SEMANA 30 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

O cenário das estreias, nesta última semana de julho e início de agosto, já começa a apontar para uma melhor variedade de opções. Temos o drama de guerra Dunkirk (2017), de Christopher Nolan; o thriller de ação Em Ritmo de Fuga (2017), de Edgar Wright; as comédias Perdidos em Paris (2016), de Dominique Abel e Fiona Gordon, e Tal Mãe, Tal Filha (2017), de Noémie Saglio; o drama O Reencontro (2017), de Martin Provost; a comédia Como Se Tornar um Conquistador (2017), de Ken Marino; e o horror 7 Desejos (2017), de John R. Leonetti. Destaque também para a Mostra de Cinema Chileno, que antecipa o Cine Ceará 2017, e que começa no dia 1º de agosto. A programação pode ser vista AQUI

Cena de DUNKIRK (2017), de Christopher Nolan

Cena de DUNKIRK (2017), de Christopher Nolan

Depois de muita expectativa, finalmente entra em cartaz o filme de guerra de Christopher Nolan com cerca de 70% de sua metragem rodada com câmeras IMAX. Por isso a importância de experienciá-lo em IMAX. A ideia é de colocar o espectador dentro da situação perturbadora da guerra. A trama de Dunkirk fala da chamada Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, quando soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França foram rodeados pelo exército alemão e deveriam ser evacuados durante uma feroz batalha, no início da Segunda Guerra Mundial. Apesar de ambicioso, é um dos filmes de Nolan com menor metragem. Em cartaz em grande circuito, inclusive na sala IMAX.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

DUNKIRK (Reino Unido/Holanda/França/EUA, 2017), de Christopher Nolan. Com Fionn Whitehead, Tom Hardy, Aneurin Bernard, Lee Armstrong, Mark Rylance. 106 min. Warner. 14 anos.

Cena de EM RITMO DE FUGA (2017), de Edgar Wright

Cena de EM RITMO DE FUGA (2017), de Edgar Wright

Um dos melhores títulos do ano entra em cartaz nesta semana: o delicioso Em Ritmo de Fuga, de Edgar Wright (Scott Pilgrim contra o Mundo, 2010), que pode representar uma virada na carreira do diretor. Na trama, o jovem Baby (Ansel Elgort) precisa ouvir músicas o tempo todo para silenciar o zumbido que perturba seus ouvidos devido a um acidente em sua infância. O rapaz revela-se um motorista excelente e trabalha para uma gangue de criminosos. Trata-se de uma obra que brinca com os gêneros ação, filme de assalto e musical, com uma pitada de comédia, como já se espera nos trabalhos de Wright. É um filme que traz inúmeras sequências empolgantes e rejuvenescedoras. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

EM RITMO DE FUGA (Baby Driver, Reino Unido/EUA, 2017), de Edgar Wright. Com Ansel Elgort, Jon Bernthal, Jon Hamm, Eliza González, Lily James. 112 min. Sony. 14 anos.

Cena de PERDIDOS EM PARIS (2016), de Dominique Abel e Fiona Gordon

Cena de PERDIDOS EM PARIS (2016), de Dominique Abel e Fiona Gordon

Eis a chance de um público maior conhecer o divertidíssimo trabalho da dupla Fiona Gordon e Dominique Abel. Em Perdidos em Paris, os dois interpretam os papéis principais e estão brilhantes. Ela é uma bibliotecária canadense que recebe uma carta misteriosa de Martha (Emmanuelle Riva), uma tia distante. Na carta, ela pede que a sobrinha viaje imediatamente a Paris, para evitar que seja internada em um asilo. Sem ter a menor ideia do que está acontecendo e nem mesmo onde a sua tia se encontra, Fiona viaja até a cidade e começa a buscar sua parente distante. O filme, além de muito engraçado, tem um visual encantador, com um belíssimo trabalho de direção de arte. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PERDIDOS EM PARIS (Paris Pieds Nus, França/Bélgica, 2016), de Dominique Abel e Fiona Gordon. Com Dominique Abel, Fiona Gordon, Emmanuelle Riva, Pierre Richard, Céline Laurentie. 83 min. Pandora. 12 anos.

Cena de TAL MÃE, TAL FILHA (2017), de Noémie Saglio

Cena de TAL MÃE, TAL FILHA (2017), de Noémie Saglio

Outro filme da safra Varilux 2017, Tal Mãe, Tal Filha nos apresenta a Avril (Camille Cottin), uma mulher de 30 anos, bem-sucedida com sua vida e carreira, que é completamente o oposto de sua mãe, Mado (Juliette Binoche), que é super dependente e mora com a filha desde que se divorciou. (Aliás, interessante essa inversão de situações, não é?) A relação das duas, que nunca foi das melhores, fica ainda mais complicada quando, por um azar do destino, mãe e filha ficam grávidas ao mesmo tempo.  É, provavelmente, uma comédia que deve muito de sua força à presença de Juliette Binoche, tanto que foi o filme escolhido para ser a imagem do evento. O filme dividiu críticas. Em cartaz no Cinema de Arte (Cinépolis RioMar).

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

TAL MÃE, TAL FILHA (Telle Mère, Telle Fille, França, 2017), de Noémie Saglio. Com Juliette Binoche, Camille Cottin, Lambert Wilson, Catherine Jacob, Jean-Luc Bideau. 94 min. California. 14 anos.

Cena de O REENCONTRO (2017), de Martin Provost

Cena de O REENCONTRO (2017), de Martin Provost

Completando a trinca de filmes franceses que passaram no Festival Varilux a entrar em cartaz na cidade nesta semana temos O Reencontro. Na trama, Claire (Catherine Frot) exerce sua profissão de parteira com muita paixão. Mas, já preocupada com a sua maternidade, ela vê sua vida virada de cabeça para baixo pelo retorno de Beatrice (Catherine Deneuve), a extravagante ex-mulher de seu falecido pai. O novo filme de Martin Provost (Violette, 2013) tem sido elogiado principalmente pelo carisma de suas duas atrizes, mas sabemos também da habilidade dos franceses em construir trabalhos que sabem lidar tanto com a comédia quanto com o drama, resultando em boas obras agridoces. Em cartaz no Pátio Dom Luís.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

O REENCONTRO (Sage Femme, França, 2017), de Martin Provost. Com Catherine Deneuve, Catherine Frot, Olivier Gourmet, Quentin Dolmaire, Mylène Demongeot. 117 min. Mares. Classificação a definir.

Cena de COMO SE TORNAR UM CONQUISTADOR (2017), de Ken Marino

Cena de COMO SE TORNAR UM CONQUISTADOR (2017), de Ken Marino

Primeiro filme para cinema de Ken Marino, ator e diretor especializado em produções televisivas, Como Se Tornar um Conquistador parece uma comédia grosseira e que não acrescenta muito ao espectador, mas vai que é melhor do que o esperado, não é? Em tempos de vacas magras em quantidade de filmes para o cinema, uma comédia razoável até que é bem-vinda. Na trama, um homem mulherengo (o mexicano Eugenio Derbez) é despejado pela namorada rica e se vê forçado a voltar a morar com a distante irmã (Salma Hayek) e seu jovem filho, que aparentemente é problemático. Pode render boas risadas a partir das situações do tio com o sobrinho. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

COMO SE TORNAR UM CONQUISTADOR (How to Be a Latin Lover, EUA, 2017), de Ken Marino. Com Eugenio Derbez, Salma Hayek, Rob Lowe, Kristen Bell, Michael Cera. 115 min. Paris. 12 anos.

Cena de 7 DESEJOS (2017), de John R. Leonetti

Cena de 7 DESEJOS (2017), de John R. Leonetti

Do mesmo diretor de Annabelle, 7 Desejos mostra uma adolescente chamada Claire (Joey King) que descobre uma caixa mágica, que lhe concede sete desejos. Ela acaba fazendo apenas desejos pessoais e coisas ruins começam a acontecer. Com isso, ela descobre que dentro da caixa vive uma entidade maligna, que pode estar causando esses acontecimentos terríveis. A jovem atriz protagonista já está em seu quarto filme de horror. Esteve em Invocação do Mal, de James Wan, inclusive. 7 Desejos não traz novidades ao gênero, nem consegue lidar bem com a atmosfera e nem mesmo com os sustos. A trama lembra um pouco, mas só um pouco, o ótimo A Caixa, de Richard Kelly. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

7 DESEJOS (Wish Upon, EUA, 2017), de John R. Leonetti. Com Joey King, Ryan Phillippe, Ki Hong Lee, Mitchell Slaggert, Sherilyn Fenn. 90 min. Imagem. 14 anos.

Saem de cartaz

A Múmia
A Vida de uma Mulher
Frantz

As estreias desta quinta-feira, 27, que não entram em cartaz em Fortaleza

Esteros
Love Film Festival

Veja o trailer de Love Film Festival

SEMANA 29 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Ainda no ritmo lento de julho, mas já aquecendo um pouco, temos algumas opções boas, a começar pelos dramas De Canção em Canção (2017), de Terrence Malick, e Monsieur & Madame Adelman (2017), de Nicolas Bedos. As outras estreias são mais dirigidas ao público jovem: a comédia Detetives do Prédio Azul (D.P.A.) – O Filme (2017), de André Pellentz, e a aventura Transformers – O Último Cavaleiro (2017), de Michael Bay. Em pré-estreia: o thriller de ação Em Ritmo de Fuga (2017), de Edgar Wright; o horror 7 Desejos (2017), de John R. Leonetti; e a comédia Como Se Tornar um Conquistador (2017), de Ken Marino

Ryan Gosling e Rooney Mara em DE CANÇÃO A CANÇÃO (2017), de Terrence Malick

Ryan Gosling e Rooney Mara em DE CANÇÃO EM CANÇÃO (2017), de Terrence Malick

Na sinopse do novo filme de Terrence Malick temos: “Em Austin, Texas, dois casais – os compositores Faye (Rooney Mara) e BV (Ryan Gosling), e o magnata da música (Michael Fassbender) com uma garçonete que ele ilude (Natalie Portman) – perseguem o sucesso através de uma paisagem de rock ‘n’ roll, sedução e traição.” Porém, pela experiência com os filmes de Malick, sabemos que as histórias acabam ficando em segundo plano em seus filmes. O que mais importa é a atmosfera, a força das imagens, dos seus belos travellings, do transcendentalismo. De Canção em Canção tem um atrativo grande pelo elenco, mas também pela música, o que pode agradar a um público maior do que geralmente ocorre com os filmes do diretor. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

DE CANÇÃO EM CANÇÃO (Song to Song, EUA, 2017), de Terrence Malick. Com Ryan Gosling, Rooney Mara, Michael Fassbender, Natalie Portman, Cate Blanchett. 129 min. Supo Mungam. 12 anos.

Cena de MONSIEUR & MADAME ADELMAN (2017), de Nicolas Beldos

Cena de MONSIEUR & MADAME ADELMAN (2017), de Nicolas Beldos

Estreia na direção do ator Nicolas Bedos (que aparece como um dos protagonistas também), Monsieur & Madame Adelman trata da história de um casal que conseguiu ficar junto durante 45 anos, mesmo passando por altos e baixos no amor, por situações de traições, desentendimentos e segredos. Pouco visto até o momento e lançado em um circuito bem limitado, o filme tem recebido críticas mistas. As positivas destacam as cenas belas de declarações de amor, o tom ácido e romanesco, a possibilidade de levantar polêmicas sobre a questão dos afetos entre um casal que passa por situações não muito fáceis em um período em que as pessoas se afastam mais facilmente do outro. Em cartaz no Pátio Dom Luís.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

MONSIEUR & MADAME ADELMAN (França/Bélgica, 2017), de Nicolas Bedos. Com Doria Tillier, Nicolas Bedos, Denis Podaydès, Antoine Gouy, Christiane Millet. 120 min. Imovision. Classificação a definir.

Cena de DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) - O FILME (2017), de André Pellenz

Cena de DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) – O FILME (2017), de André Pellenz

A série de televisão Detetives do Prédio Azul (2012-2016) foi a primeira produção original do canal por assinatura Gloob, destinado ao público infantil. Com uma audiência bem positiva, chegou a hora de essa turma voar mais alto, com um longa-metragem para cinema, que pode introduzir o universo a um novo público. Na trama do filme, os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo (Pedro Henrique Motta), Sol (Letícia Braga) e Bento (Anderson Lima) se infiltram na festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman), a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa para resolver o caso. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) – O FILME (Brasil, 2017), de André Pellenz. Com Letícia Braga, Anderson Lima, Pedro Henriques Motta, Tamara Taxman, Ronaldo Reis. 90 min. Paris. Livre.

Cena de TRANSFORMERS - O ÚLTIMO CAVALEIRO (2017), de Michael Bay

Cena de TRANSFORMERS – O ÚLTIMO CAVALEIRO (2017), de Michael Bay

Com uma bilheteria gigantesca que teve na China e em vários outros países com Transformers – A Era da Extinção (2014), o novo Transformers – O Último Cavaleiro tem tudo para repetir o feito, mesmo sendo odiado por muitos. Afinal, não é todo mundo que aguenta quase três horas de robôs se degladiando com o volume no máximo e uma câmera que não para nunca, marca do nosso querido Michael Bay. No novo filme, o gigante Optimus Prime embarcou em uma das missões mais difíceis de sua vida: encontrar, no espaço sideral, os Quintessons, seres que possivelmente são os responsáveis pela criação da raça Transformers. O problema é que, enquanto isso, seus amigos estão precisando de muita ajuda na Terra, já que uma nova ameaça alienígena resolveu destruir toda a humanidade. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

TRANSFORMERS – O ÚLTIMO CAVALEIRO (Transformers – The Last Knight, EUA, 2017), de Michael Bay. Com Mark Wahlberg, Anthony Hopkins, Josh Duhamel, Laura Haddock, Santiago Cabrera. 149 min. Paramount. 12 anos.

Pré-estreias

Cena de EM RITMO DE FUGA (2017), de Edgar Wright

Cena de EM RITMO DE FUGA (2017), de Edgar Wright

A estreia oficial está marcada para o dia 27, mas já começaram as pré-estreias desde a semana passada, até para que funcione como um termômetro para o potencial de bilheteria de Em Ritmo de Fuga no Brasil. O novo trabalho de Edgar Wright (Scott Pilgrim contra o Mundo, 2010), pelo trailer, já é bastante animador. Na trama, temos o jovem Baby (Ansel Elgort), que tem uma mania curiosa: ele precisa ouvir músicas o tempo todo para silenciar o zumbido que perturba seus ouvidos desde um acidente na infância. Mesmo assim, o rapaz revela-se uma motorista excelente, e começa a trabalhar para uma gangue de criminosos. Quando um assalto a banco não sai como planejado, ele cai na estrada em fuga. Em pré-estreia em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

EM RITMO DE FUGA (Baby Driver, Reino Unido/EUA, 2017), de Edgar Wright. Com Ansel Elgort, Jon Bernthal, Jon Hamm, Eliza González, Lily James. 112 min. Sony. 14 anos.

Cena de 7 DESEJOS (2017), de John R. Leonetti

Cena de 7 DESEJOS (2017), de John R. Leonetti

Do mesmo diretor de Annabelle, 7 Desejos mostra uma adolescente chamada Claire (Joey King) que descobre uma caixa mágica, que lhe concede sete desejos. Ela acaba fazendo apenas desejos pessoais e coisas ruins começam a acontecer. Com isso, ela descobre que dentro da caixa vive uma entidade maligna, que pode estar causando esses acontecimentos terríveis. A jovem atriz protagonista já está em seu quarto filme de horror. Esteve em Invocação do Mal, de James Wan, inclusive. 7 Desejos não deve trazer novidades ao gênero, mas parece lidar bem com a atmosfera e os sustos. A trama lembra um pouco, mas só um pouco, o ótimo A Caixa, de Ricahrd Kelly. Em pré-estreia no UCI Iguatemi, UCI Parangaba e Via Sul.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

7 DESEJOS (Wish Upon, EUA, 2017), de John R. Leonetti. Com Joey King, Ryan Phillippe, Ki Hong Lee, Mitchell Slaggert, Sherilyn Fenn. 90 min. Imagem. 14 anos.

Cena de COMO SE TORNAR UM CONQUISTADOR (2017), de Ken Marino

Cena de COMO SE TORNAR UM CONQUISTADOR (2017), de Ken Marino

Primeiro filme para cinema de Ken Marino, ator e diretor especializado em produções televisivas, Como Se Tornar um Conquistador parece uma comédia grosseira e que não acrescenta muito ao espectador, mas vai que é melhor do que o esperado, não é? Em tempos de vacas magras em quantidade de filmes para o cinema, uma comédia razoável até que é bem-vinda. Na trama, um homem mulherengo (o mexicano Eugenio Derbez) é despejado pela namorada rica e se vê forçado a voltar a morar com a distante irmã (Salma Hayek) e seu jovem filho, que aparentemente é problemático. Pode render boas risadas a partir das situações do tio com o sobrinho. Em pré-estreia no UCI Iguatemi.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

COMO SE TORNAR UM CONQUISTADOR (How to Be a Latin Lover, EUA, 2017), de Ken Marino. Com Eugenio Derbez, Salma Hayek, Rob Lowe, Kristen Bell, Michael Cera. 115 min. Paris. 12 anos.

Saem de cartaz

Meus 15 Anos
O Círculo

A estreia desta quinta-feira, 20, que não entra em cartaz em Fortaleza

Tão Mãe, Tal Filha

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 28 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Em mais uma semana de poucos lançamentos, o circuito alternativo segue salvando a lavoura. Entre as melhores opções temos os dramas O Futuro Perfeito (2016), de Nele Wohlatz, e A Vida de uma Mulher (2016), de Stéphane Brizé. Completam as estreias a animação Carros 3 (2017), de Brian Fee. Em pré-estreia, o thriller de ação Em Ritmo de Fuga (2017), de Edgar Wright; a aventura infantil Os Detetives do Prédio Azul (D.P.A.) – O Filme (2017), de André Pellentz, e a aventura Transformers – O Último Cavaleiro (2017), de Michael Bay. Nadando contra a maré, temos a exibição especial do drama Um Homem Sentado no Corredor (2017), de Felipe André Silva

Cena de FUTURO PERFEITO (2016), de Nele Wohlatz

Cena de FUTURO PERFEITO (2016), de Nele Wohlatz

Dirigido pela diretora alemã radicada na Argentina Nele Wohlatz, O Futuro Perfeito parece um corpo estranho até mesmo dentro do atual cenário do circuito alternativo. Até porque quando vemos um filme argentino não esperamos que ele seja protagonizado por uma chinesa e falado em mandarim boa parte do tempo. Mas isso é muito saudável e as poucas críticas que pintaram até o momento são animadoras. Na trama, uma jovem chinesa de 17 anos está perdida em um mundo novo, a Argentina. Sem falar nenhuma palavra de espanhol, ela busca um rumo para seu futuro. Poucos dias depois de sua chegada, novos caminhos já vinham sendo traçados: ela já tinha um novo nome, Beatriz, e um emprego em um supermercado chinês. Ao se matricular em uma escola de línguas, a jovem vai aos poucos aprendendo novas palavras, ao mesmo tempo em que seu futuro é delineado. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

O FUTURO PERFEITO (El Futuro Perfecto, Argentina, 2016), de Nele Wohlatz. Com Xiobin Zhang, Saroj Kumar Malik, Mian Jiang, Nahuel Pérez Biscayart. 65 min. Zeta. Classificação a definir.

Cena de A VIDA DE UMA MULHER (2016), de Stéphane Brizé

Cena de A VIDA DE UMA MULHER (2016), de Stéphane Brizé

Diretor dos elogiados, mas infelizmente pouco vistos Uma Primavera com Minha Mãe (2012) e O Valor de um Homem (2015), A Vida de uma Mulher teve exibição discreta na mais recente edição do Festival Varilux de Cinema Francês. Merece mais atenção agora, com sua estreia. Na trama oficial, Jeanne (Judith Chemla) volta para casa após completar os estudos e passa a ajudar os zelosos pais nas tarefas do campo. Certo dia o visconde Julien de Lamare (Swann Arlaud) aparece nas redondezas e logo conquista o coração da jovem, que, encantada, com ele se casa e vai morar. Conforme o tempo avança Julien se mostra infiel, avarento e nada companheiro, o que vai minando a alegria de viver da antes esperançosa Jeanne. Em cartaz no Pátio Dom Luís.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

A VIDA DE UMA MULHER (Une Vie, França/Bélgica, 2016), de Stéphane Brizé. Com Judith Chemla, Jean-Pierre Darroussin, Yoland Moreau, Swann Arlaud, Nina Meurisse. 119 min. Mares. Classificação a definir.

Cena de CARROS 3 (2017), de Brian Fee

Cena de CARROS 3 (2017), de Brian Fee

Carros (2006) e Carros 2 (2011) costumam ser vistos como os patinhos feios da Pixar. Então, por que chegamos a um Carros 3? Provavelmente porque esses filmes ainda faturaram bastante, ainda mais porque são um prato cheio para a venda de carrinhos de brinquedo. O novo filme, pelo trailer, parece ser mais moderno. Na trama, o campeão Relâmpago McQueen acelerou demais e acabou perdendo o controle. Agora, após ter capotado várias vezes e quase ter partido dessa para melhor, o vermelhinho vai ter sua vida alterada para sempre. O acidente foi tão grave que, com os estragos, McQueen pode ter que se aposentar de vez. Para a direção deste terceiro Carros foi chamado um artista de storyboard dos dois primeiros filmes, Brian Fee. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

CARROS 3 (Cars 3, EUA, 2017), de Brian Fee. Com as vozes originais de Owen Wilson, Cristela Alonzo, Chris Cooper, Nathan Fillion. 102 min. Disney. Livre.

Pré-estreias

Cena de EM RITMO DE FUGA (2017), de Edgar Wright

Cena de EM RITMO DE FUGA (2017), de Edgar Wright

A estreia oficial está marcada para o dia 27, mas já começarão as pré-estreias nesta semana, até para que funcione como um termômetro para o potencial de bilheteria de Em Ritmo de Fuga no Brasil. O novo trabalho de Edgar Wright (Scott Pilgrim contra o Mundo, 2010), pelo trailer, já é bastante animador. Na trama, temos o jovem Baby (Ansel Elgort), que tem uma mania curiosa: ele precisa ouvir músicas o tempo todo para silenciar o zumbido que perturba seus ouvidos desde um acidente na infância. Mesmo assim, o rapaz revela-se uma motorista excelente, e começa a trabalhar para uma gangue de criminosos. Quando um assalto a banco não sai como planejado, ele cai na estrada em fuga. Em pré-estreia em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

EM RITMO DE FUGA (Baby Driver, Reino Unido/EUA, 2017), de Edgar Wright. Com Ansel Elgort, Jon Bernthal, Jon Hamm, Eliza González, Lily James. 112 min. Sony. 14 anos.

Cena de DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) - O FILME (2017), de André Pellenz

Cena de DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) – O FILME (2017), de André Pellenz

A série de televisão Detetives do Prédio Azul (2012-2016) foi a primeira produção original do canal por assinatura Gloob, destinado ao público infantil. Com uma audiência bem positiva, chegou a hora de o especial voar mais alto, com um longa-metragem para cinema, que pode introduzir esse universo a um novo público. Na trama do filme, os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo (Pedro Henrique Motta), Sol (Letícia Braga) e Bento (Anderson Lima) se infiltram na festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman), a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa para resolver o caso. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) – O FILME (Brasil, 2017), de André Pellenz. Com Letícia Braga, Anderson Lima, Pedro Henriques Motta, Tamara Taxman, Ronaldo Reis. 90 min. Paris. Livre.

Cena de TRANSFORMERS - O ÚLTIMO CAVALEIRO (2017), de Michael Bay

Cena de TRANSFORMERS – O ÚLTIMO CAVALEIRO (2017), de Michael Bay

Com uma bilheteria gigantesca que teve na China e em vários outros países com Transformers – A Era da Extinção (2014), o novo Transformers – O Último Cavaleiro tem tudo para repetir o feito, mesmo sendo odiado por muitos. Afinal, não é todo mundo que aguenta quase três horas de robôs se degladiando com o volume no máximo e uma câmera que não para nunca, marca do nosso querido Michael Bay. No novo filme, o gigante Optimus Prime embarcou em uma das missões mais difíceis de sua vida: encontrar, no espaço sideral, os Quintessons, seres que possivelmente são os responsáveis pela criação da raça Transformers. O problema é que, enquanto isso, seus amigos estão precisando de muita ajuda na Terra, já que uma nova ameaça alienígena resolveu destruir toda a humanidade. Em pré-estreia na quarta-feira, 19, em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

TRANSFORMERS – O ÚLTIMO CAVALEIRO (Transformers – The Last Knight, EUA, 2017), de Michael Bay. Com Mark Wahlberg, Anthony Hopkins, Josh Duhamel, Laura Haddock, Santiago Cabrera. 149 min. Paramount. 12 anos.

Especial

Cena de O HOMEM SENTADO NO CORREDOR (2017), de Felipe André Silva

Cena de O HOMEM SENTADO NO CORREDOR (2017), de Felipe André Silva

O Cine Rebuceteio, cineclube que tem como proposta trazer filmes brasileiros em nosso circuito que não chegaram em nossa cidade ainda, traz o pernambucano Um Homem Sentado no Corredor. Na trama, Marina (Marília Souto) é uma atriz em busca de um espaço e reconhecimento nesse ambiente pouco favorável, Samuel (Pedro Toscano) é o diretor de grupo de teatro que tenta equilibrar o trabalho e a vida pessoal, ao se relacionar com um de seus atores, e Arthur (George Andrade) é um adolescente solitário que vive conflitos com sua vida sexual. O diretor, Felipe André Silva, é o mesmo de Santa Monica (2015), que teve uma exibição única numa das mostras expectativas do Cinema do Dragão. Em exibição no Cinema do Dragão, na segunda-feira, 17.

Veja o teaser

Imagem de Amostra do You Tube

UM HOMEM SENTADO NO CORREDOR (Brasil, 2017), de Felipe André Silva. Com Dayanne Barros, Raíza Cardoso, Yuri Lins, Julie Maria, Arthur Marinho. 72 min. 14 anos.

Saem de cartaz

Baywatch
Danado de Bom
Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar
Soundtrack

Um Instante de Amor
Um Tio Quase Perfeito

As estreias nacionais desta quinta-feira, 13, que não entram em cartaz em Fortaleza

7 Desejos
A Luta de Steve
Cartas da Guerra
Fala Comigo
Gatos
Julho Agosto
Tour de France

Veja o trailer de Gatos

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 27 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Julho chegando é sinal de número de filmes no cinema rareando. Ainda mais com um blockbuster do porte da aventura Homem-Aranha – De Volta ao Lar (2017), de Jon Watts, em cartaz. Ainda assim, os outros três filmes que estreiam merecem a nossa atenção: o melodrama Frantz (2016), de François Ozon; a comédia dramática Os Pobres Diabos (2013), de Rosemberg Cariry; e o drama Soundtrack (2017), de 300ml

Cena de FRANTZ (2016), de François Ozon

Cena de FRANTZ (2016), de François Ozon

Um filme de surpresas e de muitas emoções este Frantz, do prolífico François Ozon. As surpresas não param de saltar em inúmeros plot twists, ora feitos para nossa diversão, ora para machucar ainda mais os personagens e também a nós, espectadores. Na trama, um jovem francês aparece em uma cidadezinha alemã logo após o final da Primeira Guerra Mundial e muitos ficam intrigados quando o veem deixando flores na sepultura de um jovem soldado morto, o Frantz, do título. Ozon, muito habilmente, manipula as expectativas do espectador, ao mesmo tempo que também brinca com subtextos homoeróticos, uma vez que há claramente uma tendência a se acreditar que Adrien (Pierre Liney) tinha algo mais do que uma amizade com Frantz. A bela fotografia é predominantemente em preto e branco. Em cartaz no Cinema de Arte (Cinépolis RioMar) e Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

FRANTZ (França/Alemanha, 2016), de François Ozon. Com Pierre Niney, Paula Beer, Ernst Stötzner, Marie Gruber, Anton von Lucke. 113 min. California. 12 anos.

Cena de OS POBRES DIABOS (2013), de Rosemberg Cariry

Cena de OS POBRES DIABOS (2013), de Rosemberg Cariry

Finalmente, depois de sua primeira exibição no Cine Ceará em 2013, entra em cartaz em circuito comercial o belo filme de Rosemberg Cariry. Com inspiração nas lembranças dos circos itinerantes do próprio cineasta, Os Pobres Diabos faz uma clara alegoria ao cinema brasileiro e talvez seja uma espécie de desabafo do próprio Cariry com a difícil distribuição dos nossos filmes. Trata-se de um de seus trabalhos mais bem produzidos, com um capricho visual louvável, assim como um lindo trabalho de som. Na trama, o Gran Circo Teatro Americano está na cidade de Aracati montando a peça O Bandido Lamparina no Inferno e a Participação de Lúcifer no Capitalismo Internacional. Nos bastidores, amores e tragédias movimentam a vida da trupe. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

OS POBRES DIABOS (Brasil, 2013), de Rosemberg Cariry. Com Sílvia Buarque, Gero Camilo, Chico Díaz, Zezita Matos, Everaldo Pontes. 98 min. Lume. 12 anos.

Cena de HOMEM-ARANHA - DE VOLTA AO LAR (2017), de Jon Watts

Cena de HOMEM-ARANHA – DE VOLTA AO LAR (2017), de Jon Watts

E depois do fracasso dos filmes anteriores do Homem-Aranha, a Sony Pictures resolveu fazer um reboot e começar tudo de novo. Desta vez, aliada aos Estúdios Marvel. O novo filme do herói aracnídeo não só pertence ao Universo Compartilhado Marvel, como possui participações de muitos personagens de outros filmes do estúdio. Na sinopse oficial, depois de atuar ao lado dos Vingadores em Capitão América – Guerra Civil, chegou a hora do jovem Peter Parker (Tom Holland) voltar para casa e para a sua vida, já não mais tão normal. Lutando diariamente contra pequenos crimes nas redondezas, ele pensa ter encontrado a missão de sua vida quando o terrível vilão Abutre (Michael Keaton) surge amedrontando a cidade. Em cartaz em grande circuito, inclusive na sala IMAX.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

HOMEM-ARANHA – DE VOLTA AO LAR (Spider-Man – Homecoming, EUA, 2017), de Jon Watts. Com Tom Holland, Michael Keaton, Robert Downey Jr., Marisa Tomei, Jon Favreau. 133 min. Sony. 12 anos.

Cena de SOUNDTRACK (2017), de 300ml

Cena de SOUNDTRACK (2017), de 300ml

O aguardado novo filme de Selton Mello como diretor (O Filme da Minha Vida) ainda está para estrear. Mas, enquanto não chega, temos um filme estrelado pelo ator entrando em cartaz muito discretamente. Soundtrack nos apresenta ao fotógrafo Cris (Selton), que, decidido a realizar uma exposição de arte, viaja até uma estação de pesquisa polar para se isolar e tirar selfies que capturem as sensações causadas por uma série de músicas pré-selecionadas. No local, ele conhece o botânico brasileiro Cao (Seu Jorge), o especialista britânico em aquecimento global Mark (Ralph Ineson), o biólogo chinês Huang (Thomas Chaanhing) e o pesquisador dinamarquês Rafnar (Lukas Loughran). Os cinco precisam conviver juntos e descobrem diferentes perspectivas sobre a vida e arte. Em cartaz no UCI Iguatemi.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

SOUNDTRACK (Brasil, 2017), de 300ml. Com Selton Mello, Ralph Ineson, Seu Jorge, Thomas Chaanhing, Lukas Loughran. 112 min. Imagem. 14 anos.

Saem de cartaz

A Cabana
Ao Cair da Noite
Kiki – Os Segredos do Desejo
Mulher do Pai
Na Vertical

As estreias nacionais desta quinta-feira, 6, que não entram em cartaz em Fortaleza

As Aventuras do Pequeno Colombo
Perdidos em Paris

Poesia sem Fim

Veja o trailer de Poesia sem Fim

Imagem de Amostra do You Tube

RELICÁRIO DO CINEMA #6 – FAÇA A COISA CERTA

Em tempos de Black Lives Matter e a afirmação do chamado Cinema Negro com a vitória de Moonlight no Oscar, o primeiro triunfo de Spike Lee é o filme em análise na volta da coluna que desnuda os clássicos no Cinema e Artes!

FAÇA A COISA CERTA (1989), De Spike Lee: Danny Aiello e o próprio diretor interpretam patrão e empregado.

Uma das cenas mais impactantes de Faça a Coisa Certa é, ao mesmo tempo, a mais realista e a mais fantasiosa. Numa sequência de cortes rápidos, representantes de várias etnias que moram nos EUA, olhando para a câmera e quebrando a quarta parede, disparam xingamentos e ofensas uns ao outros, usando dos estereótipos aos quais cada grupos sociais são conhecidos. Os insultos, estão lá, durante todo o filme, velados, e só saem diretamente nessa cena específica.

O diretor Spike Lee, 50, ficou mais marcado por essa obra revolucionária para depois praticamente sumir e, nos últimos anos, voltou à mídia por conta de suas declarações polêmicas, sobretudo quando do lançamento do filme Django Livre, de Quentin Tarantino (1963). Mas, antes de ser um polemista inveterado, o diretor e roteirista norte-americano produziu obras  dotadas de um alto teor de criticidade social, as quais se tornaram-se, ao mesmo tempo, documentos de uma época e, ainda agora, incomodamente atuais, em face da constante tensão racial que ainda perdura no seio da “América”.

É nesse sentido que se põe Faça a Coisa Certa é uma obra excepcional. Seu enredo decorre na temporalidade de um dia e no espaço geográfico de um quarteirão. Uma história aparentemente banal, mas que eu seu bojo tece um panorama ácido e contundente do que é a divisão racial, desembocando na desigualdade econômica e no racismo da sociedade estadunidense. O roteiro é mais um mosaico de personagens e situações do que propriamente uma linearidade de ações, e Spike se vale bastante da estética de videoclipes, o qual tomava conta do audiovisual em razão do sucesso da MTV no final dos anos 80 e início da década de 90.

Os diversos personagens, inclusos entre eles o próprio diretor (que interpreta o entregador de pizzas Mookie), dão vida a um roteiro aparentemente simples. Uma família de ítalo-americanos, composta por pai, Sal (Danny Aielo) e dois filhos (John Turturro e Richard Edson), possuem uma pizzaria, onde Mookie é o entregador. Um dos filhos, Pino, interpretado por Turturro, é extremamente racista, e por sua vontade, o pai teria o estabelecimento em outro bairro. O “ativista” Buggin Out (Giancarlo Esposito) percebe que na parede da pizzaria, chamada por Sal de “Hall of Fame”, não existe nenhuma celebridade negra e, revoltado, resolve organizar um boicote ao restaurante.

do-the-right-thing-spike-1083_041326-1

FAÇA A COISA CERTA (1989), de Spike Lee: diretor e entregador de pizzas

Partindo desse pequeno incidente, o dia se segue no bairro de Bed-Stuy (o mesmo retratado na série Todo Mundo Odeia o Chris), que tem um dos maiores picos de temperatura já registrados em Nova York, o que só aumenta o aspecto tenso do contexto ao qual o filme insere o espectador. É latente que algo de muito grave acontecerá cedo ou tarde , o que de fato ocorre. O uso de personagens caricatos, aqui, se mostra necessário diante da necessidade de expor as veias do racismo institucionalizado, característico dos EUA (assim como do Brasil).

Os cortes rápidos e a edição frenética acentuam esse aspecto de constante tensão e cada personagem tem o seu momento em que são desnudadas as suas características e papeis dentro da trama. O fio condutor da narrativa é dado por um locutor/DJ, que ao colocar suas músicas para tocar na rádio comunitária, faz a transição de uma cena para outra – esse locutor é interpretado por um Samuel L. Jackson em início de carreira -, o que denota outra característica do longa, que traz jovens atores negros que viriam a fazer sucesso mais adiante, como Martin Lawrence, Giancarlo Esposito e o próprio Jackson.

O terceiro ato do filme, onde ocorre o conflito que traz em seu desfecho uma tragédia quase anunciada, é o cerne da crítica que Spike Lee tem para com o seu país: a violência, sobretudo a originada no racismo, precisa apenas de uma pequena fagulha que, ao entrar em contato com um pequeno rastilho de pólvora, ocasiona um grande incêndio – e a pizzaria do Sal é o alvo. É inegável a força da mensagem, que se consolida nos créditos finais, com duas falas, uma de Martin Luther King e outra de Malcolm X – uma contrária e outra justificadora da violência como forma de resistência à opressão.

Faça a Coisa Certa se torna perturbador por ainda ser bastante atual em seus posicionamentos ideológicos e críticos diante dos episódios de violência racial, sobretudo advindas das forças policiais contra os jovens negros. Em perdeu a acidez e a pertinência. É um clássico porque contém a característica essencial dos grandes ícones cinematográficos e está profundamente enraizada na sua época, mas ser temporalidade. Como diz o grande pensador, um verdadeiro filmaço.

1154550

FAÇA A COISA CERTA
Do The Right Thing
Estados Unidos 1989
Direção: Spike Lee
Roteiro: Spike Lee
Elenco:Danny Aiello, Giancarlo Esposito, John Savage, Ossie Davis, Paul Benjamin, Richard Edson, Ruby Dee, Samuel L. Jackson, Spike Lee
Produção: Spike Lee
Fotografia: Ernest R. Dickerson
Trilha Sonora: Bill Lee
120 minutos

 

PARA CHECAR

A cena dos créditos iniciais demonstra bem a estética de videoclipe e a introdução da obra bem poderia valer como vídeo da canção Fight The Power, do grupo de rap Public Enemy.

Imagem de Amostra do You Tube[/youtube]