TRABALHO INTERNO – CURTA ANIMADO DIRIGIDO POR UM BRASILEIRO

Exibido antes de Moana – Um Mar de Aventuras, de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams, o curta Trabalho Interno (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda, diretor brasileiro que apresenta uma cativante e hilária história de um homem guiado pelos seus órgãos internos: cérebro, coração, pulmões, intestino e bexiga, remetendo claramente a Divertidamente (Inside Out, 2015) de Pete Docter, só que agora não são as emoções que estão guiando a pessoa, sendo uma curiosa exploração do corpo humano. Os traços do personagem principal remete a Carl Fredricksen, o velhinho de UpAltas Aventuras (Up, 2009) de  Pete Docter e Bob Peterson

Cena de TRABALHO INTERNO (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda

Cena de TRABALHO INTERNO (2016), de Leonardo Matsuda

A animação mostra a rotina de Paul, um sujeito tímido e solitário que vive uma luta constante entre seu lado lógico e pragmático e sua outra metade aventureira e livre. Insatisfeito com o seu trabalho, seus órgãos internos fazem com que ele ganhe coragem para seguir seus sonhos. É o eterno conflito entre cérebro e coração, aqui explorado com muito bom humor. Destaque para as constantes cenas do cemitério… Vale à pena, especialmente para os adultos.

Cena de TRABALHO INTERNO (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda

Cena de TRABALHO INTERNO (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda

O diretor estrante atua no departamento de histórias da Walt Disney Animation Studios e tem nos créditos o storyboard de ZootopiaOperação Big Hero e Detona Ralph. Antes, Matsuda trabalhou no departamento de layout de personagens em Os Simpsons – O Filme, na 20th Century Fox, e como storyboard artist júnior em Rio, na BlueSky Studios, além de ter sido estagiário de storyboard na Pixar Animation Studios.

trabalho-interno posterFICHA TÉCNICA
Trabalho Interno
Lançamento: 05/01/2017
Gênero: Animação, Comédia
Duração: 6 min
Origem: Estados Unidos
Ano: 2017
Direção:
 Leonardo Matsuda
Roteiro: Leonardo Matsuda
Distribuidor: Walt Disney
Classificação: Livre
Ano: 2017


Confira o trailer de Trabalho Interno:

MOANA – UM MAR DE AVENTURAS – CORAJOSA ANIMAÇÃO PARA TODAS AS IDADES

Nova animação da Disney, Moana – Um Mar de Aventuras, de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams., apresenta uma mensagem de coragem para adultos e crianças.  John Musker e Ron Clements foram também responsáveis por outras animações de sucesso, como A Pequena SereiaAladdin e A Princesa e o Sapo 

Cena de MOANA - UM MAR DE AVENTURAS

Cena de MOANA – UM MAR DE AVENTURAS (2016): um sucesso

 A produção traz para as telonas a história de uma adolescente polinésia de 16 anos chamada Moana Waialiki (voz de Auli’i Cravalho na versão original) que se aventura pelo Oceano Pacífico para desvendar o mistério que envolve seus ancestrais. Durante esta grande aventura, ela encontra o poderoso semideus Maui (voz de Dwayne Johnson na versão original) e, juntos, eles embarcam em uma viagem cheia de ação, enfrentando criaturas inusitadas, algumas até ferozes, oferecendo muita diversão. 

Essa corajosa garota, filha do chefe de uma tribo na Oceania, vinda de uma longa linhagem de navegadores, tem o ímpeto de navegar. Com o intuito de descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família ela resolve partir em busca de seus ancestrais, habitantes de uma ilha mítica que ninguém sabe onde é. Moana em sua jornada em mar aberto, enfrenta terríveis criaturas marinhas e descobre histórias do submundo. Causa preocupação apenas o fato do filme incentivar os filhos a desafiarem seus pais na busca de seu lugar no mundo – mas é exatamente isso que todo adolescente faz.

Apesar de Lilo & Stitch (2002) se passar na polinésia, trata-se da.primeira princesa polinésia da Disney, e a primeira navegadora do estúdio. É o segundo filme de princesa da Disney que não é centrado em um conto de fadas. O primeiro foi Valente (2012)

Destaque para a excelente trilha sonora composta por Mark Mancina, que também trabalhou em outras animações Disney, incluindo O Rei LeãoTarzan e Irmão Urso.

FICHA TÉCNICA

MOANA-–-UM-MAR-DE-AVENTURAS-1 (1)Moana – Um Mar de Aventuras
Lançamento: 05/01/2017
Gênero: Animação, Comédia
Duração: 107 min
Origem: Estados Unidos
Ano: 2017
Direção: Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams
Roteiro: Ron Clements, John Musker, Taika Waititi
Distribuidor: Walt Disney Pictures
Classificação: Livre

 


Confira o trailer de Moana – um Amor de Aventuras.

 

ASSASSINS’S CREED – FRACA ADAPTAÇÃO DA SÉRIE DE GAMES

Primeiro blockbuster de 2017 nos cinemas, a adaptação da série de games Assassin’s Creed, coprodução entre Reino Unido, França, Hong Kong e EUA, de Justin Kurzel, não empolga, desperdiçando todo o potencial da história e, com isso, acaba não agradando cinéfilos nem os fãs dos jogos da Ubisoft

Michael Fassbender em Assassin's Creed (Reino Unido/França/Hong Kong/EUA, 2016), de Justin Kurzel

Michael Fassbender em ASSASSIN’S CREED (2016), de Justin Kurzel: sem empolgar

O enredo: em 1986, um garoto que gosta de aventuras testemunha o pai assassinando sua própria mãe. Com traumas da infância, o garoto Callum Lynch (Michael Fassbender), é mostrado 30 anos depois, preso e desenhando imagens assustadoras, até receber a visita de um padre, em função de sua condenação a morte. Ele acorda no dia seguinte diante de Sofia (Marion Cotillard), que lhe propõe uma nova alternativa de vida, a qual, por meio de uma tecnologia revolucionária que destrava as suas memórias genéticas, e permitirá experimentar as aventuras de seu ancestral, Aguilar, na Espanha do século XV.

Então, a história passa a ter dois ambientes: um com poucas cenas de ação e tomadas bem interessantes, parecendo um game; e outro de enrolação e embromação que não levam a nada, tratando de fazer Callum finalmente entender que é descendente de uma misteriosa sociedade secreta, os Assassinos, e que acumula conhecimentos e habilidades incríveis para enfrentar a organização opressiva e poderosa dos Templários nos dias de hoje, a qual busca pela Maçã do Edén, um artefato que, se encontrado, poderia acabar com a violência em virtude de por fim à possibilidade do livre arbítrio.

Arianne Labed e Michael Fassbender em ASSASSIN'S CREED (2016); assassinos x templários

Ariane Labed e Michael Fassbender em ASSASSIN’S CREED (2016); assassinos x templários

A exploração desse tema, o livre arbítrio, não é adequada ao que o filme se propõe. O foco deveria se ater apenas a oferta do entretenimento, mas não, ao buscar filosofar, perde tanto tempo em questões que não são devidamente esclarecidas, pois é questionável se o fim do livre arbítrio em si, garantiria a extinção de um problema chamado a violência, como o filme propõe. E tem outra “furada”: um filme violento criticar indiretamente a violência é fazer pouco caso de sua própria objetividade. Isso é querer ser mais do que é de fato. E esse dilema é levado ao personagem principal, que de início volta aos ancestrais por obrigação e e o faz refletir se deve decidir, por convicção, se assumir a herança genética de assassino.

O roteiro não é bem resolvido, especialmente ao não tratar os Assassinos como heróis, e os Templários como vilões, uma vez que as ideologias de ambos não podem ser claramente chamadas de certas ou erradas. A montagem também compromete um pouco, pois a mudança de ambiente é facilmente percebida e o timing não está adequado… O correto seria, possivelmente, que mergulhasse no jogo em si e só sair de lá quando finalizasse a missão e não ficar passando de fase em fase… Méritos apenas pros quesitos técnicos do filme, especialmente as cenas de ação, as quais Kurzel já tinha demonstrado excelência em Macbeth: Ambição e Guerra (2015).

Nem a vontade de conhecer o jogo o filme me despertou…

 

assassinssFICHA TÉCNICA
Assassin’s Creed
Lançamento: 12/01/2017
Gênero: Aventura/Ação/Ficção Científica/História
Duração: 115 minutos
Origem: Estados Unidos/Reino Unido/França/Hong Kong
Direção: Justin Kurzel
Roteiro: Adam Cooper, Bill Collage, Michael Lesslie
Elenco: Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jeremy Irons, Brendan Gleeson, Charlotte Rampling, Michael Kenneth Williams e Ariane Labed
Distribuidor: Fox Film do Brasil
Classificação: 12 anos
Ano: 2016

Acompanhe o trailer de Assassin’s Creed:

 

SEMANA 02 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

É tempo de celebrar, pois o Cinema do Dragão exibirá em duas semanas uma mostra mais do que especial em quantidade e qualidade de filmes. Veja mais detalhes abaixo. Enquanto isso, o circuito anda bem fraco, com apenas duas estreias desanimadoras, a comédia Eu Fico Loko (2017), de Bruno Garotti, e a aventura Assassin’s Creed (2016), de Justin Kurzel. No circuito, o que conta mesmo é a pré-estreia do musical La La Land – Cantando Estações (2016), de Damien Chazelle

Cena de EU FICO LOKO (2017), de Bruno Garotti

Cena de EU FICO LOKO (2017), de Bruno Garotti

O cinema brasileiro em 2017 abre com uma comédia de adolescentes muito parecida com aquelas produzidas nos Estados Unidos, mas que tem como diferencial o fato de ser mais um efeito dos sucessos dos youtubers. No caso, de Christian Figueiredo, que conta sua história (ou quase). Na trama, ele é um adolescente pouco popular na escola que busca sua própria identidade, preocupa-se com o primeiro beijo, as namoradas etc. Ele também é um cinéfilo que grava paródias de filmes para colocar na internet. Aos poucos, ele decide usar as redes sociais para contar as suas próprias histórias de vida. O filme é a estreia em longa-metragem do diretor de segunda unidade de vários filmes de Daniel Filho. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

EU FICO LOKO (Brasil, 2017), de Bruno Garotti. Com Christian Figueiredo, Alessandra Negrini, Filipe Bragança, Suely Franco, Marcello Airoldi, José Victor Pires, Isabella Moreira, Ceará. 93 min. Paris. 10 anos.

Michael Fassbender em ASSASSIN'S CREED (2016), de Justin Kurzel

Michael Fassbender em ASSASSIN’S CREED (2016), de Justin Kurzel

Michael Fassbender estreia como produtor e convida seus parceiros da tragédia shakesperiana Macbeth – Ambição e Guerra (2015), o diretor Justin Kurzel e a atriz Marion Cotillard, para participar da adaptação do game homônimo criado em 2007 e desde então atualizado para diversos consoles e mídias. Na trama do filme, Callum Lynch (Fassbender) descobre que é descendente de um membro da Ordem dos Assassinos e, via memória genética, revive as aventuras do guerreiro Aguilar, seu ancestral espanhol do século XV. Dotado de novos conhecimentos e habilidades, ele volta aos dias de hoje pronto para enfrentar os Templários. Em cartaz em grande circuito, inclusive na sala IMAX.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

ASSASSIN’S CREED (Reino Unido/França/Hong Kong/EUA, 2016), de Justin Kurzel. Com Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jeremy Irons, Brendan Gleeson, Charlotte Rampling, Michael Kenneth Williams, Denis Ménochet. 115 min. Fox. 14 anos.

Pré-estreia

Ryan Gosling e Emma Stone em LA LA LAND - CANTANDO ESTAÇÕES (2016), de Damien Chazelle

Ryan Gosling e Emma Stone em LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES (2016), de Damien Chazelle

Quem viu o Globo de Ouro (e até quem não viu) sabe que La La Land – Cantando Estações foi recordista de premiações no prêmio dos jornalistas estrangeiros em Hollywood. O grande campeão da noite começa sua carreira no Brasil em uma semana de pré-estreia com duas sessões diárias. Dirigido pelo mesmo Damien Chazelle do ótimo Whiplash – Em Busca da Perfeição (2014), La La Land é um musical que tem encantado o público por onde tem passado. O filme conta a história do pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) que conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) em Los Angeles e os dois se apaixonam perdidamente. Na competitiva cidade, os dois tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso. Em pré-estreia em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES (La La Land, EUA, 2016), de Damien Chazelle. Com Ryan Gosling, Emma Stone, Rosemarie DeWitt, Terry Walters, Callie Hernandez, Jessica Rothe, J.K. Simmons, Sonoya Mizuno. 129 min. Paris. Livre.

Especial

Logo da Mostra do Cinema do Dragão

Logo da Mostra do Cinema do Dragão

A terceira edição de uma das mostras mais aguardas pelos cinéfilos de Fortaleza está recheada de excelentes filmes, sejam já exibidos e selecionados cuidadosamente, sejam inéditos. Alguns certamente serão exibidos em circuito, mas outros talvez não, serão oportunidades únicas. Teremos duas semanas de muitos filmes novos especiais de várias nacionalidades, além de clássicos restaurados. Haverá também sessões seguidas de debate, inclusive a do lançamento do livro Os Cem Melhores Filmes Brasileiros, produzido pela Abraccine, e com presença e debate de críticos que participaram do livro. Não adianta só citar alguns títulos importantes, pois praticamente todos são. Veja a programação completa da Mostra Retrospectiva 2016 / Expectativa 2017 AQUI .

Saem de cartaz
Animais Fantásticos e Onde Habitam
Belos Sonhos
(*)
Eu, Daniel Blake (*)
Invasão Zumbi
Neruda (*)
O Que Está por Vir (*)
(*) com últimas exibições na Mostra Retrospectiva 2016

As estreias nacionais desta quinta-feira, 12, que não entram em cartaz em Fortaleza
A Criada
Assim Que Abro Meus Olhos
O Homem Que Caiu na Terra (exibição na Mostra Expectativa)

Veja o trailer de A Criada

Imagem de Amostra do You Tube

GLOBO DE OURO-2017 – ELLE, LA LA LAND E MOONLIGHT

Na noite de entrega dos Globo de Ouro, edição 74, Meryl Streep roubou a festa. Foi a noite da estrela, uma das atrizes mais conscientes de seu papel na poderosa indústria de Hollywood, que está sendo alvo do novo presidente do País, o inacreditável Donald Trump. Mas, a premiação foi justa com os melhores filmes produzidos no ano passado, consagrando La La Land – cantando Estações, o drama francês Elle e o corajoso drama racial Moonlight – Sob a Luz do Luar

ELLE (2016), LA LA LAND - CANTANDO ESTAÇÕES (2016) E MOONLIGHT - SOB A LUZ DO LUAR (2016): ganhadores do Globo de Ouro-2017

ELLE (2016), LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES (2016) e MOONLIGHT – SOB A LUZ DO LUAR (2016): ganhadores do Globo de Ouro-2017

A Associação de Imprensa Estrangeira, responsável pelo prêmio Globo de Ouro, fez uma festa supimpa, cujo brilho foi roubado por uma estrela, Meryl Streep. Ela lembrou que, hoje, Hollywood, os estrangeiros e a imprensa estão sendo alvo dos rompantes de Donald Trump, o recém eleito presidente do País, e alfinetou o comportamento nada digno para ocupante de tal cargo: “Esse exemplo dado por uma pessoa tão poderosa dá permissão a outras pessoas para desrespeitar. A violência incita a violência. O desrespeito incita o desrespeito. Se alguém usa a sua posição para fazer bullying, todos nós perdemos“, disse.

Trump, toma possa daqui a alguns dias e os homofóbicos, intolerantes e racistas o comemoram. Assim como os ingleses se arrependeram com o resultado do brexit, os estadunidenses vão se arrepender de o terem eleito. Apenas questão de tempo.

Mas, a cerimônia 74 premiou os reais merecedores de seus prêmios. Como ainda não vi La La Land – cantando Estações, fico na esperança de que realmente seja sensacional, como dizem. Jimmy Fallon, o mestre de cerimônias, conduziu bem a premiação, que em resumo, destaca o musical de Damian Chazelle como o maior vencedor, pois todos os 7 aos quais estava indicado. O segundo grande vencedor pode ser considerado o drama francês Elle, de Paul Verhoeven: melhor filme estrangeiro e melhor atriz, Isabelle Huppert.

Casey Affleck, por Manchester à Beira-Mar,  de Kenneth Lonergan, já era esperado como o ganhador da estatueta de Melhor Ator; e o corajosíssimo Moonlight – Sob a Luz do Luar, de Barry Jenklins, o melhor filme dramático.

Confira todas as premiações, incluindo da televisão.

MELHOR FILME DRAMA
Moonlight – Sob a Luz do Luar, de Barry Jenkins

Confira o trailer de Moonlight – sob a luz do luar.

MELHOR FILME/MUSICAL OU COMÉDIA
La La Land – Cantando Estações, de Damian Chazelle

MELHOR DIRETOR
Damien Chazelle, La La Land – Cantando Estações

MELHOR ROTEIRO
Damien Chazelle, La La Land – Cantando Estações

MELHOR ATOR
Casey Affleck, Manchester à Beira-Mar

MELHOR ATRIZ
Isabelle Huppert, Elle

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Emma Stone, La La Land – Cantando Estações

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Aaron-Taylor Johnson, Animais Noturnos

MELHOR ANIMAÇÃO
Zootopia

MELHOR TRILHA SONORA
La La Land – Cantando Estações

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
City of stars (Justin Hurwitz/Benj Pasek), La la land: Cantando estações

TELEVISÃO

The Crown, batendo Game of Thrones e Stranger Things, The Night Manager, com 3 prêmios, e Atlanta, escrita por Donald Glover, filho de Danny, levam os principais Globo de Ouro de televisão.

Melhor Ator em Série de Comédia ou Musical
Donald Glover, Atlanta

Melhor Série Dramática
The Crown

Veja o trailer de The Crown, produção Netflix.

Melhor Atriz em Série Dramática
Claire Foy, The Crown

Melhor Ator em Minissérie ou Filme para TV
Tom Hiddleston, The Night Manager

Melhor Atriz Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme para TV
Olivia Colman, The Night Manager

Melhor Ator Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme para TV
Hugh Laurie, The Night Manager

Melhor Minissérie ou Filme para TV
The People vs O.J. Simpson: American Crime Story

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV
Sarah Paulson, The People vs O.J. Simpson: American Crime Story

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical
Tracee Ellis Ross, Black-ish

Melhor Série de Comédia ou Musical
Atlanta

Melhor Ator em Série Dramática
Billy Bob Thornton, Goliath

Confira o trailer legendado de La La Land – cantando estações.

 

RANKING INTERNACIONAL – ROGUE ONE lidera novamente

Rogue One: Uma História Star Wars terminou o último fim de semana das bilheterias internacionais novamente na liderança, com uma arrecadação próxima da obtida no fim de semana anterior. Sing: Quem Canta Seus Males Espanta caiu pouco e conseguiu subir para a segunda colocação. Da mesma forma, A Grande Muralha conseguiu na terceira posição, enquanto que Assassin’s Creed subiu para o quarto lugar após uma ótima estreia na Alemanha. Passageiros entrou em cartaz em novas localidades e pulou para a quinta colocação.

Cena de ROGUE ONE: UMA HISTÓRIA STAR WARS.

Cena de ROGUE ONE: UMA HISTÓRIA STAR WARS.

Rogue One: Uma História Star Wars terminou o último domingo com uma arrecadação de US$ 45,8 milhões no mercado internacional, mantendo-se na faixa da renda obtida anteriormente. Com o resultado, a aventura manteve com segurança a primeira colocação do ranking em seu terceiro fim de semana em cartaz nas bilheterias internacionais. O filme está em cartaz atualmente em cerca de 70% do mercado internacional, um total de 56 países, tendo ainda a esperada estreia na China para acontecer nessa sexta-feira, dia 6 de janeiro. Ao término do período, a receita acumulada no mercado internacional era de aproximadamente US$ 350 milhões.

Cena de SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA.

Cena de SING: QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA.

Assim como Rogue One, Sing: Quem Canta Seus Males Espanta também caiu pouco e aproveitou o fim de semana sem grandes estreantes para subir da quarta para a segunda colocação do ranking internacional com a ajuda dos chineses Railroad Tigers e See You Tomorrow, que despencaram no segundo fim de semana em cartaz. A animação arrecadou cerca de US$ 24,5 milhões, cerca de US$ 2,5 milhões abaixo do obtido anteriormente. A renda acumulada no mercado internacional era de aproximadamente US$ 98 milhões, ao término do domingo.

Cena de A GRANDE MURALHA.

Cena de A GRANDE MURALHA.

No mesmo segmento, A Grande Muralha subiu da sexta para a terceira colocação do ranking internacional. A aventura estrelada por Matt Damon arrecadou US$ 24,4 milhões no período, cerca de US$ 1,5 milhão abaixo do obtido no fim de semana anterior, representando também uma queda pequena. O filme está em cartaz apenas em 8 localidades e tem estreia no Brasil prevista apenas para o dia 23 de fevereiro. Ao término do fim de semana, estimava-se que o valor acumulado no mercado internacional pelo filme era de cerca de US$ 154 milhões.

Michael Fassbender, a direita, em cena de ASSASSIN'S CREED.

Michael Fassbender, a direita, em cena de ASSASSIN’S CREED.

O esperado Assassin’s Creed surpreendeu mais ainda, em seu segundo fim de semana em cartaz no mercado internacional. O filme entrou em cartaz em novas localidades, como na Alemanha, onde acumulou US$ 5,3 milhões, e conseguiu um aumentar quase o dobro a arrecadação do fim de semana, tendo obtido cerca de US$ 22 milhões no último fim de semana. Com o valor, a aventura subiu da nona para a quarta posição do ranking. Ao término do período, o valor acumulado no mercado internacional era de aproximadamente US$ 44,1 milhões.

Chris Pratt e Jennifer Lawrence em cena de PASSAGEIROS.

Chris Pratt e Jennifer Lawrence em cena de PASSAGEIROS.

Passageiros também aproveitou o momento para subir da oitava para a quinta posição ao arrecadar cerca de US$ 21,7 milhões no período, também melhorando sua renda ao entrar em cartaz em novas localidades. No Brasil, o filme entra em cartaz nesta quinta-feira, dia 5 de janeiro. O valor arrecadado pelo filme no mercado internacional, ao término do domingo, era estimado em US$ 60 milhões.

Confira abaixo a tabela com os dez melhores do ranking.

rint

Veja o trailer de Rogue One: Uma História Star Wars.

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 01 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Na primeira semana do ano, os destaques vão para o drama de fantasia Sete Minutos Depois da Meia-Noite (2016), de J.A. Bayona, e para o drama Eu, Daniel Blake (2016), de Ken Loach. Há também o drama sci-fi Passageiros (2016), de Morten Tyldum; o horror Dominação (2016), de Brad Peyton; e a animação Moana – Um Mar de Aventuras (2016), de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams. Em pré-estreia, a aventura Assassin’s Creed (2016), de Justin Kurzel

Cena de SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE (2016), de J.A. Bayona

Cena de SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE (2016), de J.A. Bayona

J.A. Bayona, diretor dos ótimos O Orfanato (2007) e O Impossível (2012), retorna, desta vez com um drama de fantasia que também valoriza a figura da criança, no caso, Conor, um garoto de 13 anos que  sofre com uma série de problemas: pai ausente, mãe com câncer em fase terminal, bullying na escola. Mas todas as noites ele sonha com uma gigantesca árvore que decide contar histórias para ele, em troca de escutar as histórias do garoto. Lembra um pouco o tema do brasileiro Meu Pé de Laranja-Lima, mas certamente tem o seu diferencial, até pelo geralmente bem cuidado trabalho de direção de Bayona. É um filme triste, mas cheio de otimismo. Em cartaz no Cinema de Arte (Cinépolis RioMar) e no UCI Iguatemi.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE (A Monster Calls, Reino Unido/EUA/Espanha/Canadá, 2016), de J.A. Bayona. Com Lewis MacDougall, Sigourney Weaver, Felicity Jones, Toby Kebbell, Ben Moor, James Melville, Oliver Steer. 108 min. Diamond. 12 anos.

Cena de EU, DANIEL BLAKE (2016), de Ken Loach

Cena de EU, DANIEL BLAKE (2016), de Ken Loach

Muitos críticos reclamaram do resultado do Festival de Cannes do ano passado, que teve uma das melhores seleções dos últimos anos. Isso porque o júri resolveu dar a Palma de Ouro para Eu, Daniel Blake, mais um filme humanista de Ken Loach. Apesar de não ser muito querido por alguns críticos por sua obra muito engajada, boa parte da crítica internacional vê o novo trabalho de Loach como um de seus melhores filmes. Na trama, o personagem-título, após sofrer um ataque cardíaco e ser desaconselhado pelos médicos a retornar ao trabalho, busca receber os benefícios concedidos pelo governo a todos que estão nessa situação. Mas ele esbarra na extrema burocracia instalada pelo governo. O trailer já é por si só emocionante. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

EU, DANIEL BLAKE (I, Daniel Blake, Reino Unido/França/Bélgica, 2016), de Ken Loach. Com Dave Johns, Hayley Squires, Sharon Percy, Briana Shann, Dylan McKiernan, Natalie Ann Jamieson, Jane Birch. 100 min. Imovision. Classificação a definir.

Chris Pratt e Jennifer Lawrence em PASSAGEIROS (2016), de Morten Tyldum

Chris Pratt e Jennifer Lawrence em PASSAGEIROS (2016), de Morten Tyldum

O grande chamariz de Passageiros, além do cenário de ficção científica classe A que o trailer já garante, é mesmo a presença de Jennifer Lawrence, a mais bem paga atriz de Hollywood atualmente, e de Chris Pratt, que interpretam, no futuro, dois passageiros de uma nave espacial que acordam 90 anos antes do programado por causa de um mau funcionamento de suas cabines. A nave os levaria para um distante planeta-colônia. Sozinhos, eles começam a estreitar o relacionamento. E também a enfrentar alguns perigos. Dirigido pelo norueguês Morten Tyldum, de O Jogo da Imitação (2014), o filme não foi tão bem aceito pela crítica estrangeira, mas é inegável o seu potencial de atratividade. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PASSAGEIROS (Passengers, EUA, 2016), de Morten Tyldum. Com Jennifer Lawrence, Chris Pratt, Michael Sheen, Laurence Fishburn, Andy Garcia, Vince Foster, Kara Flowers. 111 min. Sony. 12 anos.

Aaron Eckart em DOMINAÇÃO (2016), de Brad Peyton

Aaron Eckart em DOMINAÇÃO (2016), de Brad Peyton

Fãs de filmes de horror costumam muitas vezes encarar com o coração aberto certos filmes que não são bem-recebidos pela crítica. Talvez seja o caso deste Dominação, dirigido por Brad Peyton, que tem no currículo a fantasia Viagem 2 – A Ilha Misteriosa (2012) e o disaster movie Terremoto – A Falha de San Andreas (2015). Em Dominação, ele ingressa pela primeira vez no gênero do horror sobrenatural, contando a história de um exorcista não convencional capaz de entrar no subconsciente de uma mente possuída. Ele conhece uma outra pessoa com a mesma capacidade enquanto confronta seu próximo caso, um garoto de nove anos de idade que está possuído por um demônio do seu passado. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

DOMINAÇÃO (Incarnate, EUA, 2016), de Brad Peyton. Com Aaron Eckhart, Carice van Houten, Catalina Sandino Moreno, David Mazouz, Keir O’Donnell, Matt Nable, Emily Jackson. 91 min. PlayArte. 14 anos.

Cena de MOANA - UM MAR DE AVENTURAS (2016), de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams

Cena de MOANA – UM MAR DE AVENTURAS (2016), de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams

Moana pode representar um novo recomeço para a animação da Disney, já que foi com os diretores Ron Clements e John Musker que o estúdio do Mickey voltou a fazer sucessos anualmente, a partir de A Pequena Sereia (1989) e Aladdin (1992). Resta saber se esse tipo de filme não está ultrapassado diante das novidades que surgiram ao longo dos anos, a partir do advento da Pixar, principalmente. Moana conta a história de uma corajosa jovem, filha do chefe de uma tribo na Oceania, vinda de uma longa linhagem de navegadores que quer descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família. Assim, ela resolve partir em busca de seus ancestrais, habitantes de uma ilha mítica que ninguém sabe onde é. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

MOANA – UM MAR DE AVENTURAS (Moana, EUA, 2016), de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams. Com as vozes originais de Auli’i Cravalho, Dwayne Johnson, Rachel House, Temuera Morrisson, Jemaine Clement. 107 min. Disney. Livre.

Pré-estreia

Michael Fassbender em ASSASSIN'S CREED (2016), de Justin Kurzel

Michael Fassbender em ASSASSIN’S CREED (2016), de Justin Kurzel

Michael Fassbender estreia como produtor e convida seus parceiros da tragédia shakesperiana Macbeth – Ambição e Guerra (2015), o diretor Justin Kurzel e a atriz Marion Cotillard, para participar da adaptação do game homônimo criado em 2007 e desde então atualizado para diversos consoles e mídias. Na trama do filme, Callum Lynch (Fassbender) descobre que é descendente de um membro da Ordem dos Assassinos e, via memória genética, revive as aventuras do guerreiro Aguilar, seu ancestral espanhol do século XV. Dotado de novos conhecimentos e habilidades, ele volta aos dias de hoje pronto para enfrentar os Templários. Em pré-estreia na meia-noite de quarta para quinta-feira, dia 11, na sala IMAX do UCI Iguatemi.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

ASSASSIN’S CREED (Reino Unido/França/Hong Kong/EUA, 2016), de Justin Kurzel. Com Michael Fassbender, Marion Cotillard, Jeremy Irons, Brendan Gleeson, Charlotte Rampling, Michael Kenneth Williams, Denis Ménochet. 115 min. Fox. 14 anos.

Saem de cartaz

A Chegada (sessões saideiras no fim de semana no UCI Iguatemi)
As Aventuras e Robinson Crusoé
Anjos da Noite – Guerra de Sangue
Elis
Masha e o Urso
O Plano de Maggie

As estreias nacionais desta quinta-feira, 5, que não entram em cartaz em Fortaleza

John From
O Apartamento

Veja o trailer de O Apartamento

Imagem de Amostra do You Tube

BLOCKBUSTERS 2016 – OS “CANOS” DE HOLLYWOOD

O ano de 2016 chegou ao fim e começam a surgir as estatísticas de Hollywood com os recordes de bilheteria, os estúdios de sucesso, público e renda e, também os fracassos. O Cinema e Artes fez a sua pesquisa e aponta os campeões de fracasso nas bilheterias, os chamados, como dizemos por aqui, os “canos”  da temporada. Conheça-os

O cenário de caos de INDEPENDENCE DAY - O RESSURGIMENTO: os maiores fracassos de bilheteria de 2016

O cenário de caos de INDEPENDENCE DAY – O RESSURGIMENTO: os maiores fracassos de bilheteria de 2016

Qual terá sido o maior “cano” de 2016? “Cano”, é aquele “blockbster” que, com todos os milhões de orçamento, depois de percorrer os cinemas de diversos países, não devolveu os dólares de seu investimento. É importante salientar que, para apenas empatar o seu investimento, um filme deve obter exatamente três vezes o seu custo de produção. Sim, um filme que custa US$ 100 milhões, por exemplo, para começar a dar lucro ao seu estúdio, que começar a rentabilidade a partir de US$ 301 milhões.

Estimamos, aqui, a bilheteria mundial, que se compõe das arrecadações dos mercados EUA-Canadá e o restante do mundo, sintetizados como bilheteria mundial, ok? Partindo desse conjunto de arrecadação internacional,  confira os filmes que deram prejuízo aos seus estúdios.

A LENDA DE TARZAN
The Legend of Tarzan, EUA
Estúdio: Warner Bros
Direção: David Yates
CustoUS$ 180 milhões
Renda EUAUS$ 126,6 milhões
Renda Mundial – US$ 356,7 milhões

A SÉRIE DIVERGENTE: CONVERGENTE
Allegiant, EUA
Estúdios: Lionsgate, Summit e Red Wagon
Direção: Robert Schentke
Custo: US$ 179 milhões
Arrecadação Mundial: US$ $110 milhões

CAÇA-FANTASMAS
Ghostbusters, EUA-Austrália
Estúdios: Columbia, village Roadshow e mais 5 independentes
Direção: Paul Feig
Custo: US$ 114 milhões
Bilheteria Mundial: US$ 229 milhões

AS TARTARUGAS NINJA – FORA DAS SOMBRAS
Teenage Mutant Ninja Turtles: out of Shadows, EUA-Hong Kong
Estúdios: Paramount, China Movie Group, Nicklodeon e mais 4 independentes
Direção: Dave Green
Custo: US$ 135 milhões
Bilheteria Mundial: US$ 245 milhões

ALIADOS
Allied, EUA-Reino Unido
Estúdios: Paramount e mais 3 independentes
Direção: Robert Zemeckis
Custo: US$ 85,3 milhões
Renda acumulada até agora = EUA/Mundial: US$ 804 milhões

ALICE NO PAÍS DO ESPELHO
Alice through the Looking Glass, EUA-Reino Unido
Estúdios: Walt Disney, Tim Burton Productions e mais 3 independentes
Direção: James Bobin
CustoUS$ 170 milhões
Bilheteria EUAUS$ 77 milhões
Bilheteria InternacionalUS$ 299,4 milhões

ASSASSIN’S CREED
Assassin’s Crred, Reino Unido-França-Hong Kong-EUA
Estúdios: Regency Enterprises e mais 10 independentes:
Distribuição: Warner
Direção: Justin Kurzel
Custo – US$ 180 milhões
Bilheteria nos EUA – US$ 48,3 milhões
Ainda dependendo do mercado internacional

BEN HUR
Ben Hur, EUA
Estúdios: MGM e Paramount e mais 2 estúdios independentes
Direção: Timur Bekmambetov
Custo: US$ 120 milhões (incluindo marketing)
Renda Mundial: US$ 94,1 milhões

O BOM GIGANTE AMIGO
BFG, EUA
Estúdios: Amblin, Walt Disney e Walden Media
Direção: Steven Spielberg
Custo: US$ 140 milhões
Faturamento Mundial: US$ 178 milhões

DEUSES DO EGITO
Goods of Egypt, EUA-Austrália
Estúdios: Summit e mais 4 estúdios independentes
Direção: Alex Proyas
Custo: US$ 140 milhões
Arrecadação Mundial: US$ 150,6 milhões
Summit é o estúdio da série Jogos Vorazes.

HORAS DECISIVAS
The Finest Hours, EUA
Estúdios: Walt Disney e Whitaker Entertainment
Direção: Craig Gillespie
Custo: US$ 80 milhões
Arrecadação Mundial: US$ 52,1 milhões

INDEPENDENCE DAY – O RESSURGIMENTO
Independence Day: Ressurgence, EUA
Estúdio: Fox
Direção: Roland Emmerich
Orçamento – US$ 165 milhões
Renda EUA – US$ 103,1 milhões
Bilheteria Mundial Acumulada – US$ 389,6

INFERNO
Inferno, EUA
Estúdio: Sony/Columbia
Direção: Ron Howard
CustoUS$ 75 milhões
Bilheteria EUAUS$ 34,01 milhões
Bilheteria Total –  US$ 219, 3 milhões

HORIZONTE PROFUNDO: DESASTRE NO GOLFO
Deepwater Horizon, Hing Kong-EUA
Estudios: Summit e mais 3 independentes
Direção: Peter Berg
CustoUS$ 180,00 (incluindo publicidade)
BilheteriaUS$ 52,4 milhões

JACK REACHER – SEM RETORNO
Jack Reacher – Never go Back, EUA
Estúdio: Paramount
Direção: Edward Zwick
CustoUS$ 60 milhões
ArrecadaçãoUS$ 161,3 milhões

KUBO E AS CORDAS MÁGICAS
Kubo and the two Strings, EUA
Estúdio: Focus Features
Direção: Travis Knight
Orçamento  – US$ 60 milhões
Renda EUAUS$ 48,2 milhões
Bilheteria MundialUS$ 21,9 milhões

O CAÇADOR E A RAINHA DO GELO
The Huntsman: winter’s War, EUA
Estúdios: Universal e mais 2 independentes
Direção: Cedric Nicolas-Troyan
Custo US$ 115,00
RendaUS$ 164,6

OS 7 MAGNÍFICOS
The Magnificent Seven, EUA
Estúdios: MGM, Columbia e mais 3 independentes
Direção: Antoine Fuqua
CustoUS$ 90 milhões
BilheteriaUS$ 93,4 milhões

PASSAGEIROS
Passengers, EUA
Estúdio: Columbia
Direção: Mortedm Tyldum
CustoUS$ 110 milhões
Arrecadação parcialUS$ 51 milhões

STAR TREK – ALEM DA FRONTEIRA
Star Trek Beyond, EUA
Estúdio: Paramount
Direção: Justin Lin
OrçamentoUS$ 185 milhões
Renda EUAUS$ 158,8 milhões
Renda MundialUS$ 343,4 milhões

WARCRAFT
Warcraft, EUA
Estúdio: Universal
Direção: Duncan Jones
CustoUS$ 160 milhões
Renda EUAUS$ 47,2 milhões
Renda MundialUS$ 433 milhões

Vejam o trailer de Assassin’s Creed.