RELICÁRIO DO CINEMA #1 – O SILÊNCIO DOS INOCENTES, 26 ANOS

   Um dos maiores suspenses de todos os tempos,  O Silêncio dos Inocentes completa 26 anos no próximo mês, com o mesmo vigor e qualidade da sua estreia. E merece ser revisitado na estréia da nova coluna do Cinema e Artes. Peguei emprestado esse espaço do Otávio, mas na semana que vem já estou com a minha própria assinatura! Até lá! 

the-silence-of-the-lambsTexto por: Robson Nascimento

Alguns personagens se tornam maiores do que os filmes no qual estão inseridos, Don Vito Corleone em O Poderoso Chefão, Darth Vader em Star Wars e o Coringa de O Cavaleiro das Trevas são bons exemplos daquelas figuras que marcam tanto uma obra, que mesmo até quem não vê esses filmes, já se deparou com as suas imagens pelo menos um par de vezes. O Doutor Hannibal Lecter, criação do escritor Thomas Harris, transposto para as telas no filme de Jonathan Demme, e interpretado de maneira impressionante por Anthony Hopkins, é um desses personagens icônicos, sem a menor dúvida. E embora o personagem tenha sido interpretado por Brian Cox no ótimo Caçador de Assassinos de 1986, e posteriormente na série Hannibal, por Mads Mikkelsen, é a imagem de Hopkins a mais associada com o famigerado vilão.

Baseado no romance de mesmo nome, lançado três anos antes, o filme de 1991 talvez seja o suspense mais aclamado de todos os tempos, A trama acompanha um serial killer que captura e mata as suas vítimas, retirando-lhe partes das peles, com o intuito de entender os mecanismos de uma mente tão doentia, o chefe do FBI Jack Crawford (Scott Glen), ordena que a recruta Clarice Starling(Jodie Foster) sonde um infame psicopata canibal preso em uma instituição psiquiátrica, o supracitado Doutor Lecter. Dessa maneira, Clarice conversa com Hannibal, de modo a traçar um perfil de Buffalo Bill, o tal escalpelador de mulheres.

1379724_611765115574231_1758238010_n

A  atuação de Hopkins é icônica de tal modo que os duelos psicológicos travados com a personagem de Jodie Foster são os pontos altos da trama. Hannibal é persuasivo, charmoso, culto, em suma, perigoso demais, e mesmo encarcerado, exala uma influência malévola aos seus interlocutores. O ator consegue transparecer tudo isso, com um olhar magnético (É raro ele piscar em cena),  e uma voz mansa (Hopkins diz ter se baseado no robô HAL 9000 de 2001: Uma Odisseia no Espaço), em suma, o perfeito verniz de cavalheiro sofisticado que na verdade esconde um monstro sanguinário.

A estatueta dourada de Melhor Ator foi mais do que merecida para Anthony, mesmo que ele permaneça por apenas incríveis quinze minutos em cena. Jodie se mostra competente no papel da policial novata, e as suas sequências de ação, incluindo aqui o final de tirar o fôlego, é que dão o dinamismo do filme em termos de narrativa. Ambos formam o par perfeito a policial e o assassino; Clarice serve de contraponto à figura vilanesca e ardilosa de Hannibal, de modo que não é exagero afirmar que as ovelhas mencionadas no titulo original, sejam a própria Clarice.

Para medir o impacto do filme, “O Silêncio…” é um dos três filmes da história a ganhar as cinco principais categorias do Oscar aos quais concorria (Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator, Melhor Atriz e Melhor Roteiro Adaptado), um feito e tanto, já que o estilo da película não é o dos mais premiados historicamente na trajetória do Oscar. Vale também ressaltar que o filme estreou em fevereiro de 1991, longe da temporada de premiações.

Por ser um dos maiores suspenses já filmados desde sempre, contar com um brilhante Anthony Hopkins no auge da forma, e declamando diálogos impagáveis de tão bons, além de te manter preso à tela nas suas quase duas horas de duração, e de quebra, ser uma das obras mais aclamadas no que diz respeito a maior premiação do Cinema, “O Silêncio dos Inocentes” é um filme atemporal, que mostra que o medo, quando bem explorado no Cinema, torna as histórias à prova do tempo.

CINCO CURIOSIDADES SOBRE O SILÊNCIO DOS INOCENTES
1. Consagrado como um dos mais importantes filmes do cinema da década de 1990, O silêncio dos inocentes foi a terceira obra a vencer as cinco principais categorias do Oscar. Os outros dois filmes que conseguiram esse feito foram Aconteceu Naquela Noite, de Frank Capra (1934) e Um Estranho no Ninho, de Milos Forman (1975).
2. Os atores John Hurt, Louis Gossett Jr., Robert Duvall, Jack Nicholson e Robert De Niro foram considerados para o papel de “Hannibal Lecter”.
3. O papel de “Clarice Starling” foi primeiramente oferecido para Michelle Pfeiffer e depois para Meg Ryan.
4. Anthony Hopkins descreveu sua voz no papel de “Hannibal Lecter”, como uma combinação de Truman Capote e Katharine Hepburn.
5. Na borboleta que esconde a boca de Jodie Foster no pôster podemos ver uma caveira. Se olharmos com atenção podemos constatar que se trata de uma caveira com mulheres nuas. Essa imagem, datada de 1939, é da autoria do pintor surrealista Salvador Dalí.
 
FICHA TÉCNICA

Direção:Jonathan Demme
Elenco:Jodie Foster , Anthony Hopkins , Ted Levine , Scott Glenn.
Roteiro:Ted Tally
Produção:Kenneth Utt
Fotografia:Tak Fujimoto
Música:Howard Shore

 

 

TRABALHO INTERNO – CURTA ANIMADO DIRIGIDO POR UM BRASILEIRO

Exibido antes de Moana – Um Mar de Aventuras, de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams, o curta Trabalho Interno (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda, diretor brasileiro que apresenta uma cativante e hilária história de um homem guiado pelos seus órgãos internos: cérebro, coração, pulmões, intestino e bexiga, remetendo claramente a Divertidamente (Inside Out, 2015) de Pete Docter, só que agora não são as emoções que estão guiando a pessoa, sendo uma curiosa exploração do corpo humano. Os traços do personagem principal remete a Carl Fredricksen, o velhinho de UpAltas Aventuras (Up, 2009) de  Pete Docter e Bob Peterson

Cena de TRABALHO INTERNO (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda

Cena de TRABALHO INTERNO (2016), de Leonardo Matsuda

A animação mostra a rotina de Paul, um sujeito tímido e solitário que vive uma luta constante entre seu lado lógico e pragmático e sua outra metade aventureira e livre. Insatisfeito com o seu trabalho, seus órgãos internos fazem com que ele ganhe coragem para seguir seus sonhos. É o eterno conflito entre cérebro e coração, aqui explorado com muito bom humor. Destaque para as constantes cenas do cemitério… Vale à pena, especialmente para os adultos.

Cena de TRABALHO INTERNO (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda

Cena de TRABALHO INTERNO (Inner Workings, 2016) de Leonardo Matsuda

O diretor estrante atua no departamento de histórias da Walt Disney Animation Studios e tem nos créditos o storyboard de ZootopiaOperação Big Hero e Detona Ralph. Antes, Matsuda trabalhou no departamento de layout de personagens em Os Simpsons – O Filme, na 20th Century Fox, e como storyboard artist júnior em Rio, na BlueSky Studios, além de ter sido estagiário de storyboard na Pixar Animation Studios.

trabalho-interno posterFICHA TÉCNICA
Trabalho Interno
Lançamento: 05/01/2017
Gênero: Animação, Comédia
Duração: 6 min
Origem: Estados Unidos
Ano: 2017
Direção:
 Leonardo Matsuda
Roteiro: Leonardo Matsuda
Distribuidor: Walt Disney
Classificação: Livre
Ano: 2017


Confira o trailer de Trabalho Interno:

MOANA – UM MAR DE AVENTURAS – CORAJOSA ANIMAÇÃO PARA TODAS AS IDADES

Nova animação da Disney, Moana – Um Mar de Aventuras, de Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams., apresenta uma mensagem de coragem para adultos e crianças.  John Musker e Ron Clements foram também responsáveis por outras animações de sucesso, como A Pequena SereiaAladdin e A Princesa e o Sapo 

Cena de MOANA - UM MAR DE AVENTURAS

Cena de MOANA – UM MAR DE AVENTURAS (2016): um sucesso

 A produção traz para as telonas a história de uma adolescente polinésia de 16 anos chamada Moana Waialiki (voz de Auli’i Cravalho na versão original) que se aventura pelo Oceano Pacífico para desvendar o mistério que envolve seus ancestrais. Durante esta grande aventura, ela encontra o poderoso semideus Maui (voz de Dwayne Johnson na versão original) e, juntos, eles embarcam em uma viagem cheia de ação, enfrentando criaturas inusitadas, algumas até ferozes, oferecendo muita diversão. 

Essa corajosa garota, filha do chefe de uma tribo na Oceania, vinda de uma longa linhagem de navegadores, tem o ímpeto de navegar. Com o intuito de descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família ela resolve partir em busca de seus ancestrais, habitantes de uma ilha mítica que ninguém sabe onde é. Moana em sua jornada em mar aberto, enfrenta terríveis criaturas marinhas e descobre histórias do submundo. Causa preocupação apenas o fato do filme incentivar os filhos a desafiarem seus pais na busca de seu lugar no mundo – mas é exatamente isso que todo adolescente faz.

Apesar de Lilo & Stitch (2002) se passar na polinésia, trata-se da.primeira princesa polinésia da Disney, e a primeira navegadora do estúdio. É o segundo filme de princesa da Disney que não é centrado em um conto de fadas. O primeiro foi Valente (2012)

Destaque para a excelente trilha sonora composta por Mark Mancina, que também trabalhou em outras animações Disney, incluindo O Rei LeãoTarzan e Irmão Urso.

FICHA TÉCNICA

MOANA-–-UM-MAR-DE-AVENTURAS-1 (1)Moana – Um Mar de Aventuras
Lançamento: 05/01/2017
Gênero: Animação, Comédia
Duração: 107 min
Origem: Estados Unidos
Ano: 2017
Direção: Ron Clements, John Musker, Don Hall e Chris Williams
Roteiro: Ron Clements, John Musker, Taika Waititi
Distribuidor: Walt Disney Pictures
Classificação: Livre

 


Confira o trailer de Moana – um Amor de Aventuras.