41º PRÊMIO CÉSAR – OS VENCEDORES DE 2015

A expectativa era a de que 5 Graças, o drama de Deniz Gamze Ergüven sobre o drama das meninas turcas obrigadas aos casamentos precoces, se consagrasse como a melhor produção do cinema francês em 2015. Aconteceu, mas em parte. A cineasta turca radicada na França conquistou, na 41ª festa do César, os prêmios de melhor filme de diretor estreante, melhor roteiro original, melhor edição e melhor canção original, mas a estatueta de melhor filme foi para Fátima, de Philippe Faucon

premio cesar-2016

A premiação de Fátima, que será distribuído no Brasil pela Imovision, uma surpresa geral, pois além de 5 Graças, tinha ainda a concorrência de outra obra premiada, Deephan – o Refúgio, de Jacques Audiard, que também trata de imigrantes na França. O cineasta conta a dolorosa história da hoje escritora norte-africana Fatima Elayoubi. Radicada na França com as duas filhas, a revoltada Schwarz, 15, e Nesrine, 18, estudante de medicina, apesar de vários anos no país trabalhando como diarista, mal dominou o francês e viveu em frustração nas suas relações diárias com elas. Ambas são o seu orgulho, motriz e preocupação e sempre trabalhou duro para dar-lhes o melhor futuro possível. Um dia, cai de uma escada e, impedida de trabalhar, escreveu, em árabe, tudo aquilo o que não foi possível dizer, em francês, para elas.

O outro grande vencedor da noite foi o drama Marguerite, de Xavier Gianoli, vagamente inspirado na história da cantora estadunidense Florence Foster Jenkins (1868-1944), considerada “a pior soprano do mundo”. Curiosamente, Hollywood lança, ainda neste primeiro semestre, com direção de Stephen Frears, a cinebiografia da artista, com Meryl Streep interpretando-a.

Conheça os vencedores:

MELHOR FILME
Fátima (2015, França), de Philippe Faucon

MELHOR PRIMEIRO FILME
Deniz Gamze Ergüven, 5 Graças

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Birdman ou A Inesperada Virtude da Ignorância (EUA), de Alejandro Gonzalez Iñarritu

MELHOR DIRETOR
Arnaud Desplechin, Três Lembranças da Minha Juventude

MELHOR ANIMAÇÃO
O Pequeno Príncipe (2015),  de Mark Osborne

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Demain

MELHOR ATOR
Vincent Lindon,  Valley of Love

MELHOR ATRIZ
Catherine Frot, Marguerite

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benoît Magimel, De Cabeça Erguida

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Sidse Babett Knudsen, L’Hermine

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Deniz Gamze Ergüven, 5 Graças

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Philippe Faucon, Fatima

ATOR REVELAÇÃO
Rod Paradot, de De Cabeça Erguida

ATRIZ REVELAÇÃO
Zita Hanrot, Fatima

MELHOR FOTOGRAFIA
Christophe Offenstein, Valley of Love

MELHOR FIGURINO
Pierre-Jean Larroque, Marguerite

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Martin Kurel, Marguerite

MELHOR MONTAGEM
Mathilde Van De Moortel, 5 Graças

MELHOR SOM
François Musy e Gabriel Hafner, Marguerite

MELHOR TRILHA SONORA
Warren Ellis, 5 Graças

MELHOR CURTA-METRGAEM
La Contre Allée, de Cécile Ducrocq

MELHOR CURTA ANIMADO
Le Repas Dominical, de Céline Devaux

SEMANA 09 – DEADPOOL

Em um fim de semana onde as estreia ficaram bem longe de impressionar, Deadpool garantiu novamente a liderança isolada do ranking das bilheterias

Cena de DEADPOOL

Cena de DEADPOOL

Pela terceira vez consecutiva, a aventura de ação Deadpool foi a grande campeã do ranking das bilheterias norte-americanas do fim de semana. Ajudado pelo pouco interesse do público pelas estreias da semana, o longa do mercenário falastrão da Marvel conseguiu facilmente se sustentar no topo da lista dos mais rentáveis, agora com uma arrecadação de US$ 31,50 milhões, que representa uma queda de 44% em relação à semana passada. Dessa forma, Deadpool passa a acumular atualmente uma bilheteria de empolgantes US$ 285,63 milhões, valor que lhe garante o posto de décimo maior faturamento de um filme baseado em um personagem da Marvel Comics e, conforme o esperado, o transforma na terceira maior arrecadação de um longa classificação R-Rated de todos os tempos, ficando atrás apenas de Sniper Americano (US$ 350,12 milhões) e A Paixão de Cristo (US$ 370,78 milhões).

Banner internacional de DEUSES DO EGITO (2016), de Alex Proyas

Banner internacional de DEUSES DO EGITO (2016), de Alex Proyas

Na vice-liderança aparece o épico Deuses do Egito (Gods of Egypt), que confirmou as prognósticos dos analistas e acabou decepcionando ao obter somente US$ 14 milhões no seu primeiro fim de semana, resultado que já garante à produção um lugar na lista de maiores fracassos de 2016, tendo em vista que seu orçamento somou elevados US$ 140 milhões. Nós estamos desapontados com esse resultado. Ele certamente ficou abaixo da nossas expectativas, declarou ao Hollywood Reporter o presidente de distribuição da Lionsgate, David Spitz, sobre o desempenho de Deuses do Egito, que, vale ressaltar, foi originalmente planejado como o início de uma franquia, um plano que, a essa altura, deve estar morto e enterrado. Deuses do Egito já está em exibição nos cinemas brasileiros.

Na esquerda, cena de KUNG FU PANDA 3 e na direita cena de RESSURREIÇÃO

Na esquerda, cena de KUNG FU PANDA 3 e na direita cena de RESSURREIÇÃO

Abaixo de Deuses do Egito, perdendo uma posição cada, estão a animação Kung Fu Panda 3 e o épico bíblico Ressurreição, que ocuparam o terceiro e quarto lugar ao renderem respectivamente US$ 9 milhões e US$ 7 milhões. Em cinco semana, o longa animado da DreamWorks soma uma bilheteria de US$ 128,45 milhões, enquanto que a produção da Sony Pictures contabiliza em dez dias US$ 22,70 milhões.

Acima, os cartazes de VOANDO ALTO (2016), de  Dexter Fletcher, e TRIPLO 9 (2016), de John Hillcoat

Acima, os cartazes de VOANDO ALTO (2016), de Dexter Fletcher, e TRIPLO 9 (2016), de John Hillcoat

Demais lançamentos da semana, a comédia Voando Alto (Eddie the Eagle) e o thriller Triplo 9 (Triple 9) também não conseguiram empolgar os cinéfilos norte-americanos e terminaram disputando a quinta colocação do ranking, sendo que Voando Alto levou a melhor ao faturar US$ 6,30 milhões, contra US$ 6,10 milhões de Triplo 9. No mais, cabe mencionar que, embora não tenho obtido aberturas muito animadoras, ambos os filmes têm a seu favor um orçamento modesto (respectivamente US$ 23 milhões e US$ 20 milhões), o que dificulta grandes prejuízos. No Brasil, tanto Voando Alto quanto Triplo 9 chegam aos cinemas no dia 31 de março.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

05

Assista ao trailer de Deuses do Egito:

Imagem de Amostra do You Tube

RANKING BRASIL – DEADPOOL mantém liderança

Em seu segundo fim de semana no país, Deadpool manteve a liderança com uma queda razoável na renda, mas conseguiu ainda sustentar uma folga na primeira colocação. Os Dez Mandamentos – O Filme manteve-se estável na segunda posição com uma pequena queda no faturamento. O Regresso caiu bastante, mas conseguiu ficar em terceiro lugar, mesmo distante do filme brasileiro. Um Suburbano Sortudo e Boneco do Mal fecharam o Top 5, respectivamente na quarta e quinta posições

Cena de DEADPOOL.

Cena de DEADPOOL.

Sustentando a primeira colocação do ranking pela segunda vez consecutiva, Deadpool terminou o último fim de semana com uma arrecadação próxima de R$ 16,3 milhões, valor que representa uma queda razoável de cerca de 30% em relação o fim de semana anterior. Exibido em quase mil salas distribuídas pelo país, o filme levou mais de um milhão de espectadores aos cinemas no período, somando um total de quase 4 milhões. Com o resultado do fim de semana, a receita total do filme aproximou-se de R$ 50,4 milhões.

Cena de OS DEZ MANDAMENTOS - O FILME.

Cena de OS DEZ MANDAMENTOS – O FILME

O filme brasileiro Os Dez Mandamentos – O Filme continua a obter bons resultados, mesmo estando em sua quarta semana em cartaz. No período do último fim de semana, o drama bíblico acumulou em renda um valor aproximado de R$ 7,2 milhões, terminando o domingo na segunda posição do ranking. O valor obtido respresentou uma queda próxima de 10%, a mais baixa dentre os cinco primeiro colocados. Os Dez Mandamentos – O Filme acumula uma receita total de cerca de R$ 70 milhões, tendo levado cerca de 6,3 milhões de espectadores aos cinemas desde sua estreia.

Leonardo DiCaprio em cena de O REGRESSO.

Leonardo DiCaprio em cena de O REGRESSO

Na terceira colocação do ranking ficou o drama O Regresso, que caiu cerca de 40% em relação o fim de semana anterior, tendo obtido cerca de R$ 3,8 milhões em renda no período. Exibido em quase 500 salas no Brasil, O Regresso levou mais de 200 mil espectadores aos cinemas no último fim de semana, estando em sua quarta semana em cartaz no país. Com o resultado, o filme passou a acumular uma receita de R$ 28,5 milhões no país.

Cena de UM SUBURBANO SORTUDO.

Cena de UM SUBURBANO SORTUDO

Em sua segunda semana em cartaz, a comédia Um Suburbano Sortudo caiu cerca de 30% em relação o fim de semana anterior, mas manteve um bom resultado na renda, que lhe garantiu a quarta posição do ranking com facilidade. O filme brasileiro somou um valor de aproximadamente R$ 3 milhões de quinta à domingo. Após o término do fim de semana, passou a acumular uma receita próxima de R$ 8,7 milhões.

Cena de BONECO DO MAL.

Cena de BONECO DO MAL.

Estreando em pouco mais de 300 salas no país, o terror Boneco do Mal conseguiu obter um bom desempenho em seu primeiro fim de semana no país, tendo acumulado cerca de R$ 2,2 milhões no período. Com o resultado, ficou com a quinta colocação do ranking, garantindo com folga uma posição entre os cinco primeiros, a frente dos estreantes Horas Decisivas, O Quarto de Jack e 13 Horas: Soldados Secretos, que ficaram na sétima, oitava e nona posição, respectivamente.

Confira a tabela com os dez melhores do ranking no período.

RBRA

Veja o trailer de O Quarto de Jack, indicado ao Oscar de Melhor Filme.

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 09 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

No fim de semana do Oscar, o circuito local traz o drama O Abraço da Serpente (2015), de Ciro Guerra. Há também o drama Ela Volta na Quinta (2015), de André Novais Oliveira; o thriller policial Presságios de um Crime (2015), de Afonso Poyart; a comédia de ação e terror Orgulho e Preconceito e Zumbis (2016), de Burr Steers; a aventura Deuses do Egito (2016), de Alex Proyas; e a comédia Como Ser Solteira (2016), de Christian Ditter. Completando a programação, acontece a segunda Mostra Cinema em Transe, desta vez dedicada à produtora Eddie Saeta

Cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Indicado pela Colômbia ao Oscar de melhor filme estrangeiro, O Abraço da Serpente tem sua trama se passando na Floresta Amazônica. O filme conta a história de um explorador europeu que é guiado por um xamã pelo Rio Amazonas a fim de encontrar uma lendária flor que cure sua doença. Quarenta anos depois, outro explorador também procura o mesmo xamã para seguir a mesma trilha do anterior. A bela fotografia em preto e branco do filme salta aos olhos e, com sua história intrigante, já é bastante convidativo. O filme é baseado nos diários dos dois exploradores europeus, que vagaram pela região a fim de conhecer os segredos da Amazônia no início do século XX. É preciso prestar um pouco mais de atenção na trama, pois há uma mudança constante entre os dois tempos, sem qualquer alteração na fotografia. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

O ABRAÇO DA SERPENTE (El Abrazo de la Serpiente, Colômbia/Venezuela/Argentina, 2015), de Ciro Guerra. Com Nibio Torres, Jan Bijvoet, Antonio Bolivar, Brionne Davis, Yauenkü Migue, Nicolás Cancino, Luigi Sciamanna. 125 min. Esfera. 16 anos.

Cena de ELA VOLTA NA QUINTA (2015), de André Novais Oliveira

Cena de ELA VOLTA NA QUINTA (2015), de André Novais Oliveira

Interessante como o jovem cineasta mineiro André Novais Oliveira continua apostando na aparente simplicidade a fim de criar um corpo de trabalho inteligente e mais uma vez calcado no cotidiano como objeto de inspiração. No curta Pouco Mais de um Mês (2013), lá estava ele expondo a si mesmo discutindo relação com a namorada, que também aparece em sua estreia em longa-metragem, Ela Volta na Quinta, que é ainda mais extremo nessa exposição, ainda que saibamos que há toda uma construção de ficção e de encenação ali, embora quase nos esqueçamos da câmera em alguns momentos. O próprio André também é personagem da história protagonizada por seus pais, Norberto e Maria José, num dos filmes brasileiros mais interessantes da safra recente. Em cartaz no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

ELA VOLTA NA QUINTA (Brasil, 2015), de André Novais Oliveira. Com André Novais Oliveira, Maria José Novais Oliveira, Norberto Novais Oliveira, Renato Novais, Elisa Silpe. 107 min. Vitrine. Classificação a definir.

Cena de PRESSÁGIOS DE UM CRIME (2015), de Afonso Poyart

Cena de PRESSÁGIOS DE UM CRIME (2015), de Afonso Poyart

Os olheiros de Hollywood andam com os olhos voltados para cineastas de todo o mundo que tenham alguma característica pop que possa ser usada no cinema americano. Com Afonso Poyart bastou apenas verem o movimentado 2 Coelhos (2012) para que o diretor santista fosse convidado para comandar este thriller policial sobre dois detetives do FBI (Jeffrey Dean Morgan e Abbie Cornish) caçando um assassino serial cujo modus operandi é matar suas vítimas com um objeto perfurante na nuca. Na falta de ausência de provas, é chamado um poderoso vidente (Anthony Hopkins) para ajudar no caso. O problema é que descobrem que o assassino é também vidente. E muito mais poderoso em seu dom do que o veterano. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

PRESSÁGIOS DE UM CRIME (Solace, EUA, 2015), de Afonso Poyart. Com Jeffrey Dean Morgan, Colin Farrell, Abbie Cornish, Anthony Hopkins, Marley Shelton, Kenny Johnson, Janine Turner, Xander Berkeley, Sharon Lawrence, Autumn Dial. 101 min. Diamond. 14 anos.

Cena de ORGULHO E PRECONCEITO E ZUMBIS (2016), de Burr Steers

Cena de ORGULHO E PRECONCEITO E ZUMBIS (2016), de Burr Steers

A brincadeira de misturar personagens clássicos da literatura com zumbis chega ao cinema com Orgulho e Preconceito e Zumbis, que conta com um belo elenco britânico. Lily James (Cinderela) é Elizabeth Bennet, especialista em artes marciais que vai ter que usar as suas habilidades quando uma misteriosa praga espalha zumbis para todos os lados na Inglaterra vitoriana. O que mais incomoda a jovem, porém, é ter que conviver e lutar lado a lado com o arrogante Mr. Darcy (Sam Riley, de Na Estrada). O filme pode ser divertido. O diretor Burr Steers é americano e tem no currículo dois sucessos do cinema indie, A Estranha Família de Igby (2002) e A Morte e Vida de Charlie (2010). Em cartaz no UCI Iguatemi e no Via Sul.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

ORGULHO E PRECONCEITO E ZUMBIS (Pride and Prejudice and Zombies, EUA/Reino Unido, 2016), de Burr Steers. Com Lily James, Sam Riley, Jack Huston, Lena Headey, Bella Heathcote, Ellie Bamber, Suki Waterhouse, Douglas Booth, Sally Phillips, Matt Smith. 107 min. Sony. 12 anos.

Gerard Butler em DEUSES DO EGITO (2016), de Alex Proyas

Gerard Butler em DEUSES DO EGITO (2016), de Alex Proyas

O trailer de Deuses do Egito não é exatamente convidativo. Tem cara de filme tosco feito com muito dinheiro. Mas pode ser divertido, dependendo de como for conduzido. O interessante é que o filme estreia justamente quando o evangélico Os Dez Mandamentos, a adaptação da telenovela que naturalmente abomina outros deuses, ainda está em cartaz. De todo modo, a intenção aqui é mais usar esses deuses egípcios como mitos curiosos e capazes de renderem uma boa e divertida história. Na trama, o mortal Bek (Brenton Thwaites) se une ao poderoso deus Horus (Nikolak Coster-Waldau) para deter o caos que o maligno deus Set (Gerard Butler) trouxe para o povo do Egito.  A direção é de Alex Proyas, que por enquanto só tem filme bom no currículo. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

DEUSES DO EGITO (Gods of Egypt, EUA/Austrália, 2016), de Alex Proyas. Com Gerard Butler, Nikolaj Coster-Waldau, Elodie Young, Abbey Lee, Courtney Eaton, Brenton Thwaites, Geoffrey Rush, Rufus Sewell, Chadwick Boseman, Emma Booth. 120 min. Paris. 12 anos.

Dakota Johnson e Rebel Wilson em COMO SER SOLTEIRA (2016), de Christian Ditter

Dakota Johnson e Rebel Wilson em COMO SER SOLTEIRA (2016), de Christian Ditter

Como Ser Solteira engrossa a lista de comédias protagonizadas por mulheres, trazendo desta vez três atrizes bem diferentes em busca de aventuras. Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza), Rebel Wilson (A Escolha Perfeita) e Leslie Mann (Bem-vindo aos 40) são mulheres que se ajudam na busca de diversão e de novos parceiros na vida noturna de Nova York. O risco é o mesmo da grande maioria das comédias: as piadas não funcionarem ou soarem grosseiras. Felizmente Como Ser Solteira tem recebido algumas boas críticas em veículos prestigiados e o trio de protagonistas tem carisma suficiente para segurar as pontas. É torcer para que o sorriso ao sair do cinema seja de satisfação. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

COMO SER SOLTEIRA (How to Be Single, EUA, 2016), de Christian Ditter. Com Dakota Johnson, Rebel Wilson, Leslie Mann, Damon Wayans Jr., Anders Holm, Nicholas Braun, Jake Lacy, Jason Matzoukas, Colin Just, Sara Ramos. 104 min. Warner. 14 anos.

Especial

O cineasta Luis Miñaro, que estará presente em Fortaleza durante a Mostra Eddie Saeta

O cineasta Luis Miñaro, que estará presente em Fortaleza durante a Mostra Eddie Saeta

Não faz muito tempo que a primeira Mostra Cinema em Transe fez a alegria de um bom grupo de cinéfilos de Fortaleza. Eis que mais uma especial seleção de filmes entra em cartaz no Cinema do Dragão, desta vez dedicada à produtora Eddie Saeta, que tem por hábito privilegiar filmes de alto risco e com grande potencial artístico. A mostra trará nove filmes de diferentes cinematografias, a serem exibidos durante sete dias. Haverá também uma Master Class com o cineasta Luis Miñarro, criador da produtora, no Porto Iracema das Artes, às 16 hh da próxima sexta-feira. Quanto à programação, os filmes são os seguintes:

Quinta-feira (25) – O Estranho Caso de Angélica (2013), de Manoel de Oliveira
Sexta-feira (26) – Finisterrae (2010), de Sergio Caballero
Sábado (27) – O Morto e Ser Feliz (2012), de Javier Rebollo, e Tio Bonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas (2010), de Apichatpong Weerashetakul
Domingo (28) – Stella Cadente (2014), de Lluis Miñaro, e O Segredo das Águas (2015), de Naomi Kawase
Segunda-feira (29) – A Selva Interior (2013), de Juan Barrero
Terça-feira (1) – Girimunho (2011), de Helvécio Martins e Clarissa Campolina
Quarta-feira (2) – Honra dos Cavaleiros (2006), de Albert Serra

Veja o trailer de O Estranho Caso de Angélica

Imagem de Amostra do You Tube

Saem de cartaz

A 5ª Onda
Boi Neon
Caçadores de Emoção – Além do Limite
Epa! Cadê o Noé?

As estreias nacionais desta quinta-feira, 25, que não entram em cartaz em Fortaleza

Amor em Sampa
Do Que Vem Antes
White God

Veja o trailer de White God

Imagem de Amostra do You Tube

RANKING INTERNACIONAL – DEADPOOL continua na liderança

Deadpool caiu em desempenho, mas conseguiu manter a liderança do ranking internacional. Zootopia: Essa Cidade é o Bicho após estrear em novos países, subiu para a segunda posição. Alvin e os Esquilos: Na Estrada continua a acumular boas rendas, tendo ficado em terceiro lugar. Com lançamento em novos países, Como Ser Solteira subiu para a quarta posição do ranking com uma melhora no desempenho, tomando o lugar de O Regresso, que teve de se contentar com o quinto lugar.

Cena de DEADPOOL.

Cena de DEADPOOL

Em sua segunda semana em cartaz, Deadpool obteve uma queda na renda, como de costume dos filmes que estreiam com uma grande arrecadação no primeiro fim de semana, mas conseguiu ainda sustentar um bom valor, tendo acumulado cerca de US$ 85,1 milhões no fim de semana, que novamente lhe garantiu com folga a liderança do ranking. O valor obtido no período representa uma perda de apenas 35% em relação o fim de semana anterior, um bom número para um filme que estreou com uma arrecadação acima dos US$ 100 milhões. Deadpool obteve o segundo melhor desempenho de um filme da Fox na Coréia do Sul, tendo acumulado cerca de US$ 12,1 milhões no país em seu fim de semana de estreia. Atualmente em cartaz em mais de 70 países, o filme do famoso anti-herói da Marvel passou a acumular cerca de US$ 256 milhões no mercado internacional pelo fim desse domingo.

Cena de ZOOTOPIA: ESSA CIDADE É O BICHO.

Cena de ZOOTOPIA: ESSA CIDADE É O BICHO

Ao estrear em novos países, a animação Zootopia: Essa Cidade é o Bicho obteve um ótimo resultado nesse fim de semana, tendo acumulado cerca de US$ 31,2 milhões, valor que a fez subir da oitava para a segunda colocação do ranking internacional. Na França e Polônia, Zootopia obteve a melhor estreia de uma animação da Disney, tendo acumulado respectivamente US$ 9,2 milhões e US$ 1,2 milhão. Com as novas estreias, a animação passou a ficar em cartaz em 22 países do mercado internacional, onda acumulou uma receita próxima de US$ 39 milhões.

Alvin e seus amigos em cena de ALVIN E OS ESQUILOS: NA ESTRADA.

Alvin e seus amigos em cena de ALVIN E OS ESQUILOS: NA ESTRADA

Em sua nona semana em cartaz no mercado internacional, Alvin e os Esquilos: Na Estrada continua a obter boas rendas, que mantém a animação entre os cinco melhores. Desta vez, o filme acumulou cerca de US$ 11,8 milhões, valor que representa uma queda próxima de 30% em relação o fim de semana anterior. Com o resultado, a animação caiu para a terceira colocação devido a estreia de Zootopia em novos países, mas continua com um bom desempenho para um filme a tantas semanas em cartaz. Reino Unido continua sendo a localidade onde Alvin e os Esquilos: Na Estrada vem obtendo o melhor desempenho, tendo já acumulado cerca de US$ 19,2 milhões, de uma receita total de US$ 131 milhões do mercado internacional.

em cena de COMO SER SOLTEIRA.

Dakota Johnson em cena de COMO SER SOLTEIRA

Como Ser Solteira estreou em mais alguns países e conseguiu melhorar razoavelmente o desempenho, subindo da sexta para a quarta colocação do ranking após obter uma renda próxima de US$ 10,9 milhões. No Reino Unido, a comédia estrelada por Dakota Johnson obteve cerca de US$ 2,7 milhões em seu fim de semana de estreia. Com o resultado, Como Ser Solteira passou a acumular cerca de US$ 21,4 milhões no mercado internacional. Nessa semana, dentre os principais países de estreia, está o Brasil e a França.

Leonardo DiCaprio, indicado ao Oscar de Melhor Ator, em cena de O REGRESSO.

Leonardo DiCaprio, indicado ao Oscar de Melhor Ator, em cena de O REGRESSO

Em sua sétima semana em cartaz no mercado internacional, O Regresso continua com um bom desempenho nas bilheterias, tendo acumulado cerca de US$ 8,6 milhões. Em cartaz em 50 países, o Reino Unido é novamente o local de maior arrecadação, que para o filme já chega a US$ 30,9 milhões, enquanto a Espanha ficou como a segunda melhor, com uma receita de US$ 11 milhões. No total, o drama estrelado por DiCaprio acumula cerca de US$ 216 milhões no mercado internacional. Dentre as principais localidades de estreia para essa semana, está França e Índia.

Confira abaixo a tabela do ranking internacional com os dez melhores.

RINT

Veja o trailer de Zootopia: Essa Cidade é o Bicho, cuja estreia no Brasil está prevista para o dia 17 de março.

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 08 – DEADPOOL

Em sua segunda semana em cartaz, Deadpool continuou fazendo bonito nas bilheterias e permaneceu isolado na liderança do ranking dos mais rentáveis. Dentre os lançamentos, o melhor resultado foi o do épico bíblico Ressurreição, sendo seguido pelo terror A Bruxa. O drama esportivo Race, por sua vez, não empolgou

Cena de DEADPOOL

Cena de DEADPOOL

Após registrar uma abertura simplesmente arrasadora e que deixou muita gente boquiaberta, a aventura de ação Deadpool continuou bombando nas telonas norte-americanas e novamente faturou alto no fim de semana, algo que, dessa vez, não surpreendeu ninguém. Ao todo, foram mais US$ 55 milhões arrecadados pelo longa de sexta a domingo, resultado que representa uma queda de 58% em relação ao final de semana passado e que elevou o total acumulado da produção para excelentes US$ 235,39 milhões. Deadpool é um personagem que faz parte da cultura. Se você não assistiu ao filme, vai sentir como se tivesse que vê-lo, então não vai perder a oportunidade, disse ao Deadline o presidente de distribuição da Fox, Chris Aronson, sobre Deadpool, que por sinal já é a sexta maior bilheteria de um filme classificação R-Rated de todos os tempos, sendo que a expectativa é de que logo, logo o filme suba para a terceira colocação dessa lista.

Cena de KUNG FU PANDA 3

Cena de KUNG FU PANDA 3

Em segundo lugar, também mantendo a sua colocação, está a animação Kung Fu Panda 3, que mais uma vez conseguiu se sustentar bem (sua queda foi de 37%, a menor do Top 10) e faturou US$ 12,50 milhões. Em quatro semanas, a animação da DreamWorks soma uma bilheteria de US$ 117,10 milhões e com isso a projeção dos analistas é de que a produção encerre sua trajetória nas telonas norte-americanas com um acumulado de US$ 140 milhões.

Banner internacional de RESSURREIÇÃO (2016), de Kevin Reynolds

Banner internacional de RESSURREIÇÃO (2016), de Kevin Reynolds

A terceira posição ficou com o épico bíblico Ressurreição (Risen), que, conforme o esperado, se tornou a estreia mais bem-sucedida da semana, tendo arrecadado US$ 11,80 milhões nos seus três primeiros dias em cartaz, performance que por sinal conseguiu superar um pouco as expectativas do pessoal da Sony Pictures, que acreditava em uma abertura de US$ 10 milhões. Nós estamos muito, muito felizes com esse resultado. Esses filmes de temática cristã são certamente um gênero que nós acolhemos e que agora faz parte do nosso DNA, disse ao Los Angeles Times o presidente de distribuição da Sony, Rory Bruer. No Brasil, Ressurreição tem lançamento agendado para o dia 17 de março.

Banner internacional de A BRUXA (2015), Robert Eggers

Banner internacional de A BRUXA (2015), Robert Eggers

O quarto lugar coube a outra novidade, o terror A Bruxa (The Witch), que arrecadou US$ 8,68 milhões no fim de semana, quantia que fez a alegria dos executivos da A24, tendo em vista que as suas projeções eram de que o filme rendesse apenas US$ 4 milhões de sexta a domingo. A Bruxa chega aos cinemas nacionais no dia 03 de março.

Rebel Wilson e Dakota Johnson em cena de COMO SER SOLTEIRA

Rebel Wilson e Dakota Johnson em cena de COMO SER SOLTEIRA

Escorregando duas posições, a comédia Como Ser Solteira ficou em quinto lugar com um faturamento de US$ 8,22 milhões. Em dez dias, o longa estrelado por Rebel Wilson (A Escolha Perfeita) e Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza) acumula uma bilheteria de US$ 31,76 milhões, o que faz os analistas acreditarem que a produção deverá arrecadar ao todo cerca de US$ 50 milhões no mercado norte-americano.

Banner internacional de RACE (2016), de Stephen Hopkins

Banner internacional de RACE (2016), de Stephen Hopkins

Logo abaixo, na sexta colocação, aparece a terceira estreia da semana, o drama esportivo Race, que não empolgou tanto o público e obteve US$ 7,27 milhões no seu primeiro fim de semana, resultado que ficou abaixo dos US$ 9 milhões esperados pelo pessoal da Focus Features. Por enquanto, Race não possui data de estreia definida no Brasil.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

07

Assista ao trailer de Ressurreição:

Imagem de Amostra do You Tube

5 GRAÇAS – A TURQUIA E A MULHER: VIDAS EM SUPLÍCIO

Ganhador de 23 prêmios e um dos finalistas ao Oscar-2016 de Melhor Filme Estrangeiro, 5 Graças, da cineasta turca Deniz Gamze Ergüven, 37, oferece uma exposição despojada e atualizada da condição da mulher na sociedade de seu país

layda Akdoğan, Tuğba Sunguroğlu, Elit İşcan, Doğa Doğuşlu e Güneş Şensoy em 5 GRAÇAS (2015), de Deniz Gamze Ergüven: história de terror e libertação

layda Akdoğan, Tuğba Sunguroğlu, Elit İşcan, Doğa Doğuşlu e Güneş Şensoy em 5 GRAÇAS (2015), de Deniz Gamze Ergüven: história de terror e libertação

Meio europeu, meio asiático, a Turquia é uma república constitucional democrática, multipartidária, laica e considerada a mais liberal entre os países de sua região asiática e africana de predominância islâmica. No entanto, a sua forte relação com o Ocidente parece estar sempre em choque com a sua herança cultural e religiosa. A segregação de gênero continua sendo um problema de distante solução.

É dentro desse universo do estado turco que 5 Graças se desenvolve. Ergüven, radicada na França, inteligentemente, não se interesse nem pelo laico, nem pela política e muito menos pelo religioso. Todos estão, aparentemente, ausentes, mas perpassam subliminarmente por toda a narrativa – não deixando de registrar que a religião predominante no país é o islã, com pequenas minorias de cristãos e judeus. Daí, o que Importa, na verdade, a Ergüven expor é o cerne da sociedade turca: a família e a condição da mulher.

A cineasta se vale de um roteiro inteligente, que mescla a tragédia feminina em um certo humor, incômodo, mas necessário para que sua obra alcance a diversificadas plateias, especialmente ocidentais. Esse humor, em verdade, serve para fazer o espectador respirar em meio a sua exposição do horror com uma ponta de esperança. E, neste contexto, essa ponta de esperança se chama educação, o pequeno instrumento da conscientização que abre e fecha a história de 5 Graças.

Em 5 GRAÇAS, a exposição da prisão da mulher aos dogmas e tradições do passado turco

Em 5 GRAÇAS, a exposição da prisão da mulher aos dogmas e tradições do passado turco

Ambientado em um lugarejo remoto do interior da Turquia,  acompanha o drama das irmãs órfãs Sonay (İlayda Akdoğan), a mais velha, com 17 anos, seguida de Selma (Tuğba Sunguroğlu), Ece (Elit İşcan), Nur (Doğa Doğuşlu) e Lale (Güneş Şensoy), que têm 12 anos. Elas moram com a avó (Nihal Koldaş) e o tio Erol (Ayberk Pekcan), agregados a valores das tradições ancestrais. No início, as cinco irmãs e suas colegas se despedem da professora. É o começo do período de férias, saudado com inocente banho de mar com os garotos, mas o qual se desenvolve em uma sucessão de eventos: transforma-se em denúncia, desencadeia um estado de violência cujo sentido é instaurar, nelas, o medo e a repressão. O motivo é simples: essas meninas não pertencem a si mesmas, não são donas de si, mas sim, a uma tradição secular institucionalizada que lhes impõe uma “pureza feminina”, ou seja, manterem-se virgens até o casamento. O instrumento utilizado para isso também secular: o isolamento do mundo externo, uma prisão domiciliar.

E é justamente neste estado de claustrofobia que Eugüven põe a sua câmera para vasculhar o ambiente da casa: a intimidade das meninas, desvendando-lhes a inocência; o autoritarismo dos tios, a submissão das mulheres e as suas ações em uma silenciosa proteção às mais jovens, as quais ousam quebrar o sistema. Mesmo na submissão, elas promovem as suas ações. A tradição impõe a necessidade da manutenção da virgindade das meninas. Afinal, a “honra” da família firma-se nessa condição feminina secular de “pureza”. Na verdade, submissão. Detalhes que formulam um estado opressão vivido pela mulher turca, ainda em sua infância.

5 Graças é riquíssimo nesses detalhes, todos desenvolvidos no interior do estado claustrofóbico. Destaco, aqui, quatro deles: a virgindade e a honra das famílias; o teste de virgindade; o casamento infantil; e o assédio sexual no seio da própria família. Disseminada pela tradição secular, a exigência da virgindade como “status” de honra da família para as relações de casamento, revela Eugüven, está sendo desmoralizada da forma mais ousada possível. E como? Sonay, a mais velha, revela às irmãs que faz “sexo por trás” com o namorado – e assim se mantém virgem. Detalhe que é uma afronta ao estado turco.

Ilayda Ardogen: ousadia e quebra de tabus no sexo com o namroado

Ilayda Ardogen: ousadia e quebra de tabus no sexo com o namoroado

Em 2004, a Suprema Corte do país considerou o sexo oral, anal e homossexual, “que não servem para a reprodução”, como antinaturais, e, por isso, criminalizados. É o típico caso das leis que não valem para nada (nós a conhecemos bem aqui no Brasil), promovidas para reprimir a sexualidade, já instauradas no âmbito religioso, mas também, agora, nos tempos pós-modernos, também no campo jurídico. Hoje, na Turquia, essa lei serve apenas para punir os vendedores de obras pornográficas.

Outra situação secular, os “testes de virgindade” se mantêm justamente para o cumprimento da “honra familiar” nos casos considerados “suspeitos” ou para as recém-casadas que não sangrem na noite de núpcias. Ergüven prefere não levar o caso ao ridículo, mas o expõe como uma condição física de determinadas mulheres em não sangrar com a penetração.

Comum na história humana, o casamento infantil, pejorativamente chamado no ocidente de “casamento pedófilo”, por sua vez, é outra sobrevivência secular nos tempos atuais, embora venha sendo eliminado, lentamente, em alguns países, especialmente africanos. E aí, percebam outro aspecto da lei turca levada à cesta do lixo. Juridicamente, as meninas só podem se casar a partir dos 17 anos, mas essa lei, nunca respeitada e violada pela “tradição”, a é, também, pela crise econômica que também atinge o país, o que favorece o uso do matrimônio infantil como fonte de “negócios”.

Deniz Gamze Ergüven: expondo as dores das mulheres de seu País

Deniz Gamze Ergüven: expondo as dores das mulheres de seu País

No ano passado, a advogada e ativista da organização Izmir Bar Association Central, Nuriye Kadam, revelou ter detectado através de pesquisa que um terço de todos os casamentos no país envolveram menores de idade e que, em 2012, quase 20 mil pais apresentaram pedidos à justiça para que as suas filhas com idade inferior a 16 anos fossem liberadas para casar. Segundo Kadam, existem 180 mil meninas-noivas no País. A Turquia tem uma população de 70 milhões.

Por fim, Ergüven trata diretamente da pedofilia no ambiente familiar ao mostrar, de maneira discreta, o assédio sexual que o tio moralista perpetra contra duas das meninas, aparentemente com o silêncio das mulheres da casa. Como revelam as pesquisas, os monstros sexuais estão no seio das famílias. Quem estiver interessado em saber mais sobre o tema, recomendo a leitura de “Sexualidade no Islã” (Editora Globo, 2006), do tunisiano Abdelwahab Bouhdiba.

Ergüven, conscientemente, coloca a Turquia numa situação de conflito entre a influência do Ocidente, ao assumir uma estrutura democrática, e a resistência à modernidade com a prevalência de suas tradições culturais, cuja força mostra-se capaz de eliminar a legitimidade jurídica. Um país em ponto de cisão entre o pensamento liberal e cristão ocidental e o Oriente islâmico.

E, vai aqui, um necessário “spoiler” para que a esta análise de 5 Graças tenha um fechamento circular: o importância da educação. Fechando a sua exposição, a cineasta revela a escola como o único caminho viável para a libertação da mulher. A fuga das meninas é muito mais metafórica do que real. E o reencontro com a professora a expõe como o instrumento de conscientização.

As mulheres estão provocando uma revolução por dentro da Turquia (e também em outros países islâmicos). Advogadas, ativistas, professoras, estão na linha de frente. O efeito é lento, vai levar décadas para obter sucesso, mas o processo da graça da liberdade está em andamento.

Mustang. França-Alemanha-Turquia-Qatar, 2015. Direção: Deniz Gamze Ergüven. Com Günes Sensoy, Doga Zeynep Doguslu, Tugba Sunguroglu, Elit Iscan e Ilayda Akdogan. 97 minutos. 16 anos.

Confira o trailer de 5 Graças.

Imagem de Amostra do You Tube

 

SEMANA 08 – AS ESTREIAS DESTA QUINTA-FEIRA EM FORTALEZA

Ainda no rastro do Oscar, o circuito segue com filmes interessantes, como o drama Cinco Graças (2015), de Deniz Gamze Ergüven, a animação Anomalisa (2015), de Duke Johnson e Charlie Kaufman, e o drama O Quarto de Jack (2015), de Lenny Abrahamson. Quanto aos lançamentos mais recentes e com maior apelo comercial, há o terror Boneco do Mal (2016), de William Brent Bell; o drama Horas Decisivas (2016), de Craig Gillespie; e o thriller 13 Horas – Os Soldados Secretos de Benghazi (2016), de Michael Bay. Em pré-estreia, o dramas O Abraço da Serpente (2015), de Ciro Guerra

Cena de CINCO GRAÇAS (2015), de Deniz Gamze Ergüven

Cena de CINCO GRAÇAS (2015), de Deniz Gamze Ergüven

Vivemos em um tempo em que as minorias estão reivindicando cada vez mais os seus direitos, a sua própria voz. Mulheres, gays, negros e outras minorias que se sentem marginalizados ou têm sua voz calada estão tendo a chance de usar a arte para exercitar esse direito, um direito que não lhes era concedido. Cinco Graças, da cineasta turca radicada na França Deniz Gamze Ergüven, é um exemplo bem representativo de um cinema feminista, embora, pelo fato de se passar em um vilarejo na Turquia, seja também um filme de combate contra certas tradições culturais e religiosas extremamente machistas e desumanas. A história é contada com muita simplicidade, até para atingir com mais eficácia, como um soco no estômago, o conservadorismo reinante, principalmente o vivenciado em países em que a religião muçulmana é dominante. Em cartaz no Cinema de Arte (Cinépolis RioMar) e no Cinema do Dragão.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

CINCO GRAÇAS (Mustang, França/Alemanha/Turquia/Qatar, 2015), de Deniz Gamze Ergüven. Com Günes Sensoy, Doga Zeynep Doguslu, Tugba Sunguroglu, Elit Iscan, Ilayda Akdogan, Nihal G. Koldas, Ayberk Pekcan, Bahar Kerimoglu, Burak Yigit. 97 min. Alpha Filmes/Pandora. 14 anos.

Cena de ANOMALISA (2015), de Duke Johnson e Charlie Kaufman

Cena de ANOMALISA (2015), de Duke Johnson e Charlie Kaufman

Mais um indicado ao Oscar de melhor animação entra em cartaz na cidade, Anomalisa, de Duke Johnson e Charlie Kaufman. O nome de Kaufman na direção já chama a atenção para a estranheza tão habitual em seus trabalhos desde os tempos em que ele fazia roteiros para os filmes de Spike Jonze. Separado de Jonze, Kaufman não tem muitos filmes na direção. O primeiro é o estranho e hermético Sinédoque, Nova York (2008). Anomalisa, que dizem ser bem mais acessível, é o terceiro de sua carreira como diretor e é uma animação em stop-motion sobre um homem que é uma celebridade do mundo corporativo de atendimento ao cliente que está passando por uma crise ao se envolver com uma fã – ele é casado e tem um filho. Em cartaz no Cinema do Dragão e no Cine Del Paseo.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

ANOMALISA (EUA, 2015), de Duke Johnson e Charlie Kaufman. Com as vozes originais de David Thewlis, Jennifer Jason Leigh, Tom Noonan. 90 min. Paramount. 14 anos.

Cena de O QUARTO DE JACK (2015), de Lenny Abrahamson

Cena de O QUARTO DE JACK (2015), de Lenny Abrahamson

Último dos oito candidatos deste ano ao Oscar de melhor filme a entrar em cartaz no Brasil, O Quarto de Jack, de Lenny Abrahamson, é desses que causam sentimentos de comoção em diversos momentos. É um filme pequeno que se agiganta com seu tema forte e pesado, com as interpretações inspiradas da bela e talentosa Brie Larson e do garotinho Jacob Tremblay, e com cenas que trazem um sentimento de impotência, claustrofobia e indignação. Ao mesmo tempo, exalta a beleza e a grandeza do mundo, esse mundo tão desconhecido dos olhos e da cabeça do pequeno Jack. O filme é baseado em um romance da escritora irlandesa-canadense Emma Donaghue, que tem um histórico interessante de livros sobre personagens femininas fortes. Recomendamos fortemente que não veja o trailer, que entrega a história e as surpresas. Em cartaz no UCI Iguatemi e Cinépolis RioMar.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

O QUARTO DE JACK (Room, Irlanda/Canadá, 2015), de Lenny Abrahamson. Com Brie Larson, Jacob Tremblay, Sean Bridgers, Wendy Crewson, Sandy McMaster, Matt Gordon, Amanda Brugel, Joe Pingue, Joan Allen, William H. Macy. 118 min. Universal. 14 anos.

Lauren Cohen em BONECO DO MAL (2016), de William Brent Bell

Lauren Cohen em BONECO DO MAL (2016), de William Brent Bell

Para alegria dos fãs dos filmes de horror, teremos uma sucessão de exemplares do gênero nas próximas semanas. Se nesta semana é a vez de Boneco do Mal, nas próximas teremos, respectivamente, o austríaco Boa Noite, Mamãe e o canadense A Bruxa. Boneco do Mal é mais um filme que brinca com o tema de brinquedos inanimados que possuem um estranho poder macabro. Na trama, Lauren Cohen (a doce Maggie, de The Walking Dead) é uma americana que aceita o emprego de babá em uma pequena vila inglesa. O problema é que o garoto de oito anos que ela deve cuidar é na verdade um boneco que os pais cuidam como se fosse um menino de verdade. Coisas estranhas acontecem, principalmente quando ela viola uma lista de regras do garoto. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

BONECO DO MAL (The Boy, EUA/China/Canadá, 2016), de William Brent Bell. Com Lauren Cohen, Rupert Evans, James Russell, Jim Norton, Diana Hardcastle, Ben Robson, Jett Klyne, Lily Pater, Matthew Walker, Stephanie Lemelin. 97 min. Diamond Films. 14 anos.

Cena de HORAS DECISIVAS (2016), de Craig Gillespie

Cena de HORAS DECISIVAS (2016), de Craig Gillespie

O trailer parece prometer um drama água com açúcar padrão Disney recheado de momentos de perigo em alto mar, mas é possível que Horas Decisivas seja melhor do que aparenta, apesar de já se mostrar como um filme bem tradicional.  A trama se passa no ano de 1952, quando uma grande nevasca leva uma plataforma de petróleo a se rachar, lançando 84 tripulantes ao mar. No meio do sufoco imposto pela tempestade, um grupo de guardas costeiros luta para resgatar as vítimas. O filme possui em seu elenco masculino nomes como Chris Pine, Casey Affleck e Eric Bana. A direção é de Craig Gillespie, que tem no currículo filmes tão distintos quanto A Garota Ideal (2007) e o remake A Hora do Espanto (2011). Horas Decisivas entra em cartaz em grande circuito, inclusive na sala IMAX.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

HORAS DECISIVAS (The Finest Hours, EUA, 2016), de Craig Gillespie. Com Chris Pine, Casey Affleck, Ben Foster, Eric Bana, Holliday Grainger, John Ortiz, Kyle Gallner, John Magaro, Graham McTavish, Michael Raymond-James. 117 min. Disney. 10 anos.

John Krasinski em 13 HORAS - OS SOLDADOS SECRETOS DE BENGHAZI (2016), de Michael Bay

John Krasinski em 13 HORAS – OS SOLDADOS SECRETOS DE BENGHAZI (2016), de Michael Bay

Michael Bay até que poderia conseguir ser mais respeitado como diretor por parte da crítica se desse um tempo em sua franquia Transformers, já que um de seus filmes anteriores, Sem Dor, Sem Ganho (2013) é uma bela surpresa. 13 Horas – Os Soldados Secretos de Benghazi, seu mais novo trabalho, tem recebido alguns elogios e conta a história de um grupo de seis soldados privados que trabalham num complexo da CIA em Benghazi, na Líbia, em 2012. Em um aniversário do 11 de setembro, esses homens precisarão defender um posto diplomático que recebe a visita de um embaixador americano e que será alvo de terroristas. Com sorte, Bay conduzirá um bom thriller de ação e espionagem. Em cartaz em grande circuito.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

13 HORAS – OS SOLDADOS SECRETOS DE BENGHAZI (13 Hours – The Secret Soldiers of Benghazi, EUA, 2016), de Michael Bay. Com John Krasinski, James Badge Dale, Pablo Schreiber, David Denman, Dominic Fumusa, Max Martini, Alexia Barlier, David Costabile, Peyman Moaadi, Matt Letscher. 144 min. Paramount. 14 anos.

Pré-estreias

Cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Cena de O ABRAÇO DA SERPENTE (2015), de Ciro Guerra

Indicado pela Colômbia ao Oscar de melhor filme estrangeiro, O Abraço da Serpente tem sua trama se passando na Floresta Amazônica. O filme conta a história de um explorador europeu que é guiado por um xamã pelo Rio Amazonas a fim de encontrar uma lendária flor que cure sua doença. Quarenta anos depois, outro explorador também procura o mesmo xamã para seguir a mesma trilha do anterior. A bela fotografia em preto e branco do filme salta aos olhos e, com sua história intrigante, já é bastante convidativo. O filme é baseado nos diários dos dois exploradores europeus, que vagaram pela região a fim de conhecer os segredos da Amazônia no início do século XX. É preciso prestar um pouco mais de atenção na trama, pois há uma mudança constante entre passado e presente sem qualquer alteração na fotografia. Em pré-estreia no Cinema do Dragão (domingo, às 17h30).

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

O ABRAÇO DA SERPENTE (El Abrazo de la Serpiente, Colômbia/Venezuela/Argentina, 2015), de Ciro Guerra. Com Nibio Torres, Jan Bijvoet, Antonio Bolivar, Brionne Davis, Yauenkü Migue, Nicolás Cancino, Luigi Sciamanna. 125 min. Esfera. 16 anos.

Saem de cartaz

A Escolha
A Visita

As Memórias de Marnie
Carol
Creed – Nascido para Lutar
Joy – O Nome do Sucesso

O Menino e o Mundo
Spotlight – Segredos Revelados

Tangerine
Tirando o Atraso

As estreias nacionais desta quinta-feira, 18, que não entram em cartaz em Fortaleza

A Vizinhança do Tigre
O Lobo do Deserto

Veja o trailer de O Lobo do Deserto

Imagem de Amostra do You Tube

RANKING INTERNACIONAL – DEADPOOL dispara na liderança em estreia

Em sua estreia no mercado internacional, Deadpool entrou em cartaz em mais de 60 países e disparou na liderança do ranking com uma ótima renda. Alvin e os Esquilos: Na Estrada estreou no Reino Unido e conseguiu melhorar seu desempenho, subindo para a segunda posição. Kung Fu Panda 3 caiu um pouco, mas conseguiu ficar em terceiro lugar. O mesmo ocorreu com O Regresso, que caiu da liderança para a quarta colocação. A continuação da famosa comédia de Ben Stiller, Zoolander 2, estreou em 20 países com um bom resultado, mesmo com as críticas negativas, ficando em quinto

Cena de DEADPOOL.

Cena de DEADPOOL

O esperado filme do famoso personagem da Marvel chegou às telonas dos países do mercado internacional com um ótimo desempenho em seu fim de semana de estreia. Deadpool acumulou cerca de US$ 125 milhões no período, disparando na liderança do ranking. O filme apenas não foi primeiro colocado no ranking local de um dos 61 países onde estreou no fim de semana. Da arrecadação, cerca de US$ 9 milhões foi obtido apenas em salas IMAX, pouco mais de 200.

Alvin e seus amigos em cena de ALVIN E OS ESQUILOS: NA ESTRADA.

Alvin e seus amigos em cena de ALVIN E OS ESQUILOS: NA ESTRADA

Em segundo lugar, Alvin e os Esquilos: Na Estrada melhorou o desempenho nas arrecadações após estrear no Reino Unido, tendo acumulado cerca de US$ 15,3 milhões no fim de semana, valor que representa um aumento próximo de 20% em relação ao fim de semana anterior. O valor obtido no país de estreia foi quase o dobro daquele obtido pelo filme anterior da franquia, Alvin e os Esquilos 3. Com o resultado, a animação passou a acumular cerca de US$ 108 milhões no mercado internacional.

Po em cena de KUNG FU PANDA 3.

Po em cena de KUNG FU PANDA 3

Kung Fu Panda 3 ficou na terceira posição do ranking após uma queda considerável no desempenho de aproximadamente 50%, tendo arrecadado apenas US$ 14,6 milhões nesse fim de semana. Como esperado, a China continua sendo o país do mercado internacional com melhor arrecadação, onda a animação já acumula US$ 125 milhões, do US$ 162 milhões em receita total no mercado, obtidos após 3 semanas em cartaz.

Leonardo DiCaprio em cena de O REGRESSO.

Leonardo DiCaprio em cena de O REGRESSO

Assim como a animação, O Regresso também caiu bastante, cerca de 50%, na renda obtida no fim de semana, tendo acumulado US$ 14 milhões, que fez com que o filme caísse da liderança para a quarta colocação. Em sua sexta semana desde a estreia, o drama indicado ao Oscar está em cartaz ainda em pouco menos 70 países. A receita total do filme no mercado internacional é US$ 202 milhões, a maior dentre os filmes do Top 5.

Ben Stiller e Owen Wilson em cena de ZOOLANDER 2.

Ben Stiller e Owen Wilson em cena de ZOOLANDER 2

Apesar de uma pior recepção da crítica que aquela do primeiro filme, Zoolander 2 estreou no mercado internacional em cerca de 20 países com mais que o dobro da renda obtida pelo primeiro filme em seu primeiro fim de semana. A comédia de Ben Stiller arrecadou cerca de US$ 8,5 milhões no período e conseguiu assegurar uma posição entre os cinco melhores, tendo ficado com a quinta colocação do ranking.

Confira abaixo a tabela do ranking com os dez melhores.

RINT

Veja o trailer de Deadpool.

Imagem de Amostra do You Tube

SEMANA 07 – DEADPOOL

Após um longo caminho para chegar às telonas, Deadpool fez a espera valer a pena e conquistou uma arrecadação extraordinária no seu fim de semana de estreia. Quanto aos demais lançamentos, Como Ser Solteira obteve um desempenho satisfatório, enquanto Zoolander 2 decepcionou

Banner internacional de DEADPOLL (2016), de Tim Miller

Banner internacional de DEADPOOL (2016), de Tim Miller

Com os números das bilheterias norte-americanas deste fim de semana devidamente divulgados, podemos afirmar que 2016 já tem o seu primeiro grande sucesso: Deadpool. Lançado na última sexta-feira, 12, em 3.558 salas de cinemas dos Estados Unidos e Canadá, o filme do mercenário falastrão da Marvel fez um sucesso simplesmente arrasador junto ao público local e encerrou seus três primeiros dias em cartaz na liderança absoluta do ranking de bilheteria com uma renda de espetaculares US$ 135,05 milhões, resultado que equivale a mais que o dobro das projeções iniciais de mercado (que apontavam para um faturamento de US$ 65 milhões) e que garante à produção vários recordes, dentre eles o de maior abertura do mês de Fevereiro de todos os tempos, maior abertura de um filme R-Rated (probido para menores de 17 anos) de todos os tempos, maior abertura da franquia X-Men, maior abertura de uma produção da Fox e sétima melhor abertura de um filme baseado em quadrinhos. Além disso, vale mencionar que, como amanhã, 15, é feriado nos Estados Unidos (comemora-se o Dia do Presidente), a expectativa é que Deadpool alcance até lá a marca de US$ 150 milhões arrecadados, valor empolgante que supera com bastante folga o orçamento do longa, estimado em US$ 58 milhões. A essa altura, o pessoal da Fox deve estar em polvorosa com esses números… Deadpool já está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Cena de KUNG FU PANDA 3

Cena de KUNG FU PANDA 3

Em um distante segundo lugar aparece a campeã da semana passada, a animação Kung Fu Panda 3, que conseguiu se sustentar muito bem (sua queda foi de míseros 7%) e rendeu mais US$ 19,65 milhões, sendo que esta quantia deve subir para US$ 26 milhões com os resultados de segunda. Atualmente, o terceiro filme da franquia da DreamWorks acumula uma bilheteria de US$ 93,91 milhões.

Banner internacional de COMO SER SOLTEIRA (2016), de Christian Ditter

Banner internacional de COMO SER SOLTEIRA (2016), de Christian Ditter

A medalha de bronze ficou com a comédia romântica esteante Como Ser Solteira (How To Be Single), que de sexta a domingo faturou US$ 18,75 milhões, com projeções de US$ 21 milhões para o fim de semana prolongado, resultados que não chegam a ser muito animadores, mas que vão de encontro com as expectativas dos executivos da Warner Bros. No mais, cabe ressaltar que o orçamento da produção foi de apenas US$ 38 milhões, o que indica que dificilmente alguém ficará no prejuízo. Por aqui, Como Ser Solteira chega aos cinemas no dia 25 de fevereiro.

Banner internacional de ZOOLANDER 2 (2016), de Ben Stiller

Banner internacional de ZOOLANDER 2 (2016), de Ben Stiller

Na sequência do ranking aparece a comédia Zoolander 2, que não conseguiu conquistar nem a crítica, nem o público norte-americano e terminou por se tornar a decepção do fim de semana ao registrar uma abertura de US$ 15,65 milhões, valor que deve chegar a US$ 18 milhões até amanhã. Deadpool simplesmente superou todas as expectativas e isso foi devastador para os outros filmes em exibição, declarou à Variety a presidente de distribuição mundial da Paramount, Megan Colligan, sobre o performance de Zoolander 2, cujas projeções iniciais de arrecadação eram de US$ 25 milhões para os seus quatro primeiros dias em cartaz. No Brasil, Zoolander 2 tem lançamento agendado para o dia 03 de março.

Cena de O REGRESSO

Cena de O REGRESSO

Completando a lista dos cinco primeiros colocados está o drama O Regresso, que praticamente repetiu o desempenho da semana passada (sua queda foi de insignificantes 0,6%) e fez mais US$ 6,90 milhões. Ao todo, o longa estrelado por Leonardo DiCaprio detém uma bilheteria de ótimos US$ 159,16 milhões.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

06

Assista ao trailer de Deadpool.

Imagem de Amostra do You Tube