21º SATÉLITE DE OURO – INDICADOS ENTRE NOVIDADES E SURPRESAS

Neste ano, o IPA, International Press Academy, formado por jornalistas internacionais da área de Cinema, claro, anunciou muitas novidades e, também, algumas surpresas, quanto aos indicados ao 21º Golden Satellite Awards. Perceba como as coproduções estão fazendo efeito e cada vez mais promovendo a liberdade de temas pelo efeito da globalização, a unificação do planeta em suas diferenças. Esse processo está em risco caso o governo de Donald Trump cumpra a sua promessa de fechar o País à comunidade internacional. Tema para análise, em 2017, mas, por enquanto confiram a lista de indicações e os traillers. O Satelllite será entregue em 19 de fevereiro

LION - UMA JORNADA PARA CASA (Lion, Austrália, 2016), de Garth Davis

LION – UMA JORNADA PARA CASA (Lion, Austrália, 2016), de Garth Davis

Vamos ser sucintos, pois ainda há muitas indicações a serem anunciadas de outras premiações, assim também como as listas dos melhores da crítica estadunidense, europeia e brasileira. Para falar das surpresas, as ausências de filmes como A Chegada (The Arrival, 2016), de Dennis Villeneve, e Silêncio (Silence, 2016), a obra de caráter religioso de Martin Scorsese. As surpresas começam o número recorde de indicados à Melhor Filme: 12 títulos. Há ainda as presenças de Fences (Fences, 2016), estreia de Denzel Washington na direção; o emocionante road movie Lion – uma Jornada Para Casa (Lion, EUA-Austrália-Reino Unido, 2016),  assinada por Garth Davis; o novo trabalho de Mel Gibson, Até o Último Homem (Hacksaw Ridge, 2016), um drama que oscila entre a religiosidade e a violência; além do drama feminista Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, 2016)de Theodore Melfi; e o eletrizante e reflexivo thriller policial À Qualquer Custo (Hell or High Water, 2016), de David MacKenzie, entre outros.

Nas categorias de interpretação, para ator, novamente Casey Affleck, com Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea, 2016) posta-se à frente de concorrentes como Joseph Gordon-Levitt, o Snowden; Andrew Garfield, o Sully, o Herói do Rio Hudson (Sully, 2016); Viggo Mortensen, o chefe da família diferente, o Capitão Fantástico (Captain Fantastic, 20156)e Joel Edgerton, o homem que desposa corajosamente uma negra no lindíssimo Loving. No time das atrizes indicadas, a parada será mais difícil. Annette Bening, uma das 20th Century Women, Emma Stone, a apaixonada em La La Land – Cantando Estações; Nathalie Portman, a Jackie (2016); Isabelle Huppert, em atuação indescritível em Elle (Elle, 2016),  e Amy Adams, por Animais Noturnos (Nocturnal Animals, 2016), mas poderia ter sido por A Chegada.

Veja o trailer de Loving.

Observe bem os indicados para Melhor Filme Estrangeiro. Pela primeira vez aparece o eletrizante A Criada (Ah-ga-ssi/The Handmaiden, 2016), o novo e celebradíssimo Chan Wook Park, competindo com o grande favorito, o alemão Toni Ederman (2016), de Maren Ade, o recordista do ano em premiações. Mas, figura, também, o drama O Apartamento (Forushande, 2016), do iraniano Asghar Farhadi, e o francês Elle, do holandês Paul Verhoeven. Faça as suas apostas.

Há homenagens, também: Edward James Olmos vai apresentar o prêmio Mary Pickford, e o prêmio Tesla para John Toll, o fotógrafo de Coração Valente.
Confira todos os concorrentes.

MELHOR FILME
La La Land – cantando Estações (La La Land, EUA, 2016), de Damian Chazelle
Moonlight (EUA, 2016), de Barry Jenkins
Manchester À Beira-Mar (Manchester by the Sea, 2016), de Kenneth Lonnergan
Lion – uma Jornada Para Casa (Lion, Austrália), de Garth Davis
Jackie (EUA, 2016), de Pablo Larrain
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge, EUA, 2016), de Mel Gibson
Loving (EUA, 2016), de Jeff Nichols
À Qualquer Custo (Hell or High Water), de David MacKenzie
Animais Noturnos (Nocturnal Animals), de Tom Ford
Capitão Fantástico (Captain Fantastic), de Matt Ross
Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures), de Theodore Melfi
Fences (EUA, 2016), de Denzel Washington

MELHOR DIRETOR
Barry Jenkins, Moonlight
Kenneth Lonergan, Manchester à Beira-Mar
Mel Gibson, Até o Último Homem
Damien Chazelle, La La Land
Tom Ford, Animais Noturnos
Pablo Larrain, Jackie
Denzel Washington, Fences

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Barry Jenkins, Moonlight
Damian Chavelle, La La Land
Kenneth Lonnergan, Manchester à Beira-Mar
Taylor Sheridan, À Qualquer Custo
Matt Ross, Capitão Fantástico
Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou, The Lobster

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Robert Schenkkan e Andrew Knight, Até o Ultimo Homem, do romance “Hero at Hacksaw Ridge”, de Booton Herndon
Luke Davis, por Lion – uma Jornada de Esperança, do romance A Long Way Home, de Saroo Brierley
Kieran Fitzgerald e Oliver Stone, Snowden, dos livros de Anatoly Kucherena e Luke Harding
Justin Marks, Mogli o Menino-Lobo, do Rudyard Kipling
Allison Schroeder e Theodore Melfi, Estrelas Além do Tempo, do romance de Margot Lee Shetterly
Todd Komarnicki, Chesley Sullenberger, Sully – o Herói do Rio Hudson, do romance de Jeffrey Zaslow

Veja o trailer de Lion – uma Jornada Para Casa.

MELHOR ATRIZ
Annette Bening, 20th Century Women
Emma Stone, La La Land – cantando Estações
Natalie Portman, Jackie
Ruth Negga, Loving
Taraji P. Henson, Estrelas Além do Tempo
Meryl Streep, Florence
Isabelle Huppert, Elle
Amy Adams, Animais Noturnos

MELHOR ATOR
Casey Affleck, Manchester à Beira-Mar
Ryan Gosling, La La Land
Joseph Gordon-Levitt, Snowden
Viggo Mortensen, Captão Fantastico
Joel Edgerton, Loving
Andrew Garfield, Até o Último Homem
Tom Hanks, Sully, o Herói do Rio Hudson
Denzel Washington, Fences

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Helen Mirren, Eye in the Sky
Michelle Williams, Manchester à Beira-Mar
Nicole Kidman, Lion – uma Jornada Para Casa
Octavia Spencer, Estrelas Além do Tempo
Naomi Harris, Moonlight
Viola Davis, Fences

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jeff Bridges, À Qualquer Custo
Mahershala Ali, Moonlight
Dev Patel, Lion – uma Jornada Para Casa
Lucas Hedges, Manchester à Beira-Mar
Eddie Murphy, Mr. Church
Hugh Grant, Florence

Veja o trailer de Fences.

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Gleason (EUA, 2016), de Clay Tweel
Life, Animated (EUA, 2016), de Roger Ross Williams
O. J.: Made in America (EUA, 2016), de Ezra Edelmann
A 13ª Emenda (13th, EUA, 2016), de Spencer Averick e Ava Duvernay
The Ivory Game (Áustria, 2016), de Kief Davidson e Richard Ladkani
The Eagle Huntress (Reino Unido-Mongolia-EUA, 2016), de Otto Bell
Tower (EUA, 2016), de Keith Maitland
Fogo no Mar (Fuocoammare/Fire at Sea, Itália-França), de Gianfranco Rosi
Zero Days (EUA), de Alex Gibney
The Beatles: Eight Days a Week (EUA, 2016), de Ron Howard

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
The Happiest Day in the Life of Olli Maki (Hymyilevä Mies, Suécia-Finlândia-Alemanha), de Juho Kuosmanen
Toni Erdmann (Alemanha-Áustria-Romênia), de Maren Ade
Julieta (Espanha-Argentina), de Pedro Almodóvar
A Man Called Ove (Em Man som Heter Ove, Suécia), de Hannes Holm
O Apartamento (Forushande/The Salesman, Irã-França), de Asghar Farhadi
The Ardennes (Les Ardennes, Bélgica), de Robbin Pront
Ma’ Rosa (Filipinas), de Brillante Mendoza
A Criada (Ah-ga-ssi/The Handmaiden, 2016), de Chan Wook Park
Elle (França-Alemanha-Bélgica), de Paul Verhoeven
Pan (Ray/Paradise, Rússia-Alemanha), de Andrei Konchalovsky

Conheça o trailer de A Criada.

MELHOR ANIMAÇÃO
Zootopia – essa Cidade é um Bicho, de Byron Howard e Rich Moore
Kubo e as Cordas Mágicas (EUA, 2016), de Travis Knight
Moana – um Mar de Aventuras (EUA, 2016), de Ron Clements e John Hall
Procurando Dory (EUA, 2016), de Andrew Stanton
Ma Vie de Courgette (My Life as a Zucchini, Suiça França), de Claude Barras
Mougli – o Menino Lobo (The Jungle Book, de Jon Favreau
La Tortue Rouge (The Red Turtle, França-Bélgica), de Michael Dudok de Wit
Sarusuberí: Miss Hokusai (Miss Hokusai, Japão, 2015), de Kiichi Hara
Trolls (EUA, 2016), de Mike Mitchell
Kimi No No Va (Your Name, Japão, 2016), de Makoto Shinkai

TRILHA SONORA
Até o Último Homem
La La Land – cantando Estações
Manchester à Beira-Mar
O Bom Gigante Amigo
Mougli – o Menino-Lobo
Estrelas Além do Tempo

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
Audition, de La La Land
City of Stars fromm, de La La Land
Dancing with Your Shadow, de Po
Can’t Stop the Feeling, de Trolls
I’m Still Here, de Miss Sharon Jones
Running, Estrelas Além do Tempo

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
A Longa Caminhada de Billy Lynn
La La Land
Moonlight
Até o Último Homem
The Happiest Day in the Life of Olli Maki
Mougli – o Menino-Lobo

Veja o trailer de A Longa Caminhada de Billy Lynn.

MELHOR EFEITOS VISUAIS
Mougli – o Menino-Lobo
A Longa Caminhada de Billy Lynn
Doutor Estranho
O Bom Gigante Amigo
Sully, o Herói do Rio Hudson
Deadpool

MELHOR MONTAGEM/EDIÇÃO
La La Land
Moonlight
A Longa Caminhada de Billy Lynn
Lion – uma Jornada Para Casa
Até o Último Homem
O Nascimento de uma Nação

MELHOR EDIÇÃO DE SOM E MIXAGEM
La La Land
Billy Lynn’s Long Halftime Walk
Até o ùltimo Homem
Mougli – o Menino-Lobo
Aliados
13 Horas: os Soldados Secretos de Benghazi

Veja o trailer de Até o Último Homem.

MELHOR DESENHO DE PRODUÇÃO E ARTES
La La Land
Até o Último Homem
Jackie
Mogli – o Menino-Lobo
Aliados
Alice no País dos Espelhos

MELHOR FIGURINO
Alice no País dos Espelhos
Amor & Amizade
Capitão Fantástico
Jackie
La La Land
Doutor Estranho

Veja o trailer de Capitão Fantástico.

 

NATIONAL FILM BOARD – OS MELHORES DE 2016

O NFB, National Film Board, a organização nova-iorquina formada por produtores, cineastas, cinéfilos, pesquisadores, estudantes e críticos de cinema anunciou os seus Melhores Filmes de 201. Diferentemente do ano passado, quando escolheu a ficção científica Mad Max: estrada da Fúria, de George Miller , como o melhor do ano, neste se concentrou em uma das produções mais louvadas da temporadas: o drama Manchester à Beira-Mar, de Kenneth Lonnergan

Casey Affleck em MANCHESTER Á BEIRA-MAR (2016), de Kenneth Lonnergan: 4 prêmios

Casey Affleck em MANCHESTER Á BEIRA-MAR (2016), de Kenneth Lonnergan: 4 prêmios

Há detalhes preciosos na premiação do NFB. Pela primeira vez o novo filme de Martin Scorsese, Silêncio (Silence), aparece numa relação, aqui agraciado como o Melhor Roteiro, de autoria de Jay Cocks e Martin Scorsese. Amy Adams, nomeada 5 vezes para o Oscar e com 55 prêmios e outras 145 nomeações ao longo da carreira iniciada em 1999 com Lindas de Morrer (Drop Dead Georgeus, lançado direto no vídeo), parece ter finalmente alcançado o posto de estrela em 2016 com 3 filmes de sucesso: Batman vx Superman: a Origem da Justiça (Batman vs Superman: dawn of justice), de Zack Snyder, Animais Noturnos (Nocturnal Animals), de Tom Ford, e A Chegada (The Arrival), de Dennis VilleneuveEleita a Melhor Atriz, se torna uma fortíssima concorrente ao Globo de Ouro e ao Oscar de sua categoria. Na mesma toada está Casey Affleck, o irmão de Ben, ganhador do independente Gotham, tem quase tudo para abocanhar as futuras indicações, embora uma reportagem da imprensa estadunidense aponte que ele tenta se livrar de uma denúncia de estupro, ocorrida em 2010, a qual deve superar. A sua atuação em Manchester à Beira-Mar eleva-o, ressaltam os críticos, ao panteão dos grandes atores.

Outros 3 detalhes: Kubo e as Cordas Mágicas, de Travis Knight, uma animação filosófica e de passagem meteórica nos cinemas brasileiros, sai para a briga. Jeff Bridges retorna à competição ao ser eleito o Melhor Coadjuvante por A Qualquer Custo (Hell or High Water, 2016), em vias de estrear por aqui; e, o ressurgimento do iraniano Asghar Farhadi, cujo novo trabalho, O Apartamento(Furushande/The Salesman, 2016), lançado em Cannes, chega aos cinemas ocidentais com 5 prêmios internacionais nova investida sobre o tema do estupro, infidelidade e a crise dos relacionamentos entre casados.

Amy Adams em Achegada (2016); e Jeff Bridges em À Qualquer Custo (2016): melhores na categoria de interpretação

Amy Adams em A CHEGADA (2016); e Jeff Bridges em Á QUALQUER CUSTO (2016): melhores atores

Conheça os vencedores

MELHOR FILME
Manchester à Beira-Mar, de Kenneth Lonnergan

MELHOR DIRETOR
Barry Jenkins, Moonlight

MELHOR ATRIZ
Amy Adams, A Chegada

MELHOR ATOR
Casey Affleck, Manchester à Beira-Mar

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Naomie Harris, Moonlight

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jeff Bridges, A Qualquer Custo

Veja o trailer de A Qualquer Custo.

MELHOR ROTEIRO
Kenneth Lonergan, Manchester à Beira-Mar

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Jay Cocks e Martin Scorsese, Silêncio

MELHOR ANIMAÇÃO
Kubo e as Cordas Mágicas, de Travis Knight

REVELAÇÃO FEMININA
Royalty Hightower, The Fits

REVELAÇÃO MASCULINA
Lucas Hedges, Manchester à Beira-Mar

MELHOR DIRETOR ESTREANTE
Trey Edward Shults, Krisha

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
O Apartamento (Forushande/The Salesman, Irã-França), de Asghar Farhadi

Conheça o trailer de O Apartamento.

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O.J.: Made in America, de Ezra Edelmanezra

MELHOR ELENCO
Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures), de Theodore Melfi

PRÊMIO SPOTLIGHT
A parceria criativa de Peter Berg e Mark Wahlberg em filmes como O Grande Herói (Lone Survivor, 2013), Horizonte Profundo – Desastre no Golfo (Deepwater Horizon, 2016)) e Dia de Heróis (Patriots Day, 2016)

PRÊMIO DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO
Cameraperson, de Kirsten Johnson

Veja o trailer de Silêncio.

OSCAR ESTRANGEIRO-2017 – PEQUENO SEGREDO ESTÁ FORA

Já era esperado. Pequeno Segredo, de David Schurmann, o representante oficial brasileiro a categoria de Melhor Filme Estrangeiro, está fora de competição ao prêmio da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Hollywood. Agora apenas 9 os concorrentes e destes, 4 serão cortados até 24 de janeiro

TONI EDERMAN (Alemanha), MA VIE DE COURGETTE (França) e TANNA (Australia); 3 finalistas

TONI EDERMAN (Alemanha), MA VIE DE COURGETTE (Suiça) e TANNA (Australia); 3 finalistas

Era 85, depois 25, agora 9. Apenas 9 filmes sobreviveram aos sucessivos cortes e serão apreciados pelo comitê de seleção da categoria. Três comités dessa fase do Oscar, constituído por 20 membros da Academia em Los Angeles, uma em Nova e outra em Londres, com 10 cada, vão agora assistir aos 9 selecionados e escolher os 5 que irão ser anunciados em 24 de janeiro. A festa de entrega das estatuetas ocorre em 26 de fevereiro.

Os estrangeiros sobreviventes.

TANNA
Austrália/Vanuatu, 2016
Direção: Martin e Bentley Dean
Elenco: Mungau Dain e MarieWawa

Veja o trailer de Tanna.


É APENAS O FIM DO MUNDO
It’s Only the end of the World
Canadá, 2016
Direção: Xavier Dolan
Elenco: Nathalie Baye e Vincent Cassell

Veja o trailer de É Apenas o Fim do Mundo.


TERRA DE MINAS
Under Sandet/Land of Mine
Dinamarca/Alemanha, 2016
Direção: Martin Zandleviet
Elenco: Roland Moller e Louis Hoffman

Veja o trailer de Terra de Minas.


TONI ERDMANN
Alemanha, 2016
Direção: Karen ADE
Elenco: Peter Simonischek e Sandra Hüller

Veja o trailer de Toni Erdmann.


O APARTAMENTO
Forushande
Irã/França, 2016
Direção: Asghar Farhady
Elenco: Shahab Hosseinmi e Taraneh Alidoosti

Confira o trailer de O Apartamento.


KONGENS NEI
Título internacional: The King’s Choise
Noruega, 2016
Direção: Erik Poppe
Elenco: Jesper Christensen e Anders Baasmo Christiansen

Conheça o trailer de Kongens Nei.


PARAÍSO
Ray
Título internacional Paradise
Rússia, 2016
Direção: Andrei Konchalovsky
Elenco: Yuliya Vysotskaya e Philippe Duquesne

Veja o trailer de Paraíso.


UM HOMEM CHAMADO OVE
Em Man Hetter Ove
Título internacional: A Man Called Ove
Suécia, 2016
Direção: Hannes Holm
Elenco: Rolf Lassgärd e Bahar Pars

Confira o trailer, emocionante, de Um Homem Chamado Ove.


MA VIE DE COURGETTE
Título internacional: My life is a Zucchini
Suiça, 2016
Direção: Claude Barras
Animação

Conheça o trailer de Ma Vie de Courgette.

OSCAR-2017 – OS 85 QUE QUEREM SER O MELHOR FILME

A cada ano as cinematografias pelo mundo ensejam um lugar ao sol na visibilidade proporcionada pela premiação ao Oscar-2017 de Melhor Filme Estrangeiro da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Hollywood. São 85 concorrentes e o Brasil compete com O Pequeno Segredo, um dos fracassos de público neste ano

ELLE (2016), de Paul Verhoeven; e PEQUENO SEGREDO (2016), de David Schurmann

ELLE (2016), de Paul Verhoeven; e PEQUENO SEGREDO (2016), de David Schurmann

A Academia de Ciências e Artes Cinematográficas aceitou a inscrição de 85 produções estrangeiras para a disputa do Oscar da categoria, 16 deles dirigidas por mulheres. No dia 14 de janeiro será anunciada a seleção dos 5 sortudos em competição.

A concorrência é fortíssima, desde obras premiadas em pequenos e grandes festivais, outras polêmicas e outras que representam pela primeira a sua nação ou desconhecidas por serem de pequenas cinematografias. Nenhuma delas pode ser desprezada, pois sempre aqui e acolá, ao longo da história da premiação da Academia, há surpresas.

Há obras polêmicas, como o francês Elle, do holandês Paul Verhoeven, rejeitado pelas distribuidoras estadunidenses por ser considerado “amoral”; o espanhol Julieta, de Pedro Almodóvar; o finlandês Olli Mäki, de Juho Kuosmanen, pelo representante do país, ganhador do prêmio de Melhor Filme pela Academia de Europeia de Cinema, entre outros.

Veja o trailer de Elle.

Pequeno Segredo, de David Schurmann, um fracasso nas bilheterias brasileira com apenas 60 mil ingressos vendidos, terá muitas dificuldades para ultrapassar as 2 fases de seleção que indicarão os 5 concorrentes. Seus principais adversários são outras produções sul-americanas, como o chileno Neruda, de Pablo Larrain; o venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas; o argentino El Cuidadano Ilustre, de Gaston Duprat e Mariano Cohn; o boliviano Carga Sellada, de Julia Vargas-Weise; o colombiano Aliás Maria, de José Luis Gracia; o peruano Videofilia y otros Sindromes Virales, de Juan Daniel Fernandez; e o uruguaio Migas de Pan, de Manane Rodriguez, afora produções mexicanas, como Desierto, de Jonás Cuaron (irmão de Alfonso, diretor de Gravidade); e o italiano Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, entre outros de continentes diferentes.

Conheça todos os concorrentes.

África do Sul – Call me Thief, de Daryne Joshua;

Albânia – Chromium, de Bujar Alimani;

Alemanha – Toni Erdmann, de Maren Ade;

Arábia Saudita – Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh;

Argélia – The Well, de Lotfi Bouchouchi;

Argentina – El Ciudadano Ilustre, de Mariano Cohn e Gastón Duprat;

Austrália – Tanna, de Bentley Dean e Martin Butler;

Áustria – Stefan Zweig: Farewell to Europe, de Maria Schrader;

Bangladesh – The Unnamed, de Tauquir Ahmed;

Bélgica – Les Ardennes, de Robin Pront;

Bolívia – Carga Sellada (Sealed cargo), de Julia Vargas Weise;

Bósnia e Herzegovina – Death in Sarajevo, de Danis Tanovic;

Brasil – Pequeno Segredo, de David Schurmann;

Bulgária – Losers, de Ivaylo Hristov;

Camboja – Before the Fall, de Ian White;

Canadá – É APENAS O FIM DO MUNDO (It’s only the end of the world), de Xavier Dolan;

Cazaquistão – Amanat, de Satybaldy Narymbetov;

Chile – NERUDA, de Pablo Larraín;

Veja o trailer de NERUDA.

China – Xuan Zang, de Huo Jianqi;

Colômbia – Alias María, de José Luis Rugeles;

Coreia do Sul – The age of Shadows, de Kim Jee-woon;

Costa Rica – Entonces Nosotros, de Hernán Jiménez;

Croácia – On the Other Side, de Zrinko Ogresta;

Cuba – El Acompañante, de Pavel Giroud;

Dinamarca – Terra de Minas, de Martin Zandvliet;

Equador – Sin Muertos no Hay Carnaval, de Sebastián Cordero;

Egito – Clash, de Mohamed Diab;

Eslováquia – Eva Nová, de Marko Skop;

Eslovênia – Houston, we have a Problem!, de Viga Virc;

Espanha –  JULIETA, de Pedro Almodóvar;

Estônia – Mother, de Kadri Kõusaar;

Filipinas – Ma’ Rosa, de Brillante Mendoza;

Finlândia – Olli Mäki (The happiest day in the life of Olli Mäki), de Juho Kuosmanen;

França – ELLE, de Paul Verhoeven;

Geórgia – House of Others, de Rusudan Glurjidze;

Grécia – Chevalier, de Athina Rachel Tsangari;

Holanda – Tonio, de Paula van der Oest;

Hong Kong – Port of Call, de Philip Yung;

Hungria – Kills on Wheels, de Attila Till;

Iêmen – I am Nojoom, age 10 and divorced, de Khadija Al-Salami;

Islândia – Sparrows, de Rúnar Rúnarsson;

Índia – Interrogation, de Vetri Maaran;

Indonésia – Letters from Prague, de Angga Dwimas Sasongko;

Irã – O APARTAMENTO (Forushande/The salesman), de Asghar Farhadi;

Veja o trailer e O APARTAMENTO.

Imagem de Amostra do You Tube

Iraque – El Clásico, de Halkawt Mustafa;

Israel – Sand Storm, de Elite Zexer;

Itália – FOGO NO MAR, de Gianfranco Rosi;

Japão – Nagasaki: Memories of my Son, de Yoji Yamada;

Jordânia – 3000 Nights, de Mai Masri;

Kosovo – Home sweet Home, de Faton Bajraktari;

Letônia – Dawn, de Laila Pakalnina;

Líbano – Very big Shot, de Mir-Jean Bou Chaaya;

Lituânia – Seneca’s Day, de Kristijonas Vildziunas;

Luxemburgo – Voices from Chernobyl, de Pol Cruchten;

Macedônia – The liberation of Skopje, de Rade Šerbed?ija e Danilo Šerbedzija;

Malásia – Beautiful Pain, de Tunku Mona Riza;

México – Desierto, de Jonás Cuarón;

Montenegro – The Black Pin, de Ivan Marinovi?;

Marrocos – A Mile in my Shoes, de Said Khallaf;

Nepal – The Black Hen, de Min Bahadur Bham;

Nova Zelândia – A Flickering Truth, de Pietra Brettkelly;

Noruega – The King’s Choice, de Erik Poppe;

Paquistão – Mah-e-Mir, de Anjum Shahzad;

Palestina – O ÍDOLO (Ya Tayr El Tayer), de Hany Abu-Assad;

Veja o trailer de O Ídolo.

Imagem de Amostra do You Tube

Panamá – Salsipuedes, de Ricardo Aguilar Navarro e Manolito Rodríguez;

Peru – Videophilia (and other viral syndromes), de Juan Daniel F. Molero;

Polônia – Afterimage, de Andrzej Wajda;

Portugal – Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira;

Quirguistão – A Father’s Will, de Bakyt Mukul e Dastan Zhapar Uulu;

Reino Unido – Under the Shadow, de Babak Anvari;

República Dominicana – Sugar Fields, de Fernando Báez;

República Tcheca – Lost in Munich, de Petr Zelenka;

Romênia, SIERANEVADA, de Cristi Puiu;

Veja o trailer de SIERANEVADA.

Imagem de Amostra do You Tube

Rússia – Paradise, de Andrei Konchalovsky;

Sérvia – Train Driver’s Diary, de Milos Radovic;

Singapura – Apprentice, de Boo Junfeng;

Suécia – A Man Called Ove, de Hannes Holm;

Suíça – My life as a Zucchini, de Claude Barras;

Taiwan – Hang in there, kids!, de Laha Mebow;

Tailândia – Karma, de Kanittha Kwunyoo;

Turquia – Cold of Kalandar, de Mustafa Kara;

Ucrânia – Ukrainian Sheriffs, de Roman Bondarchuk;

Uruguai – Migas de Pan, de Manane Rodríguez;

Venezuela – DE LONGE TE OBSERVO, de Lorenzo Vigas;

Vietnã – Yellow Flowers on the Green Grass, de Victor Vu

Observação: os filmes com títulos em CAIXA ALTA estão em exibição ou serão lançados nos cinemas.

Veja o trailer de É Apenas o Fim do Mundo.

Imagem de Amostra do You Tube

 

 

GOTHAM-2016 – A CONSAGRAÇÃO DE MOONLIGHT

Foram entreguem, ontem à noite, no Ciprianmi Wall Street, os 10 prêmios Gotham aos filmes que se destacaram na temporada 2016. O drama racial Moonlight, de Barry Jenkins, foi, como se esperava, o grande vencedor com os prêmios de Melhor Filme e Melhor Roteiro. Casey Affleck, eleito o Melhor Ator, por Manchester à Beira-Mar, de Kenneth Lonnergan, e Isabelle Huppert, pelo corajoso trabalho em Elle, de Paul Verhoeven, que está em exibição no circuito Cinema de Arte do Cinépolis

tREVANTE rHODES EM moonlight (2016), de Barry Jenkiss: vencedor do Gotham-2016

Trevante Rhodes em MOONLIGHT (2016), de Barry Jenkins: vencedor do Gotham-2016

Conheça todos os vencedores, lembrando que Moonlight não tem ainda previsão de lançamento no Brasil e Manchetser à Beira-Mar, tem exibição confirmada para 12 de janeiro.

MELHOR FILME
MELHOR ROTEIRO
PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Moonlight, de Barry Kenkins

MELHOR ATRIZ
Isabelle Huppert, Elle

MELHOR ATOR
Casey Affleck, Manchester à Beira-Mar

ATOR REVELAÇÃO
Anya Taylor-Joy, A BRUXA

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O. J.: Made in America, de Ezra Edelman

PRÊMIO BINGHAM RAY DE DIRETOR REVELAÇÃO
Trey Edward Shults, Krisha

MELHOR SERIE REVELAÇÃO/FORMATO LONGO
Crazy Ex-Girlfriend, de Rachel Bloom e Aline Brosh McKenna

MELHOR SÉRIE REVELAÇÃO/FORMATO CURTO
Her Story, de Jen Richards and Laura Zak (herstoryshow.com)

PRÊMIOS HONORÁRIOS
Ethan Hawke – Ator
Oliver Stone – cineasta
Arnon Milchon -fundador da produtora New Regency

Abaixo,na matéria sobre a nemeaação ao Gotham, confira os trailers dos principais vencedores.

Está aberta, oficialmente, na indústria cinematográfica dos EUA, a temporada de premiação. Nesta 5ª feira, dia 20 de outubro, foram anunciadas as produções independentes que concorrerão ao Gotham International Film Awards. Manchester à Beira-Mar, de Kenneth Lonergan; Certas Mulheres, de Kelly Reichardt; Paterson, de Jim Jarmusch; Jovens, Loucos e Mais Rebeldes, de Richard Linklatter, e Moonlight, de Barry Jenkins, concorrem ao troféu de Melhor Filme

GOTHAM 2016

Vários dos filmes nomeados ao Gotham estão em exibição na 40ª Mostra de Cinema de São Paulo e entrarão em cartaz a partir de janeiro, quando se abre a pré-temporada do Oscar. As indicações, abrangendo 10 categorias, seleciona algumas das mais destacadas produções do cinema independente. No detalhe, a maioria dos cineastas, apesar de famosos e cultuados em festivais internacionais,é totalmente desconhecida no Brasil.

É o caso de Kenneth Lonergan. Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea), o recordista de indicações com 4 categorias, aplaudido nos festivais de Sundance, Nova York e Telluride e com estreia prevista nos EUA em 18 de novembro. Terceiro longa do cineasta, trata-se de um drama sobre um homem que, com a morte do irmão, adota o sobrinho e isso lhe traz à tona o passado quando uma tragédia tirou-lhe a alegria pela existência. Outro destaque: a atuação de Casey Affleck, irmão de Ben, o novo Batman e em cartaz em O Contador.

Veja o trailer de Manchester à Beira-Mar

Também é o caso de Kelly Richardt, já ganhadora de 11 prêmios e realizadora dos aclamados Meek’s Cutoff (2010) e Night Moves (2013, ambos inéditos), que em Certas Mulheres (Certain Woman), adaptação do conto de Maille Meloy, acompanha o drama de 3 mulheres de uma pequena cidade do interior dos EUA cujas vidas se cruzam entre angústias e esperança. O elenco de atrizes é formado por Kristen Stewart, Michelle Williams e Laura Dern.

Confira o trailer de Certas Mulheres.

Também desconhecido no Brasil, Barry Jenkins faz de Moonlight uma obra premiada que, segundo os analistas, deverá ser destaque nas premiações do cinema independente nas categorias de roteiro e elenco. Jenkins adapta o livro de Tarell McCraney – que também assina o roteiro -, o qual traça a luta de um jovem negro na transição da adolescência para a fase adulta para encontrar o seu lugar na sociedade racista e intolerante de Miami. Uma história de auto-descobertas.

Conheça o trailer de Moonlight.

Os mais conhecidos cineastas dos trabalhos indicados a melhor filme são Richard Linklatter, 56, com Jovens, Loucos e Mais Rebeldes; e Jim Jarmusch, com Paterson. Linklatter, dando continuidade à linha de seus recentes trabalhos anteriores, o cineasta aborda a sua geração, retorna aos anos 80 e enfoca um grupo de amigos estudantes e jogadores de basquete de uma universidade que inicia um questionamento quanto ao futuro e que é almejado ao chegar à vida adulta. O elenco é formado por atores totalmente desconhecidos e talentosos.

Veja o trailer de Jovens, Loucos e Mais Rebeldes.

Jarmusch, um dos realizadores mais cultuados e que ultimamente estava em baixa, retoma o antigo vigor com Peterson, drama que acompanha um motorista de ônibus (Adam Driver) que tem o nome da cidade e que todo dia e sob a mesma rotina observa a do para-brisas de seu veículo e ouve fragmentos das conversas dos passageiros, sob os mais diversos assuntos. Durante seis dias, Jarmusch acompanha a história desse homem simples que ama a mulher e por ela é amado na mesma medida e cujas existências ele expressa em poesias escritas num notebook. Nellie, o cão que o acompanha ganhou o inusitado prêmio Palma Dog, em Cannes.

Confira o trailer de Paterson.

PRÊMIOS HONORÁRIOS

Na área da televisão os destaques vão para as nomeações de Jessica Jones, A Girlfriend Experience e Horace and Pete, entre outros.

Arnon Milcham, produtor de O Regresso (2015), de Alejandro G. Iñarritu;, Oliver Stone, diretor do inédito Snowden; Amy Adfams e Ethan Hawke, atores, receberão no Cipriani Wall Street, Nova York, em 28 de novembro, o prêmio Gotham Honorário.

Confira todos os concorrentes

MELHOR FILME
CERTAS MULHERES (Certain Women), de Kelly Reichardt
JOVENS, LOUCOS E MAIS REBELDES (Everybody Wants Some!!),
de Richard Linklater
MANCHESTER Á BEIRA-MAR (Manchester by the Sea), de Kenneth Lonergan
MOONLIGHT (Moonlight), de Barry Jenkins
PATERSON (Paterson), de Jim Jarmusch

MELHOR ATOR
Casey Affleck, MANCHESTER À BEIRA-MAR
Jeff Bridges, A QUALQUER CUSTO (Hell or High Water)
Adam Driver, PATERSON
Joel Edgerton, LOVING
Craig Robinson, MORRIS FROM AMERICA

MELHOR ATRIZ
Kate Beckinsale, AMOR & AMIZADE
Annette Bening, 20TH CENTURY WOMEN
Isabelle Huppert, ELLE
Ruth Negga, LOVING
Natalie Portman, JACKIE

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
O Elenco de MOONLIGHT

MELHOR DOCUMENTARIO
CAMERAPERSON, de Kirsten Johnson
I AM NOT YOUR NEGRO, de Raoul Peck
O. J.: MADE IN AMERICA, de Ezra Edelman
TOWER, de Keith Maitland
WEINER, de Josh Kriegman e Elyse Steinberg

PRÊMIO BINGHAM RAY DE DIRETOR REVELAÇÃO
Robert Eggers, A BRUXA (The Witch)
Anna Rose Holmer, THE FITS
Daniel Kwan e Daniel Scheinert, SWISS ARMY MAN
Trey Edward Shults, KRISHA
Richard Tanne, SOUTHSIDE WITH YOU

ATOR REVELAÇÃO
Lily Gladstone, CERTAS MULHERES
Lucas Hedges, MANCHESTER Á BEIRA-MAR
Royalty Hightower, THE FITS
Sasha Lane, AMERICAN HONEY
Anya Taylor-Joy, A BRUXA

MELHOR ROTEIRO
Taylor Sheridan, A QUALQUER CUSTO
Whit Stillman, AMOR & AMIZADE
Kenneth Lonergan, MANCHESTER Á BEIRA-MAR
Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney, MOONLIGHT
Jim Jarmusch, PATERSON

MELHOR SERIE REVELAÇÃO/FORMATO LONGO
CRAZY EX-GIRLFRIEND – Rachel Bloom e Aline Brosh McKenna
THE GIRLFRIEND EXPERIENCE – Steven Soderbergh e produtores
HORACE AND PETE – Louis C.K (autor)
JESSICA JONES – Melissa Rosenberg
MASTER OF NONE – Aziz Ansari e Alan Yang (autores)

MELHOR SÉRIE REVELAÇÃO/FORMATO CURTO
THE GAY AND WONDROUS LIFE OF CALEB GALLO – Brian Jordan Alvarez, creator (YouTube)
HER STORY – Jen Richards and Laura Zak (AUTORES, herstoryshow.com)
THE MOVEMENT – Darnell Moore e Host (Mic.com)
SITTING IN BATHROOMS WITH TRANS PEOPLE – Dylan Marron (autor, Seriously.TV)
SURVIVING – Reagan Gomez (autor, YouTube)

DATAS DE ESTREIA NO BRASIL

Confirmados que entrarão nos circuitos brasileiros, mas apenas nos cinemas destinados aos filmes de arte.

EM EXIBIÇÃO
JOVENS, LOUCOS E MAIS REBELDES

22 DE DEZEMBRO
A QUALQUER CUSTO

12 DE JANEIRO
MANCHESTER Á BEIRA-MAR (Sony)

Conheça o trailer de A Qualquer Custo.

 

BRASIL NO OSCAR-2017 – PEQUENO SEGREDO E AQUARIUS, HISTÓRIA DE PERDEDORES

O Pequeno Segredo, de David Schurmann, é o representante brasileiro na disputa do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Hollywood, em fevereiro do próximo ano.  Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, perdeu a disputa interna, mas pode ganhar um lugar na competição por fora.  Para isso, basta ser indicado pela própria Academia em outras categorias, como já aconteceu com Central do Brasil e Cidade de Deus. Mas, na disputa interna, ambos fracassaram perante o interesse do público. Fica o registro histórico de uma disputa sem vencedor

Julia Lemmertz e Mariana Goulart em PEQUENO SEGREDO (2016), de David Schurmann: representante do Brasil no Oscar-2017

Julia Lemmertz e Mariana Goulart em PEQUENO SEGREDO (2016), de David Schurmann: representante do Brasil no Oscar-2017

Acabou a polemica sobre Aquarius representar o Brasil no Oscar? Sim e não. Sim, porque o representante oficial do cinema brasileiro é O Pequeno Segredo, de David Schurmann. Não, porque nas áreas de comentários da imprensa e nas redes sociais os militantes e admiradores do filme de Kleber Mendonça Filho tratam a decisão como “um novo golpe”. Na verdade, houve uma disputa inócua entre dois perdedores porque nenhum deles vai ganhar prêmio nenhum.

Mesmo com toda a polêmica polêmica, Aquarius, que já saiu de cartaz, foi visto por merrecos 451 mil e 489 espectadores. Quem apostava em mais de 500 mil vai ficar devendo à banca. Boicotado pela crítica de esquerda e com um tema que trata de tristeza e morte, apesar da beleza plástica e da sensibilidade com a Schurmann conduziu a sua obra, só interessou a apenas 36 mil pessoas. Já está se esmiliquindo do circuito exibidor. Byby queridos.

Mas, os acontecimentos envolvendo os 2 filmes viraram história. E ela está aqui, disponível para pesquisa. Bruno Barreto, presidente da Comissão de eleição, anunciou que a escolha se deu por “um filme que dialogasse mais com os critérios da Academia”. Pode ter sido.

Obrigado a todos os que acreditam nesse filme”, agradeceu David Schurmann, via facebook. “Meu profundo respeito a todos os maravilhosos filmes inscritos. Tenham certeza que faremos de tudo e não economizaremos energias para representar nosso país na premiação do Oscar 2017. Obrigado, Obrigado, obrigado!“. Schurmann é formado em Cinema, mas não no Brasil, e sim, na Nova Zelândia, onde dirigiu diversos programas de televisão.

Para registro da história ou pesquisa por parte de quem precisar, eis os acontecimentos que enolveram os 2 perdedores.

Para saber mais sobre David Schurmann, acesse aqui.

A COMISSÃO

• Adriana Scorzelli Rattes, ex-secretária de estado de cultura do Rio de Janeiro;

• Luiz Alberto Rodrigues, sócio-diretor da Panda Filmes;

• George Torquato Firmeza, Diretor do Departamento Cultural do Itamaraty;

• Marcos Petrucelli, paulista e comentarista de cinema da rádio CBN;

• Paulo de Tarso Basto Menelau, da Moviemax Rosa e Silva e Cine Royal, salas exibidoras de filmes de arte em Recife;

• Silvia Maria Sachs Rabello, presidente da Associação Brasileira de Empresas de Infra-Estrutura de Indústria Cinematográfica e Audiovisual-ABEICA;

• Sylvia Regina Bahiense Naves, assessora técnica em Acessibilidade do Audiovisual da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura;

• Carla Camurati, diretora de Carlota Joaquina, Princesa do Brasil;

• Bruno Barreto, diretor de O que É Isso, Companheiro?, representante brasileiro ao Oscar em 1997.

O anuncio da indicação de Pequeno Segredo partiu de Luiz Alberto Rodrigues. “A gente considerou essa hipótese: que filme teria maior potencial para seduzir o júri da Academia a escolher como concorrente a filme de língua estrangeira?“. Por sua vez, questionada porque a Comissão não selecionou o filme de Kleber Mendonça, Silvia Maria Sachs Rabello revelou não ter sido uma decisão unânime: “Não foi uma decisão fácil. Não foi uma decisão unânime. Foi uma decisão pelo consenso“.

Vencedor da refrega com Kleber, o crítico Marcos Petrucelli disse que “Aquarius ganha essa repercussão nos Estados Unidos porque já foi visto, passou no festival de Cannes”. E, expondo o outro lado, complementou afirmando que, “coincidentemente o nosso filme que foi escolhido não foi visto ainda. Mas isso não significa nada (para a Academia). Tem filme que ganhou Oscar e não ganhou Cannes – e vice-versa“. E desviando-se do centro das atenções por sua posição anti-Kleber, definiu que Pequeno Segredo foi escolhido por conta do “perfil” do júri que seleciona os filmes para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro: “são pessoas geralmente mais velhas, então um pouquinho mais conservadoras. A gente tentou encontrar um filme que tem essas características do cinema ‘da cartilha”.

PEQUENO SEGREDO

Adaptação do livro do livro Pequeno Segredo, escrito por Heloise Schurmann, editado pela Harper Collins em 2012, desenvolve uma história que passa por 3 famílias e, interligadas, conta como a família, durante uma de suas viagens, adotou uma criança neozelandesa de 3 anos, Katherine, que, diagnosticada com Aids, teria apenas poucos meses de vida, viveu mais dez anos, tendo falecido em 2006, mas que durante esse tempo modificou por completo a vida de todos.

As filmagens, que duraram 8 semanas, ocorreram em Santa Catarina, Belém e Nova Zelândia. O elenco é composto por Julia Lemmertz, Marcelo Anthony, Maria Flor, a estreante Mariana Goulart (que vive Kat) e o ator neozelandês Errol Shand. A direção é de David Schurmann, que se formou em Cinema na Nova Zelândia, onde trabalhou na direção de programas de televisão e estreou no longa com o documentário O Mundo em Duas Voltas (2006), que conta as aventuras da família pelos mares, e realizou Desaparecidos (2011), obra menor que passou quase despercebida.

Quando essa história aconteceu, já imaginava algo incrível”, disse David em uma entrevista. “Um neozelandês é enviado para a Amazônia para prospectar gás numa vilazinha, e em um mês se apaixona por uma cabocla. Leva-a para conhecer o mundo, vão até a Nova Zelândia. Nossa família chega nessa comunidade da Nova Zelândia, o primeiro veleiro brasileiro a chegar lá. Forma-se uma amizade, um elo tão forte, que, três anos depois, ele pede para que meus pais adotassem sua filha. Foi uma história tão forte quando aconteceu e meus pais decidiram adotar a Kat; era tão incrível que parecia coisa de filme. Na época, comentei com meus pais que queria fazer um filme a respeito. Só que tinha uma questão – e por isso o título do filme –, a Kat, pequena, tinha HIV e nós não queríamos que as pessoas soubessem para que não houvesse preconceito contra ela. Naquela época, começo dos anos 1990, ainda havia bastante preconceito. Respeitei esse segredo da família, tanto que, em O Mundo em Duas Voltas tem toda a história da Kat, mas não tem o HIV”, finaliza.

AQUARIUS: OSCAR E POSSIBILIDADES

O fato de não ser o representante brasileiro ao Oscar não tira as possibilidades de Aquarius concorrer à estatueta da Academia de Hollywood. Elogiado em Cannes, com presença confirmada em vários festivais ainda neste ano, será lançado nos EUA no próximo dia 9 de outubro, o que o habilita a receber indicações pela Academia de Hollywood, que exige, para essa honraria, que estreie comercialmente até 31 de dezembro do ano corrente em Los Angeles e permaneça em cartaz, com o mínimo de 3 sessões diárias, pelo mínimo de uma semana. Agora, para ser indicado, terá de ser trabalhado pela distribuidora estadunidense junto à Academia. Será que o filme tem cacife para isso? Será que interessará à Academia indicar uma película cujos realizadores e integrantes se insurgem contra uma decisão política de um País democrático acompanhada pelo seu Supremo Tribal Federal? Lembrando que o vice presidente dos EUA, Joe Biden, já declarou que considera o processo de afastamento da senhora Dilma Roussef e seu partido político do poder perfeitamente dentro das leis e do sistema legal. O tempo dirá.

Mas, caso isso ocorra, ou seja, o filme ganhe indicações, não será a primeira produção brasileira a recebê-las. Em 2003, Cidade de Deus, de Fernando Meireles representante oficial do País e eliminado antes da festa, no ano seguinte obteve indicações em categorias de primeira linha, como Melhor Diretor, Roteiro Adaptado, Fotografia e Montagem. Aquele foi o ano de Peter Jackson, de O Senhor dos Anéis. O mesmo aconteceu com Central do Brasil, de Walter Salles.

Anote: em 24 de janeiro a Academia anuncia todos os filmes em competição nas 24 categorias. O Oscar será entregue em 26 de fevereiro de 2017, no Dolby Teather, em Los Angeles.

HISTÓRIA: O BRASIL NO OSCAR

O Brasil ainda não conquistou nenhum Oscar. Não oficialmente. Em 1960, a França indicou e Orfeu do Carnaval, de Marcel Camus, uma coprodução com o Brasil e a Itália, e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro foi para a França. As 4 indicações ao Oscar da categoria ocorreram como O Pagador de Promessas (960), de Anselmo Duarte ganhador da Palma de Ouro em Cannes (perdeu para Sempre aos Domingos, de Serge Bouguignon); O Quatrilho (1996), de Fábio Barreto (perdeu para o holandês A Excêntrica Família de Antônia, de Marleen Gorris); O Que é Isso, Companheiro? (1998), de Bruno Barreto (perdeu Caráter, de Mike Van Diem, coprodução Bélgica-Holanda), e Central do Brasil (1999), de Walter Salles, perdeu para o horroroso A Vida é Bela, do italiano Roberto Benigni, e Fernanda Montenegro, indicada pela Academia, perdeu para Gwyneth Paltrow.

A História guarda outros registros: em 1945, a canção Rio de Janeiro, de Ary Barroso, concorreu ao Oscar pelo filme Brazil, de Joseph Santley (perdeu para Swinging on a Star, de James Van Heusen e Johnny Burke, do filme O Bom Pastor); Em 1986, por O Beijo da Mulher Aranha, de Hector Babenco, coprodução Brasil-EUA,  concorrendo por indicação da Academia à Filme, Diretor, Roteiro Adaptado e Ator, William Hurt ganhou o Oscar de Melhor Ator; em 2001, o curta Histórias de Futebol, de Paulo Machline, indicado à categoria em live action, perdeu para Quiero ser, de Florian Gallenberg, coprodução de México e Alemanha; em 2004, duas surpresas: Cidade de Deus, desconhecido como representante brasileiro no ano anterior, recebeu 4 indicações da Academia: Melhor Diretor, Roteiro Adaptado (Bráulio Mantovani), Fotografia (César Charlone) e Montagem/Edição (Daniel Rezende); e A Aventura Perdida de Scrat, de Carlos Saldanha, concorreu a categoria curta, mas apenas como produção estadunidense; em 2011, o documentário Lixo Extraordinário, dirigido pelo brasileiro João Jardim e a inglesa Lucy Walker, foi registrado pela Academia como produção inglesa; em 2012, a canção Real in Rio, de Sérgio Mendes e Carlos Brown, ganhou indicação pela animação Rio, de Carlos Saldanha, mas perdeu para Man or Muppet, tema de Os Muppets; ano passado, O Sal da Terra (2015), de Wim Wenders e Juliano Salgado, concorreu ao Oscar de Melhor Documentário de longa-metragem; e neste ano, O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, à de Melhor Animação na mesma categoria.

ÚLTIMOS REPRESENTANTES

Os mais recentes eleitos para representar o Brasil no Oscar estão abaixo. Entre eles está o constrangedor e oportunista Lula, Filho do Brasil, de Fábio Barreto.

Cinema, Aspirinas e Urubus (2007), de Marcelo Gomes (2007);
O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias (2008), de Cao Hamburger, que chegou a pré-final;
Última Parada 174 (2008), de Bruno Barreto;
Salve Geral (2010), de Sérgio Rezende;
Lula, o Filho do Brasil (2011), de Fábio Barreto;
Tropa de Elite 2 (2012), de José Padilha;
O Palhaço (2013), de Selton Mello;
O Som ao Redor (2014), de Kléber Mendonça Filho;
Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (2015), de Daniel Ribeiro;
Que Horas Ela Volta (2016), de Anna Muylaert.

MAIS RECENTES GANHADORES

Confira os mais recentes ganhadores estrangeiros do Oscar da categoria.

A GRANDE BELEZA (Itália, 2014), de Paolo Sorrentino;
IDA (Polônia, 2015), de Pawel Pawlikowski;
O FILHO DE SAUL (Hungria, 2016), de Laszló Nemes.

Posters de 4 filmes estrangeioros que irao competir com PEQUENO SEGREDO

Posters de 4 filmes estrangeioros que irao competir com PEQUENO SEGREDO

CONCORRENTES-2017 JÁ DEFINIDOS

Até o dia 3 de outubro a Academia de Hollywood estará recebendo inscrições de filmes estrangeiros à categoria do Oscar. Cerca de 30 países já indicaram os seus representantes. Conheça alguns.

Alemanha – TONI ERDMANN, de Maren Ade (aplausos em Cannes);
Austrália – TANNA, de (Ganhador do Prêmio do Público em Veneza);
Bélgica – LES ARDENNES, de Robin Pront;
Bósnia Herzegovina – DEATH IN SARAJEVO, de Danis Tanovic (Vencedor do Grande Prêmio do Júri em Berlim);
Coreia do Sul – THE AGE OF SHADOWS, de Kin Jee Won;
Egito – CLASH, de Mohamad Diab;
Espanha – JULIETA, de Pedro Almodóvar;
Finlândia – THE HAPPIEST DAY IN LIFE OF OLLI MÄKI, de Juho Kuosmanen (ganhador da Mostra Um Certo Olhar, Cannes);
Holanda – TONIO, de Paula Van Dr Oest
Hungria – KILLS ON WHEELS, de
Líbano – VERY BIG SHOT, de
Luxemburgo – VOICES FROM CHERNOBYL, de Pol Cruchten;
Nepal – KALO POTHI, de Bahadur Bham;
República Dominicana – FLOR DE AZUCAR, de Fernando Baez;
Romênia – SIERANEVADA, de Christi Pulu (muito elogiado em Cannes);
Sérvia – TRAIN DRIVER’S DAY, de Milos Radovic;
Venezuela – DE LONGE TE OBSERVO (Desde Alla), de Lorenzo Vigas Castes;

Veja o trailer de Clash, do egípcio Mohamad Diab.

Imagem de Amostra do You Tube

 

FESTIVAL DE VENEZA-2016 – OS VENCEDORES

Concluído no sábado, 10 de setembro, o 73º Festival Internacional de Cinema de Veneza entregou o seu prêmio máximo,  o Leão de Ouro, à produção filipina Ang Babaeng Humayo (The Woman Who Left, título internacional), de Lav Diaz, baseado em conto de Liev Tolstói. Em preto e branco e com quase 4 horas de duração, já está confirmado que será uma das atrações da Mostra Internacional de Cinema do Rio de Janeiro, de 6 a 16 do outubro

Lav Diaz e o Leão de Outo por THE WOMAN WHO LEFT, com Charro Santos

Lav Diaz e o Leão de Outo por THE WOMAN WHO LEFT, com Charro Santos

O Júri presidido pelo cineasta inglês Sam Mendes, 51, premiou ainda o estadunidense Nocturnal Animals, de Tom Ford; o espanhol Amat Escalante e o russo Andrei Konchalovsky dividiram o Leão de Prata por La Region Salvage e Ray (Paradise, título internacional), respectivamente. Outra produção estadunidense, The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour, um “terror romântico” ficou com o Prêmio Especial do Júri; e Jackie, do chileno Pablo Larrain, ficou com o troféu de Melhor Roteiro.

Os prêmios de interpretação ficaram com Emma Stone, Melhor Atriz, por La La Land – Cantando Estações, de Damian Chazelle, e o argentino Oscar Martinez, Melhor Ator, por El Cuidadano Ilustre, de Mariano Cohn e Gastón Duprat.

Nem acredito que ganhei esse prêmio”, afirmou Diaz ao receber o Leão de Ouro no Palácio dos Festivais. “É muito bonito. Eu o dedico ao povo filipino, à nossa luta, à luta da humanidade“, concluiu. O enredo acompanha a vingança de uma professora que é condenada a 30 anos de prisão por um crime que não cometeu. O cineasta já tinha sido premiado no Festival de Berlim deste ano por outro filme, Hele Sa Hiwagang Hapis,que ficou com o Prêmio Alfred Bauer.

Veneza, neste ano, foi uma festa da diversidade. Pela primeira vez, 2 filmes de ficção-científica estavam em competição, A Chegada (Arrival), de Dennis Villeneuve, e Viagem do Tempo, de Terence Malick, além de ter dado espaço para obras comerciais, como Até o Último Homem (The Hacksaw Ridge), de Mel Gibson, e Sete Homens e um Destino, de Antoine Fucqua.

OS VENCEDORES

Leão de Ouro de melhor filme
ANG BABAENG HUMAYO (Filipinas), do filipino Lav Diaz

Leão de Prata Grande Prêmio do Júri
NOCTURNAL ANIMALS (EUA), de Tom Ford

Leão de Prata para melhor direção
Amat Escalante, por LA REGION SALVAGE (México)
Andrei Konchalovski, por RAY (PARADISE)

Prêmio de melhor roteiro
Noah Oppenheim, por JACKIE (Chile), de chileno Pablo Larraín

Prêmio especial do júri
THE BAD BATCH (EUA), de Ana Lily Amirpour

Copa Volpi para melhor atriz
Emma Stone, em LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES (EUA), de Damien Chazelle

Copa Volpi para melhor ator
Óscar Martínez, em EL CUIDADANO ILUSTRE (Argentina), de Mariano Cohn e Gastón Duprat

Prêmio Marcello Mastroianni de melhor revelação
Paula Beer, por FRANTZ (França), de François Ozon

Prêmio de melhor filme da seção “Orizzonti”
LIBERAMI (Itália), de Federica De Giacomo

Confira o trailer de La La Land – Cantando Estações.

Imagem de Amostra do You Tube

CONFIRMADOS NO FESTIVAL DO RIO -2016

Além do drama filipino, outros quatro premiados em Veneza estarão no Festival do Rio 2016: La Region Salvaje, do mexicano Amat Escalante, e Ray (Paradise), do russo Andreï Kontchalovski, vencedores do prêmio de direção; e El Ciudadano Ilustre, dos argentinos Gastón Duprat e Mariano Cohn, que deu premiação para Oscar Martínez.

Confira o trailer de The Woman Who Left.

Imagem de Amostra do You Tube

41º PRÊMIO CÉSAR – OS VENCEDORES DE 2015

A expectativa era a de que 5 Graças, o drama de Deniz Gamze Ergüven sobre o drama das meninas turcas obrigadas aos casamentos precoces, se consagrasse como a melhor produção do cinema francês em 2015. Aconteceu, mas em parte. A cineasta turca radicada na França conquistou, na 41ª festa do César, os prêmios de melhor filme de diretor estreante, melhor roteiro original, melhor edição e melhor canção original, mas a estatueta de melhor filme foi para Fátima, de Philippe Faucon

premio cesar-2016

A premiação de Fátima, que será distribuído no Brasil pela Imovision, uma surpresa geral, pois além de 5 Graças, tinha ainda a concorrência de outra obra premiada, Deephan – o Refúgio, de Jacques Audiard, que também trata de imigrantes na França. O cineasta conta a dolorosa história da hoje escritora norte-africana Fatima Elayoubi. Radicada na França com as duas filhas, a revoltada Schwarz, 15, e Nesrine, 18, estudante de medicina, apesar de vários anos no país trabalhando como diarista, mal dominou o francês e viveu em frustração nas suas relações diárias com elas. Ambas são o seu orgulho, motriz e preocupação e sempre trabalhou duro para dar-lhes o melhor futuro possível. Um dia, cai de uma escada e, impedida de trabalhar, escreveu, em árabe, tudo aquilo o que não foi possível dizer, em francês, para elas.

O outro grande vencedor da noite foi o drama Marguerite, de Xavier Gianoli, vagamente inspirado na história da cantora estadunidense Florence Foster Jenkins (1868-1944), considerada “a pior soprano do mundo”. Curiosamente, Hollywood lança, ainda neste primeiro semestre, com direção de Stephen Frears, a cinebiografia da artista, com Meryl Streep interpretando-a.

Conheça os vencedores:

MELHOR FILME
Fátima (2015, França), de Philippe Faucon

MELHOR PRIMEIRO FILME
Deniz Gamze Ergüven, 5 Graças

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Birdman ou A Inesperada Virtude da Ignorância (EUA), de Alejandro Gonzalez Iñarritu

MELHOR DIRETOR
Arnaud Desplechin, Três Lembranças da Minha Juventude

MELHOR ANIMAÇÃO
O Pequeno Príncipe (2015),  de Mark Osborne

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Demain

MELHOR ATOR
Vincent Lindon,  Valley of Love

MELHOR ATRIZ
Catherine Frot, Marguerite

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benoît Magimel, De Cabeça Erguida

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Sidse Babett Knudsen, L’Hermine

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Deniz Gamze Ergüven, 5 Graças

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Philippe Faucon, Fatima

ATOR REVELAÇÃO
Rod Paradot, de De Cabeça Erguida

ATRIZ REVELAÇÃO
Zita Hanrot, Fatima

MELHOR FOTOGRAFIA
Christophe Offenstein, Valley of Love

MELHOR FIGURINO
Pierre-Jean Larroque, Marguerite

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Martin Kurel, Marguerite

MELHOR MONTAGEM
Mathilde Van De Moortel, 5 Graças

MELHOR SOM
François Musy e Gabriel Hafner, Marguerite

MELHOR TRILHA SONORA
Warren Ellis, 5 Graças

MELHOR CURTA-METRGAEM
La Contre Allée, de Cécile Ducrocq

MELHOR CURTA ANIMADO
Le Repas Dominical, de Céline Devaux

BAFTA-2016 – OS INDICADOS

Os indicados ao BAFTA, o prêmio da Academia Britânica de Artes da Televisão e do Cinema, conhecido como o Oscar britânico, já é do conhecimento de todos. Mas vale comentar o meu filme preferido, o qual é uma das maiores criações do cinema desde que Stanley Kubrick fez o maior de todos: 2001: uma Odisséia no Espaço. O Regresso é uma produção de Hollywood que se abre à análise filosófica sobre homem e a sua natureza, a construção de sua civilização sob duas vertentes: a história e a religião. E além, é claro da relacionar os pretendes à premiação em cada categoria

1

Ponte dois Espiões (Bridge of Spies), já exibido, e Carol, que estreia na próxima 5a feira, 14, são os recordistas de indicações, 9 cada. A obra-prima O Regresso (The Revenants), do mexicano Alejandro González Iñarritu, pelo qual torcerei fervorosamente, tem 8 indicações. Na sequência, Mad Mad: Estrada de Fúria, com 7; e Perdido em Marte e Brooklyn, em 6 categorias. E destaco, ainda, outra obra de porte, a ficção-científica Ex-Machina – Instinto Artificial, do estreante Alex Garland.

A British Academy of Film and Television Arts fez, realmente, uma seleção ponderada das melhores produções feitas em 2015. Mas, há uma mistureba com produções norte-americanas, a forma de garantir a atenção do público e da crítica. Neste quesito, Carol, o belo drama de Todd Haynes adaptado do livro The Price of Salt, de Patricia Highsmith (que é destaque aqui no Cinemaeartes e recomendamos a leitura) parece levar nítidas vantagem sobre os seus concorrentes. Não me parece que Ponte dos Espiões seja um filme com força suficiente para desbancá-lo, e Spotlight – Segredos Revelados, com o seu enredo incômodo e mesmo tendo sido considerada a melhor produção de Hollywood em 2015.não tem o seu diretor, Thomas McCarthy, indicado à sua categoria. Resta então, como principal concorrente, o belíssimo e difícil O Regresso.

Leonardo Di Caprio: o por de sol a cada dia na jornada de sacrifiicio do homem para compor uma civilização

Leonardo Di Caprio: o por de sol a cada dia na jornada de sacrifiicio do homem para compor uma civilização

Eis o meu filme preferido: O Regresso. Não me dedico a estudar a a rever um filme assim desde que os meus sentidos se viram invadidos pela Zaratrusta de 2001: uma Odisséia no Espaço, a obra-prima de Stanleu Kubrick (é, a meu ver, a maior de todas as suas criações). Estou simplesmente encantado com este The Revenants, de Iñarritu. É um filme de concepção montada em 3 aspectos da criação do homem em sua evolução: filosófica, histórica e religiosa. Atentos: não dá para analisá-lo sem se focar nesses 3 aspectos.

Não escrevo críticas há quase 2 anos e este filme de instiga a fazê-lo. Estou pensando, mas como só vai estrear em fevereiro, deve ter um tempinho para encarar a análise. Não li e nem vou ler, antes de concluir e postar o texto, ler qualquer entrevista de Iñarritu sobre a sua criação. Quero reter, o máximo possível o meu encanto com as descobertas que o roteiro, a montagem, a fotografia, a trilha sonora, a sequência do ataque do urso e as sua quase 3 horas de duração me proporcionam de inquietação para juntar o que Iñarritu entende como o progresso e a evolução do homem em meio à sua selvageria (advinda de seu estado de natureza) e a crença na espiritualidade. Sim, senhoras e senhores, o filme é premente de amor, ódio, sangue, padecimento, choque de culturas, religião, proposto como instrumento de renovação e depuração do homem. Nada de místico ou fantástico, mas na crença de que somos espíritos e que isso tem a ver com a continuidade da vida após a morte.

É um filme fascinante, duro, difícil,ousado, que deve obter um grande circuito, muito mais pela presença magnética de Leonardo Di Caprio, mas que não acredito que vá fazer sucesso de público. Para este, o público, assisti-lo, será um teste de paciência e aceitar o jogo de quebra-cabeças.

A cerimônia de premiação acontece no dia 14 de fevereiro no Royal Opera House e será apresentada pelo ator inglês Stephen Fry.

Confira a lista completa de indicados:

MELHOR FILME
A Grande Aposta
Ponte dos Espiões
Carol
O Regresso
Spotlight – Segredos Revelados

Confira o trailer de O Regresso.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR DIRETOR
Adam McKay, por A Grande Aposta
Steven Spielberg, por Ponte dos Espiões
Todd Haynes, por Carol
Ridley Scott, por Perdido em Marte
Alejandro Gonzáles Iñárritu, por O Regresso

MELHOR FILME BRITÂNICO
45 Anos, de Andrew Haigh
Amy, de Asif Capadia
Brooklyn, de John Crowley
A Garota Dinamarquesa, de Tom Hooper
Ex Machina – Instinto Artificial, de Alex Garland
The Lobster, de Yorgos Lanthimos

MELHOR ESTREIA – ROTEIRISTA/DIRETOR/PRODUTOR BRITÂNICO
Alex Garland (diretor), por Ex Machina – Instinto Artificial
Debbie Tucker Green (roteirista/diretor), por Second Coming
Naji Abu Nowar (roteirista/diretor) e Rupert Lloyd (produtor), por Theeb
Sean McAllister (diretor/produtor) e Elhum Shakerifar (produtor), por A Syrian Love Story
Stephen Fingleton (roteirista/diretor), por The Survivalist

Veja o trailer de Ex-Machina: Instinto Artificial.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
A Assassina (Nie yin niang, China), de Hou Hsiao Hsien
Força Maior (Force Mejeure, Suécia), de Ruben Ostlund
Theeb (Emirados Árabes Unidos-Qatar-Jorania-Reino Unido), de Naji Abu Nowar
Timbuktu (Mauritânia/França), de Abderrahmane Sissako
Relatos Selvagens (Argentina), de Damian Szifrón

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy (EUA) de Asif Kapadia
Cartel Land (EUA-0México), de Matthew Heineman
Malala (EUA), de  Davis Guggenheim
Listen to Me Marlon (EUA), de Davis Guggenheim
Sherpa (Austrália Nepal), de Jennifer Peedom

MELHOR ANIMAÇÃO
Divertida Mente
Minions
Shaun: O Carneiro

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Matthew Charman, Ethan Coen, Joel Coen, por Ponte dos Espiões
Alex Garland, por Ex Machina – Instinto Artificial
Quentin Tarantino, por Os Oito Odiados
Josh Cooley, Pete Docter, Meg LeFauve, por Divertida Mente
Tom McCarthy, Josh Singer, por Spotlight – Segredos Revelados

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Adam McKay, Charles Randolph, por A Grande Aposta
Nick Hornby, por Brooklyn
Phyllis Nagy, por Carol
Emma Donoghue, por O Quarto de Jack
Aaron Sorkin, por Steve Jobs

Confira o trailer de O Quarto de Jack.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR ATOR
Bryan Cranston, por Trumbo: Lista Negra
Eddie Redmayne, por A Garota Dinamarquesa
Leonardo DiCaprio, por O Regresso
Matt Damon, por Perdido em Marte
Michael Fassbender, por Steve Jobs

MELHOR ATRIZ
Alicia Vikander, por A Garota Dinamarquesa
Brie Larson, por O Quarto de Jack
Cate Blanchett, por Carol
Maggie Smith, por A Senhora da Van
Saoirse Ronan, por Brooklyn

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benicio del Toro, por Sicario: Terra de Ninguém
Christian Bale, por A Grande Virada
Idris Elba, por Beasts of No Nation
Mark Ruffalo, por Spotlight – Segredos Revelados
Mark Rylance, por Ponte dos Espiões

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Alicia Vikander, por Ex Machina – Instinto Artificial
Jennifer Jason Leigh, por Os Oito Odiados
Julie Walters, por Brooklyn
Kate Winslet, por Steve Jobs
Rooney Mara, por Carol

Veja o trailer de Brooklyn.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
Thomas Newman, por Ponte dos Espiões
Ennio Morricone, por Os Oito Odiados
Ryuichi Sakamoto, Carsten Nicolai, por O Regresso
Jóhann Jóhannsson, por Sicario: Terra de Ninguém
John Williams, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHOR FOTOGRAFIA
Janusz Kamiński, por Ponte dos Espiões
Ed Lachman, por Carol
John Seale, por Mad Max: Estrada da Fúria
Emmanuel Lubezki, por O Regresso
Roger Deakins, por Sicario: Terra de Ninguém

MELHOR MONTAGEM
Hank Corwin, por A Grande Aposta
Michael Kahn, por Ponte dos Espiões
Margaret Sixel, por Mad Max: Estrada da Fùria
Pietro Scalia, por Perdido em Marte
Stephen Mirrione, por O Regresso

MELHOR DESENHO DE PRODUÇÃO
Adam Stockhausen, Rena DeAngelo, por Ponte dos Espiões
Judy Becker, Heather Loeffler, por Carol
Colin Gibson, Lisa Thompson, por Mad Max: Estrada da Fúria
Arthur Max, Celia Bobak, por Perdido em Marte
Rick Carter, Darren Gilford, Lee Sandales, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHOR FIGURINO
Odile Dicks-Mireaux, por Brooklyn
Sandy Powell, por Carol
Sandy Powell, por Cinderela
Paco Delgado, por A Garota Dinamarquesa
Jenny Beavan, por Mad Max: Estrada da Fúria

Conheça o trailer de A Garota Dinamarquesa.

Imagem de Amostra do You Tube

MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADO
Morna Ferguson, Lorraine Glynn, por Brooklyn
Jerry DeCarlo, Patricia Regan, por Carol
Jan Sewell, por A Garota Dinamarquesa
Lesley Vanderwalt, Damian Martin, por Mad Max: Estrada da Fúria
Sian Grigg, Duncan Jarman, Robert Pandini, por O Regresso

MELHOR SOM
Drew Kunin, Richard Hymns, Andy Nelson, Gary Rydstrom, por Ponte dos Espiões
Scott Hecker, Chris Jenkins, Mark Mangini, Ben Osmo, Gregg Rudloff, David White, por Mad Max: Estrada da Fúria
Paul Massey, Mac Ruth, Oliver Tarney, Mark Taylor, por Perdido em Marte
Lon Bender, Chris Duesterdiek, Martin Hernandez, Frank A. Montaño, Jon Taylor, Randy Thom, por O Regresso
David Acord, Andy Nelson, Christopher Scarabosio, Matthew Wood, Stuart Wilson, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHORES EFEITOS ESPECIAIS
Jake Morrison, Greg Steele, Dan Sudick, Alex Wuttke, por Homem-Formiga
Mark Ardington, Sara Bennett, Paul Norris, Andrew Whitehurst, por Ex Machina: Instinto Artificial
Andrew Jackson, Dan Oliver, Tom Wood, Andy Williams, por Mad Max: Estrada da Fúria
Chris Lawrence, Tim Ledbury, Richard Stammers, Steven Warner, por Perdido em Marte
Chris Corbould, Roger Guyett, Paul Kavanagh, Neal Scanlan, por Star Wars: O Despertar da Força

MELHOR CURTA-METRGAEM DE ANIMAÇÃO
Edmond
Manoman
Prologue

MELHOR CURTA-METRGAEM BRITÂNICO
Elephant
Mining Poems or Odes
Operator
Over
Samuel-613

ESTRELA EM ASCENSÃO/Escolhido pelo público
Bel Powley
Brie Larson
Dakota Johnson
John Boyega
Taron Egerton

Veja o trailer de 45 Anos.

Imagem de Amostra do You Tube

 

OSCAR-2016 – O MENINO E O MUNDO NA DISPUTA DE ANIMAÇÃO

Já se sabe que o drama nacional Que Horas Ela Volta?, de Ana Muylaert, não concorrerá ao Oscar de Filme Estrangeiro, mas, outra produção nacional continua na disputa de sua categoria. Trata-se de O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, que figura na lista dos 16 pré selecionados ao Oscar de Melhor Filme de Animação e cuja lista com os 5 finalistas será anunciada em 14 deste mes

O MENINO E O MUNDO

Fique atento, pois na próxima 5a feira, dia 14, a Academia de Ciências e Artes Cinemtográficas de Hollywood vai anunciar os 5 finalistas. A realização brasileira compete com outras grandes produções do gênero como a obra-prima Divertida Mente, de Peter Docter, Anomalisa, de Charlie Kauffman, Minions, de Kyle Balda, Pierre Coffin; Hotel Transilvânia 2, de Genndy Tartakovsky, As Memórias de Marnie, de Hiromasa Yonebayashi, entre outros.

O Menino e o Mundo conta a história de um garoto que, morando solitário numa aldeia isolada e sofrendo com a falta do pai, sai pelo mundo e encontra um mundo fantástico dominado por máquinas-bichos e estranhos seres alienígenas. Utilizando-se de várias técnicas de animação, o filme faz uma leitura atualíssima do mundo moderno através do olhar de uma criança, como o desequilíbrtio ecológico, a crise econômica, a perda de valores morais e o processo de globalização.Alê Abreu, paulista, 44. fez os curtas Espantalho (1988) e Passo (2007) e neste mesmo ano lançou o seu primeiro longa, O Garoto Cósmico.

A entrega de todas as estatuetas do Oscar em mais de 20 categorias será em 28 de fevereiro

Confira a lista completa dos 16 filmes pré-selecionados:

Anomalisa (EUA), de Charlie Kaufman e Duke Johnson (II)
Bakemono no Ko/The Boy and the Beast (Japão), de Mamoru Hosoda
O Bom Dinossauro (EUA), de Peter Sohn
Cada um na sua Casa (EUA), de Tim Johnson
Hotel Transylvania 2 (EUA), de Gendry Tartakosky
Divertida Mente (EUA), de Peter Docter
O Profeta (Kahlil Gibran’s The Prophet, EUA-França-Canadá-Libâno-Qatar), de Bill Plympton, Gaëtan Brizzi, Joan C. Gratz, Joann Sfar, Michal Socha, Mohammed Saeed Harib, Nina Paley, Paul Brizzi, Roger Allers, Tomm Moore
UFO gakuen no himitsu/The Laws of the Universe – Part 0 (Japão), de Isamu Imakake
O Menino e o Mundo (Brasil), de Alê Abreu
Minions (EUA), de Kyle Balda, Pierre Coffin
Muumit Rivieralla/Moomins on the Riviera (Finlândia-França), de Hanna Hemilä e Xavier Picard
Snoopy e Charlie Brown: Peanuts o Filme (EUA), de Bill Condon
Apenas um Show – o Filme (Regular Show: the Movie, EUA), de J. G. Quintel
Shaun: o Carneiro (EUA), de Richard Starzak
Bob Esponja: um Herói Fora D’Água (The SpongeBob Movie: Sponge out of Water, EUA), de Paul Tibbitt
As Memórias de Marnie (Japão), de Hiromasa Yonebayashi

Confira o trailer de O Menino e o Mundo.

Imagem de Amostra do You Tube

 

PREMIAÇÕES DE HOLLYWOOD/2015 – QUE HORAS ELA VOLTA? NO CRITICS CHOICE E FORA DO OSCAR

Que Horas Ela Volta? obteve, nesta semana, nos EUA, uma boa notícia e uma má notícia. A boa: no início da semana recebeu a indicação do Critics’ Choise Awards, a premiação da Broadcast Film Critics Association-BFCA, a qual reúne cerca de 250 analistas de filmes dos EUA e do Canadá, para concorrer ao Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. A má notícia: na noite de ontem, a Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Hollywood o colocou fora da disputa ao Oscar da mesma categoria.  manhã desta feira 

Regina Casé em QUE HORAS ELA VOLTA?, de Ana Muylaert: indicado a melhor filme estrangeiro

Regina Casé em QUE HORAS ELA VOLTA?, de Ana Muylaert: indicado a melhor filme estrangeiro

Oscar, Globo de Ouro e César. Estas são, pela ordem, as mais importantes premiações do cinema internacional. O Critics Choise Awards vem em seguida. Para a seleção dos filmes à premiação, um Conselho dirige os trabalhos e chega a relação final. E acompanhando uma tendência internacional, Max Mad: Estrada da Fúria, de George Miller, lidera com indicações em 13 categorias. Revele-se que, nessa tendência mundial, o filme foi eleito o melhor do ano em vários países. Será que é filme para tudo isso? Avalio que não. Perdido em Marte, em termos de futurismo, é bem importante, mais cerebral, menos visionário. Ambos equilibram 2 temas fundamentais para o homem e a ciência: a conquista de Marte e a posse da água, seja aqui, seja nos planetas alhures. Mas, bem tudo, pois de qualquer forma a ficção-científica, no Cinema, está obtendo prêmios e destaques, deixando o preconceito para trás.

Mas, o que nos interessa, aqui, é a relação dos indicados a Melhor Filme Estrangeiro pela associação dos críticos dos EUA e do Canadá.

Confira os 9 candidatos que continuam na disputa ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro-2015. Dessa lista aí,  4 serão eliminados.  Todos os indicados serão anunciados em 14 de janeiro.

O Novíssimo Testamento (Le tout nouveau testament, Bélgica), de Jaco Van Dormael
O Abraço da Serpente (El abrazo de la serpiente, Colômbia), de Ciro Guerra
A War (Krtigen, Dinamarca), de Tobias Lindholm
O Esgrimista (Miekkailija, Finlândia), de Klaus Härö
5 Graças (Mustang, Turquia-França-Qatar-Alemanha), de Deniz Gamze Ergüven
Labirinto de Mentiras (Im Labyrinth des Schweigens, Alemanha), de Giulio Ricciarelli
Filho de Saul (Saul Fia, Hungria), de László Nemes – Hungria
Viva (Irlanda), de Paddy Breathnach
Theeb (Emirados Árabes-Qatar-Jordânia-Reino Unido), de Naji Abu Nowar

E, ainda, há novidades quanto aos indicados aos prêmios de interpretação masculina. Você imaginaria que 2 dos atores de Hollywood mais apedrejados pelos críticos, em sua maioria, um dia ganharam indicações entre os 5 melhores do ano? Pois é. Sylvester Stallone e Jason Statham, dois astros de filmes porreteiros ganharam indicações. O primeiro, Sylvester Stallone, indicado a ator coadjuvante por sua atuação, aliás, elogiadíssima pela crítica, por Creed: nascido Para Lutar. Aliás, há quem diga que o nome dele pode aparecer na lista do Oscar – e seria a segunda vez. E Jason Statham ganhou indicação, como melhor ator de comédia por A Espiã que Sabia Demais.

Na área da televisão, a série Fargo obteve 8 indicações, lembrando que a entrega será em 17 de janeiro, um domingo.

Charlize Theron, Riley Keough, Zoë Kravitz, Abbey Lee e Courtney Eaton em MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA (2015), de George Miller: indicado a melhor filme

Charlize Theron, Riley Keough, Zoë Kravitz, Abbey Lee e Courtney Eaton em MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA (2015), de George Miller: indicado a melhor filme

Confira todos os indicados de CINEMA.

MELHOR FILME
A Grande Aposta
Ponte dos Espiões
Brooklyn
Carol
Mad Max: estrada da Fúria
Perdido em Marte
O Regresso
O Quarto de Jack
Sicario: terra de Ninguém
Spotlight: segredos Revelados

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO
Anomalisa
O Bom Dinossauro
Divertida Mente
Peanuts: o Filme
Shaun: o Carneiro

MELHOR FILME DE AÇÃO
Velozes e Furiosos 7
Jurassic World
Mad Max: estrada da Fúria
Missão Impossível – nação Secreta
Sicario

INDICADOS AO OSCAR-2015 DE FILME ESTRANGEIRO

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Assassina (Nie yin niang, China), de Hou Hsiao-Hsien
Boa Noite, Mamãe! (Ich seh, ich seh, Áustria), de Severin Fiala e Veronika Franz
5 Graças (Mustang, Turquia-França-Qatar-Alemanha), de Deniz Gamze Ergüven
O Filho de Saul (Saul Fia, Hungria), de László Nemes
Que Horas Ela Volta? (Brasil), de Ana Muylaert

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy
Cartel Land
Going Clear: scientology and the Prison of Belief
Malala
The Look of Silence
Where to Invade Next

MELHOR DIRETOR
Todd Haynes – Carol
Alejandro González Iñárritu – O Regresso
Tom McCarthy – Spotlight
George Miller – Mad Max: estrada da Fúria
Ridley Scott – Perdido em Marte
Steven Spielberg – Ponte dos Espiões

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Ponte dos Espiões
Ex Machina
Os 8 Odiados
Divertida Mente
Spotlight

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
A Grande Aposta
Brooklyn
Perdido em Marte
O Quarto de Jack
Steve Jobs

MELHOR ELENCO
A Grande Aposta
Os 8 Odiados
Spotlight
Straight Outta Compton
Trumbo: Lista Negra

MELHOR ATOR
Bryan Cranston – Trumbo: Lista Negra
Matt Damon – Perdido em Marte
Johnny Depp – Aliança do Crime
Leonardo DiCaprio – O Regresso
Michael Fassbender – Steve Jobs
Eddie Redmayne – A Garota Dinamarquesa

MELHOR ATRIZ
Cate Blanchett – Carol
Brie Larson – O Quarto de Jack
Jennifer Lawrence – Joy: o Nome do Sucesso
Charlotte Rampling – 45 Anos
Saoirse Ronan – Brooklyn
Charlize Theron – Mad Max: estrada da Fúria

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Paul Dano – Love & Mercy
Tom Hardy – O Regresso
Mark Ruffalo – Spotlight
Mark Rylance – Ponte dos Espiões
Michael Shannon – 99 Homes
Sylvester Stallone – Creed: nascido Para Lutar

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jennifer Jason Leigh – Os 8 Odiados
Rooney Mara – Carol
Rachel McAdams – Spotlight
Helen Mirren – Trumbo: Lista Negra
Alicia Vikander – A Garota Dinamarquesa
Kate Winslet – Steve Jobs

MELHOR ATOR/ATRIZ JOVEM
Abraham Attah – Beasts of No Nation
RJ Cyler – Eu, Você e a Garota Que Vai Morrer
Shameik Moore – Um Deslize Perigoso
Milo Parker – Mr. Holmes
Jacob Tremblay – O Quarto de Jack

MELHOR FOTOGRAFIA
Carol
Os 8 Odiados
Mad Max: estrada da Fúria
Perdido em Marte
O Regresso
Sicario

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
Ponte dos Espiões
Brooklyn
Carol
A Garota Dinamarquesa
Mad Max: Estrada da Fúria
Perdido em Marte

MELHOR MONTAGEM
A Grande Aposta
Mad Max: estrada da Fúria
Perdido em Marte
O Regresso
Spotlight

MELHOR FIGURINO
Brooklyn
Carol
Cinderela
A Garota Dinamarquesa
Mad Max: estrada da Fúria

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM
Aliança do Crime
Carol
A Garota Dinamarquesa
Os 8 Odiados
Mad Max: estrada da Fúria
O Regresso

MELHOR EFEITOS VISUAIS
Ex Machina
Jurassic World: o Mundo dos Dinossauros
Mad Max: estrada da Fúria
Perdido em Marte
O Regresso
A Travessia

MELHOR ATOR EM FILME DE AÇÃO
Daniel Craig – 007 Contra Spectre
Tom Cruise – Missão Impossível – Nação Secreta
Tom Hardy – Mad Max: estrada da Fúria
Chris Pratt – Jurassic World
Paul Rudd – Homem-Formiga

MELHOR ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Emily Blunt – Sicario
Rebecca Ferguson – Missão Impossível – nação Secreta
Bryce Dallas Howard – Jurassic World
Jennifer Lawrence – Jogos Vorazes: a Esperança – o Final
Charlize Theron – Mad Max: estrada da Fúria

MELHOR COMÉDIA
A Grande Aposta
Divertida Mente
Joy: o Nome do Sucesso
Irmãs
A Espiã que Sabia Demais
Descompensada

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
Christian Bale – A Grande Aposta
Steve Carell – A Grande Aposta
Robert De Niro – Um Senhor Estagiário
Bill Hader – Descompensada
Jason Statham – A Espiã que Sabia Demais

MELHOR ATRIZ DE COMÉDIA
Tina Fey – Sisters
Jennifer Lawrence – Joy: o Nome do Sucesso
Melissa McCarthy – A Espiã que Sabia Demais
Amy Schumer – Descompensada
Lily Tomlin – Grandma

MELHOR FILME DE FICÇÃO-CIENTÍFICA/TERROR
Ex Machina
Corrente do Mal
Jurassic World
Mad Max: estrada da Fúria
Perdido em Marte

MELHOR CANÇÃO
50 Tons de Cinza – Love Me Like You Do
Velozes e Furiosos 7 – See You Again
The Hunting Ground – Til It Happens To You
Love & Mercy – One Kind of Love
007 Contra Spectre – Writing’s on the Wall
Youth – Simple Song #3

MELHOR TRILHA SONORA
Carol
Os 8 Odiados
O Regresso
Sicario
Spotlight

TELEVISÃO

MELHOR ATOR EM COMÉDIA
Anthony Anderson – Black-ish
Aziz Ansari – Master of None
Will Forte – The Last Man on Earth
Randall Park – Fresh Off the Boat
Fred Savage – The Grinder
Jeffrey Tambor – Transparent

MELHOR ATOR EM DRAMA
Hugh Dancy – Hannibal
Rami Malek – Mr. Robot
Clive Owen – The Knick
Liev Schreiber – Ray Donovan
Justin Theroux – The Leftovers
Aden Young – Rectify

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Wes Bentley – American Horror Story: Hotel
Martin Clunes – Arthur & George
Idris Elba – Luther
Oscar Isaac – Show Me a Hero
Vincent Kartheiser – Saints & Strangers
Patrick Wilson – Fargo

MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA
Rachel Bloom – Crazy Ex-Girlfriend
Aya Cash – You’re the Worst
Wendi McLendon-Covey – The Goldbergs
Gina Rodriguez – Jane the Virgin
Tracee Ellis Ross – Black-ish
Constance Wu – Fresh Off the Boat

MELHOR ATRIZ EM DRAMA
Shiri Appleby – UnREAL
Carrie Coon – The Leftovers
Viola Davis – How to Get Away With Murder
Eva Green – Penny Dreadful
Taraji P. Henson – Empire
Krysten Ritter – Jessica Jones

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Kathy Bates – American Horror Story: Hotel
Kirsten Dunst – Fargo
Sarah Hay – Flesh and Bone
Alyvia Alyn Lind – Dolly Parton’s Coat of Many Colors
Rachel McAdams – True Detective
Shanice Williams – The Wiz Live!

MELHOR COMÉDIA
Black-ish
Catastrophe
Jane the Virgin
Master of None
The Last Man on Earth
Transparent
You’re the Worst

MELHOR DRAMA
Empire
Mr. Robot
Penny Dreadful
Rectify
The Knick
The Leftovers
UnREAL

MELHOR ATRIZ/ATOR CONVIDADO EM COMÉDIA
Ellen Burstyn – Mom
Anjelica Huston – Transparent
Cherry Jones – Transparent
Jenifer Lewis – Black-ish
Timothy Olyphant – The Grinder
John Slattery – Wet Hot American Summer: First Day of Camp

MELHOR ATOR/ATRIZ CONVIDADO EM DRAMA
Richard Armitage – Hannibal
Justin Kirk – Manhattan
Patti LuPone – Penny Dreadful
Margo Martindale – The Good Wife
Marisa Tomei – Empire
B.D. Wong – Mr. Robot

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
Childhood’s End
Fargo
Luther
Saints & Strangers
Show Me a Hero
The Wiz Live!

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM COMÉDIA
Andre Braugher – Brooklyn Nine-Nine
Jaime Camil – Jane the Virgin
Jay Duplass – Transparent
Neil Flynn – The Middle
Keegan-Michael Key – Playing House
Mel Rodriguez – Getting On

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM DRAMA
Clayne Crawford – Rectify
Christopher Eccleston – The Leftovers
Andre Holland – The Knick
Jonathan Jackson – Nashville
Rufus Sewell – The Man in the High Castle
Christian Slater – Mr. Robot

MELHOR ATORE COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
David Alan Grier – The Wiz Live!
Ne-Yo – The Wiz Live!
Nick Offerman – Fargo
Jesse Plemons – Fargo
Raoul Trujillo – Saints & Strangers
Bokeem Woodbine – Fargo

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM COMÉDIA
Mayim Bialik – The Big Bang Theory
Kether Donohue – You’re the Worst
Allison Janney – Mom
Judith Light – Transparent
Niecy Nash – Getting On
Eden Sher – The Middle

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM DRAMA
Ann Dowd – The Leftovers
Regina King – The Leftovers
Helen McCrory – Penny Dreadful
Hayden Panettiere – Nashville
Maura Tierney – The Affair
Constance Zimmer – UnREAL

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Mary J. Blige – The Wiz Live!
Laura Haddock – Luther
Cristin Milioti – Fargo
Sarah Paulson – American Horror Story: Hotel
Winona Ryder – Show Me a Hero
Jean Smart – Fargo

MELHOR SÉRIE ANIMADA
Bob’s Burgers
BoJack Horseman
South Park
Star Wars Rebels
The Simpsons

Confira o trailer de 5 Graças.