ao Spirit Awards.

Repetir um cruzamento desse nível entre Oscar e Spirit seria lamentável, pois o Spirit daria menos oportunidade de honrar filmes independentes merecedores, mas que não são populares o suficiente para o gosto da Academia. Mas os indicados ainda não foram divulgados, então nada é concreto. Então, por diversão, vamos analisar as categorias principais do Spirit para ver onde as coisas podem esquentar. Quando considerarmos o que pode ficar de fora, levem em consideração as regras de elegibilidade da premiação.

Por exemplo, Selma, dirigido pela ganhadora do Spirit ano passado, Ava DuVernay, está sendo lançado por um grande estúdio (Paramount Pictures), por isso não espere a produção entre os indicados. Sob a Pele (Under the Skin), O Jogo da Imitação (The Imitation Game), A Teoria de Tudo (The Theory of Everything), Força Maior (Force Majeure), Ida, Mommy, Pride e Sr Turner (Mister Turner) não são produções dos EUA, o que potencialmente os exclui de todas as categorias com exceção de Filme Estrangeiro (embora lembremos que O Artista conseguiu o feito de ser indicado a Melhor Filme a alguns anos e venceu – por isso um ou dois deles podem escapar das exceções). Filme que tiveram orçamento além de 20 milhões de dólares estão fora do permitido pela premiação. Por exemplo, O Grande Hotel Budapeste, que teve orçamento divulgado em cerca de 32 milhões de dólares (embora nunca se sabe , O Lado Bom da Vida teve orçamento de 21 milhões, foi indicado, e ganhou nas grandes categorias). Sabendo disso tudo, vamos aos palpites.

Michael Keaton em BIRDMAN (2014), Alejandro Gonzalez Iñarritu

Michael Keaton em BIRDMAN (2014), Alejandro Gonzalez Iñarritu

MELHOR FILME

Previsões:
Birdman
Boyhood – da Infância à Juventude
Foxcatcher: uma História que Chocou o Mundo
O Amor é Estranho
Whiplash: em Busca da Perfeição

Podem aparecer:
Mesmo Se Nada Der Certo
Blue Rain
Listen Up Philip
A Most Violent Year
The Skeleton Twins

Que grupo extraordinariamente lotado. Qualquer um dos 10 filmes listados acima seriam fortes concorrentes ao prêmio em um ano convencional do Spirit, mas esse ano nenhum deles são tão certos quanto Birdman e Boyhood. A dupla é facilmente a mais cotada também para o Oscar e a essa altura do campeonato qualquer um pode dizer que a disputa ficaria entre eles. O que é menos certo é quem se juntaria a eles como indicados. Lembrando que os indicados são decididos por comitês e não por todos os membros votantes, o que deixa a a disputa por indicações sempre mais acirrada do que pelos ganhadores (onde todos votam). Ano passado Frances Ha entrou em vez de Blue Jasmine e Clube de Compras Dallas, o que pode ser uma coisa boa para Blue Ruin, O Amor é Estranho, The Skeleton Twins e Whiplash: em Busca da Perfeição, filmes que contam com grupos fortes de fãs. Desses três achamos que o Whiplash, de Damien Chazelle tem mais chances de indicação, mas fiquem atentos para O Amor é Estranho, de Ira Sach. Eles indicaram  Deixe a Luz Acesa, de Sach, dois anos atrás, e o filme tinha um perfil mais baixo que o desse ano.

Julianne Moore em STILL ALICE (2014), de Richard Glatzer e Wash Westmoreland

Julianne Moore em STILL ALICE (2014), de Richard Glatzer e Wash Westmoreland

MELHOR ATRIZ

Previsões:
Keira Knightley, Mesmo Se Nada Der Certo
Julianne Moore,
Still Alice
Jenny Slate,
Obvious Child
Kristen Wiig,
The Skeleton Twins
Reese Witherspoon,
Livre

Podem Aparecer:
Desiree Akhavan Appropriate Behavior
Jessica Chastain,
O Desparecimento de Eleanor Rigby
Gugu Mbatha-Raw,
Além das Luzes
Hilary Swank,
The Homesman
Tilda Swinton,
Amantes Eternos

Embora ela ainda continue sem o seu Oscar, Julianne Moore ganhou um Spirit Award nessa categoria em 2002 por Longe do Paraíso. Ela não foi indicada ao prêmio desde então (sendo erroneamente esnobada por Minhas Mães e Meu Pai e Direito de Amar), mas é quase uma certeza que isso mude esse ano. Sua atuação como uma mulher prematuramente com Alzheimer em Still Alice tem dado o que falar desde sua primeira exibição em Toronto, e, da forma como a corrida está hoje, é difícil imaginar uma situação onde Moore não vença tanto o Spirit quanto o Oscar em fevereiro. Sua forte concorrente é Reese Witherspoon por Livre (a atriz só foi indicada uma vez ao Spirit, por Eleição), as demais que conseguirem indicações não são tão previsíveis, pelo menos no Spirit. Essa categoria sempre traz uma indicada que ninguém sabe de onde veio, como aconteceu com Gaby Hoffman em Crystal Fairy & the Magical Cactus and 2012, e Linda Cardellini em 2012 por Return.

Jake Giyllenhaal em O ABUTRE (2014), de Dan Gilroy

Jake Giyllenhaal em O ABUTRE (2014), de Dan Gilroy

MELHOR ATOR
Previsões:
Steve Carell, Foxcatcher: uma História que Chocou o Mundo
Jake Gyllenhaal,
O Abutre
Oscar Isaac,
A Most Violent Year
Michael Keaton,
Birdman
Miles Teller,
Whiplash: Em Busca da Perfeição

Podem aparecer:
Ellar Coltrane, Boyhood: da Infância à Juventude
Bill Hader,
The Skeleton Twins
John Lithgow,
O Amor é Estranho
Alfred Molina,
O Amor é Estranho
Bill Murray,
St. Vincent

Com certeza a categoria mais acirrada entre as categorias de atuação, essa disputa sem dúvidas vai deixar de fora atuações que em um ano comum seriam consideradas fortes concorrentes. Onze homes têm ótimas chances aqui, sendo Michael Keaton e Steve Carell os dois que chocariam se não fossem indicados. Será que Benedict Cumberbatch vai ser indicado por O Jogo da Imitação? Será que Oscar Isaac terá sua segunda indicação consecutiva e provavelmente a segunda esnobada do Oscar? E as atuações reveladoras de Miles Teller, Ellar Coltrane e Bill Hader desse ano? Provavelmente nenhum dos três seja indicado ao Oscar, mas uma atenção aqui seria uma boa consolação. Parece que a discrepância entre papeis principais de homens e mulheres em “Indiewood” foi a mesma que em Hollywood esse ano. Embora seja difícil listar 10 possíveis indicadas na categoria feminina, aqui listaríamos mais 10 homens com facilidade.

 

Jessica Chastain em A MOST VIOLENT YEAR (2014), de J. C. Chandor

Jessica Chastain em A MOST VIOLENT YEAR (2014), de J. C. Chandor

MELHOR ATOR E ATRIZ COADJUVANTES
Previsões – Atriz
Patricia Arquette, Boyhood: da Infância à Juventude
Jessica Chastain,
A Most Violent Year
Rene Russo,
O Abutre
Emma Stone,
Birdman
Tessa Thompson,
Dear White People

Podem Aparecer:
Laura Dern, Livre
Vanessa Redgrave,
Foxcatcher: uma História que Chocou o Mundo
Kristen Stewart,
Still Alice
Marisa Tomei,
O Amor é Estranho
Robin Wright,
A Most Wanted Man

 

Previsões – Ator:
Riz Ahmed, O Abutre
Ethan Hawke,
Boyhood: da Infância à Juventude
Edward Norton,
Birdman
Mark Ruffalo,
Foxcatcher: uma História que Chocou o Mundo
JK Simmons, 
Whiplash: em Busca da Perfeição

Podem Aparecer:
Alec Baldwin, Still Alice
Albert Brooks,
A Most Violent Year
Jake Lacy,
Obvious Child
Jaeden Lieberher,
St. Vincent
Luke Wilson,
The Skeleton Twins

O Spirit parece ser ainda bem mais imprevisível quando se trata das categorias de coadjuvantes. Quem previu Yolanda Ross (Go for Sisters) ano passado em vez de Octavia Spencer (Fruitvale Station: a Última Parada) e Scarlett Johannson (Como Não Perder Essa Mulher)? Ou Ashley Bell (O Último Exorcismo) e Daphne Rubin-Veja (Vejo Você no Próximo Verão) em vez de Mila Kunis (Cisne Negro)? Com isso em mente, continuemos nossos palpites cautelosamente. Só porque Edward Norton, JK Simmins, Mark Ruffalo, Patricia Arquette, Jessica Chastain e Emma Stone parecem ser indicações bem prováveis no Oscar, não quer dizer que o Spirit não possa esquecê-los.

 

Channing Tatum e Steve Carell em FOXCATCHER: UMA HISTÓRIA QUE CHOCOU O MUNDO (2014), de Bennett Miller

Channing Tatum e Steve Carell em FOXCATCHER: UMA HISTÓRIA QUE CHOCOU O MUNDO (2014), de Bennett Miller

MELHOR DIRETOR e MELHOR PRIMEIRO FILME
Previsões – Diretor:
JC Chandor, A Most Violent Year
Damien Chazelle,
Whiplash: em Busca da Perfeição
Alejandro González Iñárritu,
Birdman
Richard Linklater,
Boyhood: da Infância à Juventude
Bennett Miller,
Foxcatcher: uma História que Chocou o Mundo

Podem Aparecer:
Craig Johnson, The Skeleton Twins
Alex Ross Perry,
Listen Up Phillip
Ira Sachs,
O Amor é Estranh
Jeremy Saulnier,
Blue Ruin

 

Previsões – Primeiro Filme:
Dear White People, Justin Simien
Infinitely Polar Bear, Maya Forbes
O Abutre, (Dan Gilroy
Obvious Child, Gillian Robespierre
St. Vincent, Theodore Melfi

Podem Aparecer:
Appropriate Behavior, Desiree Akhavan
Coherence, James Ward Byrkit
A Girl Walks Home Alone At Night, Ana Lily Amirpour
Rosewater, Jon Stewart

Uma das corridas mais interessantes é a que não tem equivalentes no Oscar. 2014 foi um ano excepcional para cineastas estreantes. Os homens e mulheres por trás de Dear White People, A Girl Walks Home Alone at Night, O Abutre, Obvious Child e St. Vincent são todos iniciantes e se algum deles acabar por ganhar na categoria seguirão os passos de nomes como Spike Lee, Whit Stillman, David O. Russell, Spike Jonze, Kenneth Lonergan, Charlie Kaufman e o vencedor do ano passado Ryan Coogler.  Ótimo grupo.

Quanto a melhor diretor, não parece provável que Richard Linklater perca. A surpresa nisso? Será a primeira vitória do diretor nessa categoria.

Felicity Jones e Eddie Redmayne em A TEORIA DO TUDO (Reino Unido, 2014), de James Marsh

Felicity Jones e Eddie Redmayne em A TEORIA DO TUDO (Reino Unido, 2014), de James Marsh

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Previsões:
Força Maior
Ida
O Jogo da Imitação
Mommy
Sr. Turner

Podem Aparecer:
Leviathan
A Teoria de Tudo
Dois Dias, Uma Noite
Sob a Pele
Winter Sleep

Essa é sempre uma categoria interessante porque honra filmes de outros idiomas ou de língua inglesa feitos fora dos EUA. Recentes vencedores dessa categoria foram Apenas Uma Vez, Educação e O Discurso do Rei. Os últimos três vencedores A Separação, Amor e Azul é a Cor Mais Quente são todos de línguas não-inglesas, e nos dois últimos anos todos os indicados são da categoria foram de países com língua não-inglesas.

Esse ano os de língua inglesa que parecem ter fortes chances são A Teoria de Tudo, Sob a Pele, Sr. Turner e sem sombra de dúvida O Jogo da Imitação, se estiver elegível. A briga vai ser dura entre os estrangeiros Força Maior, Leviathan e Winter Sleep.

Edward Snowden é o personagem central de CITIENFOUR (Alemanha-EUA, 2014), de Laura Poitras

Edward Snowden é o personagem central de CITIENFOUR (Alemanha-EUA, 2014), de Laura Poitras

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Previsões:
The Case Against 8
CitizenFour
Keep On Keepin On
Life Itself
The Overnighters

Podem Aparecer:
Finding Vivian Maier
Last Days in Vietnam
Point and Shoot
Rich Hill
O Sal da Terra
Tales of the Grim Sleeper

Outra coisa boa que 2014 trouxe ao cinema foram excelentes documentários. Como o Spirit vai escolher seus indicados é complicado saber, eles vê usando seus métodos próprios no passar dos anos. Ano passado o vencedor do Spirit, A Um Passo do Estrelato, foi o mesmo vencedor do Oscar pela primeira vez em cinco anos.

Seguindo essa linha de favoritismo, o elogiado CITIZENFOUR pode muito bem repetir o feito.

Para ler este artigo (em inglês) no site Indiewire, acesse aqui.

Para conhecer o site Indiewire e ler os seus artigos (em inglês), acesse aqui.

Veja o trailer de O Jogo da Imitação.

Imagem de Amostra do You Tube

DISCUSSÃO: DEVEMOS POVOAR O ESPAÇO?

Artigo do site Salon

SALON P

 As perspectivas para o meio ambiente são sombrias.
É hora de pensar em partir?

 

 Tradução: Ávila Souza

Orion (Credit: NASA Kennedy via Flickr)

Orion (Credit: NASA Kennedy via Flickr)

Com a agenda climática da América nas mãos dos ‘negadores, algumas pessoas estão considerando deixar o país. Mas por que parar por aí? Por que não noutro planeta? O novo filme de Christopher Nolan, Interstellar, prevê um futuro não tão distante onde uma Terra em ruínas não poderá mais sustentar a vida humana, o que levou os remanescentes da NASA a procurarem um novo planeta para habitar. Nem o problema ou a solução são ficção científica como gostaríamos. A colonização de outro planeta pode vir em 2022 se o projeto Mars One for bem sucedido. Com sede na Holanda, o projeto contou com 200.000 inscritos em sua primeira etapa (hoje existem 23 brasileiros selecionados na segunda etapa). Os selecionados terão uma passagem só de ida para o planeta vermelho e tudo será televisionado no modelo reality show. Uma vez lá, os novos marcianos terão que produzir sua própria água e comida, e, provavelmente, morrer quase imediatamente.

Outros (e talvez mais sérios) esforços também estão em andamento. Elon Musk fundou a SpaceX com a clara missão de estabelecer uma base permanente em Marte. Defensor ferrenho da migração para o espaço como necessidade de salvação da espécie humana, Musk acredita que podemos ter um milhão de pessoas em Marte dentro de um século. Ainda mais perto, a NASA está a um mês de lançar a Orion, uma nave projetada para levar os seres humanos a Marte por volta de 2030. Quando pousarmos lá estaremos prontos graças a Sociedade de Marte, que acabou de iniciar a sua terceira missão simulada nas encostas de um vulcão no Havaí. Seis pessoas vão passar os próximos 254 dias vivendo em uma redoma pressurizada de aproximadamente 93 mil metros quadrados e usarão trajes espaciais toda vez que precisarem sair. Pensando mais à frente, tanto a NASA quanto a DARPA (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa) ajudaram a estabelecer o projeto 100 Year Starship (Projeto de nave estelar ano 100), uma fundação privada com o objetivo de levar os humanos para fora do sistema solar.

Mas esses esforços valem a pena? Com o acidente que aconteceu a algumas semanas com a SpaceShipTwo da Virgin Galactic, vemos que o voo espacial para os humanos ainda é cheio de riscos. E também é caro. Foram necessários 150 bilhões de dólares (ajustado para a inflação) para levar os seres humanos à Lua, e a NASA estima que a Orion vai custar cerca de 22 bilhões de dólares até 2021, quando se planeja um sobrevoo sobre Marte (embora o Governo ache que será capaz de mais). Enquanto isso, a missão Rosetta, da Agência Espacial Europeia, conseguiu pousar uma sonda robótica em um cometa no dia 12 de novembro de 2014, por apenas 1,4 bilhão de euros. O rover Curiosity da NASA está explorando Marte por cerca de 2 anos, a um custo de 2,5 bilhões de dólares.  A Índia recentemente enviou seu próprio satélite para orbitar em Marte por espantosos 74 milhões de dólares. A presença humana é realmente necessária se as máquinas podem fazer o trabalho?

Lutar e se adaptar às alterações climáticas é uma necessidade que vai exigir mais dinheiro e recursos, mas as perspectivas de ação – e muito menos sucesso – muitas vezes parecem sombrias. Deveríamos estar gastando tanto dinheiro com viagens especiais humanas e planos de colonização quando investimentos em nosso planeta natal podem dar um retorno maior? Ou devemos avançar a fim de termos isso como uma opção de último recurso? Que outros benefícios a habitação especial humana traria para o planeta e para nossa espécie?

Leia este artigo (em inglês) diretamente no site SALON, clicando aqui.

Leia outros artigos (em inglês) do site SALON, clicando aqui.