PREMIO ABRACCINE – OS VENCEDORES DE 2014

Fundada há 4 anos, em julho de 2011, a Associação Brasileira de Críticos de Cinema-ABRACCINE, acompanhando uma tradição de todas as associações mundiais da categoria, passou a eleger os melhores filmes do ano. Assim, a cada temporada, através de votação democrática, cada membro elege o melhor curta e o longa-metragem brasileiro, além da a melhor produção estrangeira. Em 2014, O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra, foi escolhido o nacional do ano. Mas, há ainda outros premiados

Leandra Leal e Milhem Cortaz em O LOBO ATRÁS DA PORTA (2014), DE Fernando Coimbra

Leandra Leal e Milhem Cortaz em O LOBO ATRÁS DA PORTA (2014), DE Fernando Coimbra

A votação em dois turnos apontou, ainda a produção estadunidense Boyhood: da Infância à Juventude (Boyhood, 2014), de Richard Linklatter, como a melhor realização estrangeira exibida nos cinemas brasileiros. O curta-metragem nacional escolhido foi La Llamada, de Gustavo Vinagre. Nesta categoria, concorrem apenas produções nacionais.

O Lobo Atrás da Porta é a obra de estreia de Fernando Coimbra, também autor do roteiro, aborda um interrogatório envolvendo 3 pessoas – um homem (Milhem Cortaz), a mulher (Fabíula Nascimento) e a amante dele (Leandra Leal) – suspeitas do sequestro de uma criança. Um detetive (Juliano Cazarré) comanda as investigações e, através dos depoimentos, vai compondo um painel de mentiras, obsessões, carências e perversidades. Ganhou o prêmio Horizontes Latinos no Festivald e San Sebastian, na Espanha, e Leandra o de melhor atriz no Festival do Rio.

Ellar Coltrane, Richard Linklatter e Lorelei Linklatter em BOYHOOD - DA INFÂNCIA Á JUVENTUDE (2014), de Richard Linklatter

Ellar Coltrane, Richard Linklatter e Lorelei Linklatter em BOYHOOD – DA INFÂNCIA Á JUVENTUDE (2014), de Richard Linklatter

Boyhood é um drama de baixíssimo custo de produção, apenas 4 milhões de dólares e levou 12 anos para ser feito. É o registro da vida de um garoto dos 6 aos 18 anos, em companhia da irmã e dos pais (Ethan Hawke e Patricia Arquette) divorciados. Lançado mundialmente pela Fox Filmes, já faturou 43,3 milhões de dólares em todo mundo (US$ 242 nos EUA e US$ 19,3 milhões no exterior).

 Alexei (Pacolo) Hernández em LA LLAMADA (2014), de Gustavo Vinagre

Alexei (Pacolo) Hernández em LA LLAMADA (2014), de Gustavo Vinagre

La Llamada (A Chamada, SP, 2014), de Gustavo Vinagre, drama com fundo político, tem como personagem um cubano revolucionário exilado no Brasil que, vivendo em um pequeno povoado, aguarda a instalação do primeiro telefone em sua casa. Mas, o problema: para quem ele fará a primeira ligação? Tem 19 anos é em em preto e branco.

Veja o trailer de O Lobo Atrás da Porta, disponível nas locadoras.

Imagem de Amostra do You Tube

 

BLACK OR WHITE

Kevin Costner vive um viúvo que sofre a perda da mulher e da filha e enfrenta uma guerra familiar para preservar a neta. Tendo por base uma história real, promove uma abordagem diferente das humanas diferenças de cores. Sem data de estreia no Brasil.

Imagem de Amostra do You Tube

RANKING INTERNACIONAL > O HOBBIT SEGUE NA FRENTE

Mesmo com as festas de fim de ano o mercado mundial do cinema não sofreu abalos – ao contrário. Com O Hobbit: a Batalha dos 5 Exércitos ainda em sua terceira semana em cartaz, milhares foram se despedir dos personagens da Terra Media, os quais dificilmente retornarão às produções de Hollywood. E o resultado foi ótimo, de US$ 89,2 milhões, tendo terminando o último fim de semana com quase o triplo do obtido pelo segundo colocado do Ranking, Êxodo: deuses e Reis, épico de Ridley Scott, que contabilizou uma média mais alta em menos salas, e, no Brasil, obteve um ótimo resultado no Brasil ao faturar US$ 6,7 milhões, tornando-se a segunda maior abertura da história de um filme da Fox no país. E, ainda por cima, bateu em Uma Noite no Museu 3: o Segredo da Tumba, o terceiro do Ranking estrangeiro

Cena de O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS

Martin Freeman em O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS (2014), de Peter Jackson

O Hobbit: a Batalha dos Cinco Exércitos segurou a liderança do Ranking Internacional terminando o último fim de semana do ano, a semana 52, com uma ótima renda, de US$ 89,2 milhões, quase três vezes o valor obtido pelo segundo colocado Êxodo: deuses e Reis. Nesse fim de semana, a aventura dos hobbit obteve quase US$ 5 milhões apenas em 228 salas IMAX. Segundo o Movieline, a renda total do filme já ultrapassa a faixa dos US$ 405 milhões, um ótimo número comparado ao obtido pelos dois primeiros , que já o coloca na 11ª posição do ranking das melhores rendas do mercado internacional.

Christian Bale em ÊXODO: DEUSES E REIS

Christian Bale em cena de ÊXODO: DEUSES E REIS

Na segunda posição aparece o épico Êxodo: deuses e Reis, que mesmo não sendo muito bem recebido pela crítica, já chega próximo a faixa dos US$ 100 milhões na renda total acumulada, tendo obtido US$ 31 nesse fim de semana, uma boa renda para um filme que está sendo exibido em menos de 40 países e, mesmo em sua quarta semana no mercado internacional, apenas estreou no Brasil nesse último fim de semana, onde em 4 dias, 5a a domingo, terminou com uma renda local de US$ 6,68 milhões, tornando-se o filme da Twenty Century Fox com a segunda melhor abertura no país.

Banner internacional de UMA NOITE NO MUSEU 3

Banner internacional de UMA NOITE NO MUSEU 3

Na terceira posição do Ranking, Uma Noite no Museu 3: o Segredo da Tumba, que em sua segunda semana em cartaz estreou em mais 12 países e findou a estreia com saldo positivo quando comparado a semana passada, na qual contabilizou apenas US$ 30,3 milhões. A continuação da famosa comédia soma agora uma renda de aproximadamente US$ 48,6 milhões. No México, tornou-se o filme de Ben Stiller com melhor estreia, terminando o fim de semana com US$ 5,8 milhões, ocupando mais de 200 cinemas no país. A estreia de Uma Noite no Museu 3: o Segredo da Tumba no Brasil está prevista para esta 5a feira, dia 1º de janeiro.

Cena de OPERAÇÃO BIG HERO

Cena de OPERAÇÃO BIG HERO

Na sua décima semana em cartaz, a animação Operação Big Hero terminou o fim de semana no mercado internacional na quarta posição do ranking com uma boa renda de US$ 24,7 milhões, um saldo positivo comparado ao fim de semana passado. Isso se deve, obviamente, devido a estreia em cerca de 15 países nesse último fim de semana. A aventura animada conta atualmente com uma renda acumulada de US$ 120,9 milhões. Na quinta colocação, ficou outra animação, Os Pinguins de Madagascar, com US$ 16,1 milhões, e uma renda total de US$ 160,6 milhões.

ANNE (2014), musical de Will Gluck

ANNIE (2014), musical de Will Gluck

Em 6º lugar, a primeira do final da saga Jogos Vorazes – a Esperança, arrecadou mais de US$ 330 milhões no final de semana e agora já contabiliza US$ 670 milhões em todo o mundo. Em 5º, Annie, o musical de Will Glick, uma das produções tiradas do acervo da Sony e jogadas na Internet pelos hackers da Coreia do Norte entrou apressadamente em cartaz em 1.250 telas de 21 países, distribuído, também, pela Village Roadshow, obtendo uma renda de US$ 82, milhões, um resultado surpreendente.

Jay Courtney e Russell Crowe em THE WATER DIVINER (2014), sua estreia atrás das câmeras

Jay Courtney e Russell Crowe em THE WATER DIVINER (2014), sua estreia atrás das câmeras

Em 9º e 10º lugares, respectivamente, surgem o drama com misto de aventura The Water Diviner e a aventura de guerra Invencível, ambos, já com datas confirmadas no Brasil em 2015, também obtiveram com altas cotações da crítica internacional. The Water Diviner é uma superprodução australiana e marca a estreia do ator Russell Crowe na direção. Estreou em 155 cinemas do país e em 80 na Nova Zelândia, obtendo, em ambos, uma arrecadação de US$ 3 milhões. Segundo o Movieline, é uma arrecadação muito forte para um filme de temática adulta – um fazendeiro que chega à Turquia em busca de seus 3 filhos que não retornam para casa após a batalha de Gallipoli. A distribuição na Europa e Oceania é da Universal, mas no Brasil é da Paris Filmes. Outra produção inédita no Brasil, Invencível (Unbroken, 2014), estreou na Espanha (com US$ 1,6 milhões, 322 cinemas), Reino Unido e Irlanda, arrecadando US$ 2,7 milhões. Nesta sexta, 2, abre exibição em mais 12 países: Chipre, Egito, Grécia, Islândia, Coréia, Líbano, Polónia, Emirados Árabes Unidos e outros países de Oriente Médio.

Jay em O SÉTIMO FILHO (2014), de Sergey Bodrov

Kit Harrington em O SÉTIMO FILHO (2014), de Sergey Bodrov

Por fim, chamo a atenção para um filme de aventura e fantasia, O 7º Filho (Seventh Son, 2014), coprodução Reino Unido-EUA-Canadá e China, dirigida pelo ótimo Sergey Bodrov, o realizador de O Prisioneiro das Montanhas (1996) e O Guerreiro Genhis Khan (2007). Em cartaz em 10 países e ocupando 421 salas, arrecadou US$ 1,3 milhão. Nesta sexta, entra em mais 14 nações, entre elas, Rússia (terra natal do cineasta Bodrov) e Espanha. O enredo trata de um velho feiticeiro  (Jeff Bridges) e seu aprendiz (Kit Harrington) que têm protegido o país contra bruxas, demônios, fantasmas e maus espíritos e, de repente, têm de enfrentar uma poderosa feiticeira sedenta de vingança. No elenco destacam-se ainda Julianne Moore, Alicia Vikander, Ben Barnes, Djimon Hounsou e Olivia Williams.

Datas de Estreia

15 de Janeiro
Invencível

29 de Janeiro
O Sétimo Filho

12 de fevereiro
Annie

5 de Março
The Water Diviner

Confira abaixo o top 10 do ranking internacional do último fim de semana.

Sem títuloConfira o trailer de The Water Diviner:

Imagem de Amostra do You Tube

 

PRIMEIRAS ESTREIAS DE 2015 – BOA SAFRA CINEMATOGRÁFICA

Como de costume, oinício do ano traz sempre ótimas estreias para solo nacional. Nos dois primeiros meses de 2015 poderemos ver filmes cotados nas premiações como Whiplash: Em Busca da Perfeição (2014) e Invencível (2014), bem como grandes produções hollywoodianas aguardadas pelo público como Busca Implacável 3 (2015)

Whiplash: Em Busca da Perfeição (EUA, 2014, de ) deve aportar nos cinemas brasileiros em janeiro

Whiplash: Em Busca da Perfeição (EUA, 2014, de Damien Chazelle  ) deve aportar nos cinemas brasileiros em janeiro

Todo começo de ano o Brasil recebe uma rica variedade de filmes em suas salas de cinema, mais do que em qualquer outra época, e dois são os motivos: 1) O verão nos EUA é o período de férias lá, e acontece geralmente entre julho e agosto (algumas vezes no começo de junho), nesses dois meses vemos sempre os grandes blockbusters tomar conta do cinema no mundo inteiro. É a época mais favorável à eles. A segunda época do ano para essas grandes estreias são os holidays de final de ano. Ação de Graças, Natal e Réveillon dão aos americanos uma mini segunda férias, e os filmes que não estrearam no meio do ano são lançados agora, tanto lá como aqui. 2) A temporada de premiações começa oficialmente no final de outubro – período em que as produtoras que têm segurado seus “melhores” filmes os lançam para que fiquem frescos na memória dos votantes. E como esse filmes geralmente não são blockbusters, levam de dois a três meses (quando chegam) para estrearem por aqui, o que os leva para o começo do ano.

No dois primeiros meses de 2015 teremos de todos os gêneros em nossas salas de cinema, o drama de superação Invencível, de Angelina Jolie; o musical Caminhos da Floresta, de Rob Marshall; a ação espacial O Destino de Júpiter, de Andy Wachowski & Lana Wachowski; o romance e drama erótico Cinquenta Tons de Cinza, de Sam Taylor-Johnson entre outros. Agende-se e fique por dentro do que está previsto para os dois primeiros meses de 2015.

 01/01/15

acima-das-nuvens-posterAcima das Nuvens
Título original: Clouds of Sils Maria
Direção: Oliver Assayas
Distribuição: Califórnia
País: França/EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 124 minutos
Elenco: Juliette Binoche, Kristen Stewart, Chloë Grace Moretz

No auge de sua carreira internacional, Maria Enders (Juliette Binoche) é chamada para atuar numa nova versão da peça que a deixou famosa há vinte anos. Dessa vez em outro personagem, o da mulher mais velha, Helena. Maria então vai entrar em confronto com a triz que fará a personagem mais nova por se ver nela de alguma forma. Concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes 2014.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

Simplesmente aconteceSimplesmente Acontece
Título original: Love, Rosie
Direção: Christian Ditter
Distribuição: Imagem
País: Reino Unido
Gênero: Comédia/Romance
Ano de produção: 2014
Duração: 102 minutos
Elenco: Sam Claflin, Lily Collins

Rosie (Lily Collins) e Alex (Sam Claflin) são amigos desde os 5 anos de idade, então nunca poderiam imaginar que se apaixonariam um pelo outro. Porém aconteceu. Em um certo ponto de sua vida, ele é obrigado a se mudar para os EUA e isso vai por em prova o sentimento que existe entre os “amigos”.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

uma-noite-no-museuUma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba
Título original: Night at the Museum: Secret of the Tomb
Direção: Shawn Levy
Distribuição: Fox
País: EUA
Gênero: Comédia/Aventura
Ano de produção: 2014
Duração: 97 minutos
Elenco: Ben Stiller, Robin Williams, Owen Wilson, Ben Kingsley, Dick Van Dyke, Dan Stevens, Rebel Wilson

O segurança Larry Daley (Ben Stiller) se envolve em mais uma aventura com criaturas animadas e personagens históricos pelas alas de um museu de história natural dos Estados Unidos.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

08/01/15

LOUCAS PARA CASARLoucas pra Casar
Direção: Roberto Santucci
Distribuição: Downtown/Paris
País: Brasil
Gênero: Comédia
Duração: 97 minutos
Elenco: Ingrid Guimarães, Tatá Werneck, Márcio Garcia, Edmilson Filho, Suzana Pires

Malu (Ingrid Guimarães) tem 40 anos e trabalha como secretária de Samuel (Márcio Garcia), o homem de sua vida. Apesar de estarem namorando há três anos, não há o menor indício de que um pedido de casamento esteja por vir. Um dia, Malu percebe que faltam algumas camisinhas no estoque pessoal de Samuel e logo deduz que ele tem uma amante. Após contratar um detetive particular, logo descobre que há mais duas mulheres na vida de Samuel: a dançarina de boate Lúcia (Suzana Pires) e a fanática religiosa Maria (Tatá Werneck). É claro que as três irão disputar a preferência do amado.

Imagem de Amostra do You Tube

Whiplash-Em-Busca-da-Perfeição-posterWhiplash: Em Busca da Perfeição
Título original: Whiplash
Direção: Damien Chazelle
Distribuição: Sony
País: EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 106 minutos
Elenco: Miles Teller, Paul Reiser, Melissa Benoist, J.K. Simmons

Um jovem baterista promissor se matricula em um disputado conservatório de música onde seus sonhos de grandeza são orientados por um instrutor que não vai poupar esforços para realizar o potencial do aluno.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

15/01/15

demonicA Casa dos Mortos
Título original: Demonic
Direção: Will Canon
Distribuição: Paris
País: EUA
Gênero: Terror
Ano de produção: 2014
Duração: 106 minutos
Elenco: Maria Bello, Frank Grillo, Cody Horn

Policial e psicóloga investigam a morte de cinco pessoas que foram assassinadas enquanto tentavam evocar fantasmas.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

UNBROKENInvencível
Título original: Unbroken
Direção: Angelina Jolie
Distribuição: Universal
País: EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 137 minutos
Elenco: Jai Courtney, Jack O’Connell, Domhnall Gleeson

O drama retrata a história real de superação do atleta olímpico Louis Zampieri, capturado pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

WILDLivre
Título original: Wild
Direção: Jean-Marc Vallée
Distribuição: Fox
País: EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 115 minutos
Elenco: Reese Witherspoon, Laura Dern, Gaby Hoffmann

Após a morte de sua mãe, um divórcio e uma fase de autodestruição repleta de heroína, Cheryl Strayed (Reese Witherspoon) decide mudar e investir em uma nova vida junto à natureza selvagem. Para tanto, ela se aventura em uma trilha de 1100 milhas pela costa do oceano Pacífico.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

O SEGREDOO Segredo das Águas
Título original: Futatsume no mado
Direção: Naomi Kawase
Distribuição: Califórnia
País: Japão
Gênero: Romance
Ano de produção: 2014
Duração: 121 minutos
Elenco: Nijirô Murakami, JunYoshinaga, Miyuki Matsuda

Na ilha subtropical japonesa de Amami, tradições sobre a natureza permanecem eternas. Durante a noite de lua cheia das tradicionais danças de agosto, o jovem Kaito, de 16 anos, encontra um corpo flutuando no mar. Sua namorada Kyoko tentará ajudá-lo a desvendar o mistério. Juntos, Kaito e Kyoko aprenderão a ser adultos experimentando a tessitura dos ciclos da vida, da morte e do amor. Concorreu à Palma de Ouro em 2014.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

PINGUINSOs Pinguins de Madagascar
Título original: Penguins of Madagascar
Direção: Simon J. Smith & Eric Darnell
Distribuição: Fox
País: EUA
Gênero: Animação/Família
Ano de produção: 2014
Duração: 92 minutos
Dublagem: Tom McGrath, Chris Miller, Christopher Knights, Conrad Vermon, John Malkovich, Benedict Cumberbatch, Ken Jeong

Os pinguins Capitão, Kowalski, Rico e Recruta, da franquia de animação Madagascar, ganham a sua própria aventura, compondo uma tropa de elite entre os animais.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

22/01/15

WOMAN IN BLACKA Mulher de Preto 2: O Anjo da Morte
Título original: The Woman in Black 2 Angel of Death
Direção: Tom Harper
Distribuição: Diamond Filmes
País: Reino Unido
Gênero: Drama/Terror
Ano de produção: 2015
Duração: 98 minutos
Elenco: Helen McCrory, Jeremy Irvine, Leilah de Meza

Quarenta anos após os eventos do filme original, um casal encontra o cenário assombrado da Eel Marsh House, lar da mulher de preto.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

TEORIAA Teoria de Tudo
Título original: The Theory of Everything
Direção: James Marsh
Distribuição: Universal
País: Reino Unido
Gênero: Drama/Romance
Ano de produção: 2014
Duração: 98 minutos
Elenco: Eddie Redmayne, Felicity Jones, Tom Prior

Baseado na biografia de Stephen Hawking, o filme mostra como o jovem astrofísico (Eddie Redmayne) fez descobertas importantes sobre o tempo, além de retratar o seu romance com a aluna de Cambridge Jane Wide (Felicity Jones) e a descoberta de uma doença motora degenerativa,  quando ele tinha apenas 21 anos.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

SNIPERSniper Americano
Título original: American Sniper
Direção: Clint Eastwood
Distribuição: Warner
País: EUA
Gênero: Ação
Ano de produção: 2014
Duração: 134 minutos
Elenco: Bradley Cooper, Sienna Miller, Luke Grimes

História real de Chris Kyle, um atirador de elite das forças especiais da marinha americana. Durante cerca de dez anos, ele matou mais de 150 pessoas, tendo recebido diversas condecorações por sua atuação.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

BIRDMANBirdman
Título original: Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance)
Direção: Alejandro González Iñárritu
Distribuição: Fox
País: EUA
Gênero: Comédia/Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 119 minutos
Elenco: Michael Keaton, Edward Norton, Naomi Watts, Zach Galifianakis, Emma Stone

No passado, um ator fez muito sucesso interpretando um super-herói que se tornou um ícone cultural. Entretanto, o tempo passou e, devido a problemas de ego e com a família, a carreira dele sucumbiu. Decidido a recuperar a fama perdida, ele agora se dedica a tirar do papel um musical da Broadway que irá reabilitar sua carreira.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

FOXCATCHERFoxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo
Título original: Foxcatcher
Direção: Bennett Miller
Distribuição: Sony
País: EUA
Gênero: Drama/Esporte
Ano de produção: 2014
Duração: 134 minutos
Elenco: Steve Carell, Channing Tatum, Mark Ruffalo, Anthony Michael Hall

Campeão olímpico de luta greco-romana, Mark Schultz (Channing Tatum) sempre treinou com seu irmão mais velho, David (Mark Ruffalo), que é também uma lenda no esporte. Até que, um dia, recebe um convite para visitar o milionário John du Pont (Steve Carell) em sua mansão. Apaixonado pelo esporte, du Pont oferece a Mark que entre em sua própria equipe, a Foxcatcher, onde teria todas as condições necessárias para se aprimorar. Atraído pelo salário e as condições de vida oferecidas, Mark aceita a proposta e, assim, se muda para uma casa na propriedade do milionário. Aos poucos eles se tornam amigos, mas a difícil personalidade de du Pont faz com que Mark acabe seguindo uma trilha perigosa para um atleta.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

29/01/15

A ENTREVISTAA Entrevista
Título original: The Interview
Direção: Evan Goldberg & Seth Rogen
Distribuição: Sony
País: EUA
Gênero: Comédia
Ano de produção: 2014
Duração: 112 minutos
Elenco: Seth Rogen, James Franco, Lizzy Caplan

Em A Entrevista, Dave Skylark (James Franco) e seu produtor Aaron Rapoport (Seth Rogen) conduzem o popular programa de TV sobre celebridades “Skylark Tonight”. Quando descobrem que o ditador norte-coreano Kim Jong-Un é fã do show, eles marcam uma entrevista com ele na tentativa de conseguirem sua aprovação como jornalistas sérios. Mas quando Dave e Aaron se preparam para viajar à Pyongyang, seus planos mudam no momento em que a CIA os recruta, mesmo sendo os homens mais desqualificados possíveis, para assassinar Kim Jong-Un.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

FLORESTACaminhos da Floresta
Título original: Into the Woods
Direção: Rob Marshall
Distribuição: Disney
País: EUA
Gênero: Musical/Comédia/Fantasia
Ano de produção: 2014
Duração: 124 minutos
Elenco: Anna Kendrick, Emily Blunt, James Corden, Meryl Streep, Lilla Crawford, Daniel Huttlestone, Chirstine Baranski, Johnny Depp, Billy Magnussen, Mackenzie Mauzy

Caminhos da Floresta é uma visão moderna dos adorados contos dos irmãos Grimm, cruzando as tramas de algumas histórias e explorando as consequências dos desejos e das buscas dos personagens. Este musical engraçado e emocionante segue os contos clássicos de Cinderela (Anna Kendrick), Chapeuzinho Vermelho (Lilla Crawford), João e o Pé de Feijão (Daniel Hittlestone) e Rapunzel (Mackenzie Mauzy) – todos reunidos em uma história original envolvendo um padeiro e sua esposa (James Corden e Emily Blunt), seu desejo de formar uma família e a interação com a bruxa (Meryl Streep) que os amaldiçoou.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

BUSCABusca Implacável 3
Título original: Taken 3
Direção: Oliver Megaton
Distribuição: Fox
País: EUA
Gênero: Ação
Ano de produção: 2015
Duração: 109 minutos
Elenco: Liam Neeson, Maggie Grace, Famke Janssen, Forest Whitaker

O ex-agente do governo norte-americano Bryan Mills (Liam Neeson) tenta tornar-se um homem família, mas vê tudo ruir quando Lenore (Famke Janssen) é assassinada. Acusado de ter cometido o crime, ele entra na mira do FBI e da CIA. Desolado e caçado, ele tenta encontrar os verdadeiros culpados e proteger a única coisa que lhe resta: a filha Kim (Maggie Grace).

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

OLHOSGrandes Olhos
Título original: Big Eyes
Direção: Tim Burton
Distribuição: Paris
País: EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 105 minutos
Elenco: Amy Adams, Christoph Waltz, Krysten Ritter

O drama apresenta a história real da pintora Margaret Keane (Amy Adams), uma das artistas mais comercialmente rentáveis dos anos 1950 graças aos seus retratos de crianças com olhos grandes e assustadores. Defensora das causas feministas, ela teve que lutar contra o próprio marido no tribunal, já que o também pintor Walter Keane (Christoph Waltz) afirmava ser o verdadeiro autor de suas obras.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

IMITAÇÃOO Jogo da Imitação
Título original: The Imitation Game
Direção: Morten Tyldum
Distribuição: Diamond Filmes
País: Reino Unido/EUA
Gênero: Drama
Ano de produção: 2014
Duração: 114 minutos
Elenco: Benedict Cumberbatch, Keira Knightley, Matthew Goode

Esta biografia de Alan Turing (Benedict Cumberbatch) acompanha sua ascensão no mundo da tecnologia, quando seus conhecimentos inestimáveis em matemática, lógica e ciência da computação contribuíram com as estratégias usadas pelos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, este homem tinha diversos conflitos com sua própria homossexualidade, buscando soluções de cura, e vindo a cometer suicídio em 1954.

Confira o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

Semana 1 – As estreias desta quinta-feira em Fortaleza

Pelo visto as distribuidoras resolveram guardar os seus lançamentos para outra oportunidade, pois a principal – e no caso de Fortaleza, única – estreia é mesmo a aventura Uma Noite no Museu 3 – o Segredo da Tumba (2014), de Shawn Levy. No mais, temos a pré-estreia da comédia Loucas pra Casar (2015), de Roberto Santucci. O que salva mesmo esse período de seca inicial é a Mostra Expectativa/Retrospectiva que começa no dia 02 de janeiro no Cinema do Dragão e traz tanto alguns dos melhores filmes exibidos em 2014 quanto pré-estreias e exibições especiais inéditas na cidade

Dan Stevens e Ben Stiller em UMA NOITE NO MUSEU 3 - O SEGREDO DA TUMBA (2014), de Shawn Levy

Dan Stevens e Ben Stiller em UMA NOITE NO MUSEU 3 – O SEGREDO DA TUMBA (2014), de Shawn Levy

O primeiro Uma Noite no Museu (2006) foi tão bem nas bilheterias mundiais, tendo alcançado a quinta posição naquele ano, que se transformar em uma franquia foi inevitável, mesmo tendo que bancar um elenco de primeiro escalão. O novo Uma Noite no Museu 3 – o Segredo da Tumba (2014) completa a trilogia e Ben Stiller fala do filme como uma conclusão. O fato de ser um dos últimos trabalhos com Robin Williams, presente nos três títulos no papel do Presidente Roosevelt do museu, ajuda a passar essa sensação de melancolia nos bastidores de uma aventura cômica para toda a família. Na trama, Larry (Stiller) se une aos seus amigos do museu e novos personagens, a fim de salvar a magia, antes que ela esteja perdida para sempre.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

UMA NOITE NO MUSEU 3 – O SEGREDO DA TUMBA (Night at the Museum – Secret of the Tomb, EUA/Reino Unido, 2014), de Shawn Levy. Com Ben Stiller, Robin Williams, Owen Wilson, Steve Coogan, Ricky Gervais, Dan Stevens, Rebel Wilson, Ben Kingsley. 98 min. Fox. Livre.

Pré-estreia

Suzana Pires, Ingrid Guimarães e Tatá Werneck em LOUCAS PARA CASAR (2015), de Roberto Santucci

Suzana Pires, Ingrid Guimarães e Tatá Werneck em LOUCAS PRA CASAR (2015), de Roberto Santucci

Não dá pra ficar falando mal dessas comédias de Roberto Santucci quando temos milhões de pessoas pagando para vê-las. Apesar do tom chulo, desde De Pernas pro Ar (2010) Santucci tem conseguido se sair muito bem com as suas comédias popularescas. E é com a protagonista do citado filme, Ingrid Guimarães, que o diretor retorna com mais um enredo cômico sobre três mulheres que brigam pelo mesmo noivo (Márcio Garcia). Loucas pra Casar mostra o ponto de vista de cada uma delas: a metódica e perfeccionista (Guimarães), a stripper fogosa (Suzana Pires) e a religiosa (Tatá Werneck). Ao que parece, é uma dessas comédias que não tem nada a acrescentar, mas Guimarães diz que só aceitou participar por causa da virada na trama. Como é essa virada, só vendo o filme mesmo pra se saber.

Veja o trailer

Imagem de Amostra do You Tube

LOUCAS PARA CASAR (Brasil, 2015), de Roberto Santucci. Com Ingrid Guimarães, Suzana Pires, Tatá Werneck, Márcio Garcia, Fabiana Karla, Edmilson Filho, Guida Vianna, Camilla Amado. 108 min. Paris Filmes. 14 anos.

Mostra Expectativa/Retrospectiva

O cantor de rock Nick Cave em NICK CAVE - 20.000 DIAS NA TERRA (2014), de Iain Forsyth e Jane Pollard

O cantor de rock Nick Cave em NICK CAVE – 20.000 DIAS NA TERRA (2014), de Iain Forsyth e Jane Pollard

Sucesso em Recife, na Fundação Joaquim Nabuco, a Mostra Expectativa/Retrospectiva chega a Fortaleza para trazer tanto filmes que foram importantes dentro do circuito nacional durante o ano de 2014 quanto alguns títulos que serão destaque no circuito alternativo de 2015 numa mostra que reúne em seu total 61 filmes, entre os dias 2 e 14 de janeiro. A lista dos filmes com seus respectivos horários de exibição podem ser vistos AQUI.

Expectativa

Nick Cave – 20.000 Dias na Terra (20,000 Days on Earth, Reino Unido, 2014), de Iain Forsyth e Jane Pollard
O Amor É Estranho (Love Is Strange, EUA/França/Brasil/Grécia, 2014), de Ira Sachs
Força Maior (Turist, Suécia/França/Noruega, 2014), de Ruben Östlun
O Lugar das Perdas (Brasil, 2015), de Israel Branco;
Bem Perto de Buenos Aires (Historia del Miedo, Argentina/França/Alemanha/Uruguai/Catar, 2014), de Benjamín Naishtat
Garotas (Band de Filles, França, 2014), de Céline Sciamma
Sinfonia da Necrópole (Brasil, 2014), de Juliana Rojas
Acima das Nuvens (Clouds of Sils Maria, França/Suíça/Alemanha, 2014), de Olivier Assayas
Um Fim de Semana em Paris (La Week-End, Reino Unido/França, 2014), de Roger Michell
Ida (Polônia/Dinamarca/França/Reino Unido, 2013), de Pawel Pawlijowski
Amor, Plástico e Barulho (Brasil, 2013), de Renata Pinheiro
Leviatã (Leviafan, Rússia, 2014), de Andrey Zvyagintsev
(O Vento Lá Fora) (Brasil, 2014), de Marcio Debellian
Retorno a Ítaca (Retour à Ithaque, França, 2014), de Laurent Cantent
Sopro (Brasil, 2013), de Marcos Pimentel
A Vida Privada dos Hipopótamos (Brasil, 2014), de Maíra Bühler e Matias Mariani
O Crítico (El Crítico, Argentina, 2013), de Hernán Guerschuny
A História da Eternidade (Brasil, 2014), de Camilo Cavalcante
Depois da Chuva (Brasil, 2013), de Marília Hughes Guerreiro e Cláudio Marques

Veja o trailer de Força Maior

Imagem de Amostra do You Tube

Retrospectiva

Importante destacar que na mostra Retrospectiva há alguns filmes que são inéditos no circuito local, embora tenham sido lançados em outras praças. São eles:

Cupcakes – Música e Fantasia (Cupcakes, Israel/França, 2013), de Eytan Fox
Libertem Angela Davis (Free Angela and All Political Prisoners, EUA/França, 2012), de Shola Lynch
My Name Is Now, Elza Soares (Brasil, 2014), de Elizabete Martins Campos
Cortinas Fechadas (Pardé, Irã, 2013), de Jafar Panahi e Kambuzia Partovi
Brincante (Brasil, 2014), de Walter Carvalho
Violette (França/Bélgica, 2013), de Martin Provost

Os demais filmes foram escolhidos por representarem parte do que houve de melhor entre as exibições no circuito em 2014. São eles:

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (Brasil, 2014), de Daniel Ribeiro
Sob a Pele (Reino Unido/EUA/Suíca, 2013), de Jonathan Glazer
Mommy (Canadá, 2014), de Xavier Dolan
Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis, EUA/Reino Unido/França, 2013), de Joel e Ethan Coen
Vidas ao Vento (Kaze Tachinu, Japão, 2013), de Hayao Miyazaki
Praia do Futuro (Brasil/Alemanha, 2014), de Karim Aïnouz
Era uma Vez em Tóquio (Tôkyô Monogatari, Japão, 1953), de Yasujiro Ozu
O Abutre (Nightcrawler, EUA, 2013), de Dan Gilroy
O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel, EUA/Alemanha/Reino Unido, 2014), de Wes Anderson
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street, EUA, 2013), de Martin Scorsese
Garota Exemplar (Gone Girl, EUA, 2014), de David Fincher
O Ciúme (La Jalousie, França, 2013), de Philippe Garrel
Nós Somos as Melhores! (Vi är Bäst!, Suécia/Dinamarca, 2013), de Lukas Moodysson
Ninfomaníaca – Volume 1 (Nymphomaniac – Vol. 1, Dinamarca/Alemanha/Bélgica/Reino Unido/França, 2013), de Lars von Trier
Bem-vindo a Nova York (Welcome to New York, EUA/França, 2014), de Abel Ferrara
No Limite do Amanhã (Edge of Tomorrow, EUA/Austrália, 2014), de Doug Liman
The Rover – A Caçada (The Rover, Austrália/EUA, 2014), de David Michôd
Magia ao Luar (Magic in the Moonlight, EUA/Reino Unido, 2014), de Woody Allen
Interestelar (Interstellar, EUA/Reino Unido, 2014), de Christopher Nolan
Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive, Reino Unido/Alemanha/França/Grécia/Chipre, 2013), de Jim Jarmusch
Era uma Vez em Nova York (The Immigrant, EUA, 2013), de James Gray
Ninfomaníaca – Volume 2 (Nymphomaniac – Vol. 2, Dinamarca/Alemanha/Bélgica/Reino Unido/França, 2013), de Lars von Trier
Quando Eu Era Vivo (Brasil, 2014), de Marco Dutra
Jersey Boys – Em Busca da Música (Jersey Boys, EUA, 2014), de Clint Eastwood
O Homem Duplicado (Enemy, Canadá/Espanha, 2013), de Dennis Villeneuve
Boyhood – Da Infância à Juventude (Boyhood, EUA, 2014), de Richard Linklater
Relatos Selvagens (Relatos Salvajes, Argentina/Espanha, 2014), de Damián Szifrón
Cães Errantes (Jiao You, Taiwan/França, 2013), de Tsai Ming-liang
O Abutre (Nightcrawler, EUA, 2014), de Dan Gilroy

E na Sessão Clássicos:

Um Corpo Que Cai (Vertigo, EUA, 1958), de Alfred Hitchcock
O Pequeno Fugitivo (Little Fugitive, EUA, 1953), de Ray Ashley, Morris Engel e Ruth Orkin
O Grande Momento (Brasil, 1958), de Roberto Santos
Fome de Viver (The Hunger, Reino Unido, 1983), de Tony Scott
Os Pássaros (The Birds, EUA, 1963), de Alfred Hitchcock
Os Doces Bárbaros (Brasil, 1977), de Jom Tob Azulay
Hiroshima Meu Amor (Hiroshima Mon Amour, França/Japão, 1959), de Alain Resnais

Veja o trailer de Libertem Angela Davis

Imagem de Amostra do You Tube

Sai de cartaz

As Aventuras de Paddington

Estreia nacional desta quinta-feira, 1º, que não entra em cartaz em Fortaleza

Simplesmente Acontece

Veja o trailer de Simplesmente Acontece

Imagem de Amostra do You Tube

 

Dublado ou Legendado?

Com a ascensão da chamada classe C ao universo do consumo, um novo fenômeno toma conta das salas de cinema brasileiras: a exibição massiva de cópias dubladas, o que pode levar o público cinéfilo tradicional a abandonar de vez a frequências às salas de cinema, já confinadas em Shopping Centers

A dublagem é o fenômeno moderno das salas de cinema brasileiras

A dublagem é o fenômeno moderno das salas de cinema brasileiras. Imagem: reprodução

Dizem que uma das razões das cédulas de real – atual e mais duradoura moeda brasileira – serem coloridas, ao contrário das cédulas de dólar, monocromáticas, é que isso facilitaria a vida dos analfabetos, grupo ainda expressivo no conjunto da população nacional, sendo o oitavo maior entre adultos sem conhecimentos básicos em leitura do mundo. Deve ter sido em função dessa triste realidade que Jânio Quadros, o presidente da vassoura, decretou, em 1962, que todos os filmes transmitidos pela televisão nacional deveriam ser dublados. Nesse período, quase 30 dos cerca de 70 milhões de brasileiros não sabia fazer um “O” com uma quenga e quem sabia – a maioria dos donos de aparelhos de TV, um luxo naquele período – não estava muito disposto a acompanhar as legendas colocadas na parte inferior da telinha.

Quando Jânio fez valer a obrigatoriedade da “versão brasileira” de películas internacionais exibidas naquele tempo pré Globo, ele não poderia prever que a ascensão da classe C – famílias com relativo poder aquisitivo – em outras palavras, pouca grana – e exagerado nível de consumo, levaria essa regra, cada dia com mais força, às salas de cinema, por sua vez desertadas pelo público mais exigente, sobretudo o mais velho, cansado de se ver obrigado a se deslocar até distantes shopping centers, enfrentar longas filas, barulho a dar com o pau e ainda ter que pagar por tudo isso. Vitória da preguiça, da mediocridade. Pois, assim como cédulas coloridas não resolvem o drama do analfabetismo em nosso país – sobretudo o funcional, talvez mais grave que o formal -, filmes dublados não tornam a sétima arte mais “acessível” ao público. Pelo contrário: quem gosta de filme dublado normalmente não gosta de cinema.

Filmes dublados não são prejudiciais apenas por nos tirar a oportunidade de ouvir o áudio original das películas, bem diferente daquele refeito – com competência, vale dizer – em estúdios especializados no Brasil. Pouca gente sabe que, para ser um dublador, um dos requisitos mais valorizados é a formação em teatro. Muitos dubladores são também atores. E isso tem fortes implicações sobre a qualidade das atuações de atores cujas vozes são substituídas por colegas brasileiros. É inevitável que o dublador, seja ele ator profissional ou não, ponha algo de si nas falas de um… Marlon Brando, por exemplo. Por mais fiel que o dublador seja ao estilo de Brando, ou do método Stanislaviski, popularizado nos EUA por Stella Adler (professora de Brando) e Lee Strasberg, é evidente que a interpretação, a rigor, não será a mesma, assim como um raio nunca cai duas vezes sobre um mesmo lugar.

 “E daí?” há de retrucar o indiferente adolescente na (longa) fila do cinema com sua turma, ostentando seu figurino “de marca” e fazendo sorridentes poses para overdoses de selfies que funcionarão como prova – virtual, como tudo nos dias de hoje – de que ele lá esteve (não no cinema, mas no cinema “do Shoppipng”), ou a mãe repleta de filhos choramingando porque querem a carérrima pipoca que entrará na fatura do cartão de crédito, já estourado. Esse público ocasional possivelmente se sente mais à vontade em conversar e mexer nos seus smartphones durante a sessão, sem ter que prestar atenção à legendas ou aos diálogos de atores estrangeiros. Isso porque o cinema para ele é o de menos, apenas um plus no dia de lazer capitalista. É triste constatar, ao se confrontar o número de cópias legendadas, em relação às dubladas, distribuídas atualmente nas salas de cinema brasileiras, que o futuro é esse mesmo. A (de) formação das novas gerações de cinéfilos está garantida. Por via das dúvidas, é melhor imprimir mais notas coloridas.

Semana 53: O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos

Com a chegada do Natal, o circuito norte-americano foi invadido com várias estreias de peso (a maioria delas apontadas como grandes candidatas aos Oscar 2015), mas no final das contas nenhuma delas foi capaz de superar O Hobbit, que novamente dominou a lista dos mais rentáveis do fim de semana

Cena de O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS

Cena de O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS

Conforme o esperado, a badalada aventura O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos continuou sendo a principal opção de filme dos norte-americanos para o fim de semana e com isso não teve dificuldade nenhuma em manter-se como o líder absoluto do ranking das bilheterias locais. Ao todo, foram mais US$ 41,42 milhões arrecadados pela produção de sexta a domingo, quantia sem dúvida elogiável e que representa uma queda mínima de 24% em relação à sua abertura. Sendo assim, A Batalha dos Cinco Exércitos agora acumula uma bilheteria de US$ 168,52 milhões na América do Norte, resultado empolgante que faz com que alguns analistas acreditem que a renda do filme por lá conseguirá chegar à US$ 300 milhões, uma marca que em 2014 só foi alcançada por dois filmes: Guardiões da Galáxia (US$ 332,74 milhões) e Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 (US$ 306,65 milhões e contando).

Banner internacional de INVENCÍVEL (2014), de Angelina Jolie

Banner internacional de INVENCÍVEL (2014), de Angelina Jolie

Na sequência do ranking aparece o drama de guerra Invencível (Unbroken), que confirmou o seu favoritismo e se tornou a estreia mais bem-sucedida da semana, com um faturamento de ótimos US$ 31,74 milhões. Eu estou muito orgulhosa que este filme esteja fazendo parte da história da Universal. Angelina fez um trabalho incrível mostrando a emoção que foi a vida incrível de Louis Zamperini, disse ao site The Wrap a presidente de distribuição da Universal, Nikki Rocco. Levando em consideração os resultados obtidos desde o seu lançamento, na quinta-feira, 25, Invencível detém uma bilheteria total de US$ 47,34 milhões, sendo que os US$ 15,59 milhões obtidos somente no dia 25 foram altos o bastante para lhe garantir o posto de terceira maior “estreia natalina” de todos os tempos, perdendo apenas para Os Miseráveis (US$ 18,11 milhões) e Sherlock Holmes (US$ 24,60 milhões).

Confira o trailer de Invencível:

Imagem de Amostra do You Tube

Com estreia no Brasil agendada para o dia 15 de janeiro, o filme adapta para as telonas o livro Invencível: Uma História de Sobrevivência, Resistência e Redenção, de Laura Hillenbrand, que retrata o drama real do atleta olímpico Louis Zamperini (Jack O’Connell), que durante a Segunda Guerra Mundial sobreviveu a uma queda de avião mas acaba sendo salvo pelos inimigos japoneses, que o prendem e torturam até o fim do conflito. Domhnall Gleeson (Questão de Tempo), Garrett Hedlund (Tron: O Legado), Jai Courtney (Divergente) e Finn Wittrock (The Normal Heart) também estão no elenco.

Meryl Streep em cena de CAMINHOS DA FLORESTA (2014), de Rob Marshall

Meryl Streep em cena de CAMINHOS DA FLORESTA (2014), de Rob Marshall

Em terceiro lugar ficou outra esperada estreia da semana, o musical Caminhos da Floresta (Into the Woods), que ficou longe de decepcionar ao registrar uma abertura de US$ 31,02 milhões, performance que por sinal transformou a produção na terceira maior abertura de um musical de todos os tempos no mercado norte-americano, ficando atrás somente de Encantada (US$ 34,44 milhões) e High School Musical 3 (US$ 42,03 milhões). Também lançado no dia 25, Caminhos da Floresta acumulada até o momento uma bilheteria de US$ 46,10 milhões e vale mencionar que os US$ 15,08 milhões obtidos na quinta-feira deixaram o filme logo atrás de Invencível como a quarta maior “estreia natalina”.

Veja o trailer de Caminhos da Floresta:

Imagem de Amostra do You Tube

Dirigido por Rob Marshall (Chicago), o filme acompanha a história de um padeiro (James Corden) e sua esposa (Emily Blunt) que partem para a floresta a fim de reunir os objetos necessários para quebrar a maldição lançada por uma bruxa (Meryl Streep) que os impede de ter filhos. Anna Kendrick (A Escolha Perfeita), Chris Pine (Star Trek) e Johnny Depp (franquia Piratas do Caribe) também estão no elenco de Caminhos da Floresta, que chega aos cinemas brasileiros no dia 29 de janeiro.

Na esquerda, cena de UMA NOITE NO MUSEU 3 e na direita cena de ANNIE

Na esquerda, cena de UMA NOITE NO MUSEU 3 e na direita cena de ANNIE

Abaixo do musical da Disney está o filme-família Uma Noite no Museu 3, que apresentou um ótimo crescimento de 20% e arrecadou US$ 20,60 milhões no fim de semana, assegurando então a quarta colocação e ficando acima do musical Annie, que cresceu 5% e fez 16,60 milhões, suficientes para o quinto lugar. No acumulado, Uma Noite no Museu 3 soma uma bilheteria de US$ 55,30 milhões, enquanto Annie contabiliza US$ 45,83 milhões.

Banner internacional de O JOGADOR (2014), de Rupert Wyatt

Banner internacional de O JOGADOR (2014), de Rupert Wyatt

Dentre as demais novidades, a última que conseguiu espaço na lista dos dez primeiros colocados foi o thriller O Jogador (The Gambler), que ocupou a sétima posição do ranking com US$ 9,30 milhões, quantia que não chega a ser muito empolgante, mas que pelo menos ficou dentro das expectativas dos executivos da Paramount. Presente nos cinemas norte-americanos desde o dia 25, O Jogador já rendeu US$ 14,30 milhões em bilheteria.

Assista ao trailer de O Jogador:

Imagem de Amostra do You Tube

Ainda sem data de estreia definida no Brasil, O Jogador tem sua trama centrada em Jim Bennett (Mark Wahlberg), um professor de literatura e apostador que fica em apuros quando pede dinheiro emprestado a um agiota e oferece a sua vida como garantia. Jessica Lange (serie American Horror Story), Brie Larson (Anjos da Lei) e John Goodman (Argo) completam o elenco.

Benedict Cumberbatch em cena de O JOGO DA IMITAÇÃO

Benedict Cumberbatch em cena de O JOGO DA IMITAÇÃO

Outra produção de destaque presente entre os mais rentáveis foi o drama O Jogo da Imitação, que após várias semanas em cartaz somente em circuito restrito, teve o seu número de salas ampliado para 747 e dessa forma apresentou um crescimento espetacular de 824%, crescimento este que elevou a sua renda para US$ 7,93 milhões e lhe garantiu a oitava colocação do ranking. Candidato na categoria “Melhor Filme – Drama” na edição de 2015 do Globo de Ouro, O Jogo da Imitação detém uma bilheteria total de US$ 14,63 milhões.

Banner internacional de GRANDES OLHOS (2014), de Tim Burton

Banner internacional de GRANDES OLHOS (2014), de Tim Burton

Última estreia natalina da semana, o drama Grandes Olhos (Big Eyes) acabou meio que se tornando a decepção do ranking, pois apesar da expectativa em torno do seu lançamento, o filme de Tim Burton (Alice no País da Maravilhas) alcançou a marca de apenas US$ 2,98 milhões em bilheteria no fim de semana, com um acumulado de US$ 4,40 milhões. Esse é um tipo de filme que leva tempo até que todo mundo se interesse por ele. Ele é um bom filme para o público mais velho e inteligente e ainda há outro feriadão para as pessoas assisti-lo, disse à revista Variety o presidente de distribuição da Weinstein Company, Erik Lomis.

Conheça o trailer de Grandes Olhos:

Imagem de Amostra do You Tube

O filme, que estreia no Brasil no dia 29 de janeiro, conta a história real da pintora Margaret Keane (Amy Adams), que na década de 50 teve que lutar na justiça contra o próprio marido (Christoph Waltz), que afirmava ser o autor de suas obras.

Banner internacional de A ENTREVISTA (2014), de Seth Rogen e Evan Goldberg

Banner internacional de A ENTREVISTA (2014), de Seth Rogen e Evan Goldberg

Por fim, não há como deixar de mencionar o desempenho da comédia A Entrevista (The Interview) que após muita polêmica, foi lançada em 331 salas de cinema do circuito norte-americano. Conforme adiantado por aqui, o longa iniciou muito bem a sua trajetória nas telonas, tendo arrecadado US$ 1,04 milhão no dia 25, no entanto, foi a produção foi perdendo o fôlego e acabou encerrando o fim de semana com uma bilheteria de US$ 1,81 milhão e um total acumulado de US$ 2,85 milhões. Ainda assim, esse resultado foi bastante comemorado pelo pessoal da Sony e, especialmente, por Seth Rogen, um dos diretores do longa. Eu estou muito grato que o filme foi lançado nos cinemas e muito feliz que as pessoas realmente foram assisti-lo. O fato de que as pessoas realmente saíram de suas casas quando tinham a opção de ficar nelas foi incrível, disse Rogen em uma declaração oficial.

Veja o trailer de A Entrevista:

Imagem de Amostra do You Tube

Na trama do filme, após descobrir que Kim Jonj-Un é um grande fã do seu programa, o apresentador de talk show Dave Skylark (James Franco) e seu produtor Aaron Rapoport (Seth Rogen) decidem ir até a Coréia do Norte para realizar uma entrevista com ele. Mas o que eles não esperavam era que seriam envolvidos em planos da CIA para assassinar o ditador norte-coreano. A Entrevista tem estreia no país marcada para o dia 29 de janeiro.

Confira abaixo o ranking completo com as dez maiores bilheterias deste final de semana na América do Norte:

09

Assista ao trailer de O Jogo da Imitação:

Imagem de Amostra do You Tube

Êxodo (ou: eram os deuses judeus estadunidenses?)

Diretor de emergências dos governos estadunidenses, Ridley Scott premia a burrice com Êxodo: deuses e reis, mal disfarçada propaganda das virtudes da democracia liberal face à tirania representada por inimigos externos dos EUA e de Israel, como o emergente Estado islâmico, e o crescimento de adeptos do islamismo mundo afora. Seu western bíblico se destaca apenas por ser uma espécie de parábola sem criatividade, adornada por efeitos especiais que não compensam nada a perda de tempo em assistir a essa propaganda desesperada da plutocracia capitalista estadunidense em tempos difíceis até para o mais otimista apologista da “democracia” fundada na economia de mercado

Christian Bale em ÊXODO: DEUSES E REIS (EUA, 2014, Ridley Scott): Deus é estadunidense

Christian Bale em ÊXODO: DEUSES E REIS (EUA, 2014, de Ridley Scott): Deus é estadunidense

Embora essa ideia possa ser apontada como “anti semita”, “nazista”, ou algo que o valha, é notória a influência judaica sobre Hollywood. Joel Stein, judeu e colunista do Los Angeles Times escreveu, em 2008, que os americanos [e o resto do mundo, por extensão] que pensam que os judeus não controlam a indústria audiovisual estadunidense simplesmente são “burros”. A provocação faz certo sentido, quando somos confrontados com os nomes dos principais responsáveis pelos maiores grupos de comunicação dos Estados Unidos e, especialmente, quando assistimos a produtos como Êxodo: Deuses e Reis (Exodus: Gods and Kings, EUA, 2014), a nova empreitada pró-Washington de Ridley Scott, inglês e agnóstico que, com suas declarações tolas e incoerentes, e comportamento à lá Tony Blair (o ex-premier britânico subserviente ao governo Bush) , está aos poucos ajudando a sepultar sua própria dignidade artística.

Para quem já teve paciência de assistir à 1492: A Conquista do Paraíso (1492: Conquest of Paradise, EUA, 1992), a peça comemorativa dos 500 anos do “Descobrimento da América” – isto é, dos Estados Unidos – também dirigida por Scott, o que se poderia esperar da sua nova película era uma chatice monumental, com distorções históricas e teológicas a torto e a direito. Para decepção do público, essa expectativa não é contrariada. É exatamente isso o que o espera em duas horas e meia da versão democrático-liberal da estória de Moisés (Christian Bale, em atuação competente), personagem bíblico responsável pela libertação do povo hebreu – leia-se judeu. Centrado na luta entre a escravidão e a “liberdade” – de vender sua força de trabalho num mercado que não liga bulhufas para a sua felicidade -, Êxodo mal esconde a que veio. Com o fracasso da política estadunidense no Oriente Médio, cuja expressão mais contundente é a formação de um heteróclito político chamado Estado Islâmico (que vem tirando o sono dos EUA e de Israel), a ordem do dia é vender ao público as virtudes do Estado “democrático” e liberal exemplificado pelos Estados Unidos onde milhões de pessoas livres e felizes passam fome, desnorteadas com a especulação financeira e a proteção governamental aos grandes agentes do capitalismo yankee.

Se em 1992, logo após a triunfante vitória americana na Guerra do Golfo e na aurora de um dos maiores períodos de crescimento econômico da história estadunidense, a peça publicitária travestida de filme de Scott (1492 etc.) vinha somar-se ao otimismo geral, agora o imperativo é reforçar o apelo desesperado à “ordem” – capitalista, óbvio – que ameaça desmoronar face ao crescimento sem precedentes de fiéis muçulmanos e de pessoas que se dispõem a  engrossar as fileiras de grupos guerrilheiros, prontas a sacrificar as próprias vidas em nome de uma fé cega, mas que seduz quem já não vê sentido num mundo onde a contradição e a injustiça socioeconômicos são a regra – isto é, a imensa maioria da humanidade. sobretudo numa África e num Oriente Médio esquecidos pelos abutres do “É tudo negócio”.

Como fazê-lo? Através da mistificação de sempre: maniqueísmo, com enredo enfatizando as diferenças entre o “bem” – o pobre hebreu (judeu?) que é oprimido pelo soberano egípcio – e o “mal” – o faraó Ramsés (Joel Edgerton, o mais anglo-saxão dos egípcios) que acha que é Deus, quase uma encarnação de Luís XIV -, metáforas sutis entre a situação dos escravos e da sociedade egípcia face à moderna e “livre” sociedade democrática liberal – com direito a sequências de perseguição ao povo hebreu dignas dos pogroms nazistas e muitas, muitas falsas polêmicas. Como o filme em si não possui qualidade alguma – não passa de um faroeste bíblico – recorre-se a escândalos para se tentar promovê-lo. Ora divulga-se que ele foi proibido no Egito (justamente o país símbolo da “Primavera Árabe”), ora uma declaração imbecil de Ridley Scott (“Não poderíamos fazer esse filme com um Muhammad  qualquer”) ou do galês Christian Bale (“Moisés foi um dos homens mais cruéis que eu conheci” – pergunta: onde?) e uma chuva de efeitos especiais que em nada alteram toda a besteira exibida em tela grande. Claro, quando não há conteúdo, só resta o artifício, mesmo. Ridley Scott poderia perfeitamente ter passado sem esse vexame artístico. Mas a proximidade com o poder seduz e ele, tal como seu Moisés pelo menos não é Muhammad está confiante que “Deus está conosco” – anglo-saxões e capitalistas. Pena que com essa alegoria do povo eleito ele até consiga persuadir alguém de que Deus é estadunidense, mas, no fundo, Scott só faz mesmo é martelar os últimos pregos do caixão da sua errônea carreira artística.

Confia o trailer:

Imagem de Amostra do You Tube

FICHA TÉCNICA

Título original: Exodus: Gods and Kings
País de origem: EUA
Tempo de duração: 150 min
Elenco: Christian Bale, Sigourney Weaver, John Turturro, Aaron Paul, Ben Mendelsohn, Ben Kingsley e María Valverde
Direção: Ridley Scott
Produtora: Chernin Entertainment/Scott Free Productions
Distribuidora: FOX Filmes

MERCADO – BLOCKBUSTER A 35%

Após meia década de ocupação ostensiva nas salas de cinema do país, a Ancine reuniu os maiores grupos exibidores e deu um basta a esse sistema que o seu presidente, Manuel Rangel, classificava de predatório. Agora filmes como as franquias O Hobbit e Jogos Vorazes e outras super produções só poderão ocupar até 35% de um complexo em número de salas. A medida começa em agora em 1º de janeiro e tanto distribuidores quanto exibidores, que inicialmente não chegaram a consenso, consideram justo. Mas as distribuidoras independentes consideram uma percentagem alta e que ideal seria, no máximo, 30%

UMA NOITE NO MUSEU 3: O SEGREDO DA TUMBA (2014), de Shawn Levy: limitado a 35%

UMA NOITE NO MUSEU 3: O SEGREDO DA TUMBA (2014), de Shawn Levy: limitado a 35%

É preciso deixar bem claro: comemorar um limite para a ocupação das produções estrangeiros não é uma “reserva de mercado”, mas uma regra democrática para o partilhamento do setor de exibição brasileiro. A ocupação ostensiva das grandes produções de Hollywood, a qual chegava a quase 47% do total das 2.800 salas existentes no País era um absurdo desregramento, um privilégio incompreensível. Agora o sistema está mais democrático.

Jogos Vorazes: a Esperança – Parte 1, estreou ocupando 1.336 salas. O Hobbit: a Batalha dos 5 Exércitos, há uma semana ocupa 1.073 salas. Como o primeiro ainda está em cartaz, ambos ocupam 50% dos complexos. Incluindo outros blockbusters como Exodu: deuses e Reis, Operação Big Hero e as pré-estreias de Uma Noite no Museu 3: o segredo da tumba imagine como está o circuito exibidor brasileiro.

O circuito, atualmente com 2.765 salas (número do primeiro semestre) está prestes a fechar o ano com quase 3.000 salas. Como a ocupação estava sendo progressiva a cada lançamento – no ano passado, Saga Crepúsculo: Amanhecer Parte 2 foi lançado em 1.300 cinemas -, logo seria a ocupação ultrapassaria os 50%.

A reunião da Ancine com os 17 dos 21 grupos exibidores do País, inicialmente, não chegou a um consenso percentual, oscilando entre 30% e 35%. Rangel bateu o martelo em 35%, não querendo, evidentemente, desagradar aos exibidores, os quais precisam dos bons números nas bilheterias para continuam com os seus investimentos de expansão. 3 mil salas ainda é um número bastante limitado diante das 40 mil do mercado estadunidense. No próximo ano o circuito brasileiro deverá chegar a 3.100 salas. Só a Cinépolis colocará 50 em funcionamento.

A batida do martelo não transformou a medida em Lei. Trata-se de um acordo de cavalheiros, para o qual deixa ainda em aberto o fato de que, caso o percentual não seja cumprido por algum dos grupos, haverá a compensação para a continuidade de um filme brasileiro em exibição. E se esse filme nacional for um sucesso? Bem, alguém sai ganhando, entre eles, o filme brasileiro.

O DESTINO DE JÚPITER (2014), de Andy e Larry Warchowski; dentro do acordo

O DESTINO DE JÚPITER (2014), de Andy e Larry Warchowski; dentro do acordo

O acordo estabelece:
Complexo com 6 salas – 2 para o blockbuster;
Complexo com 9 salas – 3 para o blocbuster;
Complexo com 12 salas – 4 para o blocbuster;
A partir de 15 salas – 5 para o blockbuster.

VALENDO

Blockbusters de Janeiro

Dia 1º
Uma Noite no Museu 3

Dia 15
Invencível
Os Pinguins de Madagascar

Dia 22
Foxcatcher – a História que Mudou o Mundo

Dia 29
Corações de Ferro
O Destino de Júpiter

Blockbuster de fevereiro

Dia 12
50 Tons de Cinza

Confira o trailer de O Destino de Júpiter

RANKING EUA – PRÉVIA APONTA SUCESSO DE JOLIE

O circuito exibidor dos EUA está nas nuvens, como apontam as prévias dos Rankings de Bilheteria. Curioso, como todo cinéfilo está com o lançamento de A Entrevista em 300 salas nos EUA, consultei os sites da Variety e do Box Office Mojo e a constatação é de que praticamente todos os filmes em cartaz obtiveram números favoráveis, especialmente o drama Invencível, de Angelina Jolie, e as comédias A Entrevista, de Seth Rogen e James Franco, e Uma Noite de Museu 3, enquanto O Hobbit – a Batalha dos 5 Exércitos se prepara para ultrapassar os recordes de A Desolação de Smaug. Mas, está é apenas uma prévia, e, neste domingo, 28, você terá o fechamento dos números do Ranking de bilheteria dos EUA com a análise de Inácio Alaiola

Seth Rogen e James Franco em A ENTREVISTA (2014): boa renda, má receptividade

Seth Rogen e James Franco em A ENTREVISTA (2014): boa renda, má receptividade

A revista Variety revela, em seu site, que A Entrevista, a polêmica sátira política escrita, dirigida e interpretada pela dupla Seth Rogen e James Franco, teve estreia retumbante em 300 salas ao obter 1 milhão de dólares nas bilheterias. Isso, contando com as sessões de pré-estreias de 4ª para 5ª feira. Arrecadar 1 milhão de dólares em apenas 24 horas está longe de satisfazer a uma produção que custou 90 milhões, mas é digna de registro. Por outro lado, os sites de consulta ao público revelam que este não está promovendo o boca-a-boca, o que mostra descontentamento com a qualidade do espetáculo.

Ainda abalada com a batalha cibernética travada com os hackers da Coreia do Norte e seu ditador, Kim Jong-un, a Sony voltou atrás em sua decisão de deixar o filme mofando em um de seus cofres e assim satisfazer ao hilário e descontrolado governante norte-coreano, depois de ser, também, bombardeada pela imprensa, a sociedade e presidente Barack Obama, todos contrários à medida. Mas, nem toda a culpa pela decisão precipitada e incoerente com o propósito maior da democracia deve recair sobre o estúdio que pertence a japonesa Sony (o antigo nome da produtora era Columbia Pictures, que ainda está valendo em alguns países, como o Brasil) – que tem sérias divergências políticas, também a Coreia do Norte -, mas com o outro lado do mercado de cinema do paí produzindo uma versão pornográfica – e, esta sim, assegura Larry Flint, presidente da empresa, farás: os grupos exibidores. Pelo menos 7 deles se recusaram a lançar o filme após ameaças enviadas pelos hackers, os quais amedrontaram ao citar o fatídico dia 11 de setembro de 2001. Assim, diante da recusa, ainda, dos exibidores (a comédia seria lançada em mais de 2 mil salas), a Sony promoveu o lançamento também sob demanda em várias empresas, simultaneamente com os cinemas no dia de Natal, no youtube, Google Play e X-Box Vídeos (caso você queira pagar para ver, acesse www.seetheinterview.com), ao preço de US$ 5,99 na versão convencional e US$ 14,99 em HD. A arrecadação nestes sistemas não foi revelada, mas a Variety diz ter ocupado a liderança desse Ranking, deixando para trás Guardiões da Galáxia e Maze Runner: correr ou Morrer. Duas outras gigantes da exibição sob demanda, aliás, as líderes do setor, a Apple inc. e a Amazon.com inc, não chegaram a fechar com a Sony, que já informou iria colocar também disponibilizar igualmente o filme em seu Sony PlayStation Video, mas o sistema foi atacado, novamente, por hackers no dia de Natal. No decorrer da semana deve ocorrer o fechamento de acordo, também, com a Netflix.Nesse ritmo, o filme deve fechar, com as bilheterias nos cinemas, em cerca de US$ 4 a 5 milhões, preveem os analistas. Mas, se você pensa que a polêmica e o caso A Entrevista está encerrado, negativo. A produtora Hustler, aquela da revista destinada ao público adulto, está pré estremecer e deixar o ditador coreano ainda mais furioso. Eita…

Jack O'Connell em INVENCÍVEL (2014), de Angelina Jolie

Jack O’Connell em INVENCÍVEL (2014), de Angelina Jolie

O campeão natural do Rankings será a ficção e fantasia O Hobbit – a Batalha dos 5 Exércitos, que deve fechar a sua bilheteria em mais de US$ 100 milhões, o que projetará uma arrecadação próxima aos US$ 300milhões apenas nos EUA. Lembrando que o filme está iniciando a sua segunda semana em cartaz.

Ainda segundo a Variety, a grande surpresa entre os lançamentos é o drama Invencível, segundo trabalho de Angelina Jolie atrás das câmeras. A produção obteve US$ 15,6 milhões na 5ª feira, o que sinaliza uma arrecadação entre US$ 40 e 50 milhões até o domingo. Caminhos da Floresta (Into the Woods), de Rob Marshall, pegou US$ 15,1 milhões, seguidos de O Hobbit 3, com US$ 13,1 milhões; a comédia Uma Noite no Museu 3 também foi bem, arrecadando cerca de US$ US$ 7.75 milhões, e Annie, o musical, US$ 4,5 milhões. ; enquanto O jogador (The Gambler), de Rupert Wyatt, com Mark Walhberg abocanhou US$ 4,5 milhões. urpresas em suas pré-estreias, American Sniper, de Steven Spielberg, com 240 mil dólares, e, principalmente, O Jogo da Imitação, com US$ 3,1 milhões em 747 cinemas. A decepção está ficando por conta de Grandes Olhos (Big Eyes), de Tim Burton, que faturou apenas US$ 1,5 milhões.

Neste domingo, 28, confira os números do Rankings.

Veja o trailer de O Jogador.

Imagem de Amostra do You Tube