CINEMA 2015: LIVROS QUE SERÃO ADAPTADOS PARA A TELONA

Já se tornou comum vermos adaptações de livros na tela grande. O ano de 2015 reserva uma grande lista de filmes que provêm de obra literária. Tem romance erótico, Dostoiévski, filme de guerra, documentário, saga adolescente, drama, história real, clássico, biografia, enfim, pra todo gosto. Confira a lista:

Imagem promocional de CINQUENTA TONS DE CINZA

Imagem promocional de CINQUENTA TONS DE CINZA

CINQUENTA TONS DE CINZA (Fifty Shades of Grey), de Sam Taylor-Johnson

Capa do livro Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James

Capa do livro Cinquenta Tons de Cinza, de E. L. James

Previsão de estreia no Brasil: 12/02/2015

Aguardada adaptação do romance de E. L. James enfim chega às telas em 2015. Sucesso da literatura mundial, um dos maiores fenômenos de venda com mais de 90 milhões de cópias em todo o mundo, transformou-se num dos ícones do chamado soft porn. A obra narra a história do relacionamento apimentado, com toques de sadomasoquismo, entre Anastasia Steele (Dakota Johnson), uma estudante universitária ingênua que se vê atraída pelo excêntrico multimilionário Christian Grey (James Dornan); Logo quando descobre que sua atração é correspondida ambos embarcam em um sensual e apaixonado acordo, em que Ana irá descobrir os grandes segredos e demônios que existem por trás da fachada de Christian. Assim como os livros, o filme também será o início de uma trilogia (isso se não dividirem o final em Parte 1 e Parte 2!).

SERVIÇO

Título: Cinquenta Tons de Cinza
Autora: E. L. James
Tradução: Adalgisa Campos da Silva
Editora: Intrínseca
Páginas: 480

Confira o trailer de Cinquenta Tons de Cinza:

Imagem de Amostra do You Tube

Capa do livro O Duplo de Fiodor Dostoipevski

Capa do livro O Duplo, de Fiodor Dostoipevski

O DUPLO (The Double, 2013), de Richard Ayoade

Previsão de estreia no Brasil: 12/02/2015

Baseado na obra de  Dostoiévski. O Duplo narra  as  terríveis inquietações em torno de Simon, quando um colega lhe usurpa a identidade, numa versão melhorada. Enquanto ele é tímido, inseguro e incapaz de se fazer notar,  seu sósia é extrovertido, carismático e muito sedutor, o que leva a Simon a tomar uma atitude, revelando uma força que ele não possuía, ou pelo  menos achava não possuir. Com Jesse Eisenberg e Mia Wasikowska no elenco.

SERVIÇO

Título: O Duplo
Autor: Fiódor Dostoiévski
Tradução: Paulo Bezerra
Editora: 34
Páginas: 306

Confira o trailer de O Duplo:

Imagem de Amostra do You Tube

SNIPER AMERICANO (American Sniper, 2014), de Clint Eastwood

Capa do livro Sniper Americano de Chris Kyle

Capa do livro Sniper Americano, de Chris Kyle

Previsão de estreia no Brasil: 19/02/2015

Baseado na autobiografia American Sniper: The Autobiography of the Most Lethal Sniper in U.S, de Chris Kyle, mostra o autor atuando ao longo de uma década como membro das Forças de Operações Especiais da Marinha dos Estados Unidos. Após relatar a experiência bélica em livro, sua história chega aos cinemas em um filme dirigido por Clint Eastwood e protagonizado por Bradley Cooper, num papel que lhe rendeu indicação ao Oscar. Kyle foi ao Iraque com a missão de proteger seus irmãos de armas. Sua precisão salva inúmeras vidas no campo de batalha e as histórias de suas corajosas façanhas se espalham até que ele receba o apelido de “Lenda”. No entanto, sua reputação também está crescendo por trás das linhas inimigas, colocando sua cabeça a prêmio e tornando-o alvo principal de insurgentes. Ele também está enfrentando um tipo de batalha diferente à frente de seu lar: se esforçando para ser um bom marido e bom pai mesmo estando do outro lado do mundo. No entanto, ao retornar para sua esposa, Taya Renae Kyle, e para as crianças, Chris descobre que é a guerra que ele não pode deixar para trás. No elenco liderado por Cooper, temos também Sienna Miller, Jake McDorman, Luke Grimes, Navid Negahban e Keir O’Donnell. A autobiografia ficou 18 semanas na lista de best-sellers do New York Times, sendo 13 em 1º lugar.

SERVIÇO

Título: Sniper Americano
Autor: Chris Kyle
Tradução: André Gordirro
Editora: Intrínseca
Páginas: 344

Confira o trailer de Sniper Americano:

Imagem de Amostra do You Tube

O SAL DA TERRA (The Salt of the Earth, 2014), de Wim Wenders

Capa do livro Genesis de Sebastião Salgado

Capa do livro Genesis, de Sebastião Salgado

Previsão de estreia no Brasil: 12/03/2015

Documentário indicado ao Oscar sobre um dos fotógrafos mais respeitados do mundo. No livro Genesis, Sebastião Salgado buscou registrar as regiões do planeta ainda inexploradas pelo homem. Nos últimos 40 anos, Sebastião Salgado tem viajado através dos continentes, aos passos de uma humanidade sempre em mutação. Ele testemunhou alguns dos principais eventos da nossa história recente: conflitos internacionais, a fome e o êxodo. Ele agora embarca na descoberta de territórios imaculados, da flora e da fauna selvagem e de paisagens grandiosas como parte de um enorme projeto fotográfico. Uma homenagem à beleza do planeta, reveladas por seu filho, Juliano Salgado e pelo renomado diretor Wim Wenders. Vencedor do Prêmio Especial na mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes 2014 e Prêmio de Melhor Filme eleito pelo público no Festival de San Sebastian 2014.

SERVIÇO

Título: Genesis
Autor: Sebastião Salgado
Editora: Taschen
Páginas: 520

Confira o trailer de O Sal da Terra:

Imagem de Amostra do You Tube

A SÉRIE DIVERGENTE: INSURGENTE (Insurgent, 2015), de Robert Schwentke

Capa do livro Insurgente de Verônica Roth

Capa do livro Insurgente, de Verônica Roth

Previsão de estreia no Brasil: 19/03/2015

Segundo livro da série criada por Veronica Roth dá continuidade à história que se passa em uma Chicago futurista e as facções apresentadas no primeiro volume da saga começam a passar por problemas, cabendo a Tris (Shailene Woodley) salvar as pessoas enquanto também precisa se manter viva. Assim, os riscos dela aumentam quando ela sai à procura de aliados. Ela e Quatro (Theo James) são agora fugitivos, caçados por Jeanine (Kate Winslet), a líder da elite Erudição, faminta pelo poder. Correndo contra o tempo, eles precisam descobrir a causa pela qual a família de Tris sacrificou suas vidas e por que os líderes da Erudição farão tudo para impedi-los.

SERVIÇO

Título: Insurgente
Autor: Veronica Roth
Tradução: Lucas Peterson
Editora: Rocco
Páginas: 512

Confira o trailer de A Série Divergente: Insurgente.

Imagem de Amostra do You Tube

NO CORAÇÃO DO MAR (In the Heart of the Sea, 2015), de Ron Howard

Capa do livro No Coração do Mar de Nathaniel Philbrick

Capa do livro No Coração do Mar. de Nathaniel Philbrick

Previsão de estreia no Brasil: 19/03/2015

Dirigido por Ron Howard, trata-se da adaptação para o cinema da história real que inspirou Moby Dick, um dos maiores clássicos da literatura de língua inglesa. Baseado em ampla pesquisa e fontes inéditas, o historiador Nathaniel Philbrick reconstitui todos os detalhes do naufrágio do baleeiro Essex, que em 1820 foi atacado por um cachalote enfurecido e afundou rapidamente, deixando os náufragos à deriva por 3 meses, sofrendo de inanição, desidratação, doenças e chegando à prática do canibalismo.

SERVIÇO

Título: No Coração do Mar
Autor: Nathaniel Philbrick
Tradutor: Rubens Figueiredo
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 302

Confira o trailer de No Coração do Mar:

Imagem de Amostra do You Tube

VÍCIO INERENTE (Inherent Vice, 2014), de Paul Thomas Anderson

Capa do livro Vício Inerente de Thomas Pynchon

Capa do livro Vício Inerente, de Thomas Pynchon

Previsão de estreia no Brasil: 26/03/2015

Um dos autores mais complexos da língua inglesa, Thomas Pynchon constrói em Vício Inerente uma conspiração formada por surfistas, traficantes, contrabandistas e uma agiota, que são investigados por um detetive particular que tenta desvendar uma das ações mais audaciosas do bando. Dirigido por Paul Thomas Anderson e no elenco nomes como Joaquin Phoenix, Josh Brolin, Owen Wilson, Katherine Waterston, Reese Witherspoon e Benicio Del Toro. A trilha sonora foi composta por Jonny Greenwood, do Radiohead.

SERVIÇO

Título: Vício Inerente
Autor: Thomas Pynchon
Tradução: Caetano Galindo
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 464

 Confira o trailer de Vício Inerente:

Imagem de Amostra do You Tube

A VIAGEM MAIS LONGA (The Longest Ride, 2015), de George Tillman Jr.

Capa do livro Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks

Capa do livro Uma Longa Jornada, de Nicholas Sparks

Previsão de estreia no Brasil: 21/05/2015

Adaptação de obra de Nicholas Sparks. Sophia Danko (Britt Robertson) conhece o cowboy Luke Collins (Scott Eastwood, filho de Clint Eastwood), que a apresenta um mundo com a qual não estava acostumada. O caminho dos dois vão se cruzar com o de um idoso, que relembra a sua juventude e o relacionamento que teve com o grande amor da sua vida, que se foi.

SERVIÇO

Título: Uma Longa Jornada
Autor: Nicholas Sparks
Tradução: Maria Clara De Biase
Editora: Arqueiro
Páginas: 368

 

Confira o trailer de A Viagem Mais Longa:

Imagem de Amostra do You Tube

Peter Pan (Pan, 2015), de Joe Wright

Capa do livro Peter Pan de J. M. Barrie

Capa do livro Peter Pan, de J. M. Barrie

Previsão de estreia no Brasil: 16/07/2015

Versão do clássico Peter Pan, de J. M. Barrie. O filme conta a história de um órfão que se transporta para a mágica Terra do Nunca. Lá, ele encontra diversão e perigos para, finalmente, descobrir o seu destino – se tornar o herói que será conhecido para sempre como Peter Pan. O elenco é estrelado por Hugh Jackman como Barba Negra, Garrett Hedlund como Capitão Gancho, Rooney Mara como Tiger Lilly, Adeel Akhtar como Smee, Levi Miller como Peter, Amanda Seyfried como Mary, e Leni Zieglmeier como Wendy.

SERVIÇO

Título: Peter Pan
Autor: J. M. Barrie
Tradução: Julia Romeu
Editora: Zahar
Páginas: 256

Confira o trailer de Peter Pan:

Imagem de Amostra do You Tube

CIDADES DE PAPEL (Paper Towns, 2015), de Jake Schreier

Capa do livro Cidades de Papel de John Green

Capa do livro Cidades de Papel de John Green

Previsão de estreia no Brasil: Junho, em data a ser definida

Depois do sucesso de A Culpa É das Estrelas, John Green está de volta aos cinemas na adaptação de Cidades de Papel, que não tem nenhuma relação com a obra anterior. Conta a história do garoto Quentin (Natt Wolff) que desde pequeno nutre uma paixão pela sua vizinha Margo (Cara Delavigne), de quem era muito próximo na infância. Já na adolescência ela virou a garota popular da escola e ele o garoto nerd da turma. No entanto, Margo invade o quarto do garoto na calada da noite, vestida de ninja, e o convoca para uma missão secreta, uma aproximação que causa inúmeras situações, fazendo Quentin descobrir que Margo não é nem de perto a garota que ele pensava que conhecia. Jake Schreier será o diretor.

SERVIÇO

Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Tradução: Juliana Romeiro
Editora: Intrínseca
Páginas: 368

MAZE RUNNER – PROVA DE FOGO (Maze Runner: The Scorch Trials, 2015), de Wes Ball

Capa do livro Prova de Fogo de James Dashner

Capa do livro Prova de Fogo, de James Dashner

Previsão de estreia no Brasil: 17/09/2015

Sequencia da saga Maze Runner, Prova de fogo dá continuidade a trama, logo após escapar do labirinto, Thomas (Dylan O’Brien) e os garotos que o acompanharam em sua fuga da Clareira precisam agora lidar com uma realidade bem diferente: a superfície da Terra foi queimada pelo sol e eles precisam lidar com criaturas disformes chamadas Cranks, que desejam devorá-los vivos.

SERVIÇO

Título: Maze Runner – Prova de Fogo
Autor: James Dashner
Tradução: Henrique Monteiro
Editora: Vergara & Riba
Páginas: 400

 

 

VICTOR FRANKENSTEIN (Victor Frankenstein, 2015), de Paul McGuigan

Capa do livro Frankenstein de Mary Shelley

Capa do livro Frankenstein, de Mary Shelley

Previsão de estreia no Brasil: 01/10/2015

Nova versão da história do médico que cria um monstro a partir de partes de cadáveres humanos, lançada em 1818, a história é narrada por Victor Frankenstein. O romance já foi adaptado para o teatro em 1820 e também já recebeu diversas versões cinematográficas. Em 2015 teremos mais uma, dirigida por Paul McGuigan, com Daniel Radcliffe e James McAvoy no elenco.

SERVIÇO

Título: Frankenstein
Autora: Mary Shelley
Tradução: Bruno Gambarotto
Editora: Hedra
Páginas: 272

 

 

O PEQUENO PRÍNCIPE (The Little Prince, 2015), de Mark Osborne

Capa do livro O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry

Capa do livro O Pequeno Príncipe,
de Antoine de Saint-Exupéry

Previsão de estreia no Brasil: 08/10/2015

No ano em que o clássico de Antoine de Saint-Exupéry cai em domínio público, o diretor Mark Osborne leva sua interpretação da obra para o cinema com um elenco que conta, dentre outros, com Rachel McAdams, James Franco e Benício Del Toro. Na animação, um piloto de avião sofre um acidente e cai em pleno deserto do Saara. Lá, acaba conhecendo um jovem garoto, um pequeno príncipe que vem de outro planeta. Os dois acabam embarcando numa jornada de sonhos, onde o garoto irá contar suas histórias ao novo amigo, que redescobrirá valores da infância.

SERVIÇO

Título: O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Tradução: Frei Betto
Editora: Geração Editorial
Páginas: 160

Confira o trailer de O Pequeno Príncipe:

Imagem de Amostra do You Tube

JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – PARTE 2 (The Hunger Games: Mockingjay – Part 2), de Francis Lawrence

Capa do livro A Esperança de Suzanne Collins

Capa do livro A Esperança, de Suzanne Collins

Previsão de estreia no Brasil: 19/11/2015

A segunda parte da versão cinematográfica de A Esperança finaliza a adaptação da obra de Suzzane Collins. A heroína Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) continua sua luta com a Capital, que ficou inconformada com o fato dela ter sobrevivido duas vezes aos jogos vorazes. A heroína está disposta a lutar em nome de sua causa e também por seus amigos e familiares.

 

SERVIÇO

Título: A Esperança
Autora: Suzane Collins
Tradução: Alexandre D’Elia
Editora: Rocco
Páginas: 424

 

FALLEN (Fallen, 2015), de Scott Hicks

Capa do livro Fallen de Lauren Kate

Capa do livro Fallen,
de Lauren Kate

Previsão de estreia no Brasil: Não definida

Série que já vendeu mais de 1 milhão de exemplares somente no Brasil, contará com produção da Disney. A história se desenrola com a relação entre Daniel Grigori e Luce, que deseja descobrir qual é o segredo que o garoto vive escondendo. A história gira em torno de Lucinda (Addison Timlin) a jovem que se vê envolvida no mistério da morte de seu namorado e é enviada para um reformatório. Lá ela conhece Daniel (Jeremy Invine) por quem se apaixona. O que ela não sabe é que ele na verdade é um anjo que se apaixonou por ela há milênios. Lá Lucinda também encontra Cam (Harrison Gilbertson), outro que luta há tempos pelo seu amor.

SERVIÇO

Título: Fallen
Autora: Lauren Kate
Tradução: Alda Lima
Editora: Galera Record
Páginas: 406

 

MINHA FAMA DE MAU (2015), de Lui Farias

Capa do livro Minha Fama de Mau de Erasmo Carlos

Capa do livro Minha Fama de Mau, de Erasmo Carlos

Previsão de estreia no Brasil: Não definida

O diretor Lui Farias transformará em filme a autobiografia de Erasmo Carlos, um dos cantores e compositores mais importantes da música nacional. A trajetória de Erasmo Carlos é contada desde o início, quando ele ainda estudava música, até conhecer Roberto Carlos, Wanderléa e conquistar a fama. O documentário retrata inclusive a vida de excessos e a decadência do artista. Lutando para sobreviver e se virando entre pequenos trabalhos, o jovem Erasmo Carlos alimentava uma paixão: o rock and roll. Fã de Elvis Presley, Bill Halley & The Comets e Chuck Berry, ele aprende a tocar violão e passa a perseguir a ideia de viver da música. Misturando talento e um pouco de sorte, ele conquista a admiração do apresentador de TV Carlos Imperial, um cara influente no meio artístico, e através dele conhece o cantor Roberto Carlos, com quem passaria a compor diversas músicas de rock. A parceria começa a dar certo e o sucesso logo chega, transformando para sempre a vida de Erasmo, que se tornaria um dos maiores ídolos da música jovem e apresentaria, ao lado de Roberto e Wanderléa, o programa de TV Jovem Guarda. Com a fama, dinheiro, carrões e mulheres não eram problema para ele, mas o sucesso tem seu preço e um certo preconceito começou a pesar em cima deles, levando o programa ao fim. Longe dos holofotes, ele segue em frente e encara difíceis batalhas para se manter de pé e roqueiro num ambiente hostil ao estilo de música que tanto curtia e o consagrou..

SERVIÇO

Título: Minha Fama de Mau
Autor: Erasmo Carlos
Editora: Ponto de Leitura
Páginas: 368

 

O OUTRO LADO DO PARAÍSO (2015), de André Ristum

Capa do livro O Outro Lado do Paraíso de Luiz Fernando Emediato

Capa do livro O Outro Lado do Paraíso, de Luiz Fernando Emediato

Previsão de estreia no Brasil: Não definida

Sobre as aventuras de um homem idealista narradas pelo seu filho, um garoto de 12 anos, que, por meio das histórias, mostra como o golpe militar de 1964 impactou em sua família. Lançado em 1981, O Outro Lado do Paraíso ganha adaptação para o cinema feita por André Ristum e estrelada por Eduardo Moscovis. Antônio (Eduardo Moscovis) faz o que pode para conseguir dinheiro para o sustento do lar. Já tentou garimpo, bicos diversos, e agora pensa ter encontrado finalmente seu lugar: Brasília. Atraído pelas promessas do presidente João Goulart e pela ampla oferta de emprego, ele se muda para a capital com a esposa e os filhos. O sonho da prosperidade, no entanto, é interrompido pelo golpe militar e Antônio, envolvido com o sindicalismo, começa a viver um pesadelo.

SERVIÇO

Título: O Outro Lado do Paraíso
Autor: Luiz Fernando Emediato
Editora: Geração Editorial
Páginas: 48

Confira o trailer de O Outro Lado do Paraíso:

Imagem de Amostra do You Tube

A MITOLOGIA DE TOLKIEN – o universo da imaginação de um gênio

Na semana de estreia do capítulo final da saga O Hobbit, de Peter Jackson, as jornadas e guerras da Terra Média no cinema ganharão a sua segunda trilogia – pelo menos por enquanto. Daí, ressalta-se a riqueza da imaginação e da genialidade de J. R. R. Tolkien. Por isso, vamos conhecer um pouco mais de suas obras como um todo, quais as influências que incentivaram o seu processo de criação, como se deu a construção de mundos como a Terra Média e seus personagens, por que O Senhor dos Anéis ainda é um dos livros mais vendidos do mundo e por que é, hoje, um dos mais influentes e cultuados autores do mundo

J. R. R. Tolkien e seu famoso cachimbo que virou ícone do mago Gandalf em suas obras

J. R. R. Tolkien e seu famoso cachimbo que virou ícone do mago Gandalf em suas obras

Caso ainda exista alguém que nunca tenha ouvido falar de John Ronald Reuel Tolkien, eis um breve resumo de sua vida e obras como um dos maiores linguistas e romancistas da Inglaterra. Nascido em 1892 na África do Sul, Tolkien viajou com sua mãe e irmão mais novo para a Inglaterra em uma visita à sua família (seus pais eram britânicos), porém , inesperadamente, seu pai, que os acompanharia, não chegou a fazê-lo pois faleceu de febre reumática ainda na África do Sul. Sem uma condição financeira estável, Tolkien viajou por vários lugares da Inglaterra com seu irmão e sua mãe ficando em casas de conhecidos e parentes. Tolkien era ensinado por sua mãe em casa, onde demonstrou interesse por literatura – fantástica acima de qualquer outra –  e botânica.

Mabel Tolkien, sua mãe, se converteu ao Catolicismo em 1900, o que gerou uma revolta em sua família protestante que passou a deixar de ajudá-los, acima de tudo financeiramente. Eles então passaram a viver com a ajuda de igrejas e seus padres. Quando Tolkien tinha 12 anos de idade, Mabel faleceu de diabetes – ainda não se tinha descoberto o tratamento de insulina –, deixando os seus dois filhos aos cuidados do Padre Francis Xavier Morgan, da comunidade Birmingham Oratory, com o qual passou a desenvolver seus conhecimentos de literatura e teve seu primeiro contato, oficialmente, com o estudo das Letras.

Em 1911 Tolkien ingressou na Universidade de Oxford e passou a estudar Língua Inglesa e Literatura, graduando-se em 1915. Desde então, aprimorou os seus estudos em linguística e foi professor, na mesma Universidade, de anglo-saxão, inglês e literatura inglesa, além de receber o título de doutor em Letras e Filosofia pelas Universidades de Dublin (Irlanda) e Liège (Bélgica)

Tolkien participou da Primeira Guerra Mundial, onde começou a escrever os rascunhos e primeiras histórias fantásticas de Eä, mais especificamente da Terra-Média, ambiente no qual refletia com louvor os elementos de sua vida pessoal, da grande guerra que estava em vigor e de sua rica e fértil imaginação.

MITOLOGIA

Tolkien pensou seu universo como uma tentativa de criar uma mitologia própria para o Oeste europeu, mais especificamente a Inglaterra. Com o fim do império romano no território que hoje consiste a Inglaterra, o país recebeu vários grupos de diferentes regiões: os anglos, os saxões e os jutos, primeiramente; depois os vikings dinamarqueses e noruegueses; e, por fim, os normandos, que vieram da atual França. Com todas essas invasões, muitas das histórias orais de períodos anteriores se perderam e Tolkien reimaginou bastante coisa para fechar essa lacuna.

Tolkien não só escrevia como também ilustrava suas criações. O desenho é extraído do livro DRAWINGS BY TOLKIEN (1977) e mostra os pensamentos do autor para a Sociedade do Anel

Tolkien não só escrevia como também ilustrava suas criações. O desenho é extraído do livro DRAWINGS BY TOLKIEN (1977) e mostra os pensamentos do autor para a Sociedade do Anel

E quando falo bastante digo, raças, subraças e suas famílias (hobbits, anões e um diferente tipo de elfo do que se conhecia até então, orcs, etc.), as línguas dessas raças e suas mudanças através da história e dos lugares, batalhas e mais batalhas, nomes e mais nomes…

O SILMARILLION e EÄ

O Silmarillion é uma compilação de escritos de Tolkien que. como conjunto, não chegou  a ser finalizado por ele, mas, sim, pelo seu filho, Christopher Tolkien, o qual editou, revisou, montou e publicou em formato de romance pela primeira vez, em 1977. Embora não seja a mais conhecida de suas obras, Tolkien a considerava a mais importante pois era a que introduzia todos os personagens, raças e acontecidos de Arda.

Em O Silmarillion, Tolkien explica com uma riqueza ímpar de detalhes toda a mitologia por ele pensada para a Terra-Média. Ao contrário do que muitos pensam, a Terra Média, cenário das história de O Hobbit e O Senhor dos Anéis, é apenas um continente de Arda – nome da Terra pelas histórias de Tolkien. E Arda é uma pequena parte de Eä, o Universo. A Terra Média, feitas as suas devidas adaptações, representaria a Eurásia – se fôssemos trazer para o mundo real as criações do autor. No mesmo livro, ele fala da criação do Universo, dos seres que existiam antes de sua criação, e dos seres que habitam a atual Arda, tudo com muita precisão.

Esboço do próprio Tolkien de como se dividia a Arda. Data desconhecida.

Esboço do próprio Tolkien de como se dividia a Arda. Data desconhecida.

LÍNGUAS

Não há dúvidas de que Tolkin foi um exímio linguista. Desde jovem brincava de criar línguas com seus primos. O primeiro contato que teve uma língua inventada foi a Animalic, inventada por seus primos Mary Incledon e Marjorie Incledon. Depois Tolkien os ajudou a inventar uma nova língua, chamada Nevbosh. A língia seguinte, Naffarin, foi a primeira criação, pessoal e completa, de Tolkien. Estima-se que ele tenha criado cerca de 16 línguas e sublínguas para Arda. Línguas essas que incluem alfabetos, guia fonético e fonológico e vocabulários próprios, trabalho que o diretor Peter Jackson usou em seus filmes com muito cuidado e depois de muita pesquisa. Hoje, seminários e universidade pelo mundo à fora estudam, analisam e discutem as criações linguísticas de Tolkien, além de existirem cursos especializados no letramento tolkieniano. Entre as mais conhecidas estão aquelas que compõem as línguas élficas, como a Quenya, considerada a língua-mãe do élfico.

As consoantes (Tengwar) da língua Quenya, considerado o "latim" do élfico

As consoantes (Tengwar) da língua Quenya, considerado o “latim” do élfico

CRISTIANISMO

Por ter sido criado por uma mãe devotamente católica e depois por um padre – que o educou a assistir Missas diariamente, hábito que manteve durante boa parte de sua vida – é fácil encontrar elementos do cristianismo em suas obras. Tolkien era grande amigo de outro grande autor de literatura fantástica, C.S. Lewis. Lewis assumidamente falava que em seu principal trabalho, As Crônicas de Nárnia, existiam muitas mensagens cristãs, e que pretendia difundi-las com os seus romances. Porém diferentemente de Lewis, as referências religiosas de Tolkien não eram tão explícitas como por exemplo o Leão de Nárnia que se sacrifica pelo bem dos homens e diz que no mundo deles ele é chamado por outro nome. Tolkien chegou a afirmar que na construção de O Senhor dos Anéis ele viu a presença de muitos elementos cristãos e católicos, mas que só foram pensando e identificados posteriormente: “O Senhor dos Anéis é, de fato, uma obra fundamentalmente religiosa e católica, de início inconscientemente, mas muito conscientemente em sua revisão. Esta é a razão pela qual tirei [as que tinham] e não coloquei praticamente qualquer referências que lembrassem religião, cultos e práticas nesse mundo imaginário – para que o elemento religioso fosse absorvido na história e no simbolismo”, afirmou Tolkien. Toda a ideia de peregrinação, a dualidade ‘bem x mal’, um líder que aparentemente morre e depois volta para ajudar a combater o mal e as tentações oferecidas pelo anel são algumas das mais conhecidas e facilmente identificadas.

O SENHOR DOS ANÉIS

Sem dúvidas a obras mais popular de Tolkien, O Senhor dos Anéis. Foi escrito durante a Segunda Guerra Mundial e, embora Tolkien quisesse tê-lo publicado em um único volume, a editora resolveu fazer uma trilogia – A Sociedade do Anel, As Duas Torres e O Retorno do Rei. A história é uma continuação de O Hobbit, porém não requer que os leitores tenham, necessariamente, a lido. E também é uma narrativa bem diferente de O Hobbit, especialmente porque fora pensando como espécie de fábula infantil, O Senhor dos Anéis tem uma história mais ampla, abrangente,  com mais detalhes, dezenas de personagens e com bem mais guerras.

O enredo é bastante conhecido: o jovem Frodo Bolseiro (sobrinho de Bilbo, então portador do Um Anel), recebe o Um Anel de seu tio e inicia a missão, que também se torna de Gandalf, o Cinzento, de destruí-lo no único lugar onde isso era possível – o mesmo lugar onde fora forjado – nas Montanhas da Perdição. Com ajuda de três amigos hobbits e mais uma comitiva formada pelo elfo Legolas, o anão Gimli e os humanos Aragorn e Boromir, a jornada se inicia, repleta de perigos e mistérios.

Entre 1999 e 2002, o diretor e roteirista australiano Peter Jackson filmou as histórias de uma só vez e a dividiu em três filmes com os respectivos títulos dos livros. As produções massivas e grandiosas conseguiram, ao todo 30 indicações à Oscar (ao longo de diferentes anos) e venceram 17, tendo só O Retorno do Rei vencido 11 no ano de 2004, além de toda a saga ter conseguiu arrecadar 3 bilhões de dólares só em bilheteria. Poucos sabem, mas o diretor Stanley Kubrick chegou a se envolver em um projeto de adaptar O Senhor dos Anéis para o cinema, onde os quatro integrantes dos Beatles seriam os quatro hobbits protagonistas, porém depois de muita análise o minucioso Kubrick desistiu do projeto alegando que a obra era infilmável, devido a sua grandiosidade, em todos os sentidos.

Assim como as obras literárias, os filmes de O SENHOR DOS ANÉIS foram um divisores de  águas no fazer cinema de fantasia

Elijah Wood vive Frodo em O SENHOR DOS ANÉIS: A SOCIEDADE DO ANEL (2001)

A complexidade da obra apresentada ao mesmo tempo de uma consistência sem igual, fazem de O Senhor dos Anéis uma obra que ganha sempre um novo olhar a cada leitura. Hoje, só no Brasil, o livro conta com quatro traduções oficiais, e, no mundo, já foi traduzido em mais de 40 idiomas e já vendeu mais de 150 milhões de cópias, se tornado o terceiro livro mais vendido de todos os tempos (atrás de Um Conto de Duas Cidades, de Charles Dickens, e da Bíblia).

INFLUÊNCIAS E INFLUENCIADOS

Como Tolkien sempre gostou do literatura, especificamente as mitológicas e fantásticas, ele teve uma boa carga da escrita germânica, rica em poemas e canções, e também nos textos literários anglo-saxões. Além, também, de usar bastantes elementos da mitologia nórdica, grega e céltica. O poema Beowulf é uma das obras mais conhecidas entre as que influenciaram o trabalho de Tolkien. Já o próprio Tolkien influenciou inúmeros escritores, roteiristas e até músicos com as suas obras. Entre os exemplos mais conhecidos estão George Lucas que afirmou que O Senhor dos Anéis serviu de influência primária para seu Star Wars, o famoso RPG Dungeons & Dragons e o saga de livros do Ciclo da Herança, do personagem Eragon e seu dragão, do escritor Christopher Paolini.

Conheça o longa-metragem À Caçada por Gollum, feito por fãs de O Senhor dos Anéis e Tolkien, que o disponibilizaram no youtube.

Imagem de Amostra do You Tube

 

 

 

 

 

DRÁCULA – UM VAMPIRO ATRAVÉS DOS TEMPOS

Escrito em 1897 pelo autor irlandês Bram Stoker, o romance que tem como protagonista o vampiro Drácula, está em cartaz nos cinemas com uma nova versão, aliás, uma nova história. Roteiristas de Hollywood contam em Drácula, a História Nunca Contada, a origem de Vlad Tepes como vampiro. Drácula continua imortal, perene através dos tempos em várias formas de arte

Luke Evans, em DRÁCULA – A HISTÓRIA NUNCA CONTADA (2014) de Gary Shore

Não há dúvidas que o vampiro Conde Drácula é o personagem mais famoso da literatura vampiresca. No entanto, o personagem há tempos surge em outras mídias, especialmente nos filmes de ficção. O livro original, estruturalmente, é um romance epistolar, ou seja, contado como uma série de cartas, tal qual alguns livros do novo testamento, anotações de diário, registros de bordo, etc. Apesar de Stoker (1847-1912) não ter inventado a figura do vampiro, a influência do romance na popularidade dos sugadores de sangue foi singularmente responsável por muitas peças de teatro, filmes no cinema e aparições televisivas com diversas interpretações ao longo dos séculos XX e XXI.

DRACULAQuando foi publicado pela primeira vez, em 1897, Drácula não foi um best seller imediato, embora as criticas fossem incansáveis em seu louvor. O contemporâneo Daily Mail classificou Stoker superior a Mary Shelley e Edgar Allan Poe. O romance, publicado no Brasil com o título de Drácula, em 1943, com tradução do escritor mineiro Lúcio Cardoso (1912-68), foi relançado no ano passado pela editora Civilização Brasileira, com a mesma tradução original, considerada a melhor de todas. O romance tornou-se mais significativo para os leitores modernos do que foi para os leitores contemporâneos vitorianos, que só atingiu o seu grande status lendário clássico no século 20, quando as versões cinematográficas apareceram.

No cinema, o Drácula surgiu no filme austríaco-hungaro-francês intitulado Drakula Halála (1921), dirigido por Karoly Lajthay, com Paul Askonas e Margit Lux. Há, porém, uma polêmica, pois pesquisa recente indica que a obra não é uma adaptação do romance de Stoker, mas sim uma adaptação livre da dupla Michael Curtiz e Karoly Lajthay. E essa dúvida persiste porque o filme foi dado como perdido.

Daí, que a origem de Drácula no cinema é concedida ao alemão Nosferatu, o Vampiro (Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens, 1922), de Friedrich Wilhelm Murnau. O roteiro foi adaptado do livro embora o nome do personagem e o lugar tenha sido alterado, o filme ainda foi processado por violação de direitos autorais, foi ordenado que todas as copias fossem destruídas, porem, algumas delas permaneceram até a morte da viúva de Bram Stoker e hoje estão disponiveis. No entanto, o filme mais célebre foi Drácula (1931) de Tod Browning, com uma bela atuação de Bela Lugosi no papel do vampiro. O posterior foi O Filho do Drácula (1943) de Robert Siodmak com Lon Chaney Jr. no papel do filho do Drácula.

No final da década de 50, foi lançado Vampiro da Noite (1958) dirigido por Terence Fisher, e estrelado por Peter Cuching e Christopher Lee, que recebeu nos EUA o título de Horror of Dracula, para não gerar infração dos direitos autorais com o filme de 1931. Fisher mesclou o fantástico, o romance e a sensualidade, logrando êxito. O longa seguinte foi A NoiiThe Brides of Dracula” (1960) também de Terence Fisher e uma espécie de seqüência do filme anterior.

Christopher Lee em DRÁCULA, O PRÍNCIPE DAS TREVAS (1966), de Tewrence Fisher

Christopher Lee em DRÁCULA, O PRÍNCIPE DAS TREVAS (1966), de Tewrence Fisher

Drácula, o Príncipe das Trevas (1966) é a segunda aparição de Christopher Lee como o Conde Drácula, papel que marcou sua carreira. Dentes de marmotinha, o Drácula vai ao dentista (1973), não teve relevância. Drácula (1979) de John Badham teve canção original de John Williams, e contou novamente com Bela Lugosi e se baseou na peça teatral de Hamilton Deane e John L. Balderston, com destaques para atuação de Frank Langella (que foi indicado para o Tony Award) e também para o cenário de Edward Gorey. A nova montagem da peça foi representada na Broadway em 900 ocasiões, no período de outubro de 1977 a janeiro de 1980.

Na década de 90, uma obra-prima foi lançada Drácula de Bram Stoker (1992), de Francis Ford Coppola, que venceu inclusive o Oscar nas categorias de melhor figurino, melhores efeitos sonoros e melhor maquiagem, tendo sido também indicado na categoria de melhor direção de arte. Drácula 2000 (2000) de Patrick Lussier coloca a história do lendário vampiro na contemporaneidade. Van Helsing: o Caçador de Vampiros (2004), de Stephen Sommers, junta o Drácula com outros monstros, como Frankenstein de Mary Shelley, e tenta aproveitar o bom de heróis de quadrinhos da época. Foi um fracasso.

Em Blade: Trinity (2004) de David S. Goyer, Drácula surge como o vilão a ser derrotado pelo vampiro de Wesley Snipes, no capítulo final da trilogia Blade, mesmo ano em que lançaram na televisão Drácula 3000: Escuridão Infinita (2004) de Darrell Roodt. Nesta década, o Drácula já foi visto na simpática animação Hotel Transylvania (2012) de Grenndy Tartakovsky e na desconhecida animação Dracula e Castelo Branco no Egipto (2013)

Nos games, Drácula foi visto primeiro em Castlevania (lançado em 1986), sendo o principal vilão da serie. Ele também é o chefe final do jogo Master Of Darkness (1993 – Sega Master System) e do Nosferatus (1995 – SNES). No game Drácula:Origin (2008) ele é o anti-herói.

Drácula fez aparições também nos quadrinhos da Universo Marvel sendo antagonista de vários heróis como os X-Men, Homem-Aranha. O personagem Blade nasceu na HQ Tomb of Drácula, tendo Drácula como seu arqui-inimigo. No Brasil, Drácula fez aparições em diversos números das HQs da Bloch Editores. Guido Crepax fez em 1987 uma versão do livro em quadrinhos, a tradução chegou ao Brasil em 1989.

tofdAté séries de TV já se aproveitaram do personagem. Em Drácula: the Series, um seriado norte americano que contava a historia de um descendente de Van Helsing em busca do Drácula. Já em Buffy – a Caça Vampiros Drácula aparece no primeiro episódio da 5ª temporada e em alguns da 8ª. A personagem Draculaura de Monster High é filha do Conde. A série Drácula criada em 2013 também conta a historia do Conde.

Drácula já foi visto até em mangás e animes. Don Drácula, um anime/manga criado por Osamu Tezuka, é uma parodia do Drácula original. Drácula: Sovereign of the Damned, é um anime baseado na HQ da Marvel Tomb of Drácula. Drácula é uma serie de quadrinhos brasileiros no estilo manga. Hellsing, anime no qual Alucard (anagrama para Drácula) é o protagonista. Os que acompanham novelas brasileiras devem lembrar-se de Drácula: uma Historia de Amor, exibido na TV Tupi em 1980, e O Beijo do Vampiro, exibido na rede globo entre 2002 e 2003.

Neste ano, chegou aos cinemas Drácula: A História Nunca Contada (2014) de Gary Shore, com Luke Evans, Sarah Gadon e Dominic Cooper. O roteiro, escrito por Matt Sazama e Burk Sharpless, dá origem à história do Drácula de Bram Stoker, utilizando o mesmo personagem, Vlad Tepes, o empalador.Ele é um nobre amoroso e guerreiro que se sacrifica para salvar o seu reino. Melhor não conceder detalhes da história e aproveitar enquanto o filme está nas salas de exibição.

Segue trailer:

Adaptações cinematográficas de Nicholas Sparks

O estadunidense Nicholas Sparks é, hoje, um dos autores mais lidos dos últimos anos. Um fenômeno mundial, com mais de 50 milhões de livros vendidos. Nove de  seus romances já ganharam versões cinematográficas.  É verdade que poucos filmes obtiveram absoluto sucesso junto ao público, mais os seus livros continuam disputados com estúdios e editoras, tanto que dois eles estão em fase de adaptação pelos produtoras de Hollywood. Em cartaz no Brasil, um de seus mais recentes romances, O Melhor de Mim, está nas livrarias e nos cinemas

Liana Liberato e Luke Bracey numa cena româtica de O MELHOR DE MIM (2014) de Michael Hoffman

Os livros do Nicholas Sparks são conhecidos por contarem histórias românticas e, normalmente, com o final emocionante, capaz de fazer os leitores chorarem. Nascido no último dia do ano de 1965, Sparks usou alguns episódios de sua vida pessoal em seus escritos. Ele criou 19 livros, sendo que 9 deles ganharam versões cinematográficas. Relembre nesta postagem as adaptações de Sparks.

A sua primeira adaptação aos cinemas foi a do seu segundo livro: Uma Carta de Amor (Message in a Bottle, 1999), de Luis Mandoki, e teve como protagonistas Kevin Costner, Robin Wright Penn e Paul Newman. Narra a saga romântica de uma jornalista divorciada que encontra à deriva uma garrafa com uma carta de amor assinada por um indivíduo chamado G e destinada à uma mulher. Intrigada, ela começa a investigar e passa a desejar conhecer o autor da carta, por quem ela se apaixona. Apesar do final triste, o filme consegue emocionar. Li o livro em minha adolescência e vi o filme no cinema com uma garota que ficou extremamente apaixonada por mim. Fez sucesso nos cinemas, faturando US$ 118,8 milhões nas bilheterias mundiais.

A segunda adaptação foi de seu terceiro livro: Um Amor Para Recordar (A Walk to Remember, 2002), de Adam Shankman, se tornou um dos filmes preferidos de uma geração. Ficou pouco tempo em cartaz nos cinemas brasileiros, mas estourou nas locadoras. Aborda um amor improvável entre um casal de jovens, a nerd cristã do colégio e o cara mais popular da turma. A garota tem uma doença grave e não deve viver por muito tempo. A morte precoce de sua irmã caçula, aos 33 anos, o inspirou a criar a protagonista. Foi o 8º livro de ficção mais vendido no Brasil em 2011 (59 mil exemplares).

Diário de uma Paixão (The Notebook, 2004) é um drama romântico dirigido por Nick Cassavetes, que se tornou um estrondoso sucesso, tanto na literatura, quando nas telonas. Permaneceu 56 semanas entre os mais vendidos nos EUA e foi o primeiro de vários bestsellers que viriam em seguida. O filme, estrelado por Ryan Gosling e Rachel McAdams, trata de um jovem casal que se apaixona durante a década de 1940. A história é narrada a partir dos dias atuais por um homem idoso (interpretado por James Garner) que narra um conto de amor a uma colega residente do lar de idosos. Simplesmente espetacular, tanto o livro quanto o filme. Lançado em 1996, foi o primeiro romance escrito apenas por Sparks – é um dos grandes sucessos de sua carreira. Foi o 8º livro de ficção mais vendido no Brasil em 2011 (75 mil exemplares) e, em 2012, vendeu cerca de 18 mil cópias. Nos cinemas, teve US$ 115,6 milhões arrecadados nas bilheterias mundo afora.

Richard Gere e Diane Lane em NOITES DE TORMENTA (2008), de George C. Wolfe

Richard Gere e Diane Lane em NOITES DE TORMENTA (2008), de George C. Wolfe

Noites de Tormenta (Nights in Rodanthe, 2008), de George C. Wolfe, tem um elenco estrelado por Richard Gere e Diane Lane – esta interpreta uma mulher chamada Adrienne Willis que, fugindo do caos que está sua vida, busca refúgio em Rodanthe, uma pequena cidade litorânea na Carolina do Norte. Lá ela fica na pousada de uma amiga, e conhece o Dr. Paul Flanner (Gere), que está enfrentando uma crise de consciência. Em meio a uma violenta tempestade eles acabam se aproximando, e se conhecendo melhor, buscam consolo um no outro. Excelente para ser visto à dois. Foi um sucesso moderado nas bilheterias, tendo arrecadado US$ 84,3 milhões ao redor do planeta.

Querido John (Dear John, 2010), de Lasse Hallstrom, é estrelado por Amanda Seyfried e Channing Tatum. É a história de amor entre a garota Savannah e o soldado John. Durante um ano, ele está fora do país trabalhando e, por isso, o casal só se comunica através de cartas e esperando o dia em que finalmente poderão ficar juntos. Tem um final surpreendente e emocionante. O relacionamento de Sparks com a sua esposa Cathy Cote serviu de base para este filme, haja visto que eles trocaram 108 cartas durante o namoro por morarem em cidades diferentes. Teve relativo sucesso. Foi o 2º livro de ficção mais vendido no Brasil em 2010 (59 mil exemplares) e também em 2011 (92 mil cópias).

A Última Música (The Last Song, 2010), dirigido por Julie Anne Robinson, serviu de escada para a cantora Miley Cyrus dar uma de atriz. O enredo aborda o amor de um casal e de uma garota pelo seu pai. Ronnie (Cyrus) é uma garota rebelde recém saída da adolescência que, nas férias, vai passar um mês na casa do seu pai – que mora em outra cidade – pela primeira vez. Lá ela conhece Will (Liam Hemsworth), um garoto muito legal por quem ela acaba se apaixonando. Sua relação com o pai não é muito boa, mas isso muda quando ela descobre que ele pode estar com os dias contados. É mais um daqueles filmes tristes. Teve um sucesso moderado nos cinemas, arrecadando US$ 89 milhões mundo afora. Já o romance foi o terceiro livro de ficção mais vendido no Brasil em 2010 (38 mil exemplares) e, em 2011, ficou na sétima colocação, com 65 mil cópias.

Um Homem de Sorte (The Lucky One, 2012) de Scott Hicks, tem como protagonista Zac Efron, que vive o soldado Logan. Um dia, ele encontra uma foto de uma mulher muito bonita, a qual ele não sabe quem é. A partir daí, ele resolve guardar a fotografia e procurar pela garota. Ele acaba encontrando-a, ficam juntos, mas ele não tem coragem de revelar como chegou até ela. A história é bonita e tem muitas cenas românticas. Foi o 17º livro de ficção mais vendido no Brasil em 2011 (26 mil exemplares) e o 13º mais vendido em 2012, com 41 mil cópias.

Josh Duhamel e Julianne Hough em UM PORTO SEGURO (2013), de Lasse Hallström

Josh Duhamel e Julianne Hough em UM PORTO SEGURO (2013), de Lasse Hallström

Um Porto Seguro (Safe Haven, 2013), de Lasse Hallstrom, conta a história misteriosa de Katie (Julianne Hough), que se ao chegar numa nova cidade chama a atenção de todos os vizinhos, os quais ficam intrigados e interessados em descobrir mais sobre ela. Apesar de não querer conhecer muita gente, ela acaba se aproximando de Alex (Josh Duhamel), que é viúvo e tem dois filhos. Os dois se apaixonam, mas Katie tem um segredo que atrapalha as coisas entre eles. Foi o 15º título de ficção mais vendido no Brasil em 2012, com cerca de 35 mil exemplares.

O Melhor de Mim (The Best of Me, 2014), de Michael Hoffman, com Michelle Monaghan e James Marsden (substituindo Paul Walker, que às vésperas das filmagens faleceu em pavoroso acidente automobilístico). Está em cartaz nos cinemas com a intenção de emocionar novamente o público contanto a história dos adolescentes, Amanda (Liana Liberato) e Dawson (Luke Bracey) que se apaixonam, mas enfrentam a relutância do pai dela, que não aprova o relacionamento. Os jovens acabam se afastando e tomam rumos diferentes. Duas décadas mais tarde um funeral faz com que ambos voltem à cidade natal e obviamente se reencontrando. É quando eles verão se os sentimentos persistem e avaliam as decisões que tomaram em suas vidas.

NOVAS ADAPTAÇÕES

Dois novos romances do escritor de Omaha, Nebreska, estão atualmente em adaptação por Hollywood. The Longest Ride, lançado no Brasil pela Editora Arqueiro com o título de Uma Longa Jornada; e The Choise, publicado em 2007 e aqui lançado pela Editora Novo Conceito com o título de A Escolha e o seu estranho subtítulo Até Onde Devemos |Ir em Nome do Amor?

O primeiro entrelaça duas histórias: a de um homem que sofre um acidente e repensa a sua vida ao ver o espírito de sua falecida esposa; e de uma mulher que passa a viver um romance com um fazendeiro endividado. Filmado em junho e julho deste ano com a direção de George Tillman Jr., está em processo de montagem. No elenco destacam-se Scott Eastwood, 28, filho de Clint Eastwood, Britt Robertson, Jack Huston, Alan Alda, Oona Chaplin e Lolita Davidovich.

Para saber mais sobre o romance Uma Longa Jornada, acesse aqui

Lançado nas livrarias estadunidenses em 2008, The Choise , foi aqui editado em 2012 e intitulado A Escolha – até onde devemos ir em nome do amor?. O seu enredo  envolve dois vizinhos de uma pequena cidade costeira, Travis e Gabby, que vêm de relacionamentos fracassados e iniciam um romance que passa por uma série de acontecimentos inesperados.

Com as filmagens em andamento desde outubro passado em Jacksonville, na Carolina do Norte, tem no elenco Alexandra Dadario, Tom Welling, Teresa Palmer e Maggie Grace.

Para saber mais sobre A Escolha, acesse aqui.

Datas de Lançamento

Uma Longa Jornada
EUA – 12 de abril de 20015

A Escolha
Ainda sem definição

Veja o trailer de Noites de Tormenta.

Imagem de Amostra do You Tube